#VocêPergunta: A Bíblia diz que comer carne de porco é pecado?

Postado por em: #VocêPergunta

Por André Sanchez

carne de porco, crente, cristão, Antigo testamento, restrições alimentares, judeus, israelitasSe você quiser fazer uma pergunta clique aqui!

#VocêPergunta: A Bíblia diz em Levítico 11. 7 que a carne de porco era considerada impura. Por isso, aquele povo não podia comê-la. Minha pergunta é: Comer carne de porco hoje em dia é pecado ao cristão? Por quê?

Caro leitor, o texto que você citou diz: “Também o porco, porque tem unhas fendidas e o casco dividido, mas não rumina; este vos será imundo;” (Lv 11. 7)

As restrições alimentares foram dadas por Deus aos israelitas (judeus). Nessa restrição Deus separou os animais em puros e impuros para a alimentação do povo. As restrições no Antigo Testamento parecem indicar que Deus, entre outras coisas, queria fazer distinção entre Israel e os gentios (os outros povos). Os animais puros representavam o povo de Israel, enquanto os impuros representavam os gentios. Essa distinção era vista em diversas leis para diversas áreas da vida, inclusive a alimentação.

Vemos Deus proibindo também várias praticas ao seu povo, que eram praticas comuns a povos pagãos, inclusive alguns hábitos alimentares.

Muito tempo mais tarde, quando a nova aliança mediada por Jesus Cristo passou a incluir os gentios (não-judeus), esses conceitos alimentares foram suspensos, pois, sendo os gentios participantes dessa aliança, já não há a necessidade dessa distinção. É o que chamamos da aplicação da Graça de Deus, que é superior à Lei, mas que a cumpre em todos os seus princípios morais.

Jesus demonstrou a suspensão das restrições alimentares nessa ocasião: “…porque não lhe entra no coração, mas no ventre, e sai para lugar escuso? E, assim, considerou ele puros todos os alimentos.” (Mc 7. 19).

O principio da lei é mantido quando a Bíblia no Novo Testamento sempre indica a importância da santidade e da pureza (em todas as áreas da vida), que são as marcas de um santo (de um separado, consagrado a Deus). Restrições alimentares, portanto, já não são necessárias.

Por isso, não há problema algum em o cristão comer carne de porco.

Para um aprofundamento maior sobre o assunto, leia Atos 10. 9-16

Veja outras perguntas respondidas:

159 comentários

  • Sidney Cardoso disse:

    Nada contra a Bíblia e a igreja !
    Mais eu acho que na época era uma jogada de marketing para vender e dar mais valor as cabras!
    pois a uma cabra tinha mais valor e rendia menos!

    Responder
    • André Sanchez disse:

      Vish, você “viajou na batatinha”… mas mesmo assim, obrigado pelo comentário!!

      Abs!

      Responder
      • Selmo aguiar disse:

        Querido irmao o capitulo 7 de marcos que voce sitou nao fala de alimentos puros ou impuros e sim de um ritual de higiene praticado na epoca assim como em atos tamben nao sobre alimentos mas uma parabola mostrando a Pedro que ele deveria levar a mensagem de salvaçao a Cornelio um gentiu considerado imundo nao podemos sair do contesto devemos estudar todo o capitulo com a orientaçao do Espirito Santo Deus nao muda ele e o mesmo do principio meio e fim um abraço que Deus te abençoe.

        Responder
        • Elder Paz disse:

          E se Pedro tivesse comido os alimentos que Deus o mostrou?
          acho que muita gente ainda está amarrado e preso ao costumes antigos. Jesus veio para nos livrar da escravidão, para salvar os pecadores.

          Responder
          • Sérgio Gomes Rosa disse:

            Pedro não poderia comer os alimentos que Deus lhe mostrou, afinal, era uma visão, não eram reais, e de fato o assunto do texto era a quebra de preconceitos contra os gentios, e não a questão de alimentos puros ou impuros. Utilizar este texto para tratar do consumo da carne de porco é tão incorreto quanto utilizar a parábola do rico e Lázaro para tratar de assunto de imortalidade da alma.

      • ludmila disse:

        Reponde o comentário de baixo! Quem viajou foi o senhor que pegou trechos soltos da bíblia para justificar a carnificina. Atos dos apostolos 15.20
        Mas escrever-lhes que se abstenham das contaminações dos ídolos, da prostituição, do que é sufocado e do sangue. Deus proibiu o uso de determinados animais para o consumo, sendo eles os quadrúpedes com casco único, garras, não ruminantes, roedores, carnívoros terrestres, insetos e artrópodes diversos, répteis, anfíbios, aves rapineiras e carniceiras e peixes sem escamas (de couro ou cartilaginosos) .4. Nada podia ser usado dos animais imundos para consumo, nem o cadáver deles deveria ser tocado, estes pecados eram abomináveis a Deus, Dt.14:8, Isa.66:17;5. Deus proibiu o consumo de sangue e gordura animal, Lv.3:17

        Deus proibiu definitivamente comer sangue em todas as épocas. Nos dias logo após o dilúvio, o Senhor disse: “Pavor e medo de vós virão sobre todos os animais da terra e sobre todas as aves dos céus; tudo o que se move sobre a terra e todos os peixes do mar nas vossas mãos serão entregues. Tudo o que se move e vive ser-vos-á para alimento; como vos dei a erva verde, tudo vos dou agora. Carne, porém, com sua vida, isto é, com seu sangue, não comereis” (Gênesis 9:2-4). Na lei de Moisés, Deus simplesmente ordenou: “Qualquer homem da casa de Israel ou dos estrangeiros que peregrinam entre vós que comer algum sangue, contra ele me voltarei e o eliminarei do seu povo. Porque a vida da carne está no sangue. Eu vo-lo tenho dado sobre o altar, para fazer expiação pela vossa alma, porquanto é o sangue que fará expiação em virtude da vida” (Levítico 17:10-12). No Novo Testamento, a palavra de Deus continua a proibir o consumo de sangue: “Pois pareceu bem ao Espírito Santo e a nós não vos impor maior encargo além destas cousas essenciais: que vos abstenhais das cousas sacrificadas a ídolos, bem como do sangue, da carne de animais sufocados e das relações sexuais ilícitas; destas cousas fareis bem se vos guardardes. Saúde” (Atos 15:28-29). Veja também Atos 15:20; 21:25.

        Responder
        • André Sanchez disse:

          Ludmila, acho que já expliquei bem a questão. Você deixou também seu comentário. Só vou deixar mais um texto para finalizar:

          “Se morrestes com Cristo para os rudimentos do mundo, por que, como se vivêsseis no mundo, vos sujeitais a ordenanças: não manuseies isto, não proves aquilo, não toques aquiloutro…” (Cl 2.20-21)

          Responder
      • sebastião Hilton disse:

        Bom dia a todos, a paz do Senhor. gostaria de deixa um comentário,no livro de LV. Deus se preocupa com a saúde das pessoas,quando Ele diz ser o porco imundo,Deus falaria e depois Ele próprio voltaria atrais, sabemos que o porco é imundo porque foi Deus quem disse, fui fazer visita a um hospital encontrei um adolescente de 13 anos que estava com a larva do porco no cérebro quando a larva se movia em sua cabeça ele caia. estava esperando um medicamento vindo dos EUA,se o medicamento não matasse a larva teria que abri a cabeça. Deus estava nos mostrando que isso ia ocorrer em alguns que comem carne de porco, prefiro obedecer. e não comer.

        Responder
        • André Sanchez disse:

          Sebastião, se você obedece a uma lei cerimonial do Antigo Testamento, logo tem que obedecer a todas. E tenho certeza que isso não acontece

          Responder
          • Maria de oliveira disse:

            Na Bíblia diz que impuro é o que sai da nossa boca, pois, o que comemos vai pro estômago depois vai pra fossa, O que comemos não vai pro coração E sim o que sai da boca, como, calunias, más intenções, inveja, etc. Marcos, 7,14-21

          • carlos esteves disse:

            amigos irmaos vamos respeitar a decisao de cada um pois paulo disse que quem come come quem nao come nao come …..pois o reino de deus nao é comida e nem bebida e sim paz e justiça………..eu nao como mais carne de porco mas nao vou ser condenado por isso ………vc ama a deus sobre todas as coisas e seu procimo como a si mesmo .. vc faz essas coisas entao vc esta salvo fique em paz,,,,,,,,,,,,,,,,,

      • Neres Santana disse:

        tudo em excesso faz mal a saúde, independente que eu agredi-te qui devo comer isso ou aquilo não mudara em nada na minha trajetória com Cristo.>>> Um crê que pode comer de tudo; já outro, cuja fé é fraca, come apenas alimentos vegetais. >> Romanos 14. 2

        Aquele que come de tudo não deve desprezar o que não come, e aquele que não come de tudo não deve condenar aquele que come, pois Deus o aceitou.>> Romanos 14. 3

        Responder
      • Carla Felix disse:

        oi,André, não sigo nenhuma religião,mas tenho estudado a Biblia e amo a Deus e quero servi-lo da melhor maneiro possivel, portanto, não concordo que podemos consumir todo o topi de alimento,pois , até mesmo citentificamente é comprovado os maleficios dos animais tidos como imundos por Deus. Os peixes de couro e frutos do mar,por exemplo, são considerados os lixeiros das aguas, pois consomem restos de bichos mortos e não eliminam o mercurio e outras toxinas de seus organismo.Já os peixes com escama, comem animais vivos e sadios e eliminam as toxinas pela escama, não passando assim para nós humanos, ao consumirmos tais. Da mesma forma sabemos do perigo da carne de porco, que tem tantos vermes, que sobrevirem mesmo as mais altas temperaturas. E se vc notar, se tiver um machucado e comer esses tipos de alimentos, seu machucado demora mais que o normal para cicatrizar e até inflama. Esses são os chamados “alimentos remosos”. Assim chamava minha vó, pouco estudada e católica. “Menina, não comes esse peixe pois ele é romoso. Vais demorar a curar tua ferida.” Bendita sabedoria dos mais velhos!
        Se noso corpo é templo de Deus, vamos cuidar dele ! Nessa descrição dos animais impuros no novo testamento, era apenas uma forma de Deus dizer que todos devem ter direito a conhecer o amor de Deus e de Jesus (Yeshua). Yeshua não veio para abolir a lei! Se assim fosse, poderiamos quebrar os outros mandamentos , matar e roubar e sair impunes, não acha?

        Responder
        • André Sanchez disse:

          Carla, é preciso separar os mandamentos cerimoniais que foram abolidos dos mandamentos morais que permanecem. Por exemplo, não mais sacrificamos animais.

          Responder
          • Carla Felix disse:

            logicamente não sacrificamos mais animais porque os sacrificios eram apenas sinais do que viria. Yeshua se sacrificou para abolir os sacrificios de animais. Se fossemos sacrificar, estariamos desqualificando o próprio sangue de Yeshua! não tem ligação uma coisa com a outra! srrs Eu acho assim, cada um segue da maneira que achar melhor, mas eu acredito que quanto mais seguirmos as direções que Deus nos deu, melhor! Se nos alimentarmos de maneira correta, nosso corpo estará mais saudavel e mais forte contra coisas malignas, e nossa ligação com o Criador maior e mais forte!Assim como a observação do Shabat .Isso nos leva para um compromisso maior com Ele!Fique na paz!!

    • Jefferson Van de Graaf disse:

      rsrsrsrs, essa é boa

      Responder
  • Marcony do HDA disse:

    Poe viajou nisso….rsrs

    Responder
  • Gabriela disse:

    Também vemos em Romanos 14 que a nova igreja de Cristo não fazia mais diferença entre dia e dia, ou de um alimento para o outro, esse que fazia diferença, Paulo chamou de débil na fé, veja: “Ora, quanto ao que está enfermo na fé, recebei-o, não em contendas sobre dúvidas.
    Porque um crê que de tudo se pode comer, e outro, que é fraco, come legumes.
    O que come não despreze o que não come; e o que não come, não julgue o que come; porque Deus o recebeu por seu.
    Quem és tu, que julgas o servo alheio? Para seu próprio senhor ele está em pé ou cai. Mas estará firme, porque poderoso é Deus para o firmar.
    Um faz diferença entre dia e dia, mas outro julga iguais todos os dias. Cada um esteja inteiramente seguro em sua própria mente.
    Aquele que faz caso do dia, para o Senhor o faz e o que não faz caso do dia para o Senhor o não faz. O que come, para o Senhor come, porque dá graças a Deus; e o que não come, para o Senhor não come, e dá graças a Deus”.
    Romanos 14:1-6
    Abraços

    Gaby

    Responder
    • André Sanchez disse:

      Gabriela, muito boa a sua contribuição. Mostra claramente a suspensão das leis alimentares sob a nova aliança em Cristo.

      Obrigado!!

      Responder
      • Marcus Vinicius Vidoti de Moraes disse:

        KKKKKKKKKKK MEU AMIGO, ATÉ EU QUE NÃO TENHO RELIGIÃO E SÓ LEIO A BIBLIA SEI MAIS Q VC….KKKKKKKKKKKKKKKKKKK….VC LÊ PNAS PARTES E FAZ SUA CONCLUSÃO….ISSO NÃO EXISTE, VC DEVERIA FICAR QUIETO DO QUE DAR UM FALSO TESTEMUNHO.

        Responder
        • André Sanchez disse:

          Marcus, ficar dando gargalhadas em texto não faz seu argumento ser mais pesado.

          Responder
        • Elder Paz disse:

          quem deve ficar quieto é você!
          não defendemos religião, e sim a graça de Deus que nos salva mediante a fé.

          Responder
          • Neres Santana disse:

            Elder : ninguém aqui esta discutindo religião ! as pessoas aqui só estão esclarecendo textos para facilitar a vida do próximo. a proposito >>> A palavra Religião vem do latim (religare) e, na sua essência significa: “ligar novamente”, ,

    • Aline Ferreira Rodrigues disse:

      Cara amiga, Gabriela,

      Romanos 14:1-6, se refere às pessoas que comiam carne (as carnes puras de Lev 11) e legumes, e às pessoa que comiam apenas legumes (as vegetarianas), ambos os lados acreditavam ser a maneira de se alimentar necessária para o caminho da salvação, o que fazia com que algumas pessoa se escandalizassem e ficassem confusas ao ver outros cristãos não compartilhando do mesmo costume.
      É por esse motivo que Paulo pede para que não julguemos as pessoas, pois não importa se ela é vegetariana ou não, se são qualquer um dos dois, fazem com a intenção de servir ao Senhor. ^^v

      Abraço.

      Responder
    • Elder Paz disse:

      concordo com seu comentário. Estamos livres das leis que nos prendiam. por isso podemos comer carne de porco, cultuarmos a Deus no domingo, por que o nosso sábado é JESUS.

      Responder
      • Sérgio Gomes Rosa disse:

        Amigo Elder, agora vc realmente misturou coisas completamente diferentes, Jesus não aboliu a lei, Mateus 5 é claro, “até que o céu e a terra passem, nem i ou til da lei será mudado”, as leis cerimoniais apontavam para o sacrifício de Cristo na cruz, e lá encontraram sua finalidade, o Sábado se encontra em outro conjunto de leis, os 10 mandamentos, cujos outros 9 vc não ousaria dizer que estamos dispensados de observar.

        Responder
    • Sérgio Gomes Rosa disse:

      Gaby, mais uma vez vc cai no erro de aplicar um texto que trata de um assunto, para tentar trazer luz sobre outro, o texto citado de Romanos claramente trata sobre a questão dos alimentos oferecidos à ídolos, e não sobre a distinção entre animais puros e impuros de Lev. 11.

      Responder
  • jose wilson soares disse:

    andre sanchez mandei um e-mail perguntado sobre o natal mas acabei errando o nome do meu e-mail o correto é este (fixaaprts@bol. com.br) ao inves de ([email protected]) obrigado aguardo sua resposta

    Responder
    • André Sanchez disse:

      José, mandei a resposta em seu email, porém, ela voltou. Acho que está errado esse endereço.

      Responder
  • Madame disse:

    Eu não entendo, nosso corpo é o templo do Espirito Santo. Comer carna faz mal a saude… então ao comer carne de porco estamos destruindo o templo do Espirito Santo…

    Responder
    • André Sanchez disse:

      Madame, me desculpe, mas você “viajou” agora. Onde está escrito na Bíblia que comer carne de porco destrói o nosso corpo que é templo do Espírito? É obvio que comer qualquer coisa de forma descontrolada faz mal a saúde, mas comer de forma correta é uma bênção de Deus…

      Só para você se informar melhor, deixo um link que mostra (com relação à saúde) algumas coisas interessantes sobre a carne de porco: http://comida.ig.com.br/mitos-e-verdades-carne-de-porco/n1237535050032.html

      Abs!

      Responder
      • Aline Ferreira Rodrigues disse:

        Eu não gostei do seu comentario, quando disse que eu “viajei”, simplesmente pq eu discordo de vc, mas enfim…
        Eu li o link que vc me passou, mas mesmo assim, acredito que a carne de porco continua sendo imunda, pois pelas passagens biblicas que vc citou, li e vi que pelo contexto, (porque eu costumo ler sempre o capitulo inteiro), que Deus através dessa visão dada a Pedro, queria ensina-lo a não fazer distinção entre as pessoas,.((tanto que Pedro ainda refletiu sobre a visão (verso 10), o que não seria preciso, se fosse obvio para ele, como parece ser para muitas pessoas).
        Agora, em questão de Marcos 7:19, gostaria que vc lesse um pequeno artigo sobre esse assunto, que também explica o porque penso o contrario -> http://novotempo.com/namiradaverdade/2009/03/27/o-que-entra-pela-boca-nao-contamina-o-homem-mateus-1511-e-marcos-715/

        Lembrando que gosto muito de seus artigos, e não deixarei de ler só porque não concordo com este. Sei que sempre terão pessoa que pensarão diferente de nós, não te obrigo a pensar como eu, apenas peço que procure me entender, e sem ressentimentos, se quiser continuar com sua opinião. Que a fé no sacrificio de Jesus nos leve à salvação.

        Abraço o/

        Responder
      • nanna disse:

        André Sanchez, o que vc me diz desse livro profético Isaias 66. 16 a 17. pq com fogo e com espada entrará o Senhor em juizo com td carne; os mortos do Senhor serão multiplicado. os que se santificam, os que se purificam nos jardins uns após outro, ( os que cormem carne de porco), e a abominação, e ratos serão consumidos diz o Senhor.

        Responder
        • André Sanchez disse:

          A abominação está naquilo que tem no coração e não naquilo que comemos.

          Responder
    • Edson Vidal disse:

      Oi Madame, compartilho totalmente de sua opinião. Eu tinha dúvidas quanto às leis alimentares, pesquisei sobre o assunto e cheguei a este blog. Depois da leitura do artigo, dos comentários e principalmente após meditar no capitulo 14 de João cheguei à conclusão de que basta agente buscar a sua presença de Deus que ele nos revelará qual a sua vontade. Hoje, procuro seguir a palavra que li no livro sagrado e que foi confirmado a mim por Deus nosso senhor. Não importado a opinião do outros, pois a salvação e individual.

      Responder
  • Madame disse:

    corrijo, “carne de porco” faz mal a saude

    Responder
    • Neres Santana disse:

      Madame, tudo em excesso faz mal a saúde, independente que eu agredi-te qui devo comer isso ou aquilo não mudara em nada na minha trajetória com Cristo.>>> Um crê que pode comer de tudo; já outro, cuja fé é fraca, come apenas alimentos vegetais. >> Romanos 14. 2

      Aquele que come de tudo não deve desprezar o que não come, e aquele que não come de tudo não deve condenar aquele que come, pois Deus o aceitou.>> Romanos 14. 3

      Responder
  • teabintes disse:

    “…porque não lhe entra no coração, mas no ventre, e sai para lugar escuso? E, assim, considerou ele puros todos os alimentos.”
    desculpe, mas você pegou somente um versículo isolado e isso não prova que a lei alimentar foi abolida, mesmo porque se ler o contexto desse versículo, vai ver que Jesus não estava falando sobre o que era “imundo” no caso a carne de porco, e sim estava se referindo ao comportamento dos fariseus…

    muito vago sua teoria

    Responder
    • André Sanchez disse:

      Bom, não usei somente esse texto citado por você. Fique à vontade para colocar os motivos que te fazem crer que devemos obedecer as leis alimentares do Antigo Testamento.

