Para onde vai nossa alma depois que morremos?

Postado por em: #VocêPergunta

vida após a morte, céu, inferno, alma, salvação, condenação

Você Pergunta: Para onde vão as almas das pessoas depois que elas morrem? Elas já vão para o céu e para o inferno ou permanecem em algum lugar intermediário dormindo? As almas dos falecidos conseguem se comunicar com os vivos e interagir com o nosso mundo?

Caro leitor, todas as almas são propriedade exclusiva de Deus. Ele as criou e elas são Dele. Assim, a Bíblia diz que quando uma pessoa morre, seu espírito volta a Deus. “e o pó volte à terra, como o era, e o espírito volte a Deus, que o deu.” (Ec 12. 7).

A morte também sela o destino da pessoa. Todos morrem ou salvos ou condenados. Ninguém morre com seu destino final indefinido. Assim, a morte é a batida final do martelo na vida de todos nós. “E, assim como aos homens está ordenado morrerem uma só vez, vindo, depois disto, o juízo” (Hb 9. 27). Morremos uma só vez e depois disso vem sobre nós o juízo. O “juízo” já é uma espécie de julgamento que separam salvos e condenados após sua morte. Esse juízo de Deus separa os salvos para o céu e os condenados para o inferno. Todos, em seus respectivos lugares, aguardam a volta de Jesus Cristo e o dia do grande juízo final.

Qual você quer? Escolha e clique:
Teologia Sem Mensalidades - Curso Para Pregadores - Memorização da Bíblia - Ver Outros

A Bíblia não nos autoriza a pensar que o espírito fica dormindo aguardando a segunda volta de Jesus Cristo ou em um lugar intermediário. O nosso espírito fica consciente após a morte e aguarda o cumprimento de toda a palavra de Deus na volta de Jesus Cristo (os condenados aguardam no inferno e os salvos no céu). Alguns textos nos indicam essa realidade. Um deles é o que mostra o ladrão que se arrependeu ao lado de Jesus na cruz. “Jesus lhe respondeu: Em verdade te digo que hoje estarás comigo no paraíso.” (Lc 23. 43). Observe que Jesus lhe promete que, após morrer, já se apossaria do paraíso, sem lugares intermediários.

Outro texto que apóia essa realidade é a parábola de Jesus a respeito do rico e do mendigo. O rico morre e vai para o inferno. O mendigo de nome Lázaro também morre, mas vai para o céu. “Aconteceu morrer o mendigo e ser levado pelos anjos para o seio de Abraão; morreu também o rico e foi sepultado. No inferno, estando em tormentos, levantou os olhos e viu ao longe a Abraão e Lázaro no seu seio.” (Lc 16. 22-23). Nenhum deles se encontra dormindo. Todos estão acordados e conscientes.

Jesus não usaria uma inverdade como pano de fundo de uma parábola. Assim, essa parábola aponta sim para o destino final de cada um de nós após a nossa morte: Conscientes e já no lugar determinado por Deus.

Com relação a comunicação de vivos com espíritos de pessoas falecidas, não há essa possibilidade. A Bíblia não diz nada que apóie essa ideia, pelo contrário, é totalmente contrária a essa prática. “Quando vos disserem: Consultai os necromantes [pessoas que consultam os mortos] e os adivinhos, que chilreiam e murmuram, acaso, não consultará o povo ao seu Deus? A favor dos vivos se consultarão os mortos?” (Is 8. 19).

Qualquer tipo de comunicação com pessoas falecidas, na verdade, é uma comunicação com demônios enganadores, pois as pessoas falecidas, como demonstrado acima, estão já em seus lugares determinados por Deus aguardando o grande dia da volta do Senhor Jesus Cristo e o cumprimento de toda a palavra determinada por Deus.

Compartilhe a Bênção:

Seja Bacharel em TEOLOGIA - Curso completo e sem mensalidades! Veja aqui

Escolhidos Para Você

Tem 33 anos, ama escrever e estudar a Bíblia Sagrada. Escreve artigos aqui no Blog Esboçando Ideias há mais de 7 anos. É membro da Igreja Presbiteriana Bela Jerusalém, onde atua como presbítero, líder do louvor e professor da Escola Dominical. É o autor do Método Como Ler a Bíblia e Entendê-la Mais Facilmente e do Manual Bíblico das questões difíceis da Bíblia. O presbítero André Já escreveu mais de 1200 artigos neste blog. Contato: andre@esbocandoideias.com

Comente usando seu Facebook ou use o sistema de comentários normal no fim da página

259 comentários

  • paulo disse:

    tenha suas proprias experiencias. use a biblia com moderação, ela foi feita por Homens! eu deturpada ao longo das traduções.liberte-se

    Responder
    • André Sanchez disse:

      Paulo, acho que nesse caso vai ser difícil. Porque eu teria que morrer para ter essa experiência e até hoje não vi ninguém voltar pra contar rsrsr

      Realmente você tem razão. A Bíblia foi escrita por homens. Mas se não fosse por homens seria por quem? Foi escrita de acordo com o sopro de Deus. Em ultima análise, Deus é o autor da Bíblia e os homens instrumentos de Sua vontade. Esse papo que a Bíblia foi deturpada ao longo das traduções é papo de quem nunca estudou sobre o assunto. Até evidências cientificas corroboram pela veracidade de lugares, de pessoas, de histórias, etc.

      Mas é claro que você tem toda liberdade de discordar. Sem problemas.

      Se crer na Palavra de Deus é estar preso, prefiro ficar preso a “libertar-se” e cair na prisão desse mundo distante de Deus.

      Responder
      • Paulo disse:

        Olá André!

        Eu respeito sua opnião, tenho amigos e parentes que seguem essa linha e nem por isso deixam de senitr-se bem ao lado mas acho pertinente colocar algumas indagações sobre esse assunto.Não sou nenhum intelectual ou psedudo intelectual, só estou pondo o que sinto e o que me fez distanciar das religiões e me considerar sem religião.

        Vou colocar algumas indagações e pensamentos que adimito em mihha caminhada pela vida e gostaria do seu posicionamento a respeito.

        Primeiro é a respeito de que cada pessoa esperaria a volta do Senhor Jesus ou no inferno ou em um lugar saudável.Só isso já demonstra que esse Deus seria o mais vil do Universo pois nao estaria dando a chance de recuperação da moral desses que foram para o infernão ou seja lá o nome que queira dar.O mesmo se aplica ao analisar duas pessoas, uma nasce desafortunada, com problemas de locomoção e déficit mental, outra saudável, afortunada, que goza de todos os prazeres da vida. Para para pensar um pouco. Como eu admito a reencarnação e a lei de causa e efeito além de outras possibilidades que colocaram essas dua spessoas cada qual com os atributos que mencionei, para mim é plenamente compreensível. Já para o senhor, seria O plano que Deus estabeleceu para eles em seu plano de bem para seus filhos? Que Deus maligno hein.

        Outra colocação disrespeito a uma grande maioria da população mundial
        somente a China, a Índia e a Indonésia representam um elevado contingente, cerca de 2,8 bilhões de habitantes. De acordo com dados divulgados em 2010 pelo Fundo de População das Nações Unidas (Fnuap), a população mundial atingiu a marca de 6,908 bilhões de habitantes.

        pegue so a parte da China, índia e a Indonésia.Civilizações milenares.Quantas gerações dessas pessoas, que em sua maioria não possuem religião baseada na Biblia estarão condenadas num joguete do Deus biblico. E as gerações que viveram antes de ser criada a Biblia. E essa maioria budista, taoista, hinduista e por ai vai.Pense, indiscutivelmente o protestantismo, a Biblia somente nao é a unica via ou o passaporte para a paz do espirito humano.Aqui e Além. Por isso e por muito acredito que muitas coisas mudaram de sentido ao longo da estruturação da Biblia pelos tempos.O meu Deus não é esse da Biblia, definitivamente.

        Aguardo!

        Responder
        • André Sanchez disse:

          Vamos lá então, Paulo:

          Com relação a você dizer que meu artigo é uma opinião minha, gostaria de corrigir isso: É o que a Bíblia diz.

          [Primeiro é a respeito de que cada pessoa esperaria a volta do Senhor Jesus ou no inferno ou em um lugar saudável.Só isso já demonstra que esse Deus seria o mais vil do Universo pois nao estaria dando a chance de recuperação da moral desses que foram para o infernão ou seja lá o nome que queira dar.]

          Com relação a isso, você se engana, pois todo ser humano já está destinado ao inferno por causa de seu pecado. Isso é a justa justiça de Deus. “Rm 6:23 porque o salário do pecado é a morte…”. A bondade de Deus providenciando a salvação (antes de Jesus através da lei de Deus escrita nos corações e da lei deixada ao povo judaico) e após Jesus através da fé Nele, demonstra o passo dado por Deus em direção ao ser humano. Mas como o próprio Jesus disse, muitos homens rejeitaram a Sua luz. “Jo 1:11 Veio para o que era seu, e os seus não o receberam.”. Assim, o homem não é um coitadinho jogado por um Deus mal no inferno.

          [O mesmo se aplica ao analisar duas pessoas, uma nasce desafortunada, com problemas de locomoção e déficit mental, outra saudável, afortunada, que goza de todos os prazeres da vida. Para para pensar um pouco. Como eu admito a reencarnação e a lei de causa e efeito além de outras possibilidades que colocaram essas dua spessoas cada qual com os atributos que mencionei, para mim é plenamente compreensível. Já para o senhor, seria O plano que Deus estabeleceu para eles em seu plano de bem para seus filhos? Que Deus maligno hein.]

          O fato de uma pessoa nascer “afortunada” e outra “desafortunada” (na sua opinião) não implica que Deus é mal por isso. Nesse caso, você, ser humano limitado, tenta julgar os planos de Deus sob uma ótica limitada. Mas o próprio Deus declara em Sua Palavra: Isaías 55:8-9 Porque os meus pensamentos não são os vossos pensamentos, nem os vossos caminhos, os meus caminhos, diz o SENHOR, porque, assim como os céus são mais altos do que a terra, assim são os meus caminhos mais altos do que os vossos caminhos, e os meus pensamentos, mais altos do que os vossos pensamentos.”. Não há nada de reencarnação, nem de causa e efeito, mas sim Deus cumprindo seu plano desenhado para a vida de cada um.

          [Outra colocação disrespeito a uma grande maioria da população mundial
          somente a China, a Índia e a Indonésia representam um elevado contingente, cerca de 2,8 bilhões de habitantes. De acordo com dados divulgados em 2010 pelo Fundo de População das Nações Unidas (Fnuap), a população mundial atingiu a marca de 6,908 bilhões de habitantes. pegue so a parte da China, índia e a Indonésia.Civilizações milenares.Quantas gerações dessas pessoas, que em sua maioria não possuem religião baseada na Biblia estarão condenadas num joguete do Deus biblico.]

          Mais uma vez repito a você: Você olha pela ótica da limitação do ser humano, como se este mundo estivesse deixado por Deus. Deus tem seus planos e os cumprirá em todo o mundo.

          [E essa maioria budista, taoista, hinduista e por ai vai.Pense, indiscutivelmente o protestantismo, a Biblia somente nao é a unica via ou o passaporte para a paz do espirito humano.Aqui e Além. Por isso e por muito acredito que muitas coisas mudaram de sentido ao longo da estruturação da Biblia pelos tempos.O meu Deus não é esse da Biblia, definitivamente.]

          Só uma correção: Jesus Cristo e não a religião é a salvação. Muitos homens em todo o mundo tem rejeitado a Jesus Cristo por causa da religião.

          E pra finalizar: se você não crê na Bíblia não tem como discutirmos sobre a Bíblia, concorda? Você segue uma filosofia que talvez se enquadre mais no que o homem ache que é mais cômodo. Um filosofia focada no que o ser humano acha e diz e não naquilo que Deus disse.

          Paulo, se você não der espaço para Jesus Cristo entrar em sua vida, nunca conseguirá entender. No tempo que vivemos, a salvação é pela fé em Jesus Cristo e somente dessa forma. Por isso nos esforçamos pela proclamação dessa verdade em todos os confins do mundo.

          Obrigado pelo comentário!! =)

          Responder
          • Paulo disse:

            Não dá mesmo André, Sua forma de buscar resposta está totalmente condicionada à Biblia.
            Só por essa frase vejo o quão fundo está sua posição:

            “Com relação a isso, você se engana, pois todo ser humano já está destinado ao inferno por causa de seu pecado. ”

            Essas respostas baseadas na Biblia são muito superficiais e escapam do que as perguntas realmente representam, evidente que há uma fuga nas respostas, poderia até indicar os pontos mas creio que não dá, afinal sabemos o porquê.

            . Quanto ao comodismo, não é o que penso. Quem adimite a reencarnação sabe que o esforço é contínuo, aprendizado acumulado ao longo das vidas, desafios atrás de desafios, muita malhação no ego. Uma só vida aqui seria moleza e nem daria tempo do aprimoramento necessario.

            Nem presisaria escrever isso, mas para quem está lendo, é bom esclarecer: Não tenho nada contra a pessoa do André, so estou fazendo criticas em cima da sua posição baseada na Biblia. Não o conheço mas sei que ele é uma pessoa de bem e cumpre bem o seu papel.

            Então, como não dá mesmo, cada um para seu lado. não sei por que parei mesmo, mas acho que tudo isso valeu a pena.Vamos em frente! a vida continua! hehe

            Abraço André!
            Fica com Deus.

          • André Sanchez disse:

            Valeu Paulo. Fico feliz pela sua posição equilibrada e educada… Mas quanto a esse ponto certamente não concordaremos. Assim, a nossa discussão será sem objetivo. O melhor de tudo foi a vitória do espírito democrático…

            Paz sobre ti!