      Abs!

      Responder
  • tiago disse:

    Olá, gostaria de saber se pode comer carne sem sangrar, e porque hj em dia a gente compras as carnes, não era como antes que a gente mesmo, a batia o animal, a goar a gente compra pronto e a gente não sabe se foi matado adeguadamente como diz a biblia , ouvi falar que comer carne não sangrada e pecado… e verdade?

    Responder
    • André Sanchez disse:

      Tiago, como expliquei no artigo, não existe nenhuma restrição alimentar para o crente em Cristo. As restrições alimentares faziam parte da Lei e cumpriram seu papel em um tempo determinado. Após Cristo estas restrições foram revogadas. Pode comer tranquilo.

      Abs!!

      Responder
      • Teabintes disse:

        Então, você só segue o Novo Testamento, certo?pra que serve o velho testamento, se Jesus veio para revogar as coisas que Deus determinou? Jesus veio e anulou o que Deus fez e/ou falou…é isso?acredito que devemos considerar a bíblia por completa, Ela é a Palavra de Deus, Deus deu as leis para serem cumpridas, deu os dez mandamentos para serem seguidos, o sábado para ser de descanso…Jesus veio e isso não foi para apagar as coisas que Deus havia feito e começar novas coisas, e sim para acrescentar no plano de Deus!

        Responder
        • André Sanchez disse:

          Teabintes, várias das leis do Antigo Testamento, principalmente as rituais, foram abolidas em Cristo. Pelo seu argumento, deveríamos, então, estar ainda sacrificando animais, não cortando as beiradas da barba, fazendo circuncisão nas crianças ao oitavo dia, fazendo cocô e enterrando, etc.

          Acho que você precisa estudar e entender um pouco mais a Bíblia.

          Abs!

          Responder
        • Elder Paz disse:

          acho que arrogância de vocês é suprema, se achássemos que só o NT é suficiente, não acreditaríamos que Deus criou o homem e tudo que há na terra. santa paciência!

          Responder
    • Eric disse:

      Você pode comer, se comer fosse pecado talvez não teria perdão tanto que já comi, más Deus fez o melhor para você e o porco faz mal para o corpo que é o templo do espirito, se você pensar assim pode comer o corpo do irmãos, para não desperdiçar…. você viu servir porco num hospital você nunca se perguntou por que..

      Responder
  • Teabintes disse:

    sacrificando animais, não cortando as beiradas da barba, fazendo circuncisão nas crianças ao oitavo dia, fazendo cocô e enterrando, etc….Nenhuma dessas coisas é mandamento de Deus!!

    Até o momento, visitava seu blog e jamais desrespeitei vc em nenhum dos meus comentários, só tentei expor o meu lado, o que eu acredito em relaçao ao seu post…mas percebi que vc é uma pessoa que não aceita contradiçoes, o que escreve e pensa acha que é o correto, se acha o conhecedor de tudo…eu estudo a Bíblia sim e procuro entendê-la cada dia mais, e cada dia mais eu aprendo o que o Eterno tem a me ensinar, e ao contrário de vc não acredito que sou expert em nenhum assunto…pra quê ter um site e abrir comentários, se vc acha q sabe tudo?

    Acho que você precisa estudar mais a Biblia, ler as passagens para saber do que se trata, e não tirar conclusoes de versículos isolados…

    abs!

    Responder
    • André Sanchez disse:

      Caro, Teabintes, desculpe se pareceu ofensivo o que lhe disse. Não foi minha intensão. Meu blog é aberto aos comentários. Com relação aos exemplos que citei eram sim leis no Antigo Testamento: Observe:

      Lv 19:27 Não cortareis o cabelo em redondo, nem danificareis as extremidades da barba.

      Gn 17:11 Circuncidareis a carne do vosso prepúcio; será isso por sinal de aliança entre mim e vós.

      E nesse caso? Devemos cumprir esses mandamentos?

      Abs!

      Responder
  • carlos disse:

    Graça e paz irmão, realmente este assunto é um pouco polémico e um pouco inaceitavel a pessoas que se bloqueiam à verdade exposta nas escritura e no poder restaurador da graça, por meras convicções pessoais, DEUS continue derramando de sua graça em sua vida abençoado, continue assim, no temor e no tremor da escrituras sagradas, e DEUS continuara te dando a cada dia mais sábedoria para seu ministerio.

    No amor de CRISTO Carlos santos

    Responder
    • André Sanchez disse:

      Obrigado, Carlos! Fico feliz com sua visita aqui no blog!

      Abs!!

      Responder
  • Isaias Paes Ribeiro disse:

    este site é uma benção

    Responder
    • André Sanchez disse:

      Obrigado, Isaías!! Valeu por ler nossos artigos!

      Abs!

      Responder
  • Erick Ferreira disse:

    matou minha duvida

    vlws

    Responder
    • André Sanchez disse:

      Que bom! Estamos sempre à disposição!!

      Abs!

      Responder
  • Rejane Santos disse:

    amei!!! sobre o sacrificio da filha de jefter foi literal ou simbolico? ela morreu?

    Responder
    • André Sanchez disse:

      Foi literal. Tanto é verdade que ele gerou um costume em Israel como você pode ver lá em Juízes

      abs

      Responder
  • Landa Almeida disse:

    Adoreí este estudo

    Responder
  • Jefte Filipi Aguiar disse:

    Que a paz esteja com todos!!!!
    meu irmao a passagem de ATOS 10: 9-16 foi uma visao de Pedro, que os animais imundos presentes ali representavam os gentios (nao judeus). Leiam atos 11: 1 AO 18 e vejam a realidada.
    O salvador veio para purificar pessoas nao animais imundos!!!!!!!!

    QUE A PAZ SEJA COM TODOS!!!!!!!!!!!!!!!

    Responder
    • André Sanchez disse:

      Jefté, é obvio que Jesus veio para salvar pessoas! É obvio também que Jesus pôs fim às leis cerimoniais que figuravam no Antigo Testamento, inclusive àquelas que propunham restrições alimentares.

      Abs!

      Responder
  • Thiaggo Nowaes Ramos disse:

    Deus não quer que sejamos iguais aos gentis, Ele quer que mostramos a eles que servimos ao um DUES VIVO, então vamos tira essa ideia da cabeça de que Deus permitiu que comecemos todos os tipo de animais, pois o Deus que nos fez jamais muda e nunca volta atraz. Ao enviar seu filho Jesus pra morre na cruz foi e é uma prova de amor a nós pois somos mais que animais.

    Responder
  • maxi disse:

    Essa passagem q vc usou está fora do contexto e ñ serve para embasar sua teoria. Jesus usou um parabola para transmitir uma lição moral e espiritual, ñ para p criar uma doutrina. Jesus ao contar essa parabola, ñ tinha como proposito liberar as pessoas para comerem todo tipo de carne, Mas o que sai da boca vem do coração, e é isso que contamina o homem. Porque do coração procedem maus desígnios, homicídios, adultérios, prostituição, furtos, falsos testemunhos, blasfêmias. São estas as coisas que contaminam o homem; mas o comer sem lavar as mãos não o contamina”. Mateus 15:18-20.
    os fariseus diziam que, se uma pessoa comesse sem lavar as mãos (ritual de purificação), iria ser contaminada (Marcos 7: 1-4)

    E o objetivo de Jesus era ensinar que a “fonte” das más ações praticadas pelo ser humano se acha no “interior”, não no “exterior”. Não há proveito apenas quando o exterior é purificado, como faziam os fariseus. (Ver Mateus 23:26)

    Portanto, ao Jesus dizer: “não é o que entra pela boca que contamina ao homem, mas o que sai da boca…” , Ele está se referindo ao ato de lavar as mãos como ritual de purificação. Simplesmente está afirmando: “Não é o ato de não lavar as mãos antes das refeições que irá contaminar o homem, mas as palavras más que saem da sua boca”.

    Responder
    • André Sanchez disse:

      Maxi, faltou apenas explicar a expressão usada por Jesus:

      “E, assim, considerou ele puros todos os alimentos.” (Mc 7. 19)

      Segundo a sua interpretação, o que Jesus quis dizer com isso?

      Abs!

      Responder
      • Almir disse:

        “…porque não lhe entra no coração, mas no ventre, e sai para lugar escuso? E, assim, considerou ele puros todos os alimentos.” (Mc 7. 19).
        Mas, pergunto:
        O que é alimento segundo a Bíblia? Alimento segundo a bíblia é o descritos em Levítico 11. Porco não é alimento, Urubú não é alimento, Cobra não é alimento, etc.
        O debate de Yeshua iniciou-se com a acusação de que os discípulos de Yeshua comiam sem fazer Netilat Yadaim (a lavagem das mãos).
        O debate não era a respeito do que comiam, não era a comida em si, mas sim sobre o comer sem lavar as mãos.
        Yeshua diz que o alimento sem lavar as mãos não é o que contamina ao homem (no espírito), mas sim o que sai do coração. Ou seja, os maus pensamentos.
        Mateus 5:17) – Não cuideis que vim destruir a lei ou os profetas: não vim ab-rogar, mas cumprir.

        Responder
        • André Sanchez disse:

          Almir, se você cumpre uma lei cerimonial deve cumprir também todas as outras. Você cumpre cada um delas? Então, por favor, mate as pessoas que comem carne com sangue conforme a Lei descrita em Levítico:

          “Portanto, a vida de toda carne é o seu sangue; por isso, tenho dito aos filhos de Israel: não comereis o sangue de nenhuma carne, porque a vida de toda carne é o seu sangue; qualquer que o comer será eliminado.” (Lv 17.14)

          Responder
          • Almir disse:

            As leis de higiene e saúde não tinham caráter prefigurativo. Não eram leis “cerimoniais” e não apontavam à expiação de Cristo na cruz. Os debates de Cristo quanto a questão “do que entra pela boca”, muitas vezes mal compreendidos, diziam respeito a regras de impureza cerimonial, e não de discussões sobre liberdade para alimentar-se de comidas imundas.
            Porque a divisão de animais limpos e imundos vem de ANTES da legislação mosaica. Ao tempo do dilúvio Deus determinou a Noé: “De todos os animais limpos levarás contigo sete e sete, o macho e sua fêmea; mas dos animais que não são limpos, dois, o macho e sua fêmea” (Gên. 7:2). Assim, fica claro que não era regra exclusivamente voltada ao povo de Israel, limitada à legislação mosaica.

            Shalom

          • André Sanchez disse:

            Almir, tudo isso foi ratificado na Lei, se tornando Lei. Assim, se enquadra sim.

          • Almir disse:

            Em Atos 10, quando Pedro tem a visão de animais da terra, e ouve uma voz dizendo : “Pedro, mata e come”.
            Pedro responte : “De modo nenhum, senhor, porque nunca comi coisa alguma comum e imunda”.
            Daí dá para ver o quanto ele era zeloso quanto a esse mandamento. Mesmo sendo visão figurativa, pois figurava a pessoa de Cornélio, no instante em que Pedro tem a visão ele pensa ser literal e que realmente deveria matar e comer.
            Só depois entendeu que a visão se tratava de Cornélio, para que ele não chamasse de impuro ao gentio o qual D-us havia santificado.
            Então fica claro que Pedro ainda seguia aos mandamentos concernentes aos alimentos, e isso vivendo já na Nova Aliança. Portanto, ele demonstra que não aprendeu com Yeshua (Jesus) ou seus companheiros apostólicos a alimentar-se daqueles animais.

          • André Sanchez disse:

            Almir, Pedro também defendia algumas questões relacionadas ao judaísmo e foi arguido por Paulo algumas vezes por causa delas. Até para os apóstolos a transição para a nova aliança foi gradual. O fato citado por você, fazendo uma inferência ao fato de Pedro ainda guardar essa lei não pode ser tomado por Lei. O próprio apóstolo Paulo seguia algumas leis a fim de não trazer escanda-lo aos fracos na fé. Devemos ter cuidado ao afirmar essa questão levantada por você.

            Pedro, por exemplo, aprendeu com Jesus a amar a Deus sobre todas as coisas e a ter fé, mas O negou 3 vezes.

          • Almir disse:

            Pela narrativa do texto, Pedro estava comendo com crentes, como uma prática corriqueira. Seria muito improvável que fosse com incrédulos, pois para um judeu mesmo crente em Yeshua (Jesus), seria impossível comer com eles (incrédulos) na mesma mesa. Isso prova que tanto Pedro quanto Paulo, não abandonaram a tradição judaica, e os mandamentos da lei, principalmente em relação aos alimentos permitidos de Levítico 11. A visão de Atos 10 do lençol com animais impuros é uma prova disso, que ele, Pedro, não comia alimentos impuros. O ponto crucial da narrativa não é a Lei, mas o legalismo a cerca humana que estava embaçando o cumprimento da Lei Divina – O dogmatismo, (doutrinas de homens), Paulo não está contra a Lei, ou deixou de observar a Lei (Atos 22:3), muito pelo contrário, em Atos 24:14-17 podemos ver Paulo dando testemunho da Lei.
            Paulo é observante da Lei, como todos os outros apóstolos. Pois é a lei que vai ser escrita em nossos corações e mentes, conforme Hebreus 8:10 , 10:16, Jeremias 31:30-37.
            veja também Is 29:13.

            Shalom

          • André Sanchez disse:

            Responda-me uma coisa então: Paulo era a favor ou contra a circuncisão?

          • Almir disse:

            Gênesis nos faz relato de Abrão que fora circuncidado, tendo removido a carne de seu prepúcio. Não foi porém este ato que trouxe a ele a salvação, mas o posicionou como patriarca, em quem seriam benditas “todas as nações” da terra.

            A bênção, porém, não tem vínculo exclusivo com a ordenança da circuncisão, mesmo porque o nosso patriarca alcançou o testemunho de fé quando ainda estava na incircuncisão. Está registrado e aceitamos que, na primeira aliança o gentio que buscasse a Israel para se tornar parte deste, deveria passar pela circuncisão física. Nesta situação, a mesma LEI haveria para o estrangeiro como para o natural.
            Gênesis nos faz relato de Abrão que fora circuncidado, tendo removido a carne de seu prepúcio. Não foi porém este ato que trouxe a ele a salvação, mas o posicionou como patriarca, em quem seriam benditas “todas as nações” da terra.

            Alguns que desceram da Judéia ensinavam aos irmãos: Se não vos circuncidardes segundo o costume de Moisés, não podeis ser salvos. Defensores da circuncisão física para os gentios detinham este preceito como meio de salvação. Paulo como judeu era bem conhecedor do preceito da circuncisão, mas a contenda ocorria em função da errônea interpretação daqueles que defendiam a morte espiritual dos incircuncisos.

            Circuncisão nunca representou meio de salvação, no entanto para recebermos as promessas, o que inclui a vida eterna, temos que fazer parte da descendência de Abraão, é neste ponto que entra Yeshua (Jesus), que é entendido como sendo o verdadeiro descendente, ou semente de Abraão. Notem que a aliança de D’us é feita com Abraão e com a semente dele, nos escritos da Nova Aliança, Paulo identifica essa semente com o próprio Yeshua (Jesus): Ora, as promessas foram feitas a Abraão e à sua descendência. Não diz: E às descendências, como falando de muitas, mas como de uma só: E à tua descendência, que é Cristo. Gal. 3:16. Ou seja, os gentios passam a fazer parte da família de Abraão através de Yeshua (Jesus), que também ministrou uma circuncisão.

            Nele também fostes circuncidados, não por intermédio de mãos, mas no despojamento do corpo da carne, que é a circuncisão de Cristo”. (Colossenses 2:11). Estes recebem a circuncisão de Yeshua (Jesus), no ato do batismo em Seu nome, a circuncisão do coração, tendo a LEI divina em seus corações . Por que gentio precisa da circuncisão física? A feita pelo Messias em seu coração nâo é válida? Portanto, lembrai-vos de que vós noutro tempo éreis gentios na carne, e chamados incircuncisão pelos que na carne se chamam circuncisão feita pela mão dos homens; Efe.2:11. Repare que ele menciona “éreis gentios”. Paulo fala que estes agora já não são mais gentios, incircuncisos e distantes de D-us e do Seu povo, mas parte da mesma família e herdeiros das mesmas promessas o qual de ambos os povos fez um.

            A glória não está na carne, D-us fala da LEI no coração. O apóstolo se dirigia aos Filipenses e estes não eram israelitas na carne, contudo, mesmo assim se dirige a eles e lhes diz “Nós somos a circuncisão!”, não confiamos na carne. Portanto o gentio convertido e submetido ao batismo, não é mais um incircunciso, mas um circunciso em Yeshua (Jesus) e sendo, desta forma, um israelita. Este não pode se achar incircunciso, pois se assim o confessar, prova que não creu e nem crê em Yeshua (Jesus) e na Nova Aliança.

            Compare com Romanos : E recebeu o sinal da circuncisão, selo da justiça da fé, quando estava na incircuncisão, para que fosse pai de todos os que crêem, estando eles também na incircuncisão; a fim de que também a justiça lhes seja imputada. E fosse pai da circuncisão, daqueles que não somente são da circuncisão, mas que também andam nas pisadas daquela fé que teve nosso pai Abraão, que tivera na incircuncisão. Rom. 4:11-12. aqui Paulo fala de duas categorias de circuncisão, isso quer dizer que Abraão é pai da circuncisão de ambos os povos; dos judeus através do sinal da aliança feita com Abraão e dos gentios por meio da Aliança feita com a semente de Abraão, Yeshua (Jesus).

            Portanto, para os gentios Paulo apresentou a circuncisão em Yeshua (Jesus). Desta forma, tanto judeus como gentios convertidos, ambos eram visto como circuncidados e devem se considerar assim: como CIRCUNCIDADOS!

            Paulo não está contra a LEI (Atos 22:3 – 24:14-17) e nem era contra a circuncisão dos judeus e seus filhos como queriam alguns inimigos de Yeshua (Jesus), para terem de que o incriminar, mas sim contra a circuncisão fisica dos gentios como meio de salvação.

            Shalom

  • Giu disse:

    Temos que observar bem , Marcos 7 :6 a 9 nos diz uma liçáo….olha sò temos que estar atento Deus nunca muda
    aquilo que ELE diz,pra náo fazer aquilo que homens nos diz mais o que vem da PALAVRA dELE …Jesus aboliu sim ,as Leis cerimoniais , como matar cordeirinhos ,..mais è certo que os 10 mandamentos , isso prevalece para sempre…essa Lei foi guardada por JESUS e as Marias e os dicipulos tb , confirma ai em Lucas 23 54 a 56, olha sò para voces verem depois da morte de JESUS as mulheres continua ainda com mandamento do SABADO , isso prova que os 10 mandamentos náo acabaram ali na cruz de JESUS .,,a Lei de Deus serve como espelho para nos mostrar o pecado ,ela náo salva ninguem . .. mais nos mostra o pecado , abracos

    Responder
  • Rudiney disse:

    Aquele que realmente estuda a Bíblia vai descobrir que não devemos comer carne! Pelos seus frutos os conhecereis, comparem quem come de tudo e quem segue um regime alimentar vegetariano e por favor sejam framcos ao dizer, quem tem melhor saúde? O Senhor Jesus Disse ” eu vim para que tenhais vida e vida em abundância”. Deus os abençoe!

    Responder
    • André Sanchez disse:

      Joel, não existe nada na Bíblia que proíba comer carne. Aliás, até no Antigo Testamento, em alguns tipos de sacrifícios, uma parte da carne do animal era do sacerdote para sua alimentação. Na páscoa judaica, também matavam um novilho e comiam a sua carne. No Novo Testamento também não vemos essa proibição. Enfim, não há proibição alguma de comer carne. A nossa escolha é livre nesse sentido.

      Na paz de Cristo!

      Responder
      • Rudiney disse:

        É lógico que a gente não vai encontrar explicitamente “é proibido comer carne” e realmente não é proibido. são escolhas que a gente toma para viver melhor e encontramos alguns conselhos na própria Biblia por exemplo Daniel no capítulo 1 encontramos um bom exemplo disso não é verdade!

        Responder
        • André Sanchez disse:

          Agora você disse diferente. São escolhas e não mandamentos. No caso de Daniel foi um jejum. Não há nada que comprove que eles permaneceram vegetarianos.

          Na paz de Cristo.

          Responder
          • Rudiney disse:

            E nem a nada que comprove que eles comeram carne Certo! e aí como é que fica, por isso Jesus disse: aqueles que buscarem fazer a vontade de Deus iram saber se o que eu falo vem de mim mesmo ou da parte de Deus… Por isso temos que ser como crianças pedindo para Deus o que é certo e o que é errado, todo dia eu questiono a Deus a minha religião e o Próprio Deus me fala Pela palavra e eu louvo a Deus pois ele tem me revelado o que é buscar e ser
            Batizado no Espírito Santo não questionar e sim aceitar o que Deus quer para a nossa vida. Por isso ele Diz: maldito o homem que confia no homem e bem aventurao o homem que confia no Senhor!

            Deus os abençoe e os guie!

      • Luan Sansão disse:

        Em Romanos 14:21 Paulo nos adverte a respeito da alimentação e diz: “Bom é não comer carne, nem beber vinho, nem fazer outra coisa em que teu irmão tropece.” Além disso, antes de qualquer coisa é bom pedir orientação a Deus a respeito do que fazer: 1 Coríntios 10:31 declara: “Portanto, quer comais quer bebais, ou façais outra qualquer coisa, fazei tudo para a glória de Deus.” Antes de tudo, devemos saber como estudar a bíblia… em 2 Pedro 1:20 vemos que: “sabendo primeiramente isto: que nenhuma profecia da Escritura é de particular interpretação.” Ou seja, não devemos interpretar a bíblia do nosso modo, do jeito que a gente quer e pronto, devemos estudar a bíblia para que ela mesma responda.

        Em Lucas 24:27 vemos como Jesus estudou a bíblia e ensinou como estudar: “E, começando por Moisés, e por todos os profetas, explicou-lhes o que dele se achava em todas as Escrituras.” Vale dizer que Moisés escreveu o pentateuco (os cinco primeiros livros da bíblia), ou seja, Jesus estudou o antigo testamento pelas escrituras de moisés e deixou claro que toda a bíblia deve ser estudada e tem um só valor, pois se deve passar por TODOS os profetas, ou seja, toda a bíblia.

        Para finalizar, em 2 Timoteo 3:16 está escrito que: “Toda Escritura é divinamente inspirada e proveitosa para ensinar, para repreender, para corrigir, para instruir em justiça;” Desta forma, tanto os ensinamentos do novo testamento como do antigo são válidos, devendo a verdade ser buscada como um garimpeiro busca seus tesouros, “bem a fundo”.

        Responder
  • Luan Sansão disse:

    Boa tarde! Para se chegar a um assunto determinado da bíblia e chegar numa conclusão concisa, faz-se necessário entender como estudar a bíblia para poder entender o que ela tem a nos dizer. II Timoteo 3:16 “Toda Escritura é divinamente inspirada e proveitosa para ensinar, para repreender, para corrigir, para instruir em justiça;” Ou seja, TODA A BÍBLIA é inspirada por Deus e não somente o novo ou antigo testamento; Caso queiram saber mais, oriento a quem quiser assistir um vídeo: http://www.youtube.com/watch?feature=player_embedded&v=xiJ1G84NiWQ Graça e paz para todos e aqueles que buscam a verdade com todo o coração, Deus não vos deixará sem resposta. Abraços!

    Responder
  • Th! disse:

    Engraçado, carne de porco era proibido restritamente aos judeus, hj em dia ñ é mais. Isso só demonstra o quanto os religiosos levam em consideração o q é proibido ou não o que melhor lhes convém né. Tanta coisa cruel inventada e alterada várias vezes pelo homem, mas q os religiosos ignoram e relembram quando acham melhor pra vida deles, e pra julgar os outros q tem a vida diferente a deles…incoerência define

    Responder
  • Custódio Francisco disse:

    o que izer então de Isaias 66:17

    Responder
    • André Sanchez disse:

      Simples, na época de Isaías ainda vigorava as leis alimentares e cerimoniais.

      Responder
      • Grace disse:

        Gostei irmão do seu blog e das suas sábias respostas.

        Responder
  • paulo henrique disse:

    pastor muitos condena a lei pois ,,, o pregador vai a igreja pregar o evangelio, que fala de jesus que morreu e deu a sua graça , para nos libertar do pecado . que e a trangressao da lei ; porem se a lei foi abolida como fica a frase .se nao ha lei nao existe o pecado ,se nao existe o pecado a graça e nula ; jesus morreu em vao , se cristo morreu em vao , nao ha evangelho ,se nao ha evangelho o que o pregador vai fazer a igreja ..

    Responder
    • André Sanchez disse:

      Paulo, Jesus não aboliu a lei, mas a cumpriu fielmente. O que foi abolido foram as leis cerimoniais…

      Responder
      • Edson Vidal disse:

        A carne de porco faz parte das leis cerimoniais citadas ?

        Responder
        • André Sanchez disse:

          Das leis alimentares.

          Responder
  • Edson Vidal disse:

    Efésios 5:6-17
    Ninguém vos engane com palavras vãs; porque por estas coisas vem a ira de Deus sobre os filhos da desobediência.
    Portanto, não sejais seus companheiros.
    Porque noutro tempo éreis trevas, mas agora sois luz no Senhor; andai como filhos da luz
    (Porque o fruto do Espírito está em toda a bondade, e justiça e verdade);
    Aprovando o que é agradável ao Senhor.
    E não comuniqueis com as obras infrutuosas das trevas, mas antes condenai-as.
    Porque o que eles fazem em oculto até dizê-lo é torpe.
    Mas todas estas coisas se manifestam, sendo condenadas pela luz, porque a luz tudo manifesta.
    Por isso diz: Desperta, tu que dormes, e levanta-te dentre os mortos, e Cristo te esclarecerá.
    Portanto, vede prudentemente como andais, não como néscios, mas como sábios,
    Remindo o tempo; porquanto os dias são maus.
    Por isso não sejais insensatos, mas entendei qual seja a vontade do Senhor

    Responder
  • João Oliveira disse:

    “TUDO PARA A GLÓRIA DE DEUS”
    I Coríntios 10: 31
    “Portanto, quer comais quer bebais, ou façais outra qualquer coisa, fazei tudo para a glória de Deus.”
    Um irmão nosso foi convidado por seus parentes que são de fé batista para um almoço especial pela passagem de um natalício. Quando a mesa foi arranjada, alguém teve, de propósito, o cuidado de colocar bem no centro, uma leitoa assada, recitou o verso acima e solicitou ao irmão Noel para pedir a bênção sobre os alimentos. Este, com a calma peculiar dos santos, orou:
    – “Senhor, o que puderes abençoar nesta mesa, abençoe, por amor de Jesus, amém.” (*)
    – Não posso entender que um irmão coma um animal imundo proibido pelo próprio Deus (Levíticos 11: 7-8) e creia que assim fazendo seja para a glória de Deus! Diga-me qual a diferença de colocar também naquela mesa, um litro de cachaça, uma garrafa de cerveja ou de whisky?
    Positivamente, dentro desse raciocínio (“tudo é para a glória de Deus”), não podemos aceitar (nem aquele irmão da leitoa aceitaria) que algum crente vá tomar cachaça, vinho ou uisque e o faça para a glória de Deus, mesmo o texto dizendo com a maior clareza: “…quer bebais.” Percebe como o problema é mais profundo do que muitos pensam? Sim, porque o que acontece é que o “quer comais” está sendo usado como autorizando se comer de tudo. E, o “quer bebais” não autoriza beber tais bebidas alcoólicas. Seria isso uma atitude coerente? Ainda diz mais o texto: “façais outra qualquer coisa”.
    Será que o crente pode fazer o que o ímpio faz e isso ser para a glória de Deus? – Certamente que não! Mas se alguém aplica o “quer comais” como que o autorizando a comer tudo o que Deus proibiu não poderá contestar quem ache que “outra qualquer coisa” abone a prática de um pecado aberto e acintoso, ou velado e acariciado com o respaldo deste texto paulino!
    Amado irmão, o “façais outra qualquer coisa” são unicamente as coisas lícitas aos cristãos, e o “bebais” e o “comais” referem-se somente ao que Deus permitiu o homem usar. Por conseguinte, o que Paulo quer dizer é que os coríntios e os romanos deveriam abster-se de carnes sacrificadas aos deuses pagãos por amor aos cristãos de consciência sensível. E isto sim, pode ser atribuído à glória de Deus.
    (*) Treze anos depois, encontrei-me com o irmão Noel e perguntei-lhe: E o homem da leitoa, como vai? Respondeu-me: “Já é Adventista com quase toda a família.” Aleluia!

    “TODA A CRIATURA É BOA?”
    I Timóteo 4: 4
    “Porque toda a criatura de Deus é boa, e não há nada que rejeitar, sendo recebido com ações de graças.”
    Também aqui há que se usar o bom senso para se entender claramente o que Paulo quer dizer. Certamente o apóstolo diz ser boa toda a criatura para a finalidade para a qual foi criada. Exemplo: O boi para se comer, urubu para limpar a terra.
    Veja a suprema necessidade de comparar os textos bíblicos para se extrair a verdade que eles encerram. Paulo não está querendo dizer aqui que se pode comer toda a criatura indistintamente, senão teremos que desculpar o canibal que come carne humana. Além do que haveria tremendo choque com Isaías, veja:
    Isaías 66: 17: 65; 4
    “Os que se santificam, e se purificam nos jardins uns após outros, os que comem carne de porco, e a abominação, e o rato, juntamente serão consumidos, diz o Senhor… Comendo carne de porco… abomináveis.”

    Percebeu a clareza do texto? Isaías, inspirado pelo Espírito Santo diz: O crente que come estas duas criaturas – porco e rato – não será salvo. Não pensemos que haja contradição na Bíblia. O Espírito Santo jamais Se contradiz.
    Tenho certeza que você mesmo não aceita que tudo se torna santificado após a oração, como parece sugerir o texto. É impossível que uma pessoa esclarecida, crente em Cristo, possa cozinhar uma cobra ou um sapo e depois pedir a bênção para eles, e comer. Não creio que serão santificados pela “ação de graças”, ainda que sejam criaturas de Deus!
    – E, por que não? – Porque tais animais não foram criados para serem consumidos. Aliás… nenhum foi!

    Assim pois, temos que comparar os textos e as ocorrências dos vários lugares que Paulo foi chamado a atuar sobre o assunto e veremos que tudo girava em torno de carnes limpas, porém, sacrificadas aos deuses pagãos.
    Como afirmei, há necessidade de se usar o bom senso no melhor apuramento da vida espiritual, porque Paulo também mandou Timóteo tomar vinho (I Tim. 5:23); permitiu também ao diácono (I Tim. 3:8). E agora, vai o crente encher sua geladeira de cerveja? Ora, é tão razoável uma coisa quanto outra!
    Com relação ao vinho que Paulo recomendou tomar – como remédio – , não tenhamos a menor dúvida que se trata do melhor suco de uva. Só pode ser o puro suco da vide (Deut. 32:14; Isa. 25:6); porém, Paulo não explicitou isso, não é?
    E por que sei que é o puríssimo suco da uva? É porque não se concebe um crente tomar bebidas alcoólicas, pois ele é o templo do Espírito Santo (I Cor. 3:16), e os bêbados não entram no Céu (I Cor. 6:10). O Governo Brasileiro provou que meio copo de cerveja já altera o comando sensor do motorista. Se dirigir, será preso; porque pode ocasionar um desastre. Está bêbado! O bafômetro garante.
    – Aliás, quem foi que disse que os bêbados não entram no Céu? Não foi Paulo? (I Cor. 6: 10). Disse também para não se embriagar (Efé. 5:18). Viu? Estamos indo além do véu, usando o bom senso, não é? Já está provado que de cada sete bebedores ocasionais um se torna alcoólatra inveterado. Pois é, o socialmente.

    “DEUS CRIOU TUDO PARA OS FIÉIS?”
    I Timóteo 4: 3
    “Proibindo o casamento, e ordenando a abstinência dos manjares que Deus criou para os fiéis, e para os que conhecem a verdade, a fim de usarem deles com ações de graças.”
    Na Bíblia, irmão, só há autorização para se comer carnes limpas (Lev. 11: Deut. 14). Por conseguinte, é destes manjares que Paulo está falando. São as carnes limpas, que, usadas com “acões de graças” se constituem os “manjares dos fiéis”.

    Este texto especificamente, é uma profecia que, como luva, se encaixa na Igreja Romana. Ela mantém a tradição de proibir o casamento de padres e freiras, e também proibe comer carne na sexta-feira, chamada santa, lembra-se?

    Ora, irmão, não há nada demais comer carne limpa (galinha, boi, vaca, touro, carneiro, ovelha, cabrito, etc) na sexta-feira santa. Pode pedir a bênção sobre ela, Deus a abençoará e poderás comer livremente, porque são estas as criaturas que, separadas para os fiéis, “pela Palavra de Deus e pela oração é santificada” (I Tim. 4: 5), na sexta-feira ou em qualquer outro dia da semana; porém, se optares pelo vegetarianismo, farás melhor. Sim, muito melhor!
    Quanto ao casamento, ora, é um direito inalienável do moço e da moça amar e ser amado, e constituir sua família. Deus estabeleceu este sacramento no Éden ao oficiar o casamento de nossos primeiros pais, Adão e Eva. Portanto…!
    “TODAS AS COISAS SÃO PURAS?”
    Tito 1: 15
    “Todas as coisas são puras para os puros, mas nada é puro para os contaminados e infiéis; antes o seu entendimento e consciência estão contaminados.”
    Este é mais um texto isolado, e você não o pode aceitar literalmente, fundamentado na expressão abrangente da palavra: “todas as coisas são puras”, porque nem tudo é puro para o puro.
    Quer ver?
    Revistas pornográficas, filmes obscenos, violentos, fantasiosos,
    novelas, bailes, cinema, etc.
    Estas coisas são puras para os puros? – Claro que não, você dirá! Então qual é o problema desta epístola?

    O verso 15 de Tito cap. 1, faz parte de uma sequência onde Paulo ordena ao discípulo a organização da Igreja de Creta, dando-lhe orientações diversas conclamando-o a precaver-se contra certa classe de ensinadores – os da circuncisão – v. 10.
    No dizer do apóstolo, a tais “professores” conviria tapar a boca pois dali só gotejava heresia (v.11), que eram fábulas judaicas e mandamentos de homens (v. 14).
    Sabe, se era ensino judaico, estes nunca jamais autorizariam o consumo de carnes imundas. E… se eram – os da circuncisão – aí é que o “tempo fechava”. Estes fanáticos eram extremados em tudo, inclusive no regime alimentar e até mesmo da sombra de um animal imundo fugiam.
    Daí, o mais lógico é raciocinar na direção de que estas “todas as coisas”que são puras, para os puros, certamente são os pensamentos, desejos, sentimentos e anseios do crente. Isto é: o crente só pensa o que é bom, puro e santo, não é? O que não se dá com os infiéis que têm suas mentes poluídas, contaminadas por toda sorte de impurezas.
    Efetivamente, uma pessoa pura, manterá seu coração puro, uma mente pura, praticando a temperança ao evitar o consumo de carnes imundas. Paulo conclue falando ao nosso coração:
    Filipenses 4: 8
    “Quanto ao mais, irmãos, tudo o que é verdadeiro… honesto… justo… puro… amável… de boa fama… nisso pensai.”

    JESUS MANDOU COMER TUDO!
    Lucas 10:8

    “E, em qualquer cidade em que entrardes e vos receberem, comei do que vos puserem diante”.
    Jesus não está aqui destruindo a Sua Lei Dietética, muito menos acabando com a distinção e separação dos animais e peixes limpos e imundos. Quer ver? O Senhor Jesus ensinou:
    “Igualmente o Reino dos Céus é semelhante a uma rede lançada ao mar, e que apanha toda qualidade de peixes. E estando cheia, puxam para a praia; e, assentando-se, apanham para os cestos os bons; os ruins, porém, lançam fora.” Mateus 13:47-48.
    Evidentemente, quando Jesus disse para os discipulos comerem o que lhes dessem ao fazer o trabalho missionário, não seria preciso acrescentar o que era óbvio, praticado e vivido. Seus discípulos conheciam profundamente a boa e prudente Lei Dietética. Obedeciam sem questionar e sabiam bem distinguir o limpo do imundo, como Jesus os ensinou.
    Ouça o que Jesus disse em Sua Lei Dietética:
    “De todos os animais que há nas águas, comereis os seguintes: todo o que tem barbatanas e escamas, nas águas, nos mares e nos rios, esses comereis. Mas todo o que não tem barbatanas e escamas, nas águas, nos mares e nos rios, todo o réptil das águas, e todo o ser vivente que há nas águas (rã, mexilhão, camarão, lagosta etc), estes serão para vós abominação.” Lev. 11:9-12.
    Pergunto! Estaria Jesus Se contradizendo? Proibe ao homem do Velho Testamento comer coisas imundas e as libera ao homem do Novo Testamento? Jesus fez acepção de pessoas? Não! Mil vezes não! Meu amado, Jesus é o Criador, não O contestemos jamais.

    Responder
    • André Sanchez disse:

      João, vou devolver a pergunta:

      No Antigo Testamento está escrito:

      “Não cortareis o cabelo em redondo, nem danificareis as extremidades da barba.” (Levítico 19.27)

      Pergunto: Quem corta as extremidades da barba hoje em dia peca? E quem faz o “pézinho” do cabelo redondo peca?

      Também está escrito:

      “O homem ou mulher que sejam necromantes ou sejam feiticeiros serão mortos; serão apedrejados; o seu sangue cairá sobre eles.” (Levítico 20.27)

      Pergunto: Devemos encontrar os necromantes e feiticeiros de nossa cidade e apedrejá-los?

      Responder
    • Eric disse:

      Caro colega se você quiser comer porco cachorro cavalo rato, tudo bem más dizer que Deus liberou… Vala Deus te fez sabe o que é melhor para você escolhe..vá estudar e ver o mal que o porco faz mal a você pergunte a Deus que te engenhou, entre derrame facial ou até mesmo a morte …

      Responder
  • emannoel adventista disse:

    andre sanchez por favor nao fale para as pessoas comerem carne de porco fale para elas lerem e estudarem a biblia e entao elas vao enteder q carne de porco é prejudicial a saúde, Deus reprova sua atitude.

    Responder
    • André Sanchez disse:

      Emannoel, me diga onde que a carne de porco faz mal a saúde, se consumida dentro dos parâmetros corretos de higiene e moderação.

      Responder
      • Edson Vidal disse:

        Me deculpe, mais concordo com o colega emanuel e alguns outros que postaram no blog. Acho interessante a opção alimentar de cada um, mais acredito que como servo de Deus, devemo buscar a presença dele para postar em seu nome. Caso contrário estaremos, utilizando trechos da bíblia para agirmos pela carne e incentivando a outros a fazer o mesmo.

        Responder
        • André Sanchez disse:

          Edson, apenas dê o embasamento bíblico sobre sua opinião.

          Responder
          • Eric disse:

            Que tal comer um ratinho amanha um cachorinho ou aquele irmão.. só para não desperdiçar……
            Eu to brincando não vá fazer isso tá………

  • Jefferson Van de Graaf disse:

    andré, atos 10 não fala q podemos comer todo o tipo de comida. mas na visão a Pedro, aqueles animais representam os diferentes povos aos quais não devemos fazer acepções pois ele todos foram purificados por Deus. E disse-lhes: Vós bem sabeis que não é lícito a um homem judeu ajuntar-se ou chegar-se a estrangeiros; mas Deus mostrou-me que a nenhum homem chame comum ou imundo.
    Atos 10:28. a visão, se lermos todo o capítulo, nos mostra q a referencia era a pessoas, e não a animais. ele tá bem claro, e não tem como forçara a barra.