          • VIVIANE disse:

            O que seria Deixar JESUS CRISTO ENTRAR EM N0SSAS VIDAS SERIA UMA HIPOCRISIA DA SUA PARTE ACHAR QUE VC NÃO TEM RELIGIÃO
            QUANDO A BIBLIA FOI REESCRITA E FOI SIM DETURPADA PELOS CATOLICOS PARA QUE NOS FICASSEMOS NA ESCURIDÃO DO QUE REALMENTE DEUS QUERIA QUE NOS ENTENDESSEMOS. O PROPRIO MOISES FOI UM GRANDE IDEALIZADOR DE COISAS ABSURDAS MATAR EM NOME DE DEUS SERIA UMA COISA PERTUBADORA PRA MIM E SUA FALTA DE SABEDORIA EM RELATAR ESSA COISAS….. DEUS EM TODO O SEU AMOR NÃO E UM DEUS DE INFERNO OU CEU E SIM UM ESPIRITO QUE NOS AMA SEJAMOS COMO FORMOS
            Por isso vos digo: Não andeis cuidadosos quanto à vossa vida, pelo que haveis de comer ou pelo que haveis de beber; nem quanto ao vosso corpo, pelo que haveis de vestir. Não é a vida mais do que o mantimento, e o corpo mais do que o vestuário?
            Não julgueis, para que não sejais julgados.
            Porque com o juízo com que julgardes sereis julgados, e com a medida com que tiverdes medido vos hão de medir a vós.

            ESSA E UMA PASSAGEM DA BIBLIA E ESBOÇA BEM O QUE DEUS FAZ CONOSCO
            MATEUS 7 VERSICULOS 9,10,11:

            E qual de entre vós é o homem que, pedindo-lhe pão o seu filho, lhe dará uma pedra?
            10. E, pedindo-lhe peixe, lhe dará uma serpente?
            11. Se vós, pois, sendo maus, sabeis dar boas coisas aos vossos filhos, quanto mais vosso Pai, que está nos céus, dará bens aos que lhe pedirem?

            AGORA PENSA NA BENEVOLÊNCIA DEUS NOSSO PAI CELESTIAL COM OS SEUS FILHOS PARA QUE ESTAMOS AQUI PARA SERMOS BONDOSOS OU PARA REPARAR NOS NOSSOS IRMÃOS QUE TANTO PRECISAM E NOS FICAMOS COM ESSAS BRIGUINHAS TOLAS EM NOME DE DEUS Q ELE MESMO NAUM ME MANIFESTA ASSIM

            BOM IRMÃO QUE DEUS NOSSO PAI E JESUS CRISTO NOSSO IRMÃO TE AJU HOJE E SEMPRE

            QUE ASSIM SEJA
            GRAÇAS A DEUS

          • Sérgio Oliveira disse:

            André parabéns por se dedicar em proclamar o evangelho,Paulo que bom seria se todos discutissem esses assuntos com tão alto nível de maturidade. Que Deus em Cristo Jesus possa vos abençoar.

          • André Sanchez disse:

            Obrigado, Sérgio

          • Pr: oséias disse:

            concordo plenamente irmão André é isso ae vamos continuar combatendo contra pensamentos mesquinhos , egoístas e que não quer aceitar a verdade ou como oséias 4. 6 diz: porque meu povo se perde por falta de conhecimento
            Oséias 4:6, é isso ae amigo é proclamar o evangelho da salvação que liberta o homem do pecado, eu não sou muito de ficar combatendo com pessoas que não aceitam e não dão créditos apalavra de Deus, até porque tem muitos que acham que conhecem e na verdade n~]ao sabem de nada e nesse caso é o que vc está fazendo e te parabenizo por isso porque está elucidando para aqueles que acham que conhecem, más aos que conheçem ou diz que conheçem só tenho uma palavra para eles: “Não deis aos cães o que é santo, nem lanceis ante os porcos as vossas pérolas, para que não as pisem com os pés e, voltando-se, vos dilacerem.” (Mt 7. más no teu caso vc expôes com muita sabedoria as perguntas dele ou seja a exposição do que ele fez, parabéns!!! paz querido !

          • marlon disse:

            puro papo isso… nada a ver

            a biblia foi traduzida pelo homem

            e a palavra de deus foi alterada…

            e creio que os mortos estao num sono profundo… como jesus disse quando lazaro estava morto

            jesus diz as irmães de lazaro
            que ele esta apenas dormindo

            jesus chama lazaro
            acorda lazaro

          • André Sanchez disse:

            Marlon, não entendi, se a palavra de Deus foi alterada, onde você achou base para fazer suas afirmações?

          • Rodrigo disse:

            Boa resposta André concordo plenamente só não enxerga quem não quer ver, está tudo muito claro.

          • Rodrigo disse:

            “E conheceis a verdade e a verdade vos libertara” A Bíblia é a verdade, Cristo é a verdade.

          • Roger disse:

            “Com relação a isso, você se engana, pois todo ser humano já está destinado ao inferno por causa de seu pecado. Isso é a justa justiça de Deus. “Rm 6:23 porque o salário do pecado é a morte…”. ”

            Onde diz “inferno” na citação?

            A morte é o inferno?

            Viver nesse mundo é um “inferno” para muitas pessoas…

            Que pecado já nascemos cometendo?

            O pecado de ser uma criação de Deus?

          • Marcelo disse:

            IRMÃO ANDRÉ, REALMENTE NÃO VALE A PENA CONTINUAR ESTA DISCUSSÃO…A DOUTRINA ESPÍRITA É BASEADA EM Q? DA ONDE SURGIU? DUAS PRIMAS QUE MORRERAM EMBRIAGADAS, LEVADO A FRENTE PELO ALLAN K. QUE ESCREVEU UM EVANGELHO SEGUNDO A SUA VISÃO, DA ONDE? DA BÍBLIA! CLARO, TEXTOS TOTALMENTE ISOLADOS, OU SEJA , SEM NENHUMA BASE…CONTEXTO… UÉ A BÍBLIA FOI ESCRITA POR ALGUNS HOMENS E POR ISSO NÃO SE DEVE ACREDITAR E QUEM DISSEMINOU A DOUTRINA ESPÍRITA ” UM HOMEM”, BOM NESTE DEVEMOS ACREDITAR…INCOERENTE ISSO NÉ? PAZ EM CRISTO

        • wander disse:

          qual e sua crença ou religiao

          Responder
          • Pr: oséias disse:

            aqui não importa a crença ou religião amigo, é uma questão de crer ou não, se vc não crer é direito seu agora não vamos colocar religião / crença no meio que não tem nada a ver uma coisa com a outra é esboçar idéias e para que chegue a um denominador comum temos que separara essa coisa, ok ? abraços !

        • Diego disse:

          Desculpe Paulo , mas realmente qual é o seu Deus?

          Responder
        • cláudio disse:

          Deus criou o homem para viver eternamente, e jamais determinou a morte, a escolha para onde ir se para o céu ou inferno parte da vontade humana, Deus não interfere na escolha deste, e em seu infinito amor dá o homem o livre arbítrio e antes disto acontecer Ele concede ao homem a oportunidade de se redimir em Jesus. João 3.16 “Porque Deus amou o mundo de tal maneira maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele nEle crê não pereça, mas tenha a Vida Eterna.” Agora pergunto como Deus seria injusto, após uma ato de justiça e de manifestação da sua graça e misericórdia como este? A bíblia é um livro exato em suas explicações sobre a vida e a morte, sobre o céu e o inferno, mas infelizmente o homem em sua razão quer complicar e não acredita na sua palavra, por isso meu amigo você tá confuso, abra o seu coração e aceita JESUS como único, suficiente, salvador e Senhor da sua vida, antes que seja tarde demais.

          Responder
        • Ricardo disse:

          Oi, paulo.
          Deus ele não é injusto, ele é um Deus bom e justo.
          Deus ele dá a oportunidade para cada pessoa de o aceita-lo. De um jeito ou de outro, Deus se revelou para cada pessoa da face da terra, todos que estão sobre a face da terra tem sua própria chance, de escolher seu futuro. Deus já tem falado contigo pelo texto que tem lido anterior mente, então você não terá desculpas para dizer que não teve oportunidade.

          Mas, é bem verdade que, sempre sujem pretextos para não acreditar na palavra de Deus, impossibilitando o Espírito Santo de Deus de agir, de converse a humanidade sobre a verdade de sua palavra, Deus ele diz em sua palavra que não é por força e nem por violência, mas pelo meu Espírito diz o Senhor.

          Hoje você sabe a verdade sobre a palavra de Deus, de um jeito ou de outro ela chegou até você, a decisão é sua em deixar que o Espírito Santo lhe mostre a verdade e lhe conversa sobre ela.

          A reencarnação não existe, o que existiu foi a encarnação de Jesus Cristo em forma de homem.
          Palavra de Deus disse que: (Disse-lhe Jesus: Eu sou o caminho, e a verdade e a vida; ninguém vem ao Pai, senão por mim. João 14:6), repare que esse texto está no singular e não no plural, mostrando que existe só um caminho que é Jesus, uma só verdade que é Jesus e uma só vida que também é Jesus, e que nenhum outro leva ao Pai.

          Se outra pessoa ou outro caminho levasse o homem a Deus, não era preciso Jesus morrer por nós para nos dá vida e vida eterna. Se há outro caminho então Jesus morreu em vão.
          Imagine, se você fazer uma casa com dois quarto é porque aqueles quartos serão necessário, ok.
          Se Deus envio Jesus Cristo para esse mundo para morrer por nós, logo entendemos que foi preciso, porque se não fosse Jesus não teria vindo.

          Deus ele é bom, e tem um plano maravilhoso na tua vida. Aceita-o como Senhor e salvador da sua vida e alma, para teres um lugar no céu, para que as coisas que estão ocultas aos seus olhos venham a ser revelada a ti.
          Muitos tem uma visão diferentes de Deus, mas não é assim, como o mundo pensa.
          Deus ele te ama, só não ama o pecado.
          você quer o seu bem ou o seu mal?
          Eu creio que seu bem então escolha Jesus, só ele tem o melhor para cada um de nós.
          Estou orando por você.
          Paz do Senhor meu amado.

          Responder
          • luiz disse:

            andre Deus abençoe a sua vida , pois vc ta desempenhando o seu papel de cristao e cumprindo o ide de jesus .vc ta certo se a pessoa n. crer na palavra dev deus , nao tem como crer em Deus .

        • Ângela Chaves disse:

          Paulo gostaria que lesse o artigo do pastor Juanribe Pagliarin :
          Por que a Reencarnação é incompatível com o sofrimento de Jesus?
          A Doutrina da Reencarnação nasceu no norte da Índia, cerca de mil anos antes de Cristo, e sustenta que, além de reencarnar em um novo corpo humano, a pessoa também pode reencarnar em uma planta, um animal, ou até mesmo em um inseto, dependendo do seu carma – conseqüências dos atos humanos em vidas passadas. Esta doutrina da “transmigração” da alma através de vidas terrestres sucessivas após a morte, também é chamada de metempsicose.
          No século VI antes de Cristo, Siddhartha Gautama, conhecido como Buda, emprestou lindos ensinamentos de vida a esta crença e a sofisticou com novos e velhos dogmas, entre eles o Nirvana, que é o estado da libertação do sofrimento. Hoje, a Doutrina da Reencarnação é matéria de fé e cultura em diversos países do Oriente e da Ásia, especialmente na China e Índia que, juntas, respondem por 1/3 da população mundial, além do populoso Japão.
          No ano de 1855, um pedagogo francês chamado Hippolyte Léon Denizard Rivail ouviu falar pela primeira vez nas reuniões de “mesas girantes” – ou mesas falantes –, populares em salões nobres de Paris, e passou a freqüentá-las.
          Enquanto muitos participavam dessas mesas falantes apenas por divertimento, Hippolyte as observava com grande curiosidade e interesse, intrigado com o movimento de objetos sem causa física aparente. Quase sempre, naquelas sessões em volta das mesas, alguém incorporava um espírito e falava com os presentes.
          Foi numa dessas reuniões que um espírito disse a Hyppolite que já o conhecia de uma vida passada, e que o seu nome anterior era Allan Kardec. Hippolyte, então, creu na informação que lhe foi passada por aquele espírito e adotou o pseudônimo de Allan Kardec. Menos de dois anos depois, publicou o Livro dos Espíritos.
          Por ser um professor renomado, que lecionava química, física, matemática, anatomia, astronomia e membro da Real Academia de Ciências Naturais, além de poliglota – falava alemão, italiano, inglês, francês, espanhol e holandês – o seu Livro dos Espíritos adquiriu ares de obra cientifica.
          Na verdade, o Livro dos Espíritos é um compêndio de perguntas e respostas feitas por duas adolescentes médiuns chamadas Caroline e Julie Boudin, que contavam com 16 e 14 anos à época. Devido a várias imprecisões, a obra precisou da revisão de outra médium chamada Celine Japhet, de 18 anos, além das intervenções diretas do próprio monsieur Hyppolite.
          O Livro dos Espíritos foi o marco que deu origem ao moderno espiritismo – largamente aceito no Brasil, considerado o maior país espírita do mundo.
          O Kardecismo, consolidado depois por outras obras literárias de Hyppolite – especialmente o Evangelho Segundo o Espiritismo, difere da doutrina reencarnacionista oriental por excluir a possibilidade do ser humano reencarnar no corpo de um animal irracional ou de uma planta, e por substituir os ensinamentos morais de Buda pelos de Cristo, especialmente o Sermão da Montanha e algumas parábolas.
          Porém, tanto o Hinduísmo como o Budismo, assim como a Doutrina Kardecista compartilham da mesma idéia central: a alma humana volta a este mundo depois da morte e habita em um novo corpo, até aperfeiçoar o seu espírito, através da eliminação do carma, que é a culpa trazida de vidas passadas.
          No túmulo de Hippolyte Léon Denizard Rivail, em Paris, há o resumo desta doutrina: “Nascer, morrer, renascer ainda e progredir sem cessar, tal é a lei”.
          É por este viés que a doutrina reencarnacionista explica os cegos, aleijados, os deficientes físicos, os desvalidos, os miseráveis e os que sofrem atrozmente. Existências de dor e sofrimento se repetirão por ciclos, sem cessar.
          Segundo esta doutrina espiritual, a vida atual de uma pessoa – com maior ou menor grau de sofrimento – depende dos erros praticados em vidas anteriores e o status da sua futura reencarnação após a morte dependerá também dos atos atuais: se a pessoa praticou o mal voltará pior para pagar.
          Portanto, segundo a doutrina reencarnacionista, uma pessoa que sofre nesta vida é porque merece. E isto explica porque Hippolyte Léon Denizard Rivail excluiu do “Evangelho Segundo o Espiritismo” o sofrimento de Cristo.
          Nunca, em toda a História da Humanidade, alguém sofreu como Ele. Como, pois, explicar tal sofrimento à luz do Carma? Será que Jesus praticou pecados ou erros em vidas passadas?
          No ano 7 antes da era atual, a encarnação de Jesus foi anunciada pelo Mensageiro Gabriel, que disse à uma virgem na Galileia: “Não temas, Maria, pois achaste graça diante de Deus. Eis que conceberás e darás à luz um filho, ao qual porás o nome de Jesus. Este será grande e será chamado Filho do Altíssimo… Virá sobre ti o Espírito Santo e o Poder do Altíssimo te cobrirá com a Sua sombra. Por isso, o SANTO que de ti há de nascer, será chamado Filho de Deus.” (Lucas 1:35)
          O espírito do Mensageiro Gabriel também se comunicou com José em sonhos e disse: “José, filho de Davi, não temas receber a Maria tua mulher, porque o que nela está gerado é do Espírito Santo. Ela dará à luz um filho e lhe porás o nome de Jesus, porque Ele salvará o seu povo dos pecados deles. Tudo isso aconteceu para que se cumprisse o que foi dito da parte do Senhor pelo profeta: A virgem conceberá e dará à luz um filho, e o chamarão pelo nome de Emanuel, que quer dizer: Deus conosco.” (Mateus 1:20-25)
          Portanto, Ele já nasceu santo, sem pecados ou culpas passadas. É evidente que, se Jesus estivesse encarnando para sofrer culpas de vidas passadas, seria um pecador e jamais poderia salvar qualquer pessoa de seus pecados, conforme dito por Gabriel. Também não seria gerado pelo mais elevado Espírito do Universo, o Altíssimo, mas, sim, por um espírito inferior. E nem seria chamado de SANTO por Gabriel – Mensageiro da mais alta hierarquia –, nem receberia o nome profético de “Jesus” que, no hebraico, Yeoshua significa: DEUS SALVA. Ele é Deus e salva.
          Admitindo-se a hipótese do espírito Gabriel ter mentido para Maria e para José, o que dizer então do testemunho dos espíritos inferiores que, ao verem Jesus andando aqui na Terra, gritavam apavorados: “Ah! que temos contigo, Jesus Nazareno? Vieste destruir-nos? Bem sei quem és: O SANTO DE DEUS.” (Marcos 1:24, Lucas 4:34)
          E se aqueles espíritos inferiores mentiram, o que dizer do testemunho dos amigos de Jesus, que conviveram com Ele por três anos? Dia e noite observaram o seu caráter, bondade, mansidão, pureza e o viram sofrer como nunca ninguém antes sofreu.
          Sobre Ele, Pedro disse: “Mas vós negastes o Santo e o Justo, e pedistes que se vos desse um homem homicida. E matastes o Príncipe da Vida, ao qual Deus ressuscitou dos mortos, do que nós somos testemunhas” (Atos 3:14-15).
          Também os primeiros cristãos, orando em Jerusalém, disseram: “Porque verdadeiramente contra o teu santo Filho Jesus, que tu ungiste, se ajuntaram, não só Herodes, mas Pôncio Pilatos, com os gentios e os povos de Israel.” (Atos 4:27). Naquela mesma oração, os cristãos assim pediram a Deus: “Enquanto estendes a tua mão para curar, e para que se façam sinais e prodígios pelo nome de teu santo Filho Jesus”.
          João, o primeiro e último discípulo de Jesus, falando de Seu Mestre na sua primeira carta 2:20, escreveu: “E vós tendes a unção do Santo, e sabeis tudo.”
          O escritor da Carta aos Hebreus, falando de Jesus, escreveu: “Porque nos convinha tal sumo sacerdote, santo, inocente, imaculado, separado dos pecadores, e feito mais sublime do que os céus.” (Hb 9:26).
          Até os inimigos de Jesus, e mesmo pessoas que não eram do Seu rebanho, testificaram sobre a Sua ausência de culpa:
          Pôncio Pilatos, ao fazer o que o povo pedia, lavou as mãos e disse: “Estou inocente do sangue deste justo.” (Mt 27:24)
          Judas que o traiu, cheio de remorsos, procurou os membros do Sinédrio e confessou: “Pequei, traindo sangue inocente.” (Mt 27:4)
          O Centurião romano, que o crucificou, ao vê-Lo morrer, não se conteve e disse: “Verdadeiramente este homem era justo.” (Lc 23:47)
          O ladrão que morreu ao seu lado direito, repreendendo o colega que blasfemava de Jesus, afirmou: “Recebemos o que nossos atos mereceram, mas Este nenhum mal fez.” (Lc 23:41).
          Temos o testemunho do próprio Jesus, que disse: “Quem dentre vós me convence de pecado? E se vos digo a verdade, por que não credes?” (Jo 8:46). E, já glorificado, afirma: “Isto diz o que é santo, o que é verdadeiro, o que tem a chave de Davi; o que abre, e ninguém fecha; e fecha, e ninguém abre.” (Ap 3:7)
          E ainda temos o testemunho do próprio Deus, que disse, tanto no Seu batismo como no Monte da Transfiguração: “Tu és o meu filho amado, em quem me comprazo”, “E da nuvem saiu uma voz que dizia: Este é o meu amado Filho, em quem me comprazo; escutai-o.” (Mt 17:5, Mc 1:11, Lc 3:22,)
          Mais Santo e mais sublime que os Céus, desde antes da fundação do mundo. Alguém que nunca pecou!
          Pergunto, então, aos doutrinadores espíritas, que seguem o ensinamento de Kardec: Por que Jesus sofreu tanto?
          Não vale responder que “era para mostrar a maldade da humanidade”. Havia uma razão do por que Ele, sem merecer, sofreu como nunca ninguém sofreu.
          E Kardec, propositadamente, não quis explicar esta parte, porque o sofrimento de Jesus é incompatível com a doutrina do Carma e das sucessivas reencarnações para se expiar uma culpa.
          A solução de Kardec foi, simplesmente ignorar o sacrifício de Jesus no seu evangelho, para assim validar a sua doutrina. Caso tivesse de explicar o sofrimento de Jesus, teria de modificar toda a sua teoria ou jogá-la fora.
          O sofrimento de Jesus, imerecido, nega, por si só, toda doutrina do Carma e da necessidade de reencarnação para expiá-lo.
          (Juanribe Pagliarin é teólogo, escritor, advogado, publicitário, fundador e presidente da Comunidade Cristã Paz e Vida e do Ministério Pregadores do Telhado)

          Responder
        • davi disse:

          A paz! Infelizmente não é só vc que pensa assim. DEUS deu livre arbítrio para o homem escolher, aonde que vai passar a eternidade. ELE, seria mau senão respeitasse s escolha de alguém que nunca quis viver para DEUS, negando o seu amor, preferindo às trevas… Te dou um exemplo: A lei diz que é crime dirigir bêbado, então este cidadão enche a cara, gera um acidente com vítima fatal e aí vai preso. Então é condenado, nisto o Juiz é cruel? Pense bem sobre isto, pois não é DEUS que manda o homem para o inferno, mas este deseja ir e o julgamento será pelas obras. DEUS deu a chance para o homem ser salvo, isto depende de nossas escolhas.

          Responder
        • Ricardo disse:

          Paulo, analise esse pensamento extra bíblico:

          Digamos que de todo conhecimento existente no Mundo (Ciência, biologia, matemática, medicina, etc…..), o homem já tenha descoberto 50%. Acho muito esse percentual, mas digamos que tenha descoberto 50%.

          Agora desses 100% de conhecimento já descoberto de tudo, digamos que você e eu já temos 20%. É um número muito elevado de conhecimento, mas vamos continuar com esse pensamento, nos considerando muito evoluídos em conhecimento, certo?

          Bom, agora uma pergunta racional: Do total de conhecimento que ainda não temos (80%), é possível que haja um Deus que criou o mundo e tudo o que nele há?

          Dentro desse cenário, então temos apenas dois caminhos:

          1- Escolher seguir eu mesmo, meu próprio conhecimento, dependendo de mim mesmo, sendo honesto e sincero, desconfiado de tudo e de todos, grande pecador ou:

          2- Me arrepender de meus pecados, seguir um Deus que me dá esperança de viver eternamente ao lado dEle, um Deus revelado na Bíblia, criador de tudo o que há, um Deus de amor, que enviou seu Filho para o sacrifício perfeito, de uma vez por todas, eliminando todo sacrifício de animais que existia, um Deus que vem habitar naqueles que o aceitam como único e suficiente salvador, que ceia em seu lar, que transforma qualquer pecador em Filhos de Deus. A resposta está em Jesus!

          Se você buscar conhecer dentro de seus 20% de conhecimento quem é Jesus, tenho 100% de certeza que você encontrará respostas para todas as suas questões.

          Cristo é bom e é a verdade.

          Obs: o homem jamais entenderá ou explicará Deus!

          Eu, eu mesmo, era como você!

          Jesus quer habitar em você. Permita! É maravilhoso.

          Abs.

          Responder
      • REINALDO LUIS FRANCISCONI disse:

        AMADO IRMÃO EM CRISTO JESUS. GOSTO MUITO DE PESSOAS QUE LEEM E FAZEM COMENTÁRIOS SOBRE A BÍBLIA, DESDE QUE SEJAM COMENTÁRIOS SÉRIOS, NÃO FRÍVOLOS, CONFUSOS, PARA NÃO CONFUNDIR A CABEÇA DOS INCAUTOS NEÓFITOS; PRESTEMOS ATENÇÃO NESSE TIPO DE PESSOAS. MAS VAMOS À PERGUNTA RESPONSIVA ( quero com isso dizer que ao mesmo tempo em que te pergunto, amado presbítero André Sanchez eu lhe respondo – não sdei se estou certo mas… é minha opiniao). VAMOS LÁ !!! – LOGO NO INÍCIO, O AMADO IRMÃO DIZ QUE A BÍBLIZ FOI ESCRITA POR HOMENS (claro que inspirados por Deus pois se assim não fosse, não haveria razão para tomarmos a dita como veerdadeira) – QUERO DIZER QUE OS HOMENS MUNDAM OS PENSAMENTOS MUDAM OS NOMES MUDAM; TUDO MUDA; VEJA POR EXEMPLO O NOME DE JACÓ – ANTIGAMENTE, SE NÃO ME ENGANO ER ESCRITO ASSIM: “YHK” – PERGUNTO: COMO PODERÍAMOS FALAR ESSE NOME ??? . ANTIGAMENTE SÓ SE FALAVA NO NOME DE DEUS, ASSIM: YAHVÉ. – E OUTROS TANTOS NOMES QUE NOS É DIFÍCEL ENTENDER SUA PRONÚNCIA MAS, CHEGAMOS AATÉ AQUI COM ENTENDIMENTO E AGORA QUE VEM O “X” DA QUESTÃO; OS HOMENS MUDARAM A PALACRA DE DEUS NA SUA ESCRITA ORIGINAL PORQUE NÃO TINHAM COMO TRADUZÍ-LA PAR NOSSO IDIOMA, O PORTUGUES, UMA VEZ QUE SOMOS BRASILEIROS. VEJA: O NOME DE YHK MAIS TARDE SE ORIGINOUU EM YAKÓV E BEM MAIS GARDE FOI APORTUGUESADO PARA JACÓ. VIRAM COMO TUDO MUDA ? – PORQUE TEM CERTOS NOMES NA BÍBLIA QUE MÃO SE PODEM MUDAR, SÃO NATO, DELES PRÓPRIO, NA LINGUUAGEM DAQUELE POVO EBREU, GREGO E ARAMAICO, QUE ERA A LÍNGUA QUE JESUS FALAVA NA ÉPOCA. ENTÃO FICA-ME DIFÍCIL QDº ME DIZEM QUE A BÍBLIA É FIEL PALAVRA DE DEUS SE EU VEJO QUE OS HOMENS A MUDAM TODO O MOMENTO, COM VÁRIAS TRADUÇÕES NO MERCADO EVANGÉLICO COMO POR EXEMPLLO: AMINHA É DE TRADUÇÃO DO PADRE JOÃO FERREIRA DE ALMEIDA NA GRAFIA CORRIGIDA E SIMPLIFICADA (simplificada por que ? para as pessoas assimilarem melher seu entendimento? talvéz… mas… anão se corre o perigo de mudar a Palavra de Deus ??? – pensem nisso tbm). JÁ ATIVE OUTRAS BÍBLIAS COMO POR EXEMPLO: DO MESMO AUTOR EM EPÍGRAFE MAS, TRADUZIDA E CORRIGIDA E AMPLIADA. COMO PODEMOS VER, HÁ VARIOS TIPOS DE BÍBLIAS, CADA UMA COM SUAS TRADUÇÕES, CORRIGIDAS, SIMPLIFICADAS, AMPLIADAS E OUTRAS AINDA QUE VÃO SAIR DO PRELO. ENTÃO TEMOS QUE TER O DISCERNIMENTO DAQUILO QUE LEMOS E NÃO FICARMOS DANDO TRELAS A TUDO QTº É MALUCO POR AÍ, DIZENDO QUE É PASTOR, É ISSO E AQUIL’OUTRO E NOS ENSINAM COISAS ABSURDAS. PARA FINALIZAR, JESUS DISSE: A ÁRVORE BOA DÁ BONS FRUTOS E A ÁRVORE MÁ DA MAUS FRUTOS. TENHAMOS ENTÃO A MENTE DE CRISTO E VIVEREMOS A VERDADE; POIS ELE É O CAMINHO, A VERDADE E A VIDA.

        Responder
        • André Sanchez disse:

          Reinaldo, você disse muitas coisas em seus comentários, mas não disse nenhuma referência bibliográfica deles. Opiniões nem sempre estão corretas. Seria interessante que você dissesse suas fontes de pesquisa para que os leitores possam avaliar se suas informações procedem.