    Responder
  • Jefferson Van de Graaf disse:

    a questão de não comer carne de porco, foi uma cerimônia colocada por Deus para separar o povo escolhido do povo pagão. Deus, não queria q o seu povo, tivesse as mesmas práticas dos outros povos para não serem confundidos com eles. até o santuário de adoração a Deus, foi ele quem deu todas as características d como deveria ser feito, até pq, se os israelitas fossem construir templos d adoração a Deus por conta própria, iram usar o conceito de templo q eles tinham, ou seja, os moldes d templos usado pelos povos pagãos. o povo, viveu 400 anos em escravidão, dentro de uma sociedade pagã e tinham todos os costumes dessa sociedade. sendo assim, ao constituírem uma sociedade na Palestina, com toda a certeza, iriam formar uma sociedade com a mesma cultura daquele povo. e muitas outras coisas, foram colocadas como finalidade d lembrança q aquele povo era o povo separado, era diferente dos outros povos. temos o exemplo da páscoa, q lembra a saída do povo israelita do Egito. agora, o q esperar d um povo q viveu em outra nação sendo escravizado por 4 séculos? será q eles iriam absorver a cultura d “tudo é lícito mas nem tudo convém”? será q eles iriam absorver a cultura d amar antes de cumprir a lei, colocando as pessoas em primeiro lugar, assim como Jesus fez? é claro q não. para q eles pudessem entender q eram um povo separado, para q eles pudessem deixar a antiga cultura egípcia, tinham q cumprir leis – assim como uma criança q não tem discernimento e precisa cumprir o q os pais determina até obter a sua formação e discernir oq é bom ou mal – tinham q cumprir determinações. só assim eles entenderiam q era um povo separado. qd Jesus veio, ele não mudou a lei, mas sim as prioridades. Jesus pregou q a prioridade não era o cumprimento da lei, mas sim o homem, não importando a sua origem ou sua crença, mas ele ensina q devemos amar aos próximo como a nós mesmo. em atos 10, muitos cristão usam esse texto para provar q se pode comer d tudo, mas se vc for ler todo o texto, a visão q pedro teve, faz uma analogia a todos os tipos de animais com todos os homens, mostrando q o sangue de Cristo purificou a todos nós e portanto, ele não aceita acepção de pessoas. mas podemos tbm entender q se há comunhão, tem q haver aceitação das pessoas como elas são. os gentios comem porco, e o texto mostra q não devemos fazer acepção a eles, sabe pq? Se alguém diz: Eu amo a Deus, e odeia a seu irmão, é mentiroso. Pois quem não ama a seu irmão, ao qual viu, como pode amar a Deus, a quem não viu?1 João 4:20.” Concluindo: “Um faz diferença entre dia e dia, mas outro julga iguais todos os dias. Cada um esteja inteiramente seguro em sua própria mente.
    Aquele que faz caso do dia, para o Senhor o faz e o que não faz caso do dia para o Senhor o não faz. O que come, para o Senhor come, porque dá graças a Deus; e o que não come, para o Senhor não come, e dá graças a Deus.Romanos 14:5-6″ e ” Tens tu fé? Tem-na em ti mesmo diante de Deus. Bem-aventurado aquele que não se condena a si mesmo naquilo que aprova.
    Mas aquele que tem dúvidas, se come está condenado, porque não come por fé; e tudo o que não é de fé é pecado.Romanos 14:22-23″. sendo assim, a prioridade não é o comer ou não carne de porco, não o sábado ou outro dia, mas a fé em Deus, o amor a ele e ao próximo. portanto, não vejo problema em comer carne d porco, cobra, lagarto, seja lá o q for.

    Responder
  • João Oliveira disse:

    Em Atos 10:14, Pedro deu seu testemunho que não comia carne de porco. “Porque jamais comi coisa alguma comum e imunda”.
    Em Atos 11 Pedro explicou o significado do lençol com os animais puros e imundos (aceitação dos gentios como cristãos), portanto, esse episódio demonstra que no Novo Testamento há confirmação da lei dietética. Deus não muda. Se no Velho Testamento, Ele proibiu a ingestão de carne de porco, por que razão Ele iria mudar sua opinião.
    João

    Responder
    • André Sanchez disse:

      João, discordo de você. Deus iria usar uma inverdade como pano de fundo de uma visão? Ou seja, mandaria Pedro matar e comer para ilustrar a visão quando na verdade não poderia matar e comer? Confuso isso.

      Responder
  • João Oliveira disse:

    Agora vamos ver a passagem citada como resposta à questão de não se comer a carne de porco. A narrativa é de Mateus (cap. 15) que fala sobre os fariseus e escribas questionando a Jesus sobre o porquê dos discípulos não seguirem a tradição dos antigos, já que não lavavam as mãos, quando comiam. É a isso que Jesus diz: “Não é o que entra pela boca o que contamina o homem, mas o que sai da boca, isto, sim, contamina o homem (v.7)”.

    Como os discípulos ficaram em dúvida quanto ao significado do que dissera, e ante o pedido de Pedro, explica: “Não compreendeis que tudo o que entra pela boca desce para o ventre, e depois é lançado em lugar escuso? Mas o que sai da boca vem do coração, e é isso que contamina o homem. Porque do coração procedem os maus desígnios, homicídios, adultérios, prostituição, furtos, falsos testemunhos, blasfêmias. São estas cousas que contaminam o homem; mas o comer sem lavar as mãos não o contamina”.

    Veja que, pelo contexto, a frase que usaram, nada tem a ver com carne de porco.

    Por outro lado, se aceitarmos que, por essa passagem, Jesus esteja revogando a questão das comidas proibidas, estabelecidas anteriormente por Deus, estaríamos admitindo que Deus tenha mudado de atitude, pois para muitos, Jesus também é Deus. Assim, Ele estaria revogando o que fez anteriormente, significando que houve mudança de atitude. Ora, se Deus mudar algo que tenha feito, Ele já não mais seria Deus, pois estaria contrariando uma de Suas atribuições que é a imutabilidade. Em outras palavras, pode-se dizer que se Deus mudou algo que tenha feito é porque não o fez perfeito, o que é um absurdo, já que, por Ele ser perfeito, não muda nunca.

    Mas a grande contradição que vejo é que sempre buscam passagens bíblicas para justificarem o que pensam, não aceitando nada que pessoas de outras correntes religiosas possam argumentar a favor de suas próprias idéias.

    Responder
    • André Sanchez disse:

      João, só uma pergunta: todas as Leis do Antigo Testamento ainda vigoram?

      Responder
  • João Oliveira disse:

    Olá André, quem vai responder esta questão é o próprio Jesus. Em Mateus 5:17, 18 e 19, Cristo diz:
    “Não penseis que vim revogar a Lei ou os Profetas; não vim para revogar, vim para cumprir. Porque em verdade digo a você André: até que o céu e a terra passem, nem um i ou um til jamais passará da Lei, até que tudo se cumpra. Aquele (André), pois, que violar um destes mandamentos, posto que dos menores, e assim ensinar aos homens, será considerado mínimo no reino dos céus; aquele, porém, que os observar e ensinar, esse será considerado grande no reino dos céus. ”
    O Evangelho de S. Mateus foi escrito aproximadamente 20 anos após a morte de Jesus, portanto, o escritor bíblico, inspirado pelo Espírito Santo, não teria dito que a lei tinha sido anulada, bem como o ensinamento dos profetas.
    Veja, o assunto é carne de porco, você mudou totalmente de assunto. Seria a mesma coisa, eu poderia perguntar: Quem revogou os Dez Mandamentos? O cristão deve guardar o sábado? Por quê?
    Você não respondeu nenhum texto de João Oliveira dentro do contexto, apenas usou de pretexto, questionamento e indução.
    Seria melhor você expor sua tese dentro da Palavra de Deus. Estou aguardando sua resposta.
    João Oliveira

    Responder
    • André Sanchez disse:

      João, desculpe, mas quem fugiu da questão foi você. Vou refazer minha pergunta de uma forma mais didática:

      Temos, então, que cumprir o que diz abaixo?

      “Lv 20:13 – Se também um homem se deitar com outro homem, como se fosse mulher, ambos praticaram coisa abominável; serão mortos; o seu sangue cairá sobre eles.”

      Como povo de Deus, devemos matar os homossexuais pela sua prática? Ou será que existem outras explicações para esse tipo de Lei após Jesus Cristo?

      Responder
  • João Oliveira disse:

    Nos dias 20 e 25 de abril de 2013, você já respondeu a sua pergunta, quando: “Paulo, Jesus não aboliu a lei, mas a cumpriu fielmente. O que foi abolido foram as leis cerimoniais…”
    “Das leis alimentares.”
    Na Bíblia, existem várias leis: civil, penal, cerimonial, alimentar, festiva, moral, etc.
    Ocorre é que há uma confusão na hermenêutica aplicada. Uma verdadeira salada de interpretação.
    Você concorda que um homem pode deitar com outro homem?! Isso é normal?! Cristo e os apóstolos concordavam com essa atitude?! Quanto à dosagem da pena que está o seu problema. Matar. Nos Dez Mandamentos, existe um mandamento que protege o ser humano desse ato capital: Não Matarás.
    Hoje, os judeus e os cristãos não se utilizam de uma pena capital, ou seja, essa lei penal foi derrogada, assim como as leis cerimoniais. Veja, Cristo disse a Maria Madalena (ela merecia ser apedrejada) vai e não peque mais.
    Veja, o assunto é carne de porco. Conheci duas pessoas que tiveram problemas de saúde com a ingestão de carne de porco (verme foi para o celebro), infelizmente, vieram a óbito.
    Não seja um arauto de alimentos impuros. Reflita, você é inteligente. Siga a Bíblia e estará seguro.
    João Oliveira

    Responder
    • André Sanchez disse:

      João, sua resposta foi a que queria ouvir.

      Conheço centenas de pessoas que comem carne de porco bem preparada e não acontece nada com elas, inclusive eu.

      Não podemos impor leis alimentares na Nova Aliança. Isso tudo caiu.

      Responder
  • João Oliveira disse:

    “EU COMO TUDO PORQUE O QUE DEUS FEZ É BOM”
    Sim, realmente é bom o que Deus fez, mas, para o fim que Deus criou. Exemplo: minhoca é boa, mas não para se comer e sim fertilizar a terra. Urubu é tão bom e útil que é proibido por lei matá-lo. Por conseguinte, ao afirmar o Senhor que “tudo é bom” não foi para que nós hoje nos valhamos disto para satisfazer nossa vontade. Esta deve ser submetida à vontade do Senhor.

    “A CARNE DE PORCO NÃO IMPLICA NA MINHA SALVAÇÃO”
    Deus quer que tenhamos boa saúde (III S. João 2), porque nos comprou com Seu sangue (I Cor. 6:20), e espera que sejamos puros (Rom. 12:1), para nos constituirmos realmente na morada do Espírito Santo. I Cor. 3:16.
    Se alguém, pela ingestão de carnes imundas (Lev. 11; Deut. 14), se torna impuro, Deus nele não pode morar, e pior, será destruído no último dia. I Cor. 3:17.
    Por exemplo, Deus Se “irrita” com os comedores de porco (Isaías 65:3-4). Também os consumirá (Isaías 66:17 – compare com os versos 22-23). Veja, Deus está falando que os comedores de carne de porco ficarão fora da Nova Terra. Isso merece, portanto, sua reflexão plena. Implica ou não na salvação?
    Por que a carne de porco não é consumida nos hospitais? Deut. 14:8.
    Uma vez ouvi: “A diferença do urubu para o porco é que um voa e o outro anda sobre patas.” – De fato, a função de ambos é a limpeza da terra.

    Responder
  • João Oliveira disse:

    O Instituto Oswaldo Cruz, da Fiocruz, conseguiu detectar pela primeira vez a presença do vírus da hepatite E em um paciente brasileiro. Até então, a confirmação da doença era feita pela testagem da presença de anticorpos específicos contra ela – de 1999 a 2009, foram 810 testes sorológicos positivos no país, segundo o governo. Além de dar mais segurança ao diagnóstico, a novidade permitiu comparar o sequenciamento genético do vírus encontrado no paciente com aquele encontrado em suínos criados no Brasil. A semelhança reforçou a suspeita de pesquisadores de que a transmissão no país esteja ligada ao consumo de carne de porco mal passada. Há pesquisas no mundo que detectaram a existência do HEV em animais, principalmente em suínos, mas ela destaca que a transmissão zoonótica por meio de contato direto com animais ou consumo de carne infectada ainda está sob investigação. “Um estudo realizado no Japão comparou a sequência nucleotídica do vírus encontrado em um paciente infectado com o HEV detectado em amostras de fígado de porco consumido pelo paciente. Observou-se que as sequências eram similares.”

    Responder
    • André Sanchez disse:

      Dê uma pesquisada também sobre carne de boi mal passada.

      Responder
      • Ronaldo disse:

        André ,o nosso amigo João não tem entendimento e fica buscando na Biblia versiculos e querendo explicação sendo que ele mesmo não tem entendimento !!!

        otimo blog

        Responder
  • João Oliveira disse:

    Mas o espírito expressamente diz que nos últimos tempos alguns apostatarão da fé, dando ouvidos a espíritos enganadores, e a doutrinas de demônios, pela hipocrisia de homens que falam mentiras e têm cauterizada a própria consciência, que proíbem o casamento, e ordenam a abstinência de alimentos que deus criou para os fiéis, e para os que conhecem a verdade, a fim de usarem deles com ações de graças; porque tudo o que deus criou é bom, e não há nada que rejeitar, sendo recebido com ações de graças; porque pela palavra de deus, e pela oração, é santificada”.

    É muito comum algumas pessoas se apegarem a esta passagem da Bíblia para justificarem o fato de que, segundo elas, a “nova aliança” (ou “dispensação” para os mais “chiques”) não exige mais a obediências aos princípios alimentares do Antigo Testamento (cf. Lev. 11).

    Mas… é isso mesmo?
    Alimentos declarados como imundos na Bíblia são purificados pela oração?

    Há dois problemas com esse tipo de interpretação:

    1. A contradição com outras passagens da Bíblia:

    Isa. 66:17 – “os… que comem carne de porco, coisas abomináveis e rato serão consumidos, diz o Senhor”.
    Salmo 89:34 – “…não alterarei o que saiu dos Meus lábios”.
    2Cor. 6:17 – “…não toqueis nada imundo, e Eu vos receberei” (Isa. 52:11; Deut. 14:8).
    Apoc. 18:2 – “…babilônia, …esconderijo de toda ave imunda e detestável”.

    2. Muito dificilmente os defensores dessa posição comeriam, mesmo com oração, certos animais. Teríamos também que admitir a prática do canibalismo, se os canibais apenas orarem antes de comer. Absurdo!

    Analisando o texto

    “Mas o espírito expressamente diz que nos últimos tempos alguns apostatarão da fé, dando ouvidos a espíritos enganadores, e a doutrinas de demônios, pela hipocrisia de homens que falam mentiras e têm cauterizada a própria consciência, que proíbem o casamento, e ordenam a abstinência de alimentos que Deus criou para os fiéis, e para os que conhecem a verdade, a fim de usarem deles com ações de graças; porque tudo o que Deus criou é bom, e não há nada que rejeitar, sendo recebido com ações de graças; porque pela palavra de deus, e pela oração, é santificada” (grifos acrescentados).

    1. Apostasia da fé, doutrina de demônios, mentira – podemos dizer que as orientações bíblicas sobre alimentação são de natureza “apóstata”, “demoníaca” ou “mentirosa”? É claro que não!

    Em Lev.11 é onde estão as leis sobre animais limpos e imundos, e o texto começa com a expressão “disse o Senhor a Moisés…”.

    2. Proibir casamento – os que gostam de criticar a Igreja Adventista por defender os princípios de saúde do AT ficam com uma grande dificuldade aqui, pois a IASD não pratica o celibato.

    3. Quais os alimentos que Deus criou para os fiéis que conhecem a verdade?

    Gên. 6:9 diz que Noé era justo, íntegro e andava com Deus. Noé era um fiel e foi o primeiro (mencionado na Bíblia) a conhecer a verdade sobre os animais limpos e os imundos (7:1-2).

    A Bíblia faz separação entre os alimentos dos fiéis e dos infiéis

    Deut. 14:21: “não comereis nenhum animal que morreu por si. Podereis dá-lo ao estrangeiro [infiel], que mora nas vossas cidades, ou vendê-lo ao estranho. Mas vós sois povo santo [fiel] ao Senhor vosso Deus”.

    4. Tudo o que Deus criou é bom? Sim, mas nem tudo se come!

    Prov. 16:4: “O Senhor fez todas as coisas para determinados fins e até o perverso, para o dia da calamidade”.

    Sendo assim, Deus fez tudo bom:

    Os vegetais – para alimento, antes do dilúvio (Gên. 1:29).
    Certos animais – para alimento após o dilúvio (Gên. 9:3).
    Outros animais – para ornamentação, cargas, limpeza, equilíbrio ecológico, etc. (mas não para alimentação).

    5. Oração e ação de graças

    Em 1Tess. 5:18 somos admoestados a dar graças a Deus por tudo.
    Algumas mudanças operadas pela oração:

    Êx. 15:23-25 – águas amargas ficaram doces.
    Êx. 17 – da rocha jorrou água.
    2Reis 2:19-22; 4:38-41 – o veneno da sopa e das águas foi neutralizado.
    Marcos 16:18; Atos 28:3-6 – o veneno de serpentes e em bebidas perdeu o efeito.

    Mas não há NENHUM relato na Bíblia que nos faça crer que, pela oração, um animal imundo, vivo ou morto, tenha sido transformado em animal limpo.Só se for em livros apócrifos…rsrs

    Na visão simbólica de Pedro em Atos 10 (também muito usado pelos que gostam de comer todo tipo de alimentos imundos), não são os animais, mas os gentios (que eram considerados como animais pelos judeus) que são purificados (v. 28).

    A que Paulo, então, se refere em 1Tim. 4:1-5?

    Houve uma heresia grega que floresceu no seio do cristianismo primitivo, chamada de gnosticismo, que entre outras coisas afirmava ser a matéria (corpo) algo mau.
    Sendo assim, alguns renegavam a tudo o que fosse material, como certos alimentos (para eles eram criados por uma divindade inferior), e o casamento. Simpatizantes destes pensamentos gnósticos chegaram a afirmar até que Jesus não tinha um corpo, apenas “parecia ter”, caso contrário Ele não poderia ser considerado um perfeito Messias.

    Outros se entregavam às mais degradantes práticas, por crerem que não importava o que fizessem com o corpo, pois isso não afetaria seu espírito.
    Portanto, o que Paulo estava atacando era este movimento filosófico que tentava impor regras de vida para as pessoas, não como tentativa de adoração ao Senhor, mas sim como meio de “maltratar” e subjugar a carne – o corpo.

    Nada tinha que ver com os alimentos imundos descritos em todo o restante das Escrituras.

    Por mais que os descrentes (e até alguns “crentes”) desejem justificar seus maus hábitos alimentares, jamais poderão usar a Bíblia para isso, pois ela sempre defendeu o uso de uma alimentação saudável, equilibrada e livre de artigos condenados pelas leis divinas.

    Responder
  • João Oliveira disse:

    Romanos 14: “você é livre para comer o que quiser”

    Um sincero e querido irmão da igreja Batista me solicitou explicação sobre Romanos 14. Decidi repartir também com você um breve estudo desse capítulo para que possa compreender a essência da mensagem de Paulo.

    Romanos 14 precisa ser compreendido especialmente com o auxílio de 1Co 8:4 (Leia tais versos em sua Bíblia). Como as duas cartas foram escritas na mesma década (1 Coríntios por volta de 54 d.C e, Romanos, 55 ou 56 d.C) e tratam do mesmo assunto, veremos que a mensagem do apóstolo lida com problemas específicos daquela época.

    Quando Paulo afirma em Romanos 14:2 que “o débil come legumes”, essa expressão precisa ser compreendida à luz de 1Co 8:4, que diz:

    “No tocante à comida sacrificada a ídolos, sabemos que o ídolo, de si mesmo, nada é no mundo e que não há senão um só Deus.”

    Assim como os Corintos, os da igreja de Roma estavam com medo de comer carnes que tivessem sido sacrificadas em templos pagãos. Havia pessoas que estavam com tanto temor que elas só comiam “legumes”. Desse modo, no verso 2 de Romanos 14 Paulo está dizendo: “o débil tem tanto medo de comer carnes que possam ter sido sacrificadas a ídolos que chega a comer só legumes”.

    O apóstolo não poderia estar aqui condenando a dieta vegetariana que é a ideal segundo a Bíblia (Gn 1:29) e muito menos dando permissão para comermos alimentos imundos (Lv 11; Dt 14), sendo que o próprio Paulo nunca comeu tais carnes (At 25:8).