          Abs!

          Responder
        • celso ferreira lopes disse:

          Reinaldo com todo respeito, más se você quer realmente entender as escrituras, compre uma Bíblia THOMPSON COM VERSÍCULOS E PÁGINAS TEMÁTICAS, e outra coisa a Escritura Sagrada diz “EXAMINAI AS ESCRITURAS, POIS ELAS MESMO TESTIFICAM DE MIM, fique com Deus.

          Responder
      • anderson disse:

        sinto muito em informa-lo mas a sua linha de pensamento esta errada …
        tem um livro que explica tudo isso chama imortalidade ou ressurreição … leia e entendera o que a biblia diz sobre corpo alma e espirito

        Responder
        • André Sanchez disse:

          Anderson, a ótica que apresentei está muito bem fundamentada na Palavra de Deus.

          Responder
      • Luis Claudio Fernandes disse:

        Foi Deus que disse a Paulo para proibir que mulheres falassem nas igrejas?

        Responder
        • André Sanchez disse:

          Nas igrejas? Leia novamente o texto em questão, estude o contexto imediato, mediato, cultural. Acho que com isso já dá para entender bem.

          Responder
          • Rosana. disse:

            Irmão, também tenho essa dúvida, pode me ajudar? As mulheres podem ensinar na igreja? Me perdoe o incômodo, fica na paz de Cristo!

          • André Sanchez disse:

            Rosana, não vejo impedimentos de uma mulher ensinar

      • Marcello disse:

        Graça e paz, meu irmão em Cristo.
        É fato que a Bíblia já foi traduzida de muitas formas, de muitas maneiras e por muitos interesses ao longo do tempo. Posso lhe enviar 40 ou 50 traduções diferentes, inclusive Bíblias europeias que contradizem as várias versões de João Ferreira de Almeida. Ainda se olharmos bem, a Sociedade Bíblica Brasileira está refém da Holanda, que contém todos os Direitos autorais sobre a reprodução da Bíblia de Almeida e da NVI.
        em relação às mudanças, verifique os conceitos gregos e veja uma das mais antigas bíblias ( a alemã, em grego original) e compare sua tradução com qualquer outra: verás capítulos a mais, versículos introduzidos de forma inadequada, entre outras. Leia mais e veja o mundo clarear. Desvenda seus olhos para que possa ver a vida segundo a vontade de Deus.
        Sugiro que veja obras do O Dr. BART D. EHRMAN, maior autoridade bíblica do mundo.
        Fico a inteira disposição para outros esclarecimentos.
        Pastor Marcello.

        Responder
      • Odecir da costa disse:

        Olá André Sanchez, eu já ví auguns artigos seus que harmoniza com a palavra de Deus, mas esse, sobre:( PARA ONDE VAI A ALMA DEPOIS QUE MORREMOS), esse eu não concordo! Veja o por que, eu não concordo:
        VOCÊ É UMA ALMA OU VOCÊ TEM UMA ALMA? A ALMA É MORTAL OU IMORTAL? PORQUE HÁ UMA DIFERENÇA ENORME ENTRE O VERBO (SER) E O VERBO (TER) AS PESSOAS NÃO PRESTAM ATENÇÃO NESSE DETALHE, O SISTEMA RELIGIOSO EM GERAL PREGA A IMORTALIDADE DA ALMA, E A PALAVRA DE DEUS! O QUE NOS DIZ? VAMOS VER? VAMOS MERGULHAR NA PALAVRA DE DEUS.
        Vamos para o antigo testamento, O 1ª livro da bíblia, em Gênesis está escrito assim: E formou o Senhor Deus o homem do pó da terra, e soprou em suas narinas o fôlego da vida; e o homem foi feito alma vivente Gênesis 2:7. Qual parte do homem Deus formou do pó da terra? Seu corpo. Essa é a razão dos elementos do corpo humano poderem ser encontrado na terra. Então uma parte do primeiro ser humano foi o corpo. Mas vamos continuar: Nós vimos que Deus formou o corpo do homem do pó da terra. Com tudo, este corpo não tinha vida. Somente foi formado, sem vida. Assim, a palavra de Deus nos diz que Deus respirou em suas narinas o fôlego da vida e o homem foi feito alma vivente. Nós vimos que o homem foi( FEITO ALMA VIVENTE) viu? O homem é uma alma, ele não tem uma alma ele é uma alma, foi feito alma vivente veja mais uma passagem: Assim está também escrito: O primeiro homem, Adão, foi feito ALMA VIVENTE; o último Adão em espírito vivificante 1ª Coríntios 15:45. O homem não tem uma alma ele( É). Portanto, o que é a alma? Alma é o que da vida ao corpo. Sem a alma o corpo está morto. Onde está a alma a vida do corpo, da carne? A palavra de Deus é fiel e verdadeira e precisa veja! Porque a vida da carne está no sangue; pelo que vo-lo tenho dado sobre o altar, para fazer expiação pelas vossas almas; porquanto é o sangue que fará expiação pela alma Levítico 17:11, veja os versículos 13 e 14 Também qualquer homem dos filhos de Israel, ou dos estrangeiros que peregrinam entre eles, que caçar animal ou ave que se come, derramará o seu sangue, e o cobrirá com pó; Porquanto a vida de toda a carne é o seu sangue; por isso tenho dito aos filhos de Israel: Não comereis o sangue de nenhuma carne, porque a vida de toda a carne é o seu sangue; qualquer que o comer será extirpado. Tanto é meus amados que na cruz foi derramado o sangue do Messias ou seja, sua alma sua vida, que ele deu por todos nós. Eu conversando com um amigo sobre esse assunto ele disse, mas aí, está falando do sangue de animal, eu respondi… a éh, então vamos lá! Abra a sua bíblia em Gênesis, veja o que está escrito: Certamente requererei o vosso sangue, o sangue das vossas vidas; da mão de todo o animal o requererei; como também da mão do homem, e da mão do irmão de cada um requererei a vida do homem. Quem derramar o sangue do homem, pelo homem o seu sangue será derramado; porque Deus fez o homem conforme a sua imagem Gênesis 9:5-6. Como que a alma passou de geração em geração? Através do sangue veja: E de um só sangue fez toda a geração dos homens, para habitar sobre toda a face da terra, determinando os tempos já dantes ordenados, e os limites da sua habitação Atos 17:26. O único sangue desta passagem é o sangue de Adão, que passa de geração para geração, e na verdade é o sangue que todos nós temos. Tanto é que a desobediência de Adão causou a morte a toda raça humana através do pecado. Na verdade, a alma não é algo que somente o homem tem. Os animais também têm alma, que novamente está no sangue. Embora isso seja imediatamente entendido na passagem de Levítico acima, onde nos é dito que a vida de toda carne é seu sangue, vamos até Gênesis para ver isso também: E disse Deus: Produzam as águas abundantemente répteis de ALMA VIVENTE; e voem as aves sobre a face da expansão dos céus.E Deus criou as grandes baleias, e todo o réptil de ALMA VIVENTE que as águas abundantemente produziram conforme as suas espécies; e toda a ave de asas conforme a sua espécie; e viu Deus que era bom Gênesis 1:20-21. E a todo o animal da terra, e a toda a ave dos céus, e a todo o réptil da terra, em que há ALMA VIVENTE, toda a erva verde será para mantimento; e assim foiGênesis 1:30. Não esqueçam! A alma e, a vida são sinônimo. Portanto, não somente o homem, mas também os animais têm alma. Isto não é estranho de maneira alguma, se entendermos que a alma é o que da vida ao corpo. Quando você morre não há mais vida, nem há mais alma. O mesmo acontece com os animais, a alma é para eles o mesmo que é para o homem. Contudo, não há problema com relação ao que é definido como alma na bíblia, o problema é criado quando vamos até a bíblia com a idéia preconcebida de que a alma é imortal. A alma não é algo imortal, ela só da vida ao corpo. Quando você para de ter vida(sangue )em seu corpo, você não tem mais alma. Até agora, nós vimos que a bíblia ensina que Deus formou o corpo do homem do pó da terra, e que ele deu ao corpo vida (alma). O mesmo é também verdade para os animais. Eles também têm corpo e alma. Todo homem no mundo crente ou descrente, tem corpo e alma. Isso pode então ser concluído que, desde que Adão morreu com 930 anos de idade; Quando ele comeu da árvore do conhecimento do bem e do mal, ele obviamente não perdeu nem seu corpo, nem sua alma. Assim, algo teve que morrer para Adão naquele dia, se você está acompanhando os artigos que eu estou postando, você viu o que Adão perdeu quando ele desobedeceu a Deus, no artigo que postei sobre, O QUE É ADORAR A DEUS EM ESPÍRITO E EM VERDADE. Então, continuemos procurando nas escrituras para ver o que ela nos diz sobre a alma. O que acontece quando morre o homem e os animais? Veja: Porque o que sucede aos filhos dos homens, isso mesmo também sucede aos animais, e lhes sucede a mesma coisa; como morre um, assim morre o outro; e todos têm o mesmo fôlego, e a vantagem dos homens sobre os animais não é nenhuma, porque todos são vaidade.Todos vão para um lugar; todos foram feitos do pó, e todos voltarão ao pó Eclesiastes 3:19-20. Segundo Deus disse, qual seria a consequência da desobediência de Adão e Eva? Resposta: Mas da árvore do conhecimento do bem e do mal, dela não comerás; porque no dia em que dela comeres, certamente morrerás Gênesis 2:17. Existe mais passagens onde mostra claramente que a alma morre? Em Ezequiel está escrito que a alma que pecar aquela morrerá veja: Eis que todas as almas são minhas; como o é a alma do pai, assim também a alma do filho é minha: a alma que pecar, essa morrerá Ezequiel 18:4. Agora eu pergunto: O homem pecou ou não pecou? É óbvio que pecou, pois herdamos o pecado de Adão. Qual foi a conseqüência do pecado de Adão? Veja: Portanto, como por um homem entrou o pecado no mundo, e pelo pecado a morte, assim também a morte passou a todos os homens por isso que todos pecaram Romanos 5:12. Nós já vimos que somos alma vivente e que toda a raça humana herdou o pecado de Adão. Agora, lá vai! Para quem prega e acredita na imortalidade da alma: Qual foi a mentira da serpente(Satanás)? Certamente não morrereis Gênesis 3:4./ Apocalipse 12:9. E aí? Você acredita na palavra de Deus que disse que o homem morreria ou em Satanás que disse que o homem não morreria? Nessa passagem já resolveria tuda a controversa, mas! A ESCOLHA É SUA, DEUS TE DEU O LIVRE ARBÍTRIO. Vamos continuar; Quando as pessoas morem para onde elas vão? Assim como a nuvem se desfaz e passa, assim aquele que desce à sepultura nunca tornará a subir Jó 7:9, ou seja, quando nosso corpo morre, a alma ( vida) que está no sangue morre junto e, vai para a sepultura, e não volta até a segunda vinda do Messias. Veja o que está escrito em Eclesiastes, e o pó volte à terra, como o era, e o espírito volte a Deus, que o deu Eclesiastes 12:7. Ou seja, o corpo com seu sangue vai para a sepultura, e o espírito( fôlego de vida) volta para Deus, esse espírito fica inconciente do mesmo jeito que era antes de você existir. Tem muitas pessoas que acredita que quando uma pessoa morre volta para assombrar, isso é um absurdo, as pessoas quando morrem, não se lembra de mais nada, nem de filhos, marido, pai, mãe, nem tem sentimentos como: Amor, ódio, ciúme, inveja, saudades etc. Por que eu sei disso? Veja: Porque os vivos sabem que hão de morrer, mas os mortos não sabem coisa nenhuma, nem tampouco terão eles recompensa, mas a sua memória fica entregue ao esquecimento.Também o seu amor, o seu ódio, e a sua inveja já pereceram, e já não têm parte alguma para sempre, em coisa alguma do que se faz debaixo do sol Eclesiastes 9:5-6. Veja o versículo 10: Tudo quanto te vier à mão para fazer, faze-o conforme as tuas forças, porque na sepultura, para onde tu vais, viu? Sepultura, e não inferno ou céu, não há obra nem projeto, nem conhecimento, nem sabedoria alguma. Amados prestem bastante atenção! Tanto o justo como o injusto quando morrem vão para a sepultura, ninguém quando morre vai para o céu ou para o inferno, a recompensa será dada somente no último dia, na vinda do Messias. Se as pessoas quando morrem, vão para o céu ou para o inferno que necessidade haveria de Jesus voltar? Se os justos já estão no céu e os injustos já estão no inferno, então eles já receberam as suas recompensas . Mas não e isso que a palavra de Deus nos diz. Enquanto Jesus não vem, onde estão os mortos? Veja: E muitos dos que dormem no pó da terra ressuscitarão, uns para vida eterna, e outros para vergonha e desprezo eterno Daniel 12:2. Com que Jesus comparou a morte? Com o sono veja: Assim falou; e depois disse-lhes: Lázaro, o nosso amigo, dorme, mas vou despertá-lo do sono. Disseram, pois, os seus discípulos: Senhor, se dorme, estará salvo.
        Mas Jesus dizia isto da sua morte; eles, porém, cuidavam que falava do repouso do sono.
        Então Jesus disse-lhes claramente: Lázaro está morto João 11:11-14. A pessoa quando morre, é como se estivesse dormindo, quando Jesus voltar será como se estivesse amanhecendo o dia, para quem está dormindo, amém meus amados?Vamos ver mais E deu-lhe o poder de exercer o juízo, porque é o Filho do homem. Não vos maravilheis disto; porque vem a hora em que todos os que estão nos sepulcros ouvirão a sua voz João 5:27-28. Porque, assim como todos morrem em Adão, assim também todos serão vivificados em Cristo. Mas cada um por sua ordem: Cristo as primícias, depois os que são de Cristo, na sua vinda, 1 Coríntios 15:22-23. A passagem está bem clara! Na sua vinda, e não assim que morre. Porque o mesmo Senhor descerá do céu com alarido, e com voz de arcanjo, e com a trombeta de Deus; e os que morreram em Cristo ressuscitarão primeiro. Depois nós, os que ficarmos vivos, seremos arrebatados juntamente com eles nas nuvens, a encontrar o Senhor nos ares, e assim estaremos sempre com o Senhor 1 Tessalonicenses 4:16-17. Na vinda do Messias todos os justos que estiverem mostos ressuscitarão primeiro, os justos que estiverem vivos serão transformados. Eis aqui vos digo um mistério: Na verdade, nem todos dormiremos, mas todos seremos transformados; Num momento, num abrir e fechar de olhos, ante a última trombeta; porque a trombeta soará, e os mortos ressuscitarão incorruptíveis, e nós seremos transformados 1 Coríntios 15:51-52. Os que praticam o mal só serão ressuscitados depois do milênio (reinado de mil anos do Messias) para serem julgados conforme a vontade de Deus, veja: Mas os outros mortos não reviveram, até que os mil anos se acabaram. Esta é a primeira ressurreição Apocalipse 20:5. Amados vejam como o sistema religioso está corrompido com doutrina pagã, eles pregam imortalidade da alma, que a pessoa que faz o mal quando morre, fica sofrendo no purgatório, isso é doutrina herdada do paganismo Grego-Romano, nós vimos quem foi que inventou essa doutrina, ta lá em Gênesis (3:4) Amado nós só seremos imortais quando o Messias voltar e nos ressuscitar. Pessoal, quero deixar bem claro! Eu não sou dono da verdade, nem melhor que ninguém, mas não distorço a palavra de Deus, a verdade tem que ser dita doa a quem doer! Nós temos que agradar a Deus, e não a homens. Antes de postar este artigo eu pesquisei para ver o que as pessoas dizem sobre esse assunto foi decepcionante, pessoas com mais de 10 anos de ministério pregando doutrina pagã é lamentável. Tem muitas pessoas que acham que para ter conhecimento na palavra de Deus precisa de ter cursos superiores ou formado em teologia, mas não é isso que diz a palavra de Deus, na época de Jesus havia príncipes conhecedor das leis de Moisés, mas Jesus dentre os seus apóstolos escolheu também pessoas simples, pescadores veja: Então eles, vendo a ousadia de Pedro e João, e informados de que eram homens sem letras e indoutos, maravilharam-se e reconheceram que eles haviam estado com Jesus Atos 4:13. Porque eu vos darei boca e sabedoria a que não poderão resistir nem contradizer todos quantos se vos opuserem Lucas 21:15. Porque, vede, irmãos, a vossa vocação, que não são muitos os sábios segundo a carne, nem muitos os poderosos, nem muitos os nobres que são chamados. Mas Deus escolheu as coisas loucas deste mundo para confundir as sábias; e Deus escolheu as coisas fracas deste mundo para confundir as fortes 1 Coríntios 1:26-27. ANDRÉ SANCHEZ, ME DESCULPE! MAS, EU CITEI SOMENTE A PALAVRA DE DEUS SEM DISTORÇÃO.