    Ele mesmo ensinou que nosso corpo é o santuário do Espírito Santo (1Co 3:16, 17; 6:19, 20) e que, por isso, devemos cuidar de nossa saúde física, comendo de maneira que o Espírito seja glorificado (1Co 10:31). Glorificamos a Deus em nossa comida quando não comemos alimentos imundos (e outros alimentos impróprios) e não somos glutões.

    Se não fugirmos do conceito bíblico de “holismo” – ou seja, que a natureza humana é holística, um todo inseparável (1Ts 5:23, 24), não teremos dificuldades em aceitar que a Bíblia proíbe o uso de alimentos imundos.

    Isso por que, sendo que existe uma íntima relação entre a mente e o corpo (isso é comprovado pela ciência), é óbvio que aquilo que comemos irá influenciar também em nosso estado mental-espiritual! Precisamos estar com o corpo saudável para prestarmos uma melhor adoração a Deus (e vice-versa).

    Romanos 14:5 e a guarda do sábado

    Já em Romanos 14:5 Paulo não está sendo contra a observância do sábado (se o tivesse, estaria condenando até mesmo a guarda do domingo). Alguns cristãos pensam que ele insinuou que cada pessoa deve “escolher o dia de guarda”, mas, isso está longe de ser verdade. Se cada um “faz a própria sua verdade”, a lei de Deus viraria uma bagunça e poderíamos justificar até mesmo o dia sagrado dos muçulmanos: a sexta-feira.

    Até mesmo o observador do domingo Russel N. Champlin reconhece que não é possível provar que a guarda do sábado esteja sendo questionada aqui: “Não dispomos de meios para julgar, com base neste texto, nem com toda a certeza, se Paulo queria incluir ou não o sábado na lista dos vários dias especiais que os irmãos ‘débeis na fé’ insistiam em observar”. (O Novo Testamento Interpretado Versículo por Versículo, vol. 3, p. 839)

    Entendemos Romanos 14:5 lendo o verso 6:

    “Quem distingue entre dia e dia para o Senhor o faz; e quem come para o Senhor come, porque dá graças a Deus; e quem não come para o Senhor não come e dá graças a Deus.”

    Perceba que a distinção entre “dias” está relacionada ao “comer”! Desse modo, a questão aqui é os “dias de jejuns” e não a santificação do sábado. Havia uma discordância entre eles quanto ao dia correto de se jejuar.

    O Didaquê – escrito judaico do primeiro século (alguns creem que foi escrito antes) nos mostra que havia mesmo essa controvérsia no meio cristão. Veja:

    “Os seus jejuns não devem coincidir com os dos hipócritas. Eles jejuam no segundo e no quinto dia da semana. Porém, você deve jejuar no quarto dia e no dia da preparação [sexta-feira]” – Didaquê 8:1.

    Por isso, Paulo estaria dizendo em Romanos 14:5 o seguinte: “Um faz diferença entre dia e dia para jejuar; outro julga iguais [“iguais” não se encontra no original grego] todos os dias. Cada um tenha opinião bem definida em sua própria mente e jejue nos dias que achar melhor.”

    Perceba que o verso 6 interpreta o verso 5 de Romanos 14, de modo que não precisamos colocar no texto ideias alheias a ele. Além disso, o Didaquê (mesmo não sendo regra de fé) nos ajuda a entendermos alguns problemas que os cristãos enfrentaram durante sua história. Nesse caso, quanto aos dias corretos para se jejuar.

    Outra evidência de que em Romanos 14:5 Paulo não estava tratando dos dias de guarda vemos em sua atitude de guardar o sábado mesmo longe dos judeus (At 16:13). Naquele território romano ele tinha a oportunidade de dizer que o dia de guarda foi abolido, mas, não o fez. Pelo contrário: santificou o sétimo dia em meio à natureza – como todo o cristão deveria fazer:

    “No sábado [não no domingo], saímos da cidade para junto do rio, onde nos pareceu haver um lugar de oração [adoração a Deus em meio à natureza]; e, assentando-nos, falamos às mulheres [dia para falarmos do amor de Deus] que para ali tinham concorrido.” (At 16:13)

    Que lindo exemplo de adoração o apóstolo nos deixou! Que dica ele nos deixou para guardarmos o sábado de maneira agradável e não legalista!

    Espero que essas considerações lhe ajudem na compreensão de Romanos 14. Imprima-as para que os irmãos e o pastor de sua igreja leiam. Creio que será benéfico a eles também.

    Responder
  • Diego Andrade disse:

    Na boa! Se pararmos e refletir na questão em que comer carne de porco faz mal, devemos então produzir nossos proprios alimentos, sem agrotoxicos ou algo parecido, se percebermos, até pra ser Vegetariano ta dificil (kkkkkkk). Acredito que por causa dessa correria nos dias de hoje, nos “envenenamos a cada minuto”, pois tudo que injerimos tem algo maléfico a saúde! Ao invés de estarmos discutindo “o que pode ou não pode”, por questão de saúde, muitas vidas estão indo ao inferno, enquanto eu não como carne de porco e como um monte de comida industrializada… Acredito que tem um pouco de hipocrisia, é falei!

    “COMER DE TUDO UM POUCO ISSO É SAUDÁVEL”

    #A PAZ!

    Responder
  • flavio disse:

    o João e o Almir estão de parabéns pelos seus comentários, é claro que toda honra e gloria pertence a Deus, só quero dizer que, um dos textos usados para defender que pode comer de tudo, é 1timótio 4:4, mas as pessoas esquecem do verso 5, porque pela palavra de Deus e pela oração é santificada, o que a palavra de Deus diz sobre comer carne de porco? Isaias66:17 só lembrando que Paulo só tinha o antigo testamento quando escreveu, e esse texto fala que as pessoas que comem carne de porco serão consumidas não herdarão a nova terra.
    Então agente deve ter muito cuidado com aquilo que ensinamos

    Responder
  • João Oliveira disse:

    André, se você é um cristão sincero, após toda essa argumentação bíblica, deixou, não apenas de comer carne de porco, como também tornou-se vegetariano. Veja com a Palavra de Deus é poderosa.
    Eu tenho a certeza que você em breve tornar-se-á um defensor do regime alimentar bíblico, porque a saúde é um atributo importante na prescrição divina ao homem.

    Responder
  • Hebert disse:

    Considerando a argumentação adventista para o não consumo de carne de porco, de acordo com Levítico 11 27 “E todo o animal que anda sobre as suas patas, todo o animal que anda a quatro pés, vos será por imundo;” Não poderiam comer carne vermelha também, correto?

    Responder
    • André Sanchez disse:

      Hebert, considerando o argumento adventista deveríamos obedecer a todas as leis cerimoniais e alimentares do Antigo Testamento.

      Responder
      • Mat Bas disse:

        Fico triste pela sua ignorância. Se quer credibilidade, ao menos certifique-se de que o que vai escrever é verdadeiro. Como você pode dizer que os adventistas seguem todas as leis cerimoniais? Estude, rapaz!! Que Deus tenha misericórdia de você assim como peço que Ele tenha de mim.

        Responder
  • João Oliveira disse:

    André, leia e comente.

    A Lei de Deus aos Romanos.

    Romanos 4:15 e 5:13 – “Porque a Lei suscita a ira; mas onde não há Lei, também não há transgressão.” – “Porque até ao regime da Lei havia pecado, mas o pecado não é levado em conta quando não há Lei.”
    Aqueles que pregam que, a Lei de Deus foi abolida, forçosamente também terão de crer que não existe pecado, e se assim é, todos são justos, e todos se salvarão, creiam ou não em Cristo, tenham ou não nascido de novo. Sim, porque Deus não pode condenar nem destruir aqueles que não pecaram. Aceitando-se que a Lei Moral foi abolida por Cristo, não há mais necessidade de fé e muito menos angustiar-se por causa da perdição eterna, em chamas crepitantes.

    Romanos 7:6 – “Agora, porém, libertados da lei, estamos mortos para aquilo a que estávamos sujeitos, de modo que servimos em novidade de espírito e não na caducidade da letra.”

    “Livres da Lei” – Por quê? Simples. Antes, porém, se você achar que esse “livre” é para fazer o que bem entende, isente Paulo primeiro. A transgressão da Lei é pecado (I João 3:4). Disso Paulo não deixa dúvidas. Diz ele: “…mas o pecado não é levado em conta quando não há Lei.” (Romanos 5:13). Guardando os mandamentos da Lei de Deus, não estaremos sob sua condenação, mas “estaremos livres” de sua penalidade. Não livres da Lei. Veja bem, o porque:

    A Lei é espiritual. Paulo afirmou em Romanos 7:14. O homem carnal não é sujeito à Lei de Deus. O homem carnal transgride a Lei inopinadamente, porque é carnal. Este homem rouba e a Lei diz: “Não furtarás”. Quando porém este homem se converte, deixa de roubar; passa da esfera carnal para a espiritual, que é a própria esfera da Lei, e então ela deixa de acusá-lo de roubo. Todavia (não esperamos), se um dia esse homem voltar a roubar, novamente a Lei tornará a acusá-lo: “Não furtarás”… então, entende como a Lei não perde o valor quando o homem se converte? Ela simplesmente não terá domínio sobre ele, não o acusará por todo o tempo enquanto com ela viver em obediência, está pessoa estará “livre da lei”.

    Romanos 7:7 – “Que diremos, pois? É a Lei pecado? De modo nenhum! Mas eu não conheci o pecado senão pela Lei; porque eu não conhecia a cobiça, se a Lei não dissesse: Não cobiçarás”.

    Paulo chama uma lei de maldita (Gálatas 3:10); logicamente esta que menciona agora em Romanos 7:7, realçando surpreso: “De modo nenhum!”, não pode ser a mesma. Vamos então descobrir qual é ela. Na sua Bíblia, depois dos dois pontinhos que antecedem as palavras “não cobiçaras” (Romanos 7:7), há o número 8, “bem miudinho”. Vá ao rodapé da Bíblia (referência) e ela o conduzirá até Êxodo 20:17, que é a Lei Moral, o Decálogo. Nunca foi difícil mesmo em meio à profunda dialética paulina descobrir que ele exaltava a Lei Moral, mesmo porque, ensinava que, sem sua vigência atuante não poderia existir o pecado. O “pecado é a força da lei” ou seja: existe porque a lei o aponta e o revela.

    Hoje, porém, há pessoas que chegam ao grande erro de dizer que a Lei Moral foi pregada na cruz, que estamos sob maldição e que adoramos um Deus morto (tudo isso já nos disseram, portanto é experiência própria). Mas, para Paulo não é assim, “de modo nenhum!”, enfatiza Paulo. Ele só se apercebeu da malignidade do pecado quando se espelhou na Lei de Deus. Diante dela, esta, o acusou de cobiça.

    Por outro lado, quando Paulo era carnal (isto é, antes de sua conversão), cobiçava, matava (tinha carta de autorização para isso), praticava atos de judiaria com crentes, e sua consciência não lhe doía; participou da morte de Estevão e tudo era-lhe normal. Mas agora, Saulo é Paulo, o ímpio é cristão, o carnal é espiritual, e assim descobriu ele o verdadeiro valor da Lei, e no poder de Cristo a ela obedeceu enquanto teve fôlego de vida.

    Mais três textos claros definem, se houver dúvidas, que a Lei é imprescindível na dispensação cristã para que possamos apresentar ao mundo que o pecado ainda impera, e, portanto, há necessidade do Salvador Jesus.

    Romanos 3:19 e 20: “… porque pela lei vem o pleno conhecimento do pecado.”
    Romanos 4:15: “… mas onde não há lei, também não há transgressão.”
    Romanos 5:13: “… mas o pecado não é levado em conta não havendo lei.”

    É bastante claro o ensino de Paulo. Ele não tem dúvida. A Lei permanece em vigor, enquanto existir pecado. Quando porém este chegar ao fim, a vigência da Lei cessa.

    Romanos 7:8 – “Mas o pecado, tomando ocasião pelo mandamento, despertou em mim toda a sorte de concupiscência; porque, sem Lei, está morto o pecado.”

    O apóstolo Paulo descobriu e ensinou que não teria conhecido o pecado se não fosse a Lei (Romanos 7:7). Disse que o pecado não teria valor, estaria morto, se não existisse a Lei (Romanos 5:13). A Lei lhe revelou a hediondez do pecado; por isso afirmou: “… o pecado reviveu e eu morri.” (Romanos 7:9). Mas Paulo não permaneceu morto. Observando a Lei, o pecado desapareceu, ele reviveu para uma vida nova, e quem “morreu” agora foi o pecado, enquanto ele vivia em obediência, livre da penalidade da Lei.

    Romanos 10:4 – “Porque o fim da lei é Cristo, para justiça de todo aquele que crê”.

    Este texto, se for lido com o espírito de quem certa ocasião o leu para nós, tentando provar que ele cancelava por completo a Lei Moral, que fora abolida na cruz, e que quem a observa é maldito, e outros “mitos”, certamente estará do lado do erro.

    Se o termo “fim”, que é proveniente da palavra grega telos, empregado aqui neste texto, ter como querem, o sentido de “término”, “encerramento”, “abolição”, então o mesmo peso e a mesma medida terão que ser aplicados em I Pedro 1:9: “Alcançando o fim da vossa fé, a salvação das vossas almas.” Ora o sentido é o mesmo, mas você jamais irá crer e aceitar o término, abolição e encerramento da fé do crente! Será que, assim, pode ele esperar a salvação de sua “alma”? A palavra “fim”, aqui empregada, tem o sentido de finalidade, objetivo, propósito. Os chefes e executivos podem auxiliar o seu entendimento, porque estão acostumados a redigir cartas neste teor; observe:

    “Esta tem o fim (objetivo) de informar a V. Sas. que o carregamento de matéria-prima ficou retido no cais…”
    Com o fim (propósito) de convidá-los para inauguração da nova sede, enviamo-lhes estes convites…”

    Aliás, com este termo “fim”, não como término de alguma coisa, mas como objetivo, concordam os grandes teólogos cristãos, sinceros em sua religião, que não têm idéias preconcebidas.

    Imagine você, se aceitarmos que este fim aí cancelou a Lei de Deus; todo o ensinamento que Paulo deixou sobre essa Lei, que está em vigor e que foram provadas com inúmeras Escrituras aqui estudada; será abolida. E sendo assim, deveremos também apoiar a macabra idéia de que chegou ao “fim” a obrigação de temer a Deus. Ouça o que diz o pregador: “De tudo o que se tem ouvido o fim é: teme a Deus e guarda os Seus Mandamentos…” (Eclesiastes 12:13). Só porque este fim está aí, iremos deixar de temer a Deus?

    Romanos 14:5 – “Um faz diferença entre DIA e DIA, mas outro julga IGUAIS todos os DIAS…”

    A Epístola aos Romanos além de ser um hino de exaltação à Lei Moral é também, por excelência, um doutrinal de justificação pela fé. E aqui, da mesma forma que se nota nas outras cartas paulinas, “os judaizantes” não lhe davam tréguas. No capítulo 14 desta Epístola, vemos suas garras sendo estendidas solertemente a fim de injetar a heresia da justificação pelas obras da Lei Cerimonial. Entretanto, abriremos os olhos para alcançar de forma clara o que Paulo diz neste capítulo para desanuviar a confusão gerada nos leitores atuais desta Epístola que pensam ter sido cancelado o sábado.

    A pessoa sincera, que ainda não entendeu a santidade do quarto mandamento da Lei de Deus, pensa que neste texto Paulo o menospreza. Não, não é assim! O primeiro passo a dar para desvendar o assunto é descobrirmos de que DIA trata. Convém lembrar que este problema também ocorreu com os gálatas, e Paulo assim os repreendeu:

    “Guardais dias, e meses, e tempos, e anos.” (Gálatas 4:10) – E também se deu com os crentes de Colossos:
    “Portanto, ninguém vos julgue… por causa dos dias de festa, ou da Lua Nova, ou dos sábados.” (Colossenses 2:16).

    Especificamente, neste texto, Paulo extravasa o assunto de maneira muito clara e abrangente assegurando que a exigência dos judaizantes em todos os lugares onde se infiltrassem era mesma: guardar dias, meses, tempos, Luas Novas, que eram festivais sabáticos. Veja também em Guiados Para Vencer I: Comparando a Lei Moral e a Lei Cerimonial.
    Isaías 1:13 Oséias 2:11 Amós 5:21 e 22 Jer. 6:20; 7:21 a 24
    Miquéias 6:6 e 7 I Crônicas 23:31 Esdras 3:4 e 5 Jer. 14:12

    Portanto o – DIA e DIAS – de Romanos 14:5, é o próprio de Gálatas, e também o mesmo dos Colossenses, que não é outra coisa senão as festas judaicas que compunha a Lei Cerimonial. Estes festivais obedeciam a um calendário anual e quando chegavam, o DIA era considerado sábado e revestido de toda a santidade conferida ao sábado do sétimo dia da semana. Estas cerimônias foram exigidas antes da morte de Cristo porque eram sombras de Cristo (Colossenses 2:17). Vindo Ele, acabou. A insistência dos judaizantes ao reviver tais festas era a pura recusa às doutrinas Cristocêntricas apresentadas por Paulo.

    Como se vê, em tudo isso nada há contra o Sábado do sétimo dia da semana, que, como um mandamento da santa Lei de Deus, permanece como sinal entre Jeová e os Seus obedientes filhos (Ezequiel 20:20). Ainda que o Sábado tenha emprestado seu nome aos festivais cerimoniais nada tem a ver com eles. Lamentavelmente, o sábado semanal permanece hoje como o grande mandamento esquecido.

    Por ocasião destes incidentes, todos guardavam o sábado (Atos 15:21).

    O próprio Paulo o guardou em todas as suas viagens e estabelecimento de igrejas. Os apóstolos e discípulos guardavam o sábado. [Mateus 28:1; Marcos 15:42; Marcos 16:1; Lucas 23:54 a 56; Atos 13:14 e 27; Atos 13:42 e 44; Atos 17:2; Atos 18:1 a 4]. Paulo escreveu a Epístola aos Romanos no ano 58 d.C.
    Jesus antes de morrer (31 d.C.) advertiu aos discípulos que não transgredissem o Sábado (Mateus 24:20), quando da destruição de Jerusalém, pelos romanos, que se daria em 70 d.C. (Portanto, 12 anos depois que Paulo escreveu aos romanos, o Sábado era guardado pelos discípulos solicitados por Cristo). Daí a conclusão coerente de que Paulo está se referindo aos DIAS (sábados cerimoniais) e nunca ao Sábado semanal, no capítulo 14 de Romanos.

    Tito 3:9 – “Mas não entres em questões loucas, genealogias e contendas, e nos debates sobre a lei, porque são coisas inúteis e vãs.”

    I Timóteo 1:4 – “Nem se dêem a fábulas, ou a genealogias intermináveis, que mais produzem questões do que edificações de Deus, que consiste na fé; assim o faço agora”.

    Paulo sempre encontrou acérrimos judaizantes em seu caminho, preocupados em promover debates acerca do ritualismo e fábulas judaicas. Estes dois textos dizem bem a preocupação do apóstolo em preservar seu rebanho da escravidão enfadonha da Lei Cerimonial que tais contendores desejavam acirradamente colocar em uso, em todos os lugares.

    Quanto à lei aí focada, você não deve confundir com a Lei de Deus cujos mandamentos são cunho moral. Efetivamente: não matar – não roubar – não adulterar – não ter outros deuses, não são futilidades, muitos menos coisas vãs, certo?

    Responder
    • André Sanchez disse:

      As leis abolidas foram as leis cerimoniais e civis. Essas foram pontuais. A lei moral permanece e foi confirmada no Novo Testamento. O que acontece hoje é que muitos querem viver como se fossem judeus antes da vinda de Cristo. Negam assim a graça e a revelação progressiva de Deus.

      Responder
  • João Oliveira disse:

    Alguns evangélicos confundem Graça com “libertinagem”
    Vejam que texto fabuloso:

    “Pois certos indivíduos se introduziram com dissimulação, os quais, desde muito, foram antecipadamente pronunciados para esta condenação, homens ímpios, que transformam em libertinagem a graça de nosso Deus e negam o nosso único Soberano e Senhor, Jesus Cristo” (Judas 4).

    Comentando a expressão “transformam em libertinagem a graça do nosso Deus”, a Bíblia de Estudo de Genebra (de orientação Presbiteriana), diz o seguinte:

    “Os oponentes de Judas eram culpados de antinomismo – a convicção de que os cristãos não têm obrigação alguma de seguir a lei moral como regra de vida. Tal ensino foi um problema permanente na Igreja Primitiva (Rm 3:8; 6:15; 1Co 6:12-15; Gl 5:13), especialmente onde a ênfase de Paulo sobre a justificação pela graça mediante a fé era mal entendida e pervertida” (pág. 1521).

    Segundo o comentarista, havia uma classe de pessoas, NA IGREJA, que defendiam que a Lei de Deus havia passado, e que os novos crentes não mais deveriam se submeter às suas reivindicações. Qual foi a resposta de Judas para isso?

    Estas pessoas transformaram a GRAÇA em LIBERTINAGEM (tradução do termo grego ASELGEIA).

    É curioso observarmos que este fato tão atual já fazia parte das “disputas teológicas” ainda na época dos primeiros cristãos. Assim como hoje, no primeiro século também existiam os pseudo-crentes que tentavam justificar um modo de vida desobediente à Lei de Deus, com o argumento furado de que a graça cobria qualquer violação dos Mandamentos.

    Na posição de líder da Igreja, Judas se deparou com os mesmos problemas que os que desejam ser fieis a Deus na guarda da Lei Moral (os 10 Mandamentos – cf. Êxo. 20:3-17) se defrontam hoje, quase 2000 anos depois. Nada mudou!

    Como Adventistas do 7º Dia, frequentemente somos bombardeados com a mesma heresia da época dos apóstolos, a qual a teologia chama de ANTINOMIA, ou seja, a declaração absurda de que a Lei passou, e que agora, por vivermos no tempo da graça, não precisamos mais nos submeter à obediência a qualquer mandamento. A mesma indignação que Judas sentiu nós também sentimos!

    Esta “graça barata” ou “libertinagem”, nas palavras do escritor inspirado, não tem nada que ver com o ensino da Graça que Paulo demonstrou tão magistralmente. Assim como naquela época, muitos hoje também confundem os escritos de Paulo e ensinam coisas que o apóstolo jamais intentou ensinar (cf. 2Ped. 3:14-16).

    É mesmo uma pena que tanta gente, até sincera, se deixe levar por heresias como estas, que ensinam que a Lei passou! Mas, no fundo, nós sabemos quem está por trás de tudo: o inimigo de Deus. Desde o princípio de tudo que ele tenta subverter a verdade com mentiras mascaradas. Por exemplo:

    Deus disse: “se comer morre”;
    O diabo disse: “não morrerás”… e o povo continua crendo na mentira até hoje (inferno eterno, reencarnação, alma penada, purgatório, etc.).

    Deus disse: “Lembra-te do sábado”;
    O diabo disse: “Guardarás domingos”… e o povo continua crendo na mentira até hoje (em muitos lugares, o sábado é o dia da faxina nas igrejas… que absurdo!).

    Deus disse: “Se Me amais, guardareis os Meus mandamentos”;
    O diabo disse: “A lei passou”… e o povo continua crendo na mentira até hoje.

    Portanto, caros amigos, esta heresia ensinada nos púlpitos de muitas igrejas que professam ser cristãs, não é nova… não começou no Movimento Pentecostal do séc. XIX, nem no neo-Pentecostal do séc. XX, e nem mesmo na Reforma Protestante do séc. XVI. Esta heresia que ensina que a Lei passou é tão antiga quanto a própria Igreja, pois o diabo sempre procurou obscurecer o entendimento e desviar a atenção dos menos avisados e dos que preferem viver na “libertinagem” de uma “graça barata”.

    Sigamos firmes na fé, pois temos a certeza de que o Senhor guia Seu povo no meio das trevas, e o conduz para Sua maravilhosa luz (cf. Apoc. 14:12; 12:17; João 8:32).

    O diabo está irado, mas a Lei de Deus é eterna e nos acompanhará para sempre!

    “Aquele que diz: Eu O conheço e não guarda os Seus mandamentos é mentiroso, e nele não está a verdade” (1Jo 2:4).

    Que declaração forte, não acha!?

    Responder
  • flavia pinheiro disse:

    andre sanchez voce esta correto so queria saber de qual religiao pertence

    Responder
    • André Sanchez disse:

      Sou cristão protestante

      Responder
  • Victória disse:

    Recomendo a leitura de um livro intitulado “The year of living biblically” ou em português “O ano de viver de forma bíblica” que conta a experiência vivida pelo seu autor A. J. Jacobs que durante um ano tenta viver de acordo e seguindo a risca todas as regras e leis descritas na bíblia.
    Não é por nada mas esta discussão faz lembrar de certa forma a parábola do Fariseu e do Publicano.
    A eterna discussão de que a minha fé é melhor que a tua está na origem de muitas guerras.
    Jesus deixou-nos 2 mandamentos simples: Ama Deus e Ama o próximo.
    Tão simples mas tão difícil..
    Quanto ao julgamento final, tal como a lei, só à Deus pertence!!!!!
    Romanos 5:20-21

    Responder
    • André Sanchez disse:

      Victória, o julgamento e discussões referentes a nossa fé é licita. Aliás, só temos a nossa bíblia hoje em mãos para ler porque homens ousaram discutir e contrapor erros. Se esses homem não tivessem feito isso hoje nem eu nem você teríamos a liberdade e conhecimento que temos.

      Responder
      • Victória disse:

        André, eu não coloco em questão a discussão sobre a fé pois defendo que devemos buscar o conhecimento para melhorar a nossa compreensão e interpretação da Bíblia e da vontade de Deus e assim fortalecer a nossa fé.
        Um dos caminhos para este objectivo é exactamente a troca de impressões e perspectivas com outras pessoas.
        Eu chamo a atenção sobre a maneira arrogante como esta discussão por vezes é feita referindo a tendência de acharmos que a nossa fé é melhor que a dos outros.

        Responder
  • Hugo disse:

    Em 1 Timóteo 4: responde a essa pergunta meus amados :1 O Espírito de Deus diz claramente que, nos últimos tempos, alguns abandonarão a fé. Eles darão atenção a espíritos enganadores e a ensinamentos que vêm de demônios. 2 Esses ensinamentos são espalhados por pessoas hipócritas e mentirosas, pessoas cuja consciência está morta como se tivesse sido queimada com ferro em brasa. 3Essas pessoas ensinam que é errado casar e que é errado comer certos alimentos. Mas Deus criou esses alimentos para que aqueles que creem e conhecem a verdade os comam depois de terem feito uma oração de agradecimento. 4Tudo o que Deus criou é bom, e, portanto, nada deve ser rejeitado. Que tudo seja recebido com uma oração de agradecimento 5 porque a palavra de Deus e a oração tornam todos os alimentos aceitáveis a ele!

    Responder
  • Wallas disse:

    Amigo, de acordo com Marcos 7. Nos podemos então comer carne sufocada e bebermos o q quiser??

    Responder
  • Plinio Lopes disse:

    O que contamina o homem não é o que entra na boca, mas o que sai da boca, isso é o que contamina o homem.
    Mateus 15:11

    Responder
  • João Oliveira disse:

    Hugo,
    A que Paulo, então, se refere em 1Tim. 4:1-5?

    Houve uma heresia grega que floresceu no seio do cristianismo primitivo, chamada de gnosticismo, que entre outras coisas afirmava ser a matéria (corpo) algo mau.
    Sendo assim, alguns renegavam a tudo o que fosse material, como certos alimentos (para eles eram criados por uma divindade inferior), e o casamento. Simpatizantes destes pensamentos gnósticos chegaram a afirmar até que Jesus não tinha um corpo, apenas “parecia ter”, caso contrário Ele não poderia ser considerado um perfeito Messias.

    Outros se entregavam às mais degradantes práticas, por crerem que não importava o que fizessem com o corpo, pois isso não afetaria seu espírito.
    Portanto, o que Paulo estava atacando era este movimento filosófico que tentava impor regras de vida para as pessoas, não como tentativa de adoração ao Senhor, mas sim como meio de “maltratar” e subjugar a carne – o corpo.

    Nada tinha que ver com os alimentos imundos descritos em todo o restante das Escrituras.

    Responder
    • Hugo disse:

      Graça e Paz Meu amado amigo João, no primeiro capitulo já diz O espirito de Deus Diz não Paulo Diz e se refere nós tempos atuais você não vê a discussão sobre esse assunto varias denominações proibindo comer isso ou aquilo, O Espírito de Deus diz claramente que, nos últimos tempos, últimos tempos já estamos vivendo meu querido que Deus o abençoe.

      Responder
  • Hugo disse:

    Gênesis 1:30 Leiam

    Responder
  • João Oliveira disse:

    Hugo,
    não sei se você percebeu que a Bíblia no livro de Levítico proíbe a ingestão de certos alimentos considerados imundos, portanto, não é qualquer denominação é quem veda esse comportamento errado, mas Deus é quem estabelece que comer qualquer alimento impuro é pecado, uma vez que cada cristão é um Templo do Espírito Santo, dessa forma devemos respeitar a Palavra de Deus.
    João

    Responder
  • sebastião disse:

    se você esta em cristo jesus nova criatura è as coisa velhas ja passarão es que tudo se fez novo.Portanto jesus nos libertou da maldição da lei

    Responder
  • João Oliveira disse:

    Sebastião,

    “Cristo nos resgatou da maldição da lei, fazendo-se maldição por nós; porque está escrito: Maldito todo aquele que for pendurado no madeiro” (Gálatas 3:13).

    Este versículo bíblico é muitas vezes interpretado como um argumento contra a lei de Deus e em favor de Jesus Cristo. Esta é uma grosseira perversão de seu sentido. Aqui está o que ele significa, e o que não significa.

    “A maldição da lei” paira sobre aqueles que infringem a lei (cf. Deut. 28:15).

    “A maldição da lei” é “morte” (comparar com 1 João 3:4 Romanos 6:23).

    A morte é pronunciada sobre todos os que infringem a lei de Deus (dos Dez Mandamentos) porque essa lei é tão perfeita, tão santa, tão imutável (veja Romanos 7:12), e tão eterna (sendo escrita em pedra, Êxodo 31:18), que todos os infratores são justamente condenados à morte por violarem seus princípios sagrados.

    Assim, Gálatas 3:13, não é um argumento contra a lei de Deus, mas a favor dela.

    A boa notícia é que Jesus Cristo voluntariamente tomou o horror da “maldição da lei” tornado-se “maldição para nós”.

    Por causa do que Jesus fez por nós no Calvário, podemos nos arrepender de nossos pecados, ter fé nEle, sermos totalmente perdoados, e assim, ficarmos em pé perante a Lei de Deus como se nunca tivéssemos pecado (veja Romanos 3:26).

    Longe de abolir a lei de Deus, a morte de Jesus Cristo estabelece sua santidade e validade eterna (Romanos 3:31).

    Compreender a relação adequada entre a lei e o evangelho leva as pessoas a escolherem “guardar os mandamentos de Deus e a fé de Jesus” (Apocalipse 14:12).

    Como é o seu entendimento hoje?

    Responder
  • João Oliveira disse:

    André,
    a sua interpretação carece de apoio bíblico. Veja, se você come veneno, ele entra pela boca e afeta todo seus órgãos, portanto, tudo que se come faz um diferencial em seu organismo. Se come demais, engorda. Se come gordura, entope as veias do coração. Se fuma, é um candidato a um câncer ou efizema. Se bebe muito bebida alcoólica, torna-se um viciado. Então, o que entra pela boca também contamina o homem. Deus, na sua sabedoria, deixou para Seus filhos (somente para eles) lei da saúde. Quem não aceita a Palavra de Deus terá problema sério de saúde. Obedeça a orientação bíblica e será um candidato ao Reino de Deus.
    João Oliveira

    Responder
  • João Oliveira disse:

    André,
    veja que no verso 7:10 última parte “E, assim, considerou ele puros todos os alimentos” Jesus estava falando aos judeus sobre alimentos puros e não de alimentos impuros. Caso contrário, os judeus teriam replicado Jesus com veemência, porque eles eram zelosos com a alimentação prescrita em Levítico. Não houve nenhum questionamento, pois a comparação era que os judeus alimentavam-se corretamente, todavia, eles se contaminavam quando abriam a boca para expressarem paixões inflamadas e impuras. O texto apresentado não tem nada com a ingestão da carne de porco. Esta carne continua impura, porque foi Jesus, através do Espírito Santo, que inspirou Moisés a escrever o livro sagrado de Levítico.
    João

    Responder
    • André Sanchez disse:

      João, nesse caso a expressão “todos” se aplicaria a que alimentos? Se os alimentos já eram puros por que Jesus os considerar puros de novo?

      Responder
      • flavio disse:

        como seria bom se as pessoas entendessem, a palavra de Deus se alto interpreta, percebo que até existe um certo conhecimento bíblico eu não vejo outra explicação se não cegueira espiritual porque eu também já fui cego espiritualmente falando, se Deus disse que é imundo, não serve pra alimentação, não temos que discutir com ele foi ele quem nos fabricou e sabe exatamente o que precisamos para mantermos o nosso corpo bem, o que as pessoas fazem é uma confusão criam doutrinas em cima de textos isolados, examine o contexto, quanto ao texto de marcos 7 existia uma tradição dos anciãos de lavar as mãos antes de comer, pois essas mãos poderiam esta imundas e ao tocar os alimentos estes se tornariam imundos, foi essa tradição que Jesus foi contra ele explica muito claro, e só lembrando que carne de porco nunca foi alimento para o povo de Deus.
        fiquem na paz

        Responder
  • João Oliveira disse:

    André,
    “E Assim Considerou Ele Puros Todos os Alimentos”

    Esta declaração de Marcos tem sido problemática para copistas, teólogos, exegetas e comentaristas:

    Alguns têm declarado que esta afirmação do verso 19, em grego: kayarizon panta ta brwmata – catharidzon panta ta bromata não se encontrava no original de muitos manuscritos, sendo portanto um acréscimo posterior.

    O renomado exegeta Bruce M. Metzger, com sua autoridade inquestionável, no livro A Textual Commentary on the Greek New Testament pág. 95 ao tecer considerações sobre este verso declara: o peso esmagador dos manuscritos nos convencem de que esta afirmação foi escrita por Marcos. Diante da dificuldade do verbo purificar, muitos copistas tentaram correções e melhorias. Metzger conclui: Muitos eruditos modernos, seguindo a interpretação sugerida por Orígenes e Crisóstomo consideram o verbo catharidzo, ligado gramaticalmente com “leguei” do verso 18 tomando assim o comentário do evangelista com as implicações das palavras de Jesus concernentes às leis dietéticas judaicas.

    Esta mesma idéia é esposada pelo livro Consultoria Doutrinária da Casa Publicadora Brasileira, págs. 130 a 132, das quais destacamos:

    “Nalgumas Bíblias a declaração final do versículo 19, parece fazer da instrução de Cristo, com o sentido de que o processo da digestão e eliminação tem o efeito de ‘purificar todos os alimentos’. O texto grego, porém, torna evidente que estas palavras não são de Cristo, mas sim de Marcos, e constituem seu comentário sobre o que Cristo queria dizer. Por conseguinte é necessário interpretar esta expressão sob o aspecto das palavras ‘Então lhes disse’, do versículo 18. Destarte a última frase do versículo 19 rezaria assim:’(Então lhes disse isto), purificando todos os alimentos’ ou ‘considerando puros todos os alimentos’ – a saber, sem levar em consideração se a pessoa que comia realizara ou não a ablução cerimonial preceituada, Era essa a questão em debate (verso 2).

    “Em segundo lugar, convém notar que a palavra grega bromata, traduzida por alimentos, significa simplesmente ‘o que se come’, e inclui todas as espécies de alimentos; jamais distingue a carne dos animais de outras espécies de alimentos. Restringir as palavras ‘considerou puros todos os alimentos’ aos alimentos cárneos e inferir que Cristo aboliu a distinção entre as carnes limpas e imundas usadas como alimento (ver Lev. 11), é desconhecer completamente o sentido do texto grego.

    “Percebe-se, pois, que o versículo 19 não foi acrescentado, mas que a expressão final deste versículo não foi usada por Cristo, e sim, por Marcos, para indicar que a cerimônia de lavar as mãos várias vezes antes de comer – não por limpeza, mas por formalidade – nada tinha que ver com a salvação. Isto, no entanto, não quer dizer que se deva comer com as mãos sujas, ou que se possam usar todas e quaisquer carnes de animais, mesmo dos que foram proibidos em Lev. 11.”

    Outra autoridade, não menos destacada, Marvin R. Vincent, em Word Studies in the New Testament, vol. l, pág. 201, afirma sobre Marcos 7:19:

    “Cristo estava enfatizando a verdade de que toda contaminação vem de dentro. Isto era em face das distinções rabínicas entre alimentos limpos e imundos. Cristo declara que a impureza levítica, como o comer sem lavar as mãos, é de pouca importância quando comparada com a impureza moral. Pedro ainda sob a influência dos antigos conceitos, não consegue entender a declaração e pede uma explicação (Mat. 15:15), que Cristo dá nos versos 18-20. As palavras ‘purificando todos os alimentos’, não são de Cristo, mas do evangelho, explicando o significado das palavras de Cristo; a Versão Revisada do Novo Testamento, portanto, traduz corretamente ‘isto ele disse (em itálico), tornando limpos todos os alimentos.’

    “Esta era a interpretação de Crisóstomo, que diz em sua homília sobre Mateus: ‘Porém, Marcos diz que ele disse estas coisas tornando puros todos os alimentos.’ Canon Farrar refere-se a uma passagem citada de Gregório Taumaturgo: ‘E o Salvador, que purifica todos os alimentos diz’ . . .”

    Responder
  • João Oliveira disse:

    André,
    Ao lermos 1 Timóteo 4:1-3 Paulo está apresentando um problema que estava se levando na igreja recorrente a falsos ensinamentos. Alguns entendem nesse texto que a proibição feito no Antigo Testamento em relação ao consumo de alguns tipos de animais (Levítico 11 e Deuteronômio 14) está aqui caindo por terra, mas será isso verdade?

    Para entendermos o que Paulo escreveu é necessário compreendermos o contexto histórico no qual esse capítulo foi escrito. Ele apresenta no texto pessoas apostadas por terem se desviado da Palavra de Deus para seguirem ensinadores enganosos, hipócritas, mentirosos e de mente cauterizada que seguiam doutrinas heréticas e demoníacas. Vamos agora analisar dois desses ensinamentos.

    1) Proibição em relação ao casamento.
    De acordo com o respeitado Comentário do Novo Testamento, William Barclay, p. 107 diz que: esses hereges eram gnósticos, ou seja, ensinavam que o espírito é totalmente bom e a matéria totalmente má. Havia aqueles que pregavam que o corpo era maligno, que tudo o que tinha que ver com o corpo, todo instinto e função físicas eram maus, que até as coisas mais belas do mundo deviam ser abandonadas e desprezadas. Nesse contexto esses falsos ensinadores pregavam que as pessoas deviam abster-se do casamento, porque o corpo é maligno e os instintos do corpo também o são e devem ser suprimidos por completo.
    Mas vejamos o que ensina a Palavra inspirada de Deus (2 Timóteo 3:16):
    “Venerado seja entre todos o matrimónio e o leito sem mácula; porém, aos que se dão à prostituição, e aos adúlteros, Deus os julgará”. Hebreus 13:4

    “Seja bendita a sua fonte! Alegre-se com a esposa da sua juventude. Gazela amorosa, corça graciosa; que os seios de sua esposa sempre o fartem de prazer, e sempre o embriaguem os carinhos dela”. Provérbios 5:18,19
    Perceba que a Bíblia não considera mau o prazer sexual desfrutado dentro do casamento.

    2) Abstinência de alimentos.

    Perceba que pelo contexto histórico a questão aqui não eram alimentos impuros, mas sim qualquer tipo de prazer que se podia proporcionar ao corpo, algo que também acontece ao comermos, visto produzirmos substâncias que nos trazem sensação de bem estar. Em relação a isso esses falsos mestres ensinavam que o abster-se de comer era necessário, porque a comida é algo material e maligno; a comida alimenta ao corpo e o corpo é maligno.