        Responder
        • André Sanchez disse:

          A doutrina do aniquilacionismo da alma não é bíblica, conforme expus claramente no texto do artigo

          Responder
          • Odecir da costa disse:

            Eu não preguei aniquilanismo, eu só citei as escrituras, vc desconsiderou todas estas passagens bíblicas é lamentável. O que eu posso dizer? É citar Isaías onde está escrito: Vai, e dize a este povo: Ouvis, de fato, e não entendeis, e vedes, em verdade, mas não percebeis. Engorda o coração deste povo, e faze-lhe pesados os ouvidos, e fecha-lhe os olhos; para que ele não veja com os seus olhos, e não ouça com os seus ouvidos, nem entenda com o seu coração, nem se converta e seja sarado Isaías 6:9-10. O apóstolo Mateus também confirmou: Porque a vós é dado compreender os mistérios do Reino dos céus, mas a eles não. Ao que tem, se lhe dará e terá em abundância, mas ao que não tem será tirado até mesmo o que tem. Eis por que lhes falo em parábolas: para que, vendo, não vejam e, ouvindo, não ouçam nem compreendam. Assim se cumpre para eles o que foi dito pelo profeta Isaías: Ouvireis com vossos ouvidos e não entendereis, olhareis com vossos olhos e não vereis, porque o coração deste povo se endureceu: taparam os seus ouvidos e fecharam os seus olhos, para que seus olhos não vejam e seus ouvidos não ouçam, nem seu coração compreenda; para que não se convertam e eu os sare Mateus 13:11-15.

          • fernando sarti disse:

            Acredito que nesse assunto da morte você está equivocado, e infelizmente você colocou a sua opinião e não a da bíblia.

      • Ricardo disse:

        Dormem: Dan 12:2; I Tes 4:13; Mt 9:24; Luc 8:52; João 11:11, Atos 7:60.

        Responder
        • Presbítero André Sanchez disse:

          Ricardo, dá uma lida melhor nesses textos e diferencie a figura de linguagem de dormir=morte

          Responder
      • olavo milton albino de morais disse:

        Presbítero,

        Tenho uma dúvida. Se os condenados aguardam o julgamento no inferno e os salvos aguardam no céu, Então já foram julgados.

        Responder
    • Raiza disse:

      As almas podem ver as pessoas vivas?

      Responder
      • André Sanchez disse:

        Raiza, não encontro embasamento na Bíblia para dizer que as almas consigam ver o que se passa aqui na terra. A Bíblia parece nos dizer o contrário, que não há contato algum entre aqueles que já se foram com aqueles que ainda estão vivos na terra.

        Responder
        • Luis Claudio Fernandes disse:

          Quem sabe se o fôlego de vida dos filhos dos homens se dirige para cima e o dos animais para baixo, para a terra?” (Eclesiastes 3.20-21; ARA)

          Responder
      • Odecir da costa disse:

        Raiza , por favor! Eu peço humildemente, presta bastante atenção para que ninguém te engane, alma e espírito não são a mesma coisa, a alma não é algo imaterial, invisível que vc não possa ver, a alma é visível vc pode ver e tocar. O espírito sim é invisível, vc não pode ver nem tocar. Você é uma alma vivente, quando vc olha para o seu próximo vc está vendo uma alma. Quando vc olha para alguém vc está vendo a alma que ele é , e não o espírito que ele tem, o espírito, é o fôlego de vida que Deus te deu, o seu corpo é a imagem exata do seu espírito. O espírito é como o vento, vc não sabe de onde vem, nem para onde vai, vc não ve nem pode tocar mas pode sentir. Assim também é o vento, vc não pode ver nem tocar, mas pode sentir. Certa vez um dos discípulos de Jesus disse: Senhor, não sabemos para onde vais. Como podemos conhecer o caminho? Jesus lhe respondeu: Eu sou o caminho, a verdade e a vida; ninguém vem ao Pai senão por mim. Se me conhecêsseis, também certamente conheceríeis meu Pai; desde agora já o conheceis, pois o tendes visto.
        Disse-lhe Filipe: Senhor, mostra-nos o Pai e isso nos basta. Respondeu Jesus: Há tanto tempo que estou convosco e não me conheceste, Filipe! Aquele que me viu, viu também o Pai. Como, pois, dizes: Mostra-nos o Pai…Não credes que estou no Pai, e que o Pai está em mim? As palavras que vos digo não as digo de mim mesmo; mas o Pai, que permanece em mim, é que realiza as suas próprias obras.Crede-me: estou no Pai, e o Pai em mim. Crede-o ao menos por causa destas obras João 14:6-11. Não que alguém tenha visto o Pai, pois só aquele que vem de Deus, esse é que viu o Pai João 6:46. O corpo humano do Messias é a imagem e expressão exata do Espírito de Deus (Hebreus 1:2) ou seja, quando as pessoas naquela época viam Jesus estava vendo o pai, mas não o Espírito invisível de Deus, pois niguem pode ver o Espírito de Deus e continuar vivo. A glória de Deus é como um fogo consumidor, se Deus viesse a terra com toda a sua glória não ficaria nem um ser humano vivo, então Deus despojou da sua glória, assumiu a forma de servo, desceu ao nível do homem, para que o homem pudesse ver Deus e tocar sem que morresse. A palavra de Deus se fez carne e habitou entre nós na pessoa do Messias (João 1:14). Agora eu vou postar algumas passagens bíblicas para vc ler veja: Gênesis 2:7/9:5-6/ Levítico 17:11-14/ Eclesiastes 3:19-20/ 9:5-6/12:7/. O homem é uma alma vivente assim como os animais também são, a diferença é que o fôlego de vida do homem volta para Deus, e o fôlego do animal morre com ele. Portanto alma é tudo aquilo que tem fôlego de vida. Espero ter ajudado fica com Deus.

        Responder
        • Caetano Branco disse:

          Amado Odecir, permita-me discordar da sua colocação segundo a qual “O espírito é como o vento, vc não sabe de onde vem, nem para onde vai”. Felizmente o Apostolo Estévão sabia para onde iria o seu espírito, por isso disse: “ Senhor Jesus, recebe o meu espírito”.(Atos 7: 59). O espírito do apóstolo Estévão, está com o senhor Jesus, assim como o de outras pessoas que morreram em cristo. Deus é espírito, os anjos são espíritos, o apóstolo Estévão e tantos outros que já deixaram esse mundo, são também espíritos. É claro que eu não sou espírito, mas há um espírito dentro de mim (que é o próprio eu ) que irá para junto do Senhor, depois da minha “morte” (o Apóstolo Paulo em Filipenses 1: 23, fala em “partir” no lugar de “morrer”, partir para junto do Senhor). Entretanto, no mundo espiritual, (que não sei se acreditam que existe), habitam não pessoas carnais, mas espirituais, ou seja espíritos. Tanto é assim que ao morrermos, passamos automáticamente para o plano espiritual, onde encontramos o céu e o inferno. Teremos muitas surpresas. Eu nunca fui nem sou bruxo, mas sei ( e acredito que muitos sabem) que um bruxo ou feiticeiro, para se deslocar de um local para outro, ném sempre leva consigo o seu corpo físico, mas muitas vezes fica o corpo físico e viaja o espírito, que é invisível, podendo transpor paredes, entre outras coisas, é esse mesmo espírito que sobrevive à morte física conforme vemos em Ecles..12: 7. Sei que não é de noite para o dia que uma pessoa que desde muito tempo acreditou no “sono da alma”, vai abandonar as suas crenças, tanto mais que ouviu sempre dizer que os que pensam o contrário, são falsos cristãos. Mas a verdade sempre vence. Termino com Filipens 2: 10 (para que ao nome de Jesus se dobre todo joelho dos que estão nos céus, e na terra e DEBAIXO DA TERRA. Pergunta: O quê ou quem está debaixo da terra e que deve dobrar os joelhos ao nome de Jesus? Resp: Nada mais nada menos do que os que estão no inferno, o inferno é debaixo da terra (Amós 9: 2 ).

          Ao amado Presbítero André. Parabéns amado. Agradeço à Deus, pelo Seu Espírito Santo que repousa sobre ti amado, e que te encorajou (eu creio) a publicar esse estudo, que longe de encontrar consenso mesmo no meio cristão, tem suscitado muitos debates ao longo dos séculos. Ao publicares esse estudo, posso dizer que mais uma vez tiraste o sono ao diabo (se é que ele tem tido sono), e como lhe é característico, ele tenta reagir, porque ao diabo interessa a mentira, a dissimulação. Ao diabo interessa que se diga que o inferno não existe, tormento eterno também não, e que ném mesmo ele existe. E assim nessa sua arte dissimuladora, apanha muita gente. É como o caçador, ele nunca apronta a sua armadilha bém a vista dos animais, ele faz com que o local armadilhado pareça o mais natural possível.

          Abs.

          Responder
          • ODECIR DA COSTA disse:

            Caetano, você não entendeu nada! O que eu quis dizer é, sobre você ver ou não ver um espírito, ok? Outra coisa! Quando Estevão entregou seu espírito ele ainda estava vivo.

            Veja o que diz a palavra de Deus! Porque os vivos sabem que hão de morrer, mas os mortos não sabem coisa nenhuma, nem tampouco terão eles recompensa, mas a sua memória fica entregue ao esquecimento.
            Também o seu amor, o seu ódio, e a sua inveja já pereceram, e já não têm parte alguma para sempre, em coisa alguma do que se faz debaixo do sol.
            (Eclesiastes 9:5,6).

            No dia em que Deus tira o espírito ( fôlego de vida) do homem perecem todos os seus sentimentos, confira!!! Sai-lhe o espírito, volta para a terra; naquele mesmo dia perecem os seus pensamentos ( Salmos 146:4). A alma ou espírito não é algo que vive independente do corpo, no momento da morte o homem deixa de existir como um todo.

            Não confunda, criaturas espirituais (anjos) com seres humano, há uma diferença enorme, outra coisa! Caetano, não se deixe enganar! Quando Paulo disse estar com Cristo é somente na ressurreição na vinda do Messias. No momento da morte, tanto o justo como o injusto vão para a sepultura! Confira: Não vos maravilheis disto; porque vem a hora em que todos os que estão nos sepulcros ouvirão a sua voz.
            E os que fizeram o bem sairão para a ressurreição da vida; e os que fizeram o mal para a ressurreição da condenação (João 5:28,29).

            Porquanto a vontade daquele que me enviou é esta: Que todo aquele que vê o Filho, e crê nele, tenha a vida eterna; e eu o ressuscitarei no último dia (João 6:40).

            Está vendo? No último dia! A palavra de Deus é tão clara.

        • Ezequias V lopes disse:

          Pondere o seguinte: Os animais foram criados pelo poder da Palavra, e disse Deus…conforme Gn 1.20-25, no entanto o Homem fora formado pela própria “mão” de Deus, conforme Gn 2.7, e soprou nele o folego de vida, diferente de toda a criação o homem recebeu o espirito de vida, e tornou alma vivente, os animas já fora criados almas viventes, portanto apenas o homem, ou seja ser humano possui espirito de vida, e isto basta. Questiunculas não vão mudar esta verdade. Abraços.

          Responder
          • ODECIR DA COSTA disse:

            Infelizmente a mente das pessoas estão impregnadas com doutrinas pagãs. Ezequias, confira estas passagens bíblicas!

            Porque o que sucede aos filhos dos homens, isso mesmo também sucede aos animais, e lhes sucede a mesma coisa; como morre um, assim morre o outro; e todos têm o mesmo fôlego, e a vantagem dos homens sobre os animais não é nenhuma, porque todos são vaidade.
            Todos vão para um lugar; todos foram feitos do pó, e todos voltarão ao pó.
            Quem sabe que o fôlego do homem vai para cima, e que o fôlego dos animais vai para baixo da terra?
            Eclesiastes( 3:19-21).

            Porque os vivos sabem que hão de morrer, mas os mortos não sabem coisa nenhuma, nem tampouco terão eles recompensa, mas a sua memória fica entregue ao esquecimento.
            Também o seu amor, o seu ódio, e a sua inveja já pereceram, e já não têm parte alguma para sempre, em coisa alguma do que se faz debaixo do sol.
            (Eclesiastes 9:5,6).

            No dia em que Deus tira o espírito ( fôlego de vida) do homem perecem todos os seus sentimentos, confira!!! Sai-lhe o espírito, volta para a terra; naquele mesmo dia perecem os seus pensamentos ( Salmos 146:4). A alma ou espírito não é algo que vive independente do corpo, no momento da morte o homem deixa de existir como um todo.

            A palavra de Deus é bem clara! Tu foi feito do pó e ao pó retornará, confira! No suor do teu rosto comerás o teu pão, até que te tornes à terra; porque dela foste tomado; porquanto és pó e em pó te tornarás (Gênesis 3:19).

            O homem não é mais que um sopro!! A largura da mão: eis a medida de meus dias, diante de vós minha vida é como um nada; todo homem não é mais que um sopro (Salmos 39:5).

            Quando punis o homem, fazendo-lhe sentir a sua culpa, consumis, como o faria a traça, o que ele tem de mais caro. Verdadeiramente, apenas um sopro é o homem (Salmos 39:11).

            E aí Ezequias, você acredita nas Escrituras que é a palavra de Deu ou em doutrina de homens?.

    • Kewin disse:

      Cara , se a Bíblia foi inscrita por Homens e você não crê , imagina se fosse escrita por um elefante , por um cachorro ? Você queria que fosse escrita por quem ?

      Responder
      • ODECIR DA COSTA disse:

        É óbvio que a bíblia foi inscrita por homens, aff. Você não entendeu nada! Infelizmente, para algumas pessoas você tem que trocar em miúdos! O que eu quis dizer é que: A maioria dos pregadores por ignorância ou por influência maligna, distorcem a palavra de Deus e as pessoas acreditam cegamente sem questionar, sem analisar as Escrituras e, isso acontece com frequência. Espero ter esclarecido!

        Responder
    • kellyn disse:

      Só uma coisa á vos dizer lembro me que em alguma parte da bíblia diz : – “Porque a sabedoria do homem é loucura para Deus” sem mais nada a dizer busquemos a sabedoria dos céus, pois ” a letra mata, mas o espirito vivifica” ! Fiquem na paz!

      Responder
    • Lenivan Junior disse:

      O espirito é o “sopro” que nos faz viver,que está meramente associado a energia corporal!

      Responder
    • Rafael disse:

      Verdade. O homem mudou tudo como passar dos anos.

      Responder
  • Paulo disse:

    Obrigado novamente, por deixar-me esboçar essa idéia. Valeu mesmo o espirito democratico.
    PAz e LUZ.

    Responder
    • André Sanchez disse:

      Eu é que agradeço, Paulo. Fique à vontade para visitar outros artigos. Tenho várias sessões legais e mais neutras (humor, reflexão, vídeos, piadas, etc) Abs!!

      Responder
      • TELES disse:

        AONDE POSSO ENCONTRAR?

        Responder
  • Aio disse:

    Essa questão tem uma resposta mais simples: o plano de Deus é a “diversidade” em tudo o que possa existir na humanidade, desde é claro que não ofenda a Ele. Essas diferenças entre as pessoas fazem parte do plano Dele. Se precisarem de mais detalhes basta perguntarem.

    Responder
    • André Sanchez disse:

      Aio, Obrigado por comentar.

      Não compreendi bem o uso do termo “diferença entre as pessoas”. Dentro do plano de Deus existe sim diversidade, mas não no assunto em questão. O destino de cada alma depois de sua morte depende de um mesmo conjunto de normas estabelecidas na Palavra de Deus para todas as pessoas, sem exceção. Aquilo que está descrito na Bíblia é o que Deus planejou e o que acontecerá com cada um.

      Responder
  • Aio disse:

    Obviamente sou novo aqui. “Diferenças entre as pessoas”: me refiro ao que o Paulo cita mais ou menos assim:
    “ao analisar duas pessoas, uma nasce desafortunada, com problemas de locomoção e déficit mental, outra saudável, afortunada, que goza de todos os prazeres da vida”.
    Essa situação aborrece o Paulo (e a maioria das pessoas que eu conheço), então eu tentei reforçar a ideia de que a condição de nascimento de qualquer pessoa faz parte unicamente do plano de Deus.

    Responder
    • André Sanchez disse:

      Entendi. Sim, cada um de nós nasce debaixo dos propósitos de Deus. Somos multiformes nesse sentido…

      Abs!!!

      Responder
      • sumaia disse:

        Bom dia André
        Muito bom ler seus comentários. Apesar da alma humana carregar angústias em razão do desconhecido, é muito reconfortante saber que Jesus pode transformar nossos questionamentos em luz e paz…isso é realmente alívio para aqueles que buscam a verdade.
        Deus o abençoe e sustente na fé.
        Abraços, Sumaia

        Responder
  • DRACK TKTS disse:

    ola gostei do texto a morte sempre sera um misterio para todos nos nimguem sabe o certo sobre a morte , a morte é uma coisa q todos nos vamus passar cedo ou tarde , o melhor q temos a fazer é curtir nossa vida e agradecer a deus por nois estar vivo sempre assim q tem q ser …….. valew

    Responder
  • Élides Fatima Pedro disse:

    andre, se depois da morte , no inferno ou no céu , ficamos onde já está determinado, porq esperamos lá a volta de cristo e as pessoas q estão no inferno terão a segunda chance? não sei direito, mas parece q em Ap. Ele fala alguma coisa da segunda chance.

    Responder
    • Valmir Faria disse:

      Elides se vamos na biblia saber se existe a segunda chance a mais ela nos diz em II corintios6:2 que hoje e o dia da Salvaçao,nao tem segunda chance e nem seria justo da parte de Deus enquanto um se preparam hoje,outros esperam para depois do milenio como dizem muitos por ai,quanto mais voce quer ver seu parentes morrendo,seus amigos eu nao.

      Responder
  • alexsandro disse:

    amado, estou escrevendo um livro sobre a morte. sendo, que só essa parte fiquei na duvida. por ex. um não-salvo morre ele já fica em sofrimento, que ainda não é o inferno. ou se tipo apaga e aguarda o dia do juizo final. qual igreja o irmão pertence? aguardo repostas

    Responder
    • André Sanchez disse:

      Alexsandro, sou da Igreja Presbiteriana do Brasil.

      Bom, nós não cremos naquilo que alguns chamam de “sono da alma”. Ou seja, que a alma da pessoa fica dormindo enquanto aguarda o dia da segunda volta de Cristo, o juízo final. A alma fica consciente em seu lugar de destino. Um bom exemplo para ilustrar essa questão é a parábola do rico e do mendigo contada por Jesus.

      Abs!!

      Responder
      • alexsandro disse:

        querido, conhece outros versiculos, sem o qual foram mensionados? obg!

        Responder
        • André Sanchez disse:

          Alexsandro, fiz uma pesquisa rápida por aqui e levantei mais dois textos. Se lembrar de outros adiciono aqui nos comentários:

          – Lucas 23. 43 e Ap 7. 4, 15

          Responder
          • jonathan arruda disse:

            como uma pessoa boa pode ir para o inferno e uma pessoa ruin ir para o cel? seria justo isto?

          • André Sanchez disse:

            Jonathan, não existem pessoas boas. A Bíblia diz que todos pecaram. E que o salário do pecado é a morte. Assim, todos nós estávamos destinados ao inferno. É pela graça de Deus que somos resgatados dessa condição. Então, não existe esse papo de pessoa boa ir para o inferno e pessoa ruim ir para o céu.

            Na paz de Cristo!

      • valmir corre de faria disse:

        Na questao da crença da mortalidade da alma na biblia nos precisamos anlizar de que termos em hebraico e Grego foi traduzida pois para o portugues foi traduzida as duas palvras em uma.
        Em hebraico nao velho testamento alma e derivada da palavra NEPHESH- que significa vida ou criatura ou o que tem vida, agora alma em grego a lingagem do novo testamento alma ou espirito-Pneuma- o que nos faz lembra e portugues pulmaoou seja AR o que mantem o nosso corpo,criatura em grego e o ar simplismente.pois quando lemos e Genesis 2:7 na biblia na linguagem de hoje fica facil comprrender pois
        vamos le-la genesis2:7-Entao do po da terra,o senhor formou o ser humano,o Senhor soprou no nariz dele
        uma respiracao de vida(ar,espirito,alma sao traduçoes que vieram se aprimorando) e asimm ele tornou-se um ser vivo.(ele e alma,nao tem uma alma).Uma pergunta? Alma morre? a biblia responde .Ezequiel 18;4 pois a vida de todas as pessoas pretencem a mim,tanto a vida do pai quanto a do filho sao minhas,a pessoa que pecar essa que morrera.veja quanto melhor a traduçao maior e para nos enterdemos melhor o texto e nao sobrar duvidas e quando temos duvidas devemos recorrer a lingua original e seus termos originais e passa-los para o portugues com o maximo de pureza.outra evidencia de que o termo alma mencionada nao que dizer uma vida pos a morte e o fato de Jesus ter prometido ao ladrao que ele estaria com ele no paraiso,Jesus nao mente,correto?ele diz Em Malaquias 3:6 Eu sou Deus e nao mudo.nao falo uma coisa e mudo de ideia depois.Sera que ele prometeu que apos logo apos a sua morte extariam no paraiso,ele disse em verdadete digo hoje,estaras comigo no paraiso e nao estaras comigo hoje no paraiso a virgula faz muita diferença numa frase e em grego nao existe pontuaçao ,usamos o portugues para ler a biblia e em portugues existe pontuaçao para dar sentido ,so que esta virgula nao foi posta em lugar correto mudando a situaçao da frase.tanto que em Joao20:17 maria encontra Jesus ressureto como homem e ela tenta adora-lo e ele nao permite pois ainda nao tinha subido aos ceus ainda e ela foi avisar
        que Jesus tinah ressecitado como estava na profecia,no verso 27e28 depois de voltar dos ceus ele se apresenta. aos discipulos entao como vimos a teoria,pois uma teoria como e a evolucao, nao se sustem perante a biblia.E devo dizer mais esta teoria que levou o ser humano a decadencia pecaminosa no edem
        pois a primeira Reencarnacao ou seja havia uma alma(que se incorporou numa serpente) Vejam o principio eo mesmo,tem que ter uma alma,nao importa a procedencia(religioes que pregam este conceito)
        penetrou no corpo de uma serpente e olha ai aonde estamos,morte,tristeza,dor, voce compreende isto?

        Responder
      • xavier disse:

        parabens foi boa sua resposta gostei muito de saber q vc tbm acha isso

        Responder
      • Raul disse:

        Raul,sou da igreja presbiteriana de Mocambique concordo com os bons pensamentos que o meu irmao Alesandro.

        Responder
      • janete disse:

        Amado, sendo Deus atemporal, acha coerente que após a morte o homem continue consciênte e sujeito ao tempo cronológico, aguardando o dia de Cristo? Este “sono” aceito por outras denominações não seria metafórico para ilustrar que num abrir e fechar de olhos, o homem estará no dia do Senhor?

        Responder
        • André Sanchez disse:

          Janete, esse sono não é metafórico segundo alguns. Ele é literal, o que, claro, a Bíblia não apoia.

          Responder
  • alexsandro disse:

    amado me dê seu e-mail para eu te enviar um texto bíblico sobre o assunto, e o amado me explicar. obg!

    Responder
    • André Sanchez disse:

      Mande para esse email: andregsanchez@gmail.com

      Abs!!

      Responder
      • fabiana disse:

        ola andre gostaria de saber se as pessoas morrem depois de ter comprido tudo aqui na terra

        Responder
        • André Sanchez disse:

          Fabiana, difícil responder isso. Só Deus sabe quando uma pessoa morre e porque foi exatamente naquele momento.

          Responder
  • Aio disse:

    O comentário de DRACK TKTS é pleno de lucidez mas a digitação deixa a desejar . . . rsrsrs rss

    Agora, falando sério:
    Cliquei aqui e ali e colhi dois textos sobre Jesus e Lázaro. Ambos são contrários um ao outro e portanto acho que um deles é falso. Alguém pode dizer qual, ou outra explicação?
    De minha parte, sempre achei mais lógico acreditar que:
    1- Os mortos, porém, não estão cônscios de absolutamente nada.
    2- quando uma pessoa morre, “perecem deveras os seus pensamentos”

    Os dois textos são:
    1- Jesus Cristo falou a respeito da condição dos mortos. Fez isso por ocasião da morte de Lázaro, um homem que ele conhecia bem. Jesus disse aos seus discípulos: “Lázaro, nosso amigo, foi descansar.” Os discípulos pensaram que Jesus queria dizer que Lázaro estava dormindo, recuperando-se de uma doença. Eles estavam enganados. Jesus explicou: “Lázaro morreu.” (João 11:11-14) Note que Jesus comparou a morte a descanso e sono. Lázaro não estava no céu nem num inferno de fogo. Ele não estava se juntando a anjos ou a antepassados. Tampouco renasceu como outra pessoa. Lázaro estava no descanso da morte, como que num sono profundo, sem sonhos.

    2-
    O rico, no inferno, estando em tormentos, levantou os olhos e viu al longe a
    Abraão e Lázaro no seu seio.
    Então, clamando, disse: Pai Abraão,tem misericórdia de mim!Manda a Lázaro que
    molhe em água a ponta do dedo e me refresque a língua, porque estou
    atormentado nesta chama.

    Pessoalmente acho que um morto “clamando” é algo que não faz parte das coisas de Deus, mas a minha pergunta é: algum dos dois trechos acima NÃO consta da Bíblia?
    Agradeço se responderem.

    Responder
    • André Sanchez disse:

      Bom, analisemos primeiramente aquilo que você diz ser mais lógico:

      “De minha parte, sempre achei mais lógico acreditar que:
      1- Os mortos, porém, não estão cônscios de absolutamente nada.
      2- quando uma pessoa morre, “perecem deveras os seus pensamentos”

      Você usa o texto de Eclesiastes 9. 5 para apoiar o seu argumento do sono da alma, dizendo que os mortos não estão cônscios de nada. Porém, uma análise do contexto mostra que o autor fala da relação dos mortos com a vida terrena e não no estado da alma após a pessoa morrer. Observa-se claramente isso lendo o contexto nos versos de 4 a 10. Assim, essa sua conclusão está em desarmonia com o que o texto realmente mostra.

      Você usa também o texto de Salmos 146. 4 para apoiar o sono da alma. Uma análise do texto mostra que ele também não fala a respeito da vida após a morte, mas simplesmente da morte do corpo. Os desígnios que perecem são as “coisas dessa terra”. “Sl 146:4 Sai-lhes o espírito, e eles tornam ao pó; nesse mesmo dia, perecem todos os seus desígnios.”

      Outro ponto que você toca é a ressurreição de Lázaro. Quando Jesus fala que Lázaro “adormeceu” não está falando da vida do espírito após a morte, mas da sua morte que acabará de acontecer a pouco. Dizer que esse texto fala a respeito do sono da alma é forçar o texto.

      Outra coisa, você diz que não crê em um morto “clamando” (no inferno). “Mt 8:12 Ao passo que os filhos do reino serão lançados para fora, nas trevas; ali haverá choro e ranger de dentes.”. Choro e ranger de dentes parecem muito com aquilo que o rico sentia ali no inferno. Não há desarmonia nesse ponto.

      Provas bíblicas da consciência da alma depois da morte acham-se nas palavras de Paulo quando diz que ao deixar o corpo estaria com o Senhor (Fp 1.23,24 2 Co 5.1-8). Além disso, no monte da transfiguração, Moisés não estava “silencioso, inativo e totalmente inconsciente” enquanto falava com Cristo, cf. Mt 17.1-6. Veja ainda Ap 6.9-11. Etc.

      Abs!

      Responder
      • valmir corre de faria disse:

        O grande problema que os cristao nao se apercebem nesta doutrina e de onde ela vem.quqia foram os primeiros defensores desta doutrina da Imortalida da alma: o Primeiro foi satanas no jardim do Edem.
        vamos ler genesis 3:3a5 podemos comer de todas as arvores menos de uma,4-eoa cobra em que satanas se reencarnou(alma+corpo pregaçao de muitas igrejas cristas) disse a mulher Deus esta mentindo, o mesmo engano de satanas no ceu,Deus e mentiroso ele nao e tao bom assim ,5- no dia em que voces comerem serao iguais a Deus(nao morreram) o seu corpo pode ir para a sepultura,mas a sua alma vivera para sempre,nuca voces sumiram da face da terra,voce esta percebendo,aonde começa tudo isso!! O ESPIRITISMO tem a mesma crença que tinha calvino,nao que ele fosse espirita,mas o principio e o mesmo ser eterno neste mundo de pecado.Quantas vezes Deus mandava expulsar do mei do povo de Israel pessoas que acreditavam em vida apos a morte e ate invocavam ICronicas 10:13 o rei saul foi morto
        porque consultou uma alma(alma de Samuel) pois todos sabemos que nao era Samuel era o proprio satanas e muitos outros casos,voce esta entendendo a mensagem e a mesma para consultar os mortos tem que haver uma alma e igrejas cristas que dizem tementes a Deus indoçam esta pratica afirmando o mesmo que satanas afirmou a Eva no edem certamente nao morreras na contra mao disto o proprio Jesus afirma em Romanos 6:23Pois o salario do pecado e a morte e morrer e morrer na acepçao da palavra e Eclesiate9 :5a10 e tudo o que acontece com o homem o problema e que com nosssos pre- conceitos firmados muitas vezes nao nos deixa-mos ser resgatdos pelas verdades biblicas eu tambem me ponho muitas vezes neste plano,reconheco que todos nos somos duros algumas vezes,mas quando achamos subsidios tao fortes como estes eu nao posso me dar o direito de me refutar desta verdade,pois existem subsidios que noa comçam em nossos dias,começa quando o mundo foi formado e o homem cai em pecado por esta ferida aberta desde o Edem e que ate hje no meio cristao esta aberta enao querem fecha-la pois isto nos aclma o coraçao,pois anoticia de ter um ente querido morto perto de nos e prazeiroso ou que ela vela por nos no ceu tambem e reconfortante,mas nao condiz com a realidade biblica e igreja crista moderna indoça esta inverdade.notem que este ensinamento e universal 99;9 das religioes comungam deste ensinamento e devo lembrar que em religiao toda a unanimidade e burra?ex;foi ahunanimidade que
        autorizou a morte de Cristo na cruz do calvario.quem salvou estevao do apedrejamento?precisa-mos ficar atentos e estudar a biblia com a conduçao do Espirito santo.falo isso acho que ate com um pouco de dureza,mas falou como algem que quer o bem de todos que estao ao meu alcance.

        Responder
      • tatiany disse:

        foi muito esclarecedor pr mim essas respostas , por isso que gosto de ler todos os comentários pois aprendemos mais ainda com as duvidas e perguntas dos outros … a paz …

        Responder
  • Aio disse:

    Acho que vou reler esse post pois está estranho.
    Lá no início vocês escreveram:

    . . . O rico Lázaro morre e vai para o inferno.
    Depois tem isso:
    . . . levantou os olhos e viu ao longe a Abraão e Lázaro no seu seio.” (Lc 16. 22-23). Nenhum deles se encontra . . .

    Afinal de contas, Lázaro era o rico ou o mendigo?

    Responder
    • André Sanchez disse:

      Você tem razão. Existia um erro de digitação e já foi corrigido. Lázaro era o mendigo.

      Abs!

      Responder
  • Aio disse:

    Olá André!

    Você escreveu:
    “… o autor fala da relação dos mortos com a vida terrena e não no estado da alma …. “

    Acontece que eu também não estava falando da alma, não sei de onde você entendeu diferente.
    Aproveito e pergunto: qual é então essa relação dos mortos com a vida terrena, de acordo com o autor? Eu entendi assim: segundo o autor, os mortos não têm relação alguma com a vida terrena pois estão . . . mortos! Você entende outra coisa?

    Seu segundo parágrafo iguala o primeiro:
    “Você usa também o texto de Salmos 146. 4 para apoiar o sono da alma. Uma análise . . .”

    Eu concordo que as coisas dessa terra terminam para aquele que morreu, nisso estamos de acordo: quando uma pessoa morre, seus pensamentos acabam. Eu também não estou falando da vida após a morte!
    Portanto, de acordo com a minha lógica, quem quiser louvar a Deus que o faça em vida!

    Também escreveu:
    “Outro ponto que você toca é a ressurreição de Lázaro. Quando Jesus . . .”
    “Dizer que esse texto fala a respeito do sono da alma é forçar o texto.”

    Aqui estamos bem, posso acatar sua opinião.

    Mas no próximo acho que você se enganou um pouco.
    Você, André, disse:
    “Outra coisa, você diz que não crê em um morto “clamando” (no inferno).”

    Eu acho que são duas situações diferentes:
    1 – o inferno e 2- o que você usou como exemplo.

    Em Mt 8:10 a 12, Jesus estava citando um tempo em que estariam os Vivos no reino dos céus (Reino de Jesus portanto) e que uns não-israelenses (por conta da fé igual à do militar) seriam colocados mais perto Dele do que alguns próprios descendentes de Abraão, Isaque e companhia, e que esses semi-rejeitados rangeriam os dentes. Mas ninguém aí estaria nem morto e nem no inferno; então acho que você usou um exemplo infeliz.
    Por isso tudo eu continuo achando mais prático pensar que mortos não clamam!

    Mt [8]
    10 Jesus, ouvindo isso, admirou-se, e disse aos que o seguiam: Em verdade vos digo que a ninguém encontrei em Israel com tamanha fé.
    11 Também vos digo que muitos virão do oriente e do ocidente, e reclinar-se-ão à mesa de Abraão, Isaque e Jacó, no reino dos céus;
    12 mas os filhos do reino serão lançados nas trevas exteriores; ali haverá choro e ranger de dentes.

    Outro parágrafo seu:
    ”Provas bíblicas da consciência da alma depois da morte . . .”

    Provas bíblicas? Quem está forçando o texto agora?
    Novamente acho que talvez o exemplo não tenha sido claro o bastante para mim.
    A palavra “desejo” desautoriza que seja considerado “prova”.

    Fp 1.23,24
    23 Mas de ambos os lados estou em aperto, tendo desejo de partir e estar com Cristo, porque isto é ainda muito melhor;
    24 todavia, por causa de vós, julgo mais necessário permanecer na carne.

    Nesse seu outro exemplo:
    8 temos bom ânimo, mas desejamos antes estar ausentes deste corpo, para estarmos presentes com o Senhor.

    Temos além do desejo desautorizante, uma sutileza: não é necessário estar ausente do corpo para ver ao Senhor, acaso Jesus não pregava a céu aberto para centenas de corpos? Não sou expert mas creio que Deus falou com Adão frente a frente, sendo Adão mera carne e osso!

    Quanto ao monte da transfiguração, veja, você está falando de Moisés, não é um qualquer, e o que é mais importante: o próprio DEUS estava presente em forma de nuvem! Ora, Deus trouxe Moisés de volta à vida porque Ele quis, coisa básica para quem é Ele! Mas não se diz que seja a regra geral para os mortos.

    O texto é esse não?
    2 Co 5.1-8
    5 Estando ele ainda a falar, eis que uma nuvem luminosa os cobriu; e dela saiu uma voz que dizia: Este é o meu Filho amado, em quem me comprazo; a ele ouvi.

    André, no seu último exemplo: Ap 6.9-11
    Está grafado que as almas foram colocadas em repouso ainda um pouco mais. “Ainda” dá a entender que já estavam naquele estado e só acordaram porque o selo foi rompido. E foram colocados de novo em repouso; só clamaram naquele instante, acho. Mas cada um de nós tem liberdade de achar o que quiser, certo?

    9 Quando abriu o quinto selo, vi debaixo do altar as almas dos que tinham sido mortos por causa da palavra de Deus e por causa do testemunho que deram.
    10 E clamaram com grande voz, dizendo: Até quando, ó Soberano, santo e verdadeiro, não julgas e vingas o nosso sangue dos que habitam sobre a terra?.
    11 E foram dadas a cada um deles compridas vestes brancas e foi-lhes dito que repousassem ainda por um pouco de tempo, até que se completasse o número de seus conservos, que haviam de ser mortos, como também eles o foram.

    Espero não ter ficado extenso.
    Agradeço a oportunidade!

    Responder
    • André Sanchez disse:

      Que isso… é sempre bom debater! A única coisa chata é o tempo curto que tenho para isso (Conciliar um blog com o trabalho secular não é fácil). Se tivesse mais tempo poderíamos debater mais…

      Estão aí todos os pontos de vista publicados para edificação dos leitores.

      Obrigado pela oportunidade!

      Responder
  • Danielle Sueli disse:

    Acredito assim como como você André.
    Glória a Deus, a palavra do Senhor nos dá está certeza e esperança.

    Responder
  • Aline Ferreira Rodrigues disse:

    Caro, André, acredito que na morte não existe consciencia, eis porque:

    “Assim falou; e depois disse-lhes: Lázaro, o nosso amigo, dorme, mas vou despertá-lo do sono. Disseram, pois, os seus discípulos: Senhor, se dorme, estará salvo. Mas Jesus dizia isto da sua morte; eles, porém, cuidavam que falava do repouso do sono.” João 11:11-13

    Em Lucas 23: 43, se notarmos, veremos que esta foi uma resposta de Jesus ao ladrão que pediu: “Lembra-te de mim que vieres no Teu reino (vs 42). E o Senhor lhe responde: “Te digo hoje: estarás [não ‘hoje’ estarás] comigo no paraíso” (vs 43).

    Uma evidencia de que Jesus não estava dizendo que o ladrão iria naquele diz para o céu junto com Ele, é que nem mesmo o proprio Cristo subiu ao céu naquele dia. Por isso no domingo Jesus disse a Maria “Não me detenhas, porque ainda não subi para Meu Pai (João 20:17)

    Na parábola do Rico e do Lazaro, Jesus não estava querendo explicar sobre o estado do homem na morte, Ele apenas estava fazendo uma clara distinção entre esta vida e a próxima.

    Nós não podemos tomar parabolas como uma descrição real, pois elas servem apenas para explicar de maneira entendivel, as verdades que as pessoas não entendem.

    Abraço o/

    Responder
    • Adilson Machado disse:

      Perfeito, Aline, apegar-se à parábola de Lucas 16 e violentar todo o restante da Bíblia não é muito coerente.
      A afirmação de Sl 146 de que os desígnios do homem perecem (têm fim, deixam de existir) ao exalar seu último suspiro (suspiro, fôlego, alento), isto é, ao morrer, dizem respeito à vida terrena somente é EISEGESE, ou seja, colocar na Bíblia palavras que ela não diz.
      Na verdade, alma e espírito são figuras de linguagem que querem dizer a mente, o intelecto humano, o qual se extingue com a morte cerebral. O ladrão foi para o Paraíso no mesmo instante da morte, porque, ao morrer, não tem como sentir passar o tempo. Para nós, ele ainda está aguardando, para ele, foi no mesmo dia.
      Os bilhões de seres humanos que morreram sem conhecer a Cristo pereceram, deixaram de existir, não estão em inferno nenhum. Não existiam antes de nascer e deixaram de existir novamente ao morrerem, só isso. Qual a diferença? Por que Deus tem de perpetuar a existência de alguém após a morte, se nos trilhões de trilhões de milênios anteriores a pessoa não existia? Por que ninguém reclama dessa não existência anterior?
      O mal reside na crença falsa da existência da alma e que essa tal alma é imortal, contra o que afirma 1Tm 6:16.