    A Bíblia nos diz que: “O nosso corpo é templo do Espírito Santo”. 1 Coríntios 3:16; 6:19
    E devemos cuidar muito bem dEle, visto que seremos julgados por tudo aquilo que estivermos fazendo por meio de nosso corpo (2 Coríntios 5:10). Deus nos orienta que devemos ter uma alimentação o mais saudável possível para que possamos oferecer uma adoração melhor à Ele (Daniel 1:8-17; 1Tessalonicenses 5:23).
    Que Paulo não estava se referindo à carne de porco ou a qualquer alimento considerado impuro, podemos ver nos versos seguintes:
    “Pois tudo o que Deus criou é bom, e nada deve ser rejeitado, se for recebido com ação de graças, pois é santificado pela palavra de Deus e pela oração”.1 Timóteo 4:4,5

    O que a palavra de Deus tem a dizer, por exemplo, em relação a carne de porco:
    “Esse povo que sem cessar me provoca abertamente, oferecendo sacrifícios em jardins e queimando incenso em altares de tijolos; povo que vive nos túmulos e à noite se oculta nas covas, que come carne de porco, e em suas panelas tem sopa de carne impura.” Isaías 65:3,4
    “Vejam! O Senhor vem num fogo, e os seus carros são como um turbilhão! Transformará em fúria a sua ira e em labaredas de fogo, a sua repreensão. Pois com fogo e com a espada o Senhor executará julgamento sobre todos os homens, e muitos serão os mortos pela mão do Senhor. Os que se consagram para entrar nos jardins indo atrás do sacerdote que está no meio, comem carne de porco, ratos e outras coisas repugnantes, todos eles perecerão”, declara o Senhor. Isaías 66:15-17
    Perceba que dentre muitas práticas que Deus considerava repugnante estava o comer carne de porco e outros animais imundos também, sendo assim, a Palavra de Deus não santifica a esses animais e muito menos a oração.
    Para concluir: Pudemos observar a importância de se conhecer o contexto cultural de um texto para não o tirarmos de seu contexto e dessa forma fazer a Bíblia dizer coisas que ela nunca teve a intenção de dizer. A Bíblia nos mostra que ela não é contra o casamento e ao uso dos alimentos que foram criados por Deus para nos proporcionarem bem estar e saúde de uma forma geral.

    Que Deus te abençoe grandiosamente.

    Responder
  • João Oliveira disse:

    André,
    pela sua postura e resposta, você já esta obedecendo a Palavra de Deus sobre a boa alimentação. Sei que você não come carne de porco entre outros alimentos impuros. Mesmo que o alimento seja puro, devemos usá-los equilibradamente (pouco açúcar, gordura, etc). A impressão que eu tenho é pelo seu aspecto saudável que transmite. Será que o funcionamento do corpo de um judeu é diferente de um cristão?! Não.
    Deus não muda.
    João

    Responder
    • André Sanchez disse:

      João, a carne de porco é a que mais gosto. Quase todo final de semana faço algo dessa carne.

      Responder
      • flavio disse:

        Eu também gostava muito dessa carne André até conhecer Isaías 66:17 que esta dentro de um contexto escatológico ai começou a duvida com os textos do novo testamento parecia que havia contradição, como pode? Deus vai destruir sendo que Jesus purificou! então foi quando eu decidir examinar cuidadosamente todos os textos que fala sobre o assunto e cheguei a seguinte conclusão Jesus não veio purificar porcos e muito menos contradizer a promessa de seu pai, até porque Deus não muda. que o eterno te abençoe

        Responder
  • Vitor Silva disse:

    Vc ta ensinando heresia, Deus falou que a carne de porco é imunda, e acabou, foi ele que falou, não foi vc nem ninguém, o pessoal tem mania de contrariar as coisas de Deus, ele conhece tudo ele sabe oque fala, não seja hipócrita e tolo como os outros, e isso aqui é exortação a você, queira vc aceite ou não.

    Tiago 1:17 ele não muda nem varia.

    você é mais um que segue os que não querem compromisso com Deus e começa a procurar oque n tem na bíblia para não ser prejudicado nos seus costumes, anulastes a lei de Deus por tradições de homens.

    Caro irmão examinai as escrituras como os bereanos examinou em Atos para ver se tudo aquilo que dizem é oque está na bíblia.

    Apocalipse 14:12 está aqui a sua reflexão, ou vai ser mais um que vai ignorar esta palavra? vc guarda os mandamentos de Deus e a fé em
    jesus, ou você prefere João 15:10

    ou João 14:15? que a graça de Deus continue te acompanhando e o espirito dele ilumine sua alma para retirar todas doutrinas diabólicas introduzidas nas igrejas por satanás, só os puros enxergarão a verdade a luz de Deus.

    Responder
  • Neres Santana disse:

    AS VEZES EU FICO A ME PERGUNTAR;
    SERA QUE AS PESSOAS QUE DEFENDEM QUE NÃO SE PODE COMER CANE DE PORCO, USA O MESMO MÉTODO PARA DEFENDER QUE NÃO SE PODE TRABALHAR NO SÁBADO ?
    BEM SE TRABALHAR NO SÁBADO É PECADO ISSO SIGNIFICA QUE JESUS FOI UM PECADOR ? PELO QUE EU SEI JESUS (violava o sábado) >> “E os judeus perseguiam Jesus, porque fazia estas coisas no sábado. Mas Ele lhes disse: Meu Pai trabalha até agora, e eu trabalho também. Por isso, pois, os judeus ainda mais procuravam matá-lo, porque não somente (violava o sábado), mas também dizia que Deus era seu próprio Pai, fazendo-se igual a Deus.”

    (João 5:16-18)

    E SE JESUS PECOU LOGO O SEU SACRIFÍCIO FOI EM VÃO !

    Responder
    • flavio disse:

      Neres É claro que Jesus não pecou, ele é prefeito não violou a lei agora qual é o trabalho que Jesus no sábado? o próprio Jesus observava o sábado; Lucas 4:16, será que é pecado curar alguém no sábado?porque foi esse o trabalho que o senhor Jesus no sábado, ele próprio disse é licito fazer o bem no sábado, eu ainda não vi dentro da lei de Deus que era pecado alguém ser curado no sábado, pelo que sei os fariseus quando voltaram cativo da babilônia eles colocaram um peso muito grande no sábado ao ponto de idolatrar esse dia o qual se tornou um fardo e não foi esse o propósito de sua criação ele é um presente do Eterno para nós seres humanos, criado para o homem como o senhor Jesus mesmo disse; a transgressão desse mandamento foi uma das causas que levou o povo de Deus cativo, Jeremias 17:19-27, talvez por medo eles colocaram um peso muito grande em cima desse mandamento, dessa lei nem um acento foi mudado como próprio senhor Jesus disse; Mateus 5:17-18.
      agora porque que eu observo esse mandamento vou deixar que a bíblia explique: João 15:10, 1joão 2:6 e Gêneses2:3 Efésios 5:, que o Eterno te abençoe

      Responder
  • João Oliveira disse:

    Neres,

    Existem leigos, mesmo sinceros, que acreditam que Jesus não guardou os Dez Mandamentos e que ele combateu o sábado. Esta tem sido uma perigosa heresia que se espalha por todo o mundo. Inclusive, pessoas mal-intencionadas têm se levantado dos púlpitos de suas igrejas e escrito folhetos, panfletos e apostilas, afirmando, categoricamente, que o Nosso Senhor Jesus Cristo transgrediu o mandamento do sábado! Até onde vai o conhecimento deles? Até onde isso é verdade? O que diz a Bíblia? Caso Jesus tivesse profanado o sábado, ou qualquer outra lei, Ele não poderia ser “um cordeiro sem defeito nem mancha” (1Pe.1:19), nem poderia ser o Messias que tem a função de “engrandecer a lei e torná-la gloriosa” (Is.42.21). Então, quem afirma que Cristo violou o sábado, está negando que Ele seja o Messias, tornando-O um mero pecador e mentiroso, pois Ele mesmo disse ter observado os mandamentos (Jo.15:10).

    Então, podemos afirmar com toda convicção: Jesus não Se levantou contra os Mandamentos, nem contra o sábado. O que Jesus fez foi não Se ajustar às formas e aos acréscimos que os escribas e fariseus fizeram à Lei de Deus. Jesus guardava o sábado conforme a essência do quarto mandamento, e não à moda farisaica cheia de tradições! Fica mais do que claro que Cristo pretendia confrontar os escribas e fariseus na maneira deles entenderem o mandamento sabático, e não combater o próprio mandamento em si. Desse modo o Senhor fez a reforma na observância do sábado, ensinando o verdadeiro sentido do mandamento.

    Agora, vejamos o que as mais variadas denominações cristãs tem a dizer oficialmente sobre esse assunto.
    —> Assembléia De Deus

    A “Casa Publicadora das Assembléias de Deus” (CPAD) publicou um livro comentando, brevemente, toda a Bíblia. Nele nós encontramos:

    “O zelo dos fariseus não era pela Lei de Deus, mas das suas próprias tradições. Tinham tornado o dia de descanso em um dia cheio de preceitos e exigências absurdas. Jesus deliberadamente pisou-as, e estabeleceu o princípio de que ‘é lícito fazer bem no sábado’ (v.9).” — S. E. McNair, “A Bíblia Explicada”, p. 355. Grifos acrescentados.

    Comentando sobre o capítulo 12 de Mateus, o Pr. Myer Pearlman escreveu isto:

    “O capítulo 12 registra a oposição dos fariseus a Jesus. Seus motivos para opor-se a Ele eram os seguintes: Sua origem humilde; Sua associação com os pecadores; e a Sua oposição às tradições. O capítulo 12 descreve a oposição vinda pela última razão mencionada.” — Em Em “Conhecendo as Doutrinas da Bíblia”, p. 193.

    O famoso Pr. Myer Pearlman escreveu um comentário do Evangelho de João. Vejamos o que ele disse sobre João 5:15–20 (que é o texto preferido de muitos assembleianos que tentam frustradamente provar que Jesus “trabalhou” no sábado):

    “Mas Ele [Jesus] lhes disse: Meu Pai trabalha até agora, e Eu trabalho também’. Noutras palavras, Deus trabalha no sábado, sustentando o universo, comunicando vida, abençoando os homens, respondendo as orações.” — Em “João — Ouro Para Te Enriquecer”, p. 59.

    —> Igreja Presbiteriana

    Num livreto, intitulado “ABC Doutrinário do Candidato à Publica Profissão de Fé”, de autoria do insigne hebraísta Guilherme Kerr, encontramos o seguinte:

    “Jesus condenou a tradição que os judeus acrescentaram à Lei de Deus”. — P. 19. Grifos acrescentados.

    O erudito bíblico John D. Davis, autor presbiteriano de um dos mais famosos dicionários bíblicos que já alcançou várias edições, responde:

    “No tempo de Cristo, os fariseus aplicavam a lei do descanso aos atos mais triviais da vida, proibindo muitas obras de necessidade e misericórdia. Acusaram a Jesus por fazer curas em dia de Sábado, ao mesmo tempo em que achavam lícito retirar o boi, o animal, ou a ovelha que tivesse caído dentro de um poço. Também julgavam necessário levar os animais a beber, como em qualquer outro dia da semana, Mat. 12:9–13; Luc. 13:10–17. E não eram somente as curas feitas em dia de Sábado que eles condenavam. Quando os discípulos de Jesus passavam pelas searas e colhiam espigas, e machucando-as nas mãos as comiam, porque tinham fome, os fariseus os censuraram, como se fosse essencialmente o mesmo trabalho de fazer colheitas e moer o trigo. A isto nosso Senhor deu uma notável resposta”. — Em “O Novo Dicionário da Bíblia”, p. 520.

    O escritor presbiteriano Ludugero Braga, no “Manual dos Catecúmenos”, escreveu o seguinte:

    “Cristo era israelita e veio para cumprir a lei. Portanto, ele tinha, como bom israelita, de guardar o sétimo dia. Ele guardou-o, porém, no espírito da lei e não da letra, pelo que os fariseus O acusaram de não observar o sábado (João 9:16). (…) Jesus disse que Ele é Senhor até do sábado (Mat. 12:8). Isto Ele disse por causa do literalismo e fanatismo. (…) Jesus declarou que ‘o sábado foi feito por causa do homem e não o homem por causa do sábado’(Mar. 2:27), isto é, o dia de descanso é para beneficiar o homem. Em Mat. 12:1–8, encontramos os fariseus censurando a Cristo e Seus discípulos, porque não guardavam o sábado à moda farisaica.” farisaicos — P. 163–165. Grifos acrescentados.

    —> Igreja Batista

    A resposta batista a esta questão vem do famoso escritor Pr. Enéas Tognini, que diz:

    “Contra os acréscimos Jesus Se levantou e os combateu, ressuscitando do ‘sábado’ o mais importante, o mais sagrado, que era o amor que se devia a Deus e ao próximo.” — Em “Jesus e os Dez Mandamentos”, p. 39. Grifos acrescentados.

    Da obra batista “O Novo Dicionário da Bíblia” nós lemos estas esclarecedoras palavras:

    “Durante o período entre os dois Testamentos, entretanto, foi surgindo gradualmente uma alteração no que diz respeito à compreensão acerca do propósito do sábado. (…) Paulatinamente a tradição oral foi se desenvolvendo entre os judeus, e a atenção passou a focalizar-se na observância de minúcias. (…) Foi contra essa sobrecarga aos mandamentos de Deus, pelas tradições humanas, que nosso Senhor se insurgiu. Suas observações não eram dirigidas contra a instituição do sábado como tal, nem contra o ensinamento do Antigo Testamento. Mas Ele Se opunha aos fariseus, que deixavam a Palavra de Deus sem efeito por causa de suas pesadíssimas tradições orais.” — P. 1422. Grifos acrescentados.

    Carlos H. Spurgeon, o príncipe dos pregadores batistas, em sua obra “Perpetuity of the Law of God” (Eternidade da Lei de Deus), afirma:

    “Jesus não veio mudar a lei, mas sim explicá-la, e isto mostra que ela permanece; pois não há nenhuma necessidade de explicar aquilo que foi ab-rogado. (…) Ao assim explicar a lei Ele a confirmou; Ele não poderia ter intenção de aboli-la, do contrário não precisaria interpretá-la. (…) Que o Mestre não veio alterar a lei é claro, porque depois de incorporá-la à Sua vida, voluntariamente Se deu a Si mesmo para levar-lhe a penalidade, embora jamais a houvesse transgredido, pagando a penalidade por nós, como está escrito: ‘Cristo nos resgatou da maldição da lei, fazendo-se maldição por nós.’ (…) Se a lei houvesse exigido de nós mais do que deveria ter feito, teria o Senhor Jesus pago por ela a penalidade que resulta de seus tão severos preceitos? Estou certo de que não o faria. Mas pelo fato de a lei pedir apenas aquilo que deve pedir, isto é, perfeita obediência, e exigir do transgressor somente aquilo que deve exigir, a saber, morte como penalidade pelo pecado — por essa razão o Salvador foi para o madeiro, e ali morreu por nossos pecados e os expiou de uma vez por todas.” — P. 4–7.

    Diz o famoso escritor batista Pr. Enéas Tognini em sua obra “Jesus e os Dez Mandamentos”:

    “O quarto mandamento proíbe as atividades materiais, seculares. Por outro lado, ordena na palavra ‘santificar’ um trabalho espiritual, um serviço dedicado ao Senhor. Jesus cumpriu à risca as duas partes da prescrição legal. Ele não violou o mandamento divino como foi acusado pelos Judeus; o que Ele fez foi não ajustar-Se às fórmulas exteriotipadas dos acréscimos engendrados pelas tradições humanas em torno de um mandamento tão simples e tão claro. (…) Jesus, portanto estava certo, e mais do que certo quanto à guarda do sábado e não os seus gratuitos opositores. (…)
    “Sobre o oceano de confusão agitado pela celeuma farisaica sobre o quarto mandamento, uma coisa paira mais alto e de modo inconfundível: é como Jesus guardou o sábado. Pelo menos três coisas vitais, importantes Jesus fez no sábado: 1) Nem Jesus, nem Seus discípulos fizeram no sábado qualquer trabalho secular; 2) foi regular, sistemática e costumeiramente à sinagoga, onde Se entregava às atividades divinas; 3) Gastou sempre as horas do sábado pregando o Evangelho, como se pode verificar de Lucas 4:16 e Marcos 1:21–39; a curar os enfermos, os coxos, os aleijados, os endemoninhados…” — P. 42–43. Grifos acrescentados.

    E o fervoroso evangelista Dwight L. Moody também afirma:

    “Cristo guardou a lei. Se a tivesse alguma vez quebrado, teria que morrer por Si mesmo; mas porque era Cordeiro imaculado e incontaminado, Sua morte propiciatória é eficaz para vós e para mim. Não tinha pecado próprio pelo qual expiar, de maneira que Deus Lhe aceitou o sacrifício. Cristo é o fim da lei para justiça de todo aquele que crê. Somos justos aos olhos de Deus porque a justiça divina que é pela fé em Jesus Cristo, é para todos e por todos os que crêem.” — Em “Weighed and Wanting” (Pesado e achado em falta), p. 123–124. Veja as notas nas p. 322–323, 329 e 335.

    —> Igreja Congregacional

    No “The Works of President Edwards” há estas declarações relacionadas ao sábado:

    “Outro argumento da perpetuidade do sábado, nós o temos em Mateus 24:20: ‘Orai para que vossa fuga não aconteça no inverno nem no sábado.’ Cristo está falando aqui da fuga dos apóstolos e outros cristãos de Jerusalém e da Judéia, justamente antes de usa destruição, conforme está claro em todo o contexto. (…) Entretanto, está explícito nessas palavras do Senhor, que mesmo os cristãos que vivessem nessa época estavam sujeitos a uma estrita obediência ao sábado.” — Ed. reimpressa de Worcester (1848), vol. 4, p. 621–622. Grifos acrescentados.

    —> Igreja Católica

    Antes de poder compreender quais as atitudes de Cristo relativo ao sábado, o “Dicionário de Teologia”, editado por Heinrich Fries, publicado pelas “Edições Loyola” (católica), faz um prévio esclarecimento sobre o que aconteceu com o mandamento da lei de Deus:

    “Os escritos apócrifos e sobretudo os rabínicos apresentam uma interpretação exageradamente severa do descanso do sábado, perdendo-se um uma casuística sutilíssima e transformando o ‘sábado maravilhoso’ (Isa. 58:13) num peso insuportável. (…) Jesus opôs energicamente às interpretações extremamente escrupulosas dos escribas e fariseus, e mais de uma vez provocou propositalmente discussões sobre este ponto (Mat. 12:10-14; Luc. 13:10-17; 14:1-6; João 5:8-18). (…) Jesus considerava o mandamento do sábado com grande liberdade interior, e recusava resolutamente aquela rigorosa observância que escribas e fariseus exigiam.” — Vol. 3, p. 134 e 115.

    Agora, o que dizem oficialmente os líderes católicos sobre Jesus ter transgredido o sábado? Vejamos o que diz o “Catecismo da Igreja Católica”:

    “O Evangelho relata numerosos incidentes em que Jesus é acusado de violar a lei do sábado. Mas Jesus nunca profana a santidade desse dia. (Cf. Mar. 1:21; João 9:16). Dá-nos com autoridade a sua autêntica interpretação”. — P. 495. Grifos acrescentados.

    Do conhecido “Dicionário Bíblico”, de John L. Mckenzie, publicado pelas “Edições Paulinas” (católica), extraímos a seguinte nota:

    “O próprio Jesus guardava o sábado de modo razoável e ocasionalmente ensinava nas sinagogas no sábado (Mar. 6:2; Luc. 4:16,31).” — P. 810. Grifos acrescentados.

    Do que vimos, mesmo sendo acusado, pelos ESCRIBAS e FARISEUS da Sua época, e por alguns RELIGIOSOS modernos, o Catecismo assegura que “JESUS NUNCA PROFANA A SANTIDADE DESSE DIA”!

    Uma valiosa contribuição de John L. Mckenzie, no seu “Dicionário Bíblico”, nos reforça a compreensão desse assunto, quando registra:

    “Sem rejeitar a observância do sábado no seu conjunto, Jesus salienta que as práticas rabínicas eram meras interpretações humanas do preceito, que é basicamente para o bem humano.” — P. 811.