      Responder
  • Christini Miguez disse:

    Alma e espírito, são uma coisa só???

    Responder
    • Aline Ferreira Rodrigues disse:

      Em Genesis 2:7 diz: “E formou o Senhor Deus o homem do ‘pó da terra’, e soprou em suas narinas o ‘fôlego’ de vida e o homem passou a ‘ser’ ‘alma’ vida.”

      PÓ (CORPO) + (soprou em suas narinas o FOLEGO, ESPIRITO ou RESPIRAÇÃO) = (e o homem foi feito) = ALMA VIVENTE. Assim, CORPO+ESPIRITO = ALMA VIVENTE.

      Perguntas:
      1 – CORPO = ALMA VIVENTE? – NÃO! – É por isso que um corpo morto se decompões. Porque corpo sem respiração, não vive, não é um ser vivente.
      2 – ESPIRITO = ALMA VIVENTE? – NÃO! – Isto é muito claro! Segundo a Bíblia, o Espírito que é a respiração, não continua vivo sem o corpo!
      3 – CORPO + ESPIRITO = ALMA VIVENTE? – SIM! Segundo a bíblia, uma ALMA, é um corpo que respira.

      A bíblia diz que quando Deus deu o fôlego[Espírito] de vida, o homem passou a SER uma alma, e não a TER uma alma. Ou seja, você NÃO TEM uma alma, você É uma alma.

      Que a paz de Jesus estege sobre você!! ^^

      Responder
    • TELES disse:

      ALMA SOMOS NÓIS SERES VIVO, ESPIRITO SOMOS NÓIS DEPOIS DA MORTE!!

      Responder
  • katiuscia canto disse:

    como na palavra diz que os mortos esperão o grande dia,onde estão os que dormem,ou morrem ….ta complicado não to entendendo,sou evangelica ,tenho grandes duvidas…sobre morte.poderia me ajudar.

    Responder
    • André Sanchez disse:

      Os mortos já estão nos lugares reservados a eles: Os salvos nos céus aguardando o dia do Juízo de Deus. Os condenados no inferno também aguardando o dia do grande julgamento.

      Abs!!

      Responder
      • ANTONIO DIAS disse:

        Em André a biblia fala que quem está no ceu ou inferno não saem de lá, e se quem ja morreu uns estão no inferno e outros no ceu então quer dizer que vão sair de lá para o juizo final? se já tá no ceu ele continua e vice e versa,ou seja o camarada morreu e tá inferno e ainda vai ser julgado pra que se ele já está lá?

        Responder
    • Aline Ferreira Rodrigues disse:

      A doutrina de que o ser humano está consciente na morte, baseia-se no erro de que ele possui uma imortalidade inata. E o unico Ser imortal é Deus: “Aquele que tem, ele só, a imortalidade, e habita na luz inacessível; a quem nenhum dos homens viu nem pode ver, ao qual seja honra e poder sempiterno. Amém.” 1 Timóteo 6:16

      Se ao morrermos em Cristo ficamos conscientes à espera do Juizo final, que ultilidade teria a ressurreição?
      “Não vos maravilheis disto; porque vem a hora em que todos os que estão nos sepulcros ouvirão a Sua voz. E os que fizeram o bem sairão para a ressurreição da vida; e os que fizeram o mal para a ressurreição da condenação.” João 5:28-29

      “Porque, se os mortos não ressuscitam, também Cristo não ressuscitou. E, se Cristo não ressuscitou, é vã a vossa fé, e ainda permaneceis nos vossos pecados. E também os que dormiram em Cristo estão perdidos.” 1 Coríntios 15:16-18

      Se durante 4 mil anos, os justos, ao morrer, tivessem ido diretamente para o céu, como poderia Paulo haver dito que, se não há ressurreição “os que dormiram em Cristo estão perdidos”?

      ;-)

      Responder
  • Aio disse:

    Christini Miguez, vou copiar e colar um trecho de um amigo meu:

    De acordo com a Bíblia, ALMA é isso: a lembrança que Deus terá de você após você morrer.
    Quantos fios de cabelo tiveste durante toda a vida?
    Quantas e quais pessoas apertaram a sua mão em toda a sua vida?
    Quantas vezes você negou ajuda a alguém?
    Quantos e quais foram os seus atos bons durante toda a vida?
    Quantos metros de unha você lançou fora durante toda a vida?
    Quais desejos seus não foram satisfeitos durante toda a vida?
    Quantas e quais pessoas falaram mau de você pelas costas (essa você iria querer saber hein? rsrsrs). (Brincadeira).
    Mas acho que já deu para entender. De acordo com a Bíblia, quando uma pessoa morre, acontece o mesmo que a um castelo de areia dissolvido pelas ondas.
    Acontece que o “molde” do castelo é guardado por e somente por Deus.
    Ateus de plantão já devem estar falando: “seria informação demais …”. A informática (algo inexistente nos tempos de outrora) ensina que primeiro eram necessários vários rolos de fita magnética para gravar, digamos, uma Bíblia. Posteriormente bastavam poucos discos bolachões. Depois em apenas dois disketes estava resolvida a questão. O CD/DVD nem teve tempo de dizer a que veio e logo o pendrive de 2, digo, 4, hã . . . 8 ou melhor, sei lá de quantos Gigabytes engoliu todas as outras capacidades de armazenamento de informações.
    Pois bem, se o homem consegue armazenar informação cada vez com melhor rendimento, que dirá alguém que seja Deus!
    Esse ensinamento bíblico foi erroneamente traduzido para coisas do tipo: “quando você morre, sua alma volta para Deus . . .”. Bem, já sabemos então que não é a alma que volta, na verdade, ALMA é o nome do arquivo de Deus onde estão guardadas todas as informações a seu respeito. Jesus Cristo chama esse arquivo de Livro da Vida. Explicação suficiente?
    Aqui já ficam duas dicas:
    1- É melhor você não se esquecer de Deus, ou Ele poderá não se lembrar de você (rsrsrsrsrs).
    2- Erro de tradução – a causa da vários males (sério).

    Então, Christini, sendo que a palavra “espírito” é empregada em diferentes ocasiões, cabe a você determinar se são a mesma coisa ou não, de acordo com a situação, agora que você já sabe o que é ALMA: um tipo de pendrive de Deus, um para cada ser humano! Só que como Deus é plenamente eficiente, Ele nem precisa de pendrive, já grava tudo no próprio “cérebro”. Basta?

    Responder
    • André Sanchez disse:

      Só faltou citar os versos bíblicos (que não existem) para embasar tal pensamento… Absurdo total!

      Responder
    • DOMINGOS SANTOS DE OLIVEIRA disse:

      AIO, é o seguinte: Eu, você; aliás, todos os corpos humanos são um tabernáculo, entende? Ou seja; uma casa! Nesta casa(dentro da gente), mora um casal: Um espírito, que é imortal, e um alma, que é mortal, ok? Quando agente morre, o corpo volta para o pó, ok? Ou seja: é enterrado e/ou cremado, dá no mesmo! Aliás, isso vc já sabia, não é mesmo? Muito bem! O espírito sobe para DEUS, e a ALMA, vai pra onde? Já que a casa que ela habitava(o corpo) RUÍU, não existe mais, foi enterrado e/ou cremado. Ela(a alma), ficou sozinha e sem teto, podemos dizer assim… Bem, se esta pessoa que morreu ACEITOU a salvação, de Jesus Cristo enquanto tinha fôlego de vida; a ALMA dela acompanha o espírito como se fosse um BELO casal entrando de mãos dadas no REINO CELESTIAL e ambos irão aguardar a volta do Senhor e continuarão eternamente lá. Já a ALMA da pessoa que rejeitou a salvação, não subirá, o espírito sobe sozinho. E a alma irá para lugares de tormentos, mal tratos, muitos gritos por socorros. E, depois com a volta do Senhor, vai para o JUÍZO Final pra ser jugada, e cerca de 99,9% serão condenadas e serão lançadas num local pior do que elas(as ALMAS), estavam esperando antes da volta do Senhor: O LAGO DE FOGO E ENXOFRE; conforme está escrito em apocalipse 20:11ao15. > Perceberam que a ALMA e o ESPÍRITO são diferentes? O espírito é IMORTAL, a ALMA porém, é mortal… Então aproveitem enquanto vcs teem FÔLEGO de vida(está VIVO) e aceitem a salvação do nosso SENHOR, SALVADOR e REDENTOR JESUS CRISTO e salvem as suas ALMAS e de seus FAMILIARES, conforme está escrito em Atos 16:31. Amém?

      Responder
  • Aio disse:

    Olá André!

    Eu apenas copiei e colei, mas mesmo assim só concordo com você em parte. Acho exagero dizer que é TUDO absurdo, acho que absurdo é só a parte da informática.

    O ruim é que conheço meu amigo e sei que ele vai demorar a responder.
    A mim parece que ele não se baseou em nenhum trecho específico ou literal da Bíblia, acho que ele INTERPRETOU alguma leitura geral (é esse o perigo: interpretar errado).
    Mas a idéia em si me parece ótima, sendo bíblica ou não: Deus se lembrar de mim depois que eu morrer? ÔBA!

    Entretanto, por justiça, pesquisei por mim mesmo e descobri que realmente existe um Livro da Vida:
    >SALMOS [69]
    28 Sejam riscados do livro da vida, e não sejam inscritos com os justos.

    >FILIPENSES [4]
    3 E peço também a ti, meu verdadeiro companheiro, que as ajudes, porque trabalharam comigo no evangelho, e com Clemente, e com os outros meus cooperadores, cujos nomes estão no livro da vida.

    >APOCALIPSE [3]
    5 O que vencer será assim vestido de vestes brancas, e de maneira nenhuma riscarei o seu nome do livro da vida; antes confessarei o seu nome diante de meu Pai e diante dos seus anjos.

    E, André, veja o que será guardado no Livro da Vida:

    7 e a paz de Deus, que excede todo o entendimento, guardará os vossos corações e os vossos pensamentos em Cristo Jesus.

    Segundo eu entendi, (eu, não o meu amigo), o “guardador” é a “Paz de Deus”, e guardar em Cristo é o mesmo que guardar no Livro da Vida, afinal não deve ser um Livro que fique numa prateleira; a diferença é que meu amigo disse que a informação fica guardada dentro do “cérebro” de Deus; mesmo que não seja verdade, não vejo que haja absurdo nisso.
    Aliás a expressão “absurdo total” soa ofensiva, como um sinal de reprovação a alguém que se esforçou tentando acertar, ao invés de recompensa pelo esforço recebe recriminação, mas acho que não foi a sua intenção.

    Bem, encontrei mais esse trecho que é concordante com a historinha de que a ALMA seria um tipo de “memória” que Deus tem da pessoa:
    >MATEUS [10]
    28 E não temais os que matam o corpo, e não podem matar a alma; temei antes aquele que pode fazer perecer no inferno tanto a alma como o corpo.

    Eu entendi o que meu amigo quis dizer (afinal o conheço desde os anos 70!):
    Não podem matar a alma porque ela está num local seguro: dentro do “cérebro” de Deus; haveria outro lugar melhor no Universo?

    E meio que sem querer ainda descobri isso:
    >MATEUS [10]
    30 E até mesmo os cabelos da vossa cabeça estão todos contados.
    Oras, o texto do meu amigo concorda com isso, apenas sugere resposta de onde estaria guardada essa informação;
    Por fim,

    >GÊNESIS [2]
    6 Um vapor, porém, subia da terra, e regava toda a face da terra.
    7 E formou o Senhor Deus o homem do pó da terra, e soprou-lhe nas narinas o fôlego da vida; e o homem tornou-se alma vivente.

    Tornou-se “vivente” somente depois que o próprio Deus soprou-lhe nas narinas, momentos antes era portanto apenas “alma”, faltando a vida.
    Eu entendi assim o que o meu amigo quis dizer: naquele momento antes de soprar a vida, quem é que sabia quantos fios de cabelo possuía Adão? Esse conhecimento é que era a ALMA de Adão naquele momento! Segundo meu amigo (acho) a ALMA é tudo aquilo que Deus se lembrar da pessoa; em outras palavras, a ALMA não é um “ser” por si só.
    Peraí, acho que estou me repetindo, então é hora de parar . . .

    Mas a idéia original era ajudar . . .

    Responder
    • André Sanchez disse:

      Aio, claro que não quis ofender o posicionamento apresentado. Apenas a ideia de que a alma é algo como uma memória de Deus não tem base bíblica. Para quê teremos novos céus e nova terra se as almas não são indivíduos que gozarão desse espaço? Se os crentes terão novos corpos, incorruptíveis, como serão apenas uma informação na lembrança de Deus?

      Até entendo a linha de raciocínio que ele quis passar, mas creio que complica mais do que explica.

      Abs!!

      Responder
  • Aio disse:

    André, agradeço a brandura de suas novas palavras!

    Mas parece que a discórdia vai continuar sempre, talvez fosse esse mesmo o recado de Jesus Cristo quando disse algo a respeito de trazer espada . . .

    Então:
    1- Você insiste que não tem base bíblica mesmo depois que eu mostrei isso:
    >FILIPENSES [4]
    7 e a paz de Deus, que excede todo o entendimento, guardará os vossos corações e os vossos pensamentos em Cristo Jesus.
    Aí estão Deus e Jesus Cristo guardando o que mesmo? (não precisa responder).

    2- Você também ignorou isso, que eu chamo sim de base bíblica:
    >MATEUS [10]
    30 E até mesmo os cabelos da vossa cabeça estão todos contados.
    André, quem é que sabe quantos cabelos alguém teve