    Responder
  • João Oliveira disse:

    Neres,
    veja que Jesus violava o sábado sob a óptica dos fariseus e não de acordo com o mandamento de Deus.
    Se você tiver a mesma interpretação dos fariseus, Jesus não era Deus, porque os fariseus não aceitavam a divindade de Jesus.
    Aceite Jesus como divino e Senhor também do sábado e será abençoado.
    Não vá contra as leis divinas, aceite-as como consequência de que você aceitou o sacrifício de JESUS na cruz.
    João

    Responder
  • João Oliveira disse:

    Neres,
    onde está o mandamento que determina a guarda do domingo?!
    Está nos Dez Mandamentos do catecismo romano, porque na Bíblia não existe nenhum mandamento que manda guardar o domingo.
    Essa conversa de comemoração da ressurreição é invenção da Igreja Católica.
    Os evangélicos que guardam o domingo estão obedecendo a lei católica e não a Bíblia.

    Responder
    • André Sanchez disse:

      João, chego até gargalhar com esse tipo de comentário sem qualquer embasamento.

      Responder
  • João Oliveira disse:

    André,
    então prove na Bíblia o mandamento que diz sobre a guarda do domingo.
    Pegue um catecismo romano e veja o 3º mandamento dos dez mandamentos.
    Deus santificou o sábado e não o domingo Gênesis 2: 2 e 3.
    Quer maior prova!!!
    João

    Responder
  • João Oliveira disse:

    André,
    eu acho que você um homem muito risonho (gargalhada).
    Veja:
    Reuniões no sábado mencionadas no Novo Testamento.

    Textos Num. de Reuniões Local Data Histórico

    Marcos 1:21 1 Cafarnaum AD 28 Cristo ensinava Seus patrícios no Sábado. Ensino religioso. Realizou a cura do endemoninhado. Objetivos espirituais.

    Marcos 3:1
    Mateus 12:1
    Lucas 6:6 1 Cafarnaum AD 28 Cristo entrou na sinagoga e pôs-se a ensinar. Curou o homem que tinha a mão mirrada, o que irritou os fariseus. Demonstração do poder de Deus no dia de Sábado.

    Lucas 4:16 e 17. 1 Nazaré AD 28 Cristo foi à casa de culto. Diz o texto que o fez “segundo o Seu costume”. Quer dizer que sempre ia ao culto no Sábado. O que fez lá dentro foi puramente ato de culto. Leitura e exposição da Palavra de Deus. Não foi com objetivo de agradar os judeus, porque os desagradou bastante, a ponto de ser expulso da sinagoga e da cidade. Quiseram atirá-lo ao precipício.

    Lucas 4:31 ? Cafarnaum AD 28 Cristo usualmente ensinava nos Sábados. Nenhuma insinuação quanto ao dia de guarda.
    Lucas 23:56 1 Jerusalém AD 31 As santas mulheres, seguidoras de Cristo, inclusive Sua mãe, respeitosamente guardaram o “Sábado conforme o mandamento”. Nada sabiam acerca do domingo!

    Atos 13:44 e 42-44 2 Antioquia AD 45 Paulo em reunião de culto. Como os judeus abandonassem a sinagoga, no Sábado seguinte “quase toda a cidade” (gentios) se ajuntou para ouvir a Palavra de Deus. Boa oportunidade para Paulo lhes dizer que, como não estavam na sinagoga com os judeus, o dia de guarda seria o domingo…

    Atos 16:12 e 13 1 Filipos AD 53 Reunião de culto ao ar livre. Longe de sinagogas, que talvez não houvesse na cidade. Os apóstolos procuraram um lugar tranquilo para o culto sabático.

    Atos 17:1 e 2 3 Tessalônica AD 53 Na sinagoga. Reunião de culto. Paulo, “como tinha por costume”, foi ao culto no Sábado. O dia de guarda não se alterara na era cristã. Reunia-se indistintamente com judeus e gentios, ou sem eles, ao ar livre. O que interessava era a guarda do dia…

    Atos 18:1-4 e 11 78 Corinto AD 54 Temos aqui a considerar o seguinte: v. 4 “todos os sábados”; v. 11 “ficou ali um ano e meio ensinando”. Nesse ano e meio transcorreram 78 sábados, tempo mais que suficiente para Paulo ensinar que o dia de repouso fora mudado; v. 3 Paulo “trabalhava em fazer tendas”. No Sábado não trabalhava. Cumpria a lei de Deus que manda trabalhar seis dias. Logicamente não descansou no domingo. A Bíblia diz que o fazia no sábado e preferimos ficar com a Bíblia; v. 4 diz que Paulo estudava a Palavra de Deus com “judeus e gregos”. Também com os gentios no sábado.

    “Temos aí aproximadamente 90 reuniões religiosas no sábado, ‘conforme o mandamento’” .

    Deus quer passar um tempo de vinte e quatro horas com você no Sábado, além do tempo que dispõe na semana (que não é de vinte e quaro horas, devido ao trabalho e outras atividades), assim como o fez com Cristo enquanto Ele esteve aqui na Terra. (O próprio Jesus desfrutou da guarda do Sábado juntamente com Seus apóstolos, e em nenhum momento disse-lhes que o dia de guarda havia sido abolido ou mudado; muito pelo contrário, Ele confirmou a importância da lei – ver Mateus 5:17-19, João 14:15, 15:10, etc); não negue isso a Ele, se o ama de todo o coração.

    Despeço-me com um texto para reflexão:

    “E perseveravam na doutrina dos apóstolos e na comunhão, no partir do pão e nas orações”. Atos 2:42

    Responder
  • João Oliveira disse:

    André,
    leia e emita seu parecer.
    Édito de Constantino
    Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

    O chamado Édito de Constantino foi uma legislação do imperador romano Constantino I, proclamada em 7 de março de 321. O seu texto reza:

    “Que todos os juízes, e todos os habitantes da Cidade, e todos os mercadores e artífices descansem no venerável dia do Sol. Não obstante, atendam os lavradores com plena liberdade ao cultivo dos campos; visto acontecer amiúde que nenhum outro dia é tão adequado á semeadura do grão ou ao plantio da vinha; daí o não se dever deixar passar o tempo favorável concedido pelo céu”.(in: Codex Justinianus, lib. 13, it. 12, par. 2.)

    Impacto em Roma

    O decreto apoiou à adoração do Deus-Sol (Sol Invictus) no Império Romano. As religiões dominantes nas regiões do império eram pagãs, e em Roma, era notável o Mitraísmo, especificamente o culto do Sol Invictus. Os adeptos do Mitraísmo se reuniam no domingo. Os judeus, que guardavam o sábado estavam sendo perseguidos sistematicamente neste momento, por causa das Guerras judaico-romanas e, por essa razão o édito de Constantino, é considerado muitas vezes anti-semita.

    Embora alguns cristãos usaram o decreto de apoio à guarda do domingo, para tentar solucionar a polêmica1 de guardar o sábado ou o domingo na Igreja Cristã, na realidade, o decreto não se aplica aos cristãos ou judeus. Por uma questão estreitamente relacionada, Eusébio afirma que: “Por sorte não temos nada em comum com a multidão de detestáveis judeus, por que recebemos de nosso Salvador, uma dia de guarda diferente.”2 Embora isso não indique uma mudança do dia de guarda no cristianismo, pois na prática o édito não favorece um dia diferente para o descanso religioso, inclusive o sábado judaico. Este édito fazia parte do direito civil romano e em sua religião pagã, e não era um decreto da Igreja Cristã ou se estendia as religiões abraâmicas. Somente em 325 no Primeiro Concílio de Niceia o domingo seria confirmado como dia de descanso cristão, e a guarda do sábado abolida no Concílio de Laodiceia.
    Referências

    Ir para cima ↑ In: Alexander Roberts, D.D. & James Donaldson, LL.D.. Chapter LXVII.—Weekly worship of the Christians.. [S.l.: s.n.]. Página visitada em 2007-01-13.
    Ir para cima ↑ Vida de Constantino, Livro III, capítulo 18

    Responder
  • rom pin disse:

    De tudo o que se tem ouvido, o fim é: Teme a Deus, e guarda os seus mandamentos; porque isto é o dever de todo o homem.
    Porque Deus há de trazer a juízo toda a obra, e até tudo o que está encoberto, quer seja bom, quer seja mau.

    Eclesiastes 12:13-14

    o mandamentos de DEUS é amor, não consiste em que se pode comer ou beber.

    eu não como carne de porco, e respeito sábado, do dizimo, enfim cumpro toda lei…

    mas não observo isso…

    Pois tive fome, e não me destes de comer; tive sede e não me destes de beber; era forasteiro, e não me recolhestes; estava nu, e não me vestistes; enfermo e preso, e não me visitastes.

    Também eles perguntarão: Senhor, quando te vimos faminto, com sede, forasteiro, nu, enfermo, ou preso, e não te servimos?

    Então lhes responderá: Em verdade vos digo que quantas vezes o deixastes de fazer a um destes mais pequeninos, a mim o deixastes de fazer.

    Mateus 25:42-45

    Responder
  • João Oliveira disse:

    Olá, Rom Pin,
    Como seres humanos, sempre corremos o perigo de assumir posições extremas. Este perigo ocorre também no âmbito religioso. Sempre quando estudamos a Lei de Deus, precisamos nos precaver de dois erros:

    tentar pelos próprios esforços agradar a Deus. Isto resulta numa grande falha que está no senso de justiça própria, onde julgamos obter salvação pelos nossos atos.
    é pensar que a fé em Jesus isenta da obediência. Este erro é tão prejudicial como o primeiro. Neste estudo vamos tentar compreender este tema tão importante.

    Os apóstolos que, inspirados por Deus, escreveram vários livros da Bíblia, nos ajudam a compreender onde está o ponto de equilíbrio neste assunto. Vamos ler o que encontramos em Efésios:

    “Porque pela graça sois salvos mediante a fé;
    e isto não vem de vós, é dom de Deus; não de obras,
    para que ninguém se glorie. Pois somos feituras dEle,
    criados em Cristo Jesus, para boas obras,
    as quais Deus de antemão preparou
    para que andássemos nelas.” -
    Efésios 2:8 a 10

    Se atentarmos bem para o texto, poderemos ver que a primeira declaração é que somos salvos pela graça de Deus, e este dom não vem de nós. Isto coloca de imediato a verdade, que o ato de salvar a humanidade procede de Deus. A salvação, portanto é uma dádiva de Deus para o homem.

    A salvação não brota a partir do coração humano. Por mais que uma pessoa seja dada a fazer o bem, por mais que suas obras sejam excelentes, a salvação não vem de si mesma. A Salvação é um ato da graça de Deus. Aí prezado amigo, você pergunta: O que é a graça divina? E como esta graça atua em nossa vida?

    Graça é definida como favor, misericórdia, perdão. A graça é um atributo, uma característica divina exercida para com os seres humanos. Não a buscamos, porque ela nos foi dada pôr Deus.

    Ao cair em pecado, o homem experimentou as amargas conseqüências da transgressão. Nessa condição, não havia nada que pudesse fazer para modificar a sua situação. Não fosse a intervenção divina, e a humanidade estaria condenada a uma miserável existência e por fim a morte, sem nenhuma esperança de vida.

    A graça de Deus que foi primeiramente oferecida a Adão e Eva, e, por extensão à toda humanidade, provê uma porta de saída para a condição pecaminosa do homem. Deus, sabendo que o homem por si só nada poderia fazer, já havia estabelecido um plano para a salvação, caso o pecado entrasse no mundo.

    Deus em sua misericórdia executou fielmente o seu plano, e Jesus veio até nós, pagou o preço que o pecado exigia: a morte. Com Sua vida santa e sem pecado, e com Sua morte em sacrifício, Jesus adquiriu o direito de salvar perfeitamente a todos quantos crerem no Seu nome.

    Tudo o que Deus poderia fazer para salvar a humanidade da condição de pecadores, Deus realizou. O sacrifício de Jesus foi perfeito e completo. Sua ressurreição, e ascensão confirmam e provam isto.

    Assim, o homem, não poderia fazer nada para se salvar, porque era impossível para ele, mas Deus providenciou de maneira maravilhosa. E esta maravilhosa graça Deus oferece a todos. É um presente divino para humanidade.

    Somente um amor inexplicável é capaz de executar este plano maravilhoso e oferecer gratuitamente, sem que precisemos fazer absolutamente nada. Agora, nós que fomos criados com a capacidade de escolher o que queremos para nossa vida, poderemos ou não aceitar este precioso presente divino. Está em nós aceitar ou não este sacrifício de amor.

    Afirmamos que receber da graça de Deus a salvação em Cristo Jesus, sem acrescentar a isto qualquer coisa mais, é o único meio que a Bíblia apresenta, pelo qual devemos ser salvos.

    Agora que entendemos que somos salvos gratuitamente quero perguntar: O fato de termos sido agraciados com a salvação em Jesus elimina ou isenta a vida de obediência do crente?

    A segunda parte do texto lido no princípio esclarece a nossa pergunta. Nos é dito que, somos feitura de Jesus, criados para boas obras, preparadas por Deus para andarmos nelas.

    O fato de termos recebido a salvação em Cristo Jesus pela fé, não isenta de termos uma vida de obediência.

    Os mandamentos de Deus retratam o Seu plano de vida, a Sua vontade para o ser humano. Deus deseja que sigamos por esse caminho. Justamente é isso que o homem não consegue fazer separado de Jesus. Mas, quando a pessoa aceita a Sua graça salvadora, não só recebe o perdão dos pecados, mas recebe também poder para viver segundo a vontade do Senhor.

    Assim sendo, a vida de obediência não compra a salvação. A vida de obediência é uma conseqüência natural de alguém que está salvo em Jesus.

    Em Mateus a Palavra de Deus nos lembra:

    “Pelos seus frutos, os conhecereis.” – Mateus 7:20

    Uma boa árvore frutífera, bem enraizada, deverá produzir bons frutos. Só saberemos no entanto, se assim é, no momento em que ela produzir.

    Com o cristão não é diferente. Sua fé se assemelha à raiz. Não pode ser vista. Mas quando a raiz do cristão está bem aprofundada e bem plantada em Jesus, os frutos surgirão. Os frutos de uma vida segundo a vontade de Deus, são os frutos da obediência.

    Uma vida sem Jesus é uma vida vazia. O problema não está na lei. O problema não está em Jesus. A dificuldade não está na obediência. O problema está quando alguns querem obedecer a lei por suas próprias forças, e pensam com isso estar agradando a Deus e tornando-se merecedores da salvação.

    A salvação é um presente de Deus. E presente é de graça. Aqueles que aceitam este precioso presente, que é o perdão divino, passam a viver uma vida de conformidade com a vontade do Senhor. Deus também dá poder para que se possa ter uma experiência vitoriosa.

    Quando isso acontece como resultado da presença de Jesus na vida, a obediência não é exercida para salvar. Mas como conseqüência, como resultado de um coração renovado, e salvo pela graça do Senhor Jesus Cristo.

    Quando nos tornarmos semelhantes a Jesus, nossa conduta refletirá o retrato do nosso relacionamento com o Salvador. A obediência não se tornará um fardo, e sim alegria. O cristão sabe que os mandamentos de Deus não são pesados, e que, como um Pai amoroso, que só deseja o bem dos seus filhos, nosso Pai celestial jamais nos pediria algo que não fosse para nos tornar felizes. Que possamos refletir o amor de Cristo, e que nossa vida produza o suave perfume que emana de Jesus.

    Responder
  • José Filho disse:

    Percebe-se que nos textos antigos muitos mandamentos eram medidas profiláticas para que o povo vivesse bem e melhor. Creio eu neste contexto entrar os alimentos, costumes, modos vivendis e de distinção. Era Deus determinando como gostaria que o seu povo se portasse. Percebe-se que dava muito, mas muito certo (Glória á Deus!), o povo em muitos casos foi considerado muito fértil, não adoecia mesmo em condições severas sob Sol e aridez do terreno. Hoje o que é um alimento impuro? (não estou querendo mudar texto da Bíblia) Sabe-se que hoje podemos e é aceitável dizer que existem alimentos pouco agressivos; se formos nos alimentar de carne vegetal para não utilizar a animal caimos no poço da dúvida pois a carne vegetal basicamente é feita de soja transgenica; não! então vamos para os vegetais!!! Procure você mesmo na internet e encontrará a grande concentração de agrotóxico da batata ao feijão, do milho a alface! se formos para as carnes encontramos frango que do nascer ao adulto (40 dias); Do gado em poucos meses ele pega peso; o porco (o dilema) tambem pega peso rápido!!! E todos a base de substâncias para um rápido crescimento e ganho de peso. Recorreremos ao leite?? feito de uma vaca que dá menos de uma dezena de litro por dia em condições normais e após modificações temos vacas que dão 30, 40 litros (isso é normal??) sem contar que alguns citam que nem alimento é para o ser humano e sim para os bezerros. O que comer?? o que é puro hoje em dia? Amados estamos sobre a Gigantesca Graça de Deus e o que Ele tem posto em minha mesa tenho dado Graças e a santifico para o meu bem! esta é a minha fé.

    Responder
    • Carla Felix disse:

      é fato que os alimentos tem agrotoxicos e que o leite de vaca não serve para consumo humano,porém é muito mais saudavel consumir vegetais a carnes, e seu corpo se torna mais forte por isso e sua mente mais sã!
      Por exemplo, Deus proibiu que se comesse a gordura das carnes. E hoje vemos que existe o colesterol, a obesidade devido justamente ao grande consumo de gordura animal! Existem fórmulas para vc retirar o agrotoxico dos alimentos!O ideal é que para cada litro de água sejam misturados 5 ml de tintura de iodo a 2%. Deixe os alimentos nesta solução por uma hora e depois lave bem em água corrente.A tintura de iodo pode ser comprada em farmácias. Vc pode tb substituir os óleos normais por óleo de coco que é muito mais saudavel e o leite de vaca por vegetais que contém calcio tb! É uma questão de querer cuidar do que Deus te deu, e não de ter uma desculpa para descuidar da saúde dizendo que é só orar que está tudo bem! isso é tentar ao Criador!

      Responder
  • roma pin disse:

    é claro devemos nos cuidar, mas se preocupar com que comer ou com que beber, a respeito da salvação da alma, não é isso que tá em jogo na palavra de Deus, não isso que que o PAI tá preocupado a respeito do homem, a intenção do PAI é libertação do homem das garras de satanás, tirar do homem a incredulidade, a avareza, a lascívia (meio de pecar ou luxuria) prostituição, idolatria, adultério, contendas, homicídio, fornicação, desonestidade, ódio, perversidade, devassidões, infâmia, abominações, impureza, engano, dissolução, inveja, blasfêmia, soberba, loucura, imundícia, infâmia, iniquidade, porfias, guerras, ruins suspeitas, feitiçaria, inimizades, emulações, iras, pelejas, heresias, apostasia, detrações, mexericos, orgulhos, tumultos, questão, vanglória, enfim muitas outras coisas que contamina alma do homem, isso é a preocupação do PAI, não adianta nada eu NÃO comer carne de porco, e estar enquadrado em algum item acima, temos que primeiro nos limpar de tudo isso, não é fácil, mas temos um Pai que nos JUSTIFICA de dia e de noite, porque nenhuma condenação há para os que estão em CRISTO JESUS NOSSO SENHOR.
    esquece leis mosaica, viva o hoje a lei de CRISTO, na lei mosaica era dente por dente olho por olho, o amor pelo próximo passava longe, se uma mulher era pego ato de adultério era apedrejada, na lei de CRISTO, vai e não peques mais, entenderam. neste século o que prevalece é o amor com próximo, é o que muitos não estão tendo, pregam a palavra de DEUS só no interesse monetário, tiram a lã das ovelhas (dízimos), tudo isso era lei, JESUS disse aquele que guarda meus mandamentos tem a mim e o PAI, meus mandamentos, não lei mosaica, os mandamentos de CRISTO, AMOR COM PRÓXIMO, DAI DE GRAÇA O QUE RECEBESTE DE GRAÇA, o conhecimento da verdade, não vende a palavra, tirando do povo simples nos dízimos e ofertas, que são para encher o bolso desse falsos homens de DEUS, para viverem na luxuria, sai dela povo meu, antes que seja tarde. amem

    Responder

Seu comentário é muito importante! Comente! Regra 1 - Seja respeitoso. Regra 2- Não aprovamos comentários de anônimos. Obs.: Todos os comentários são moderados antes de serem publicados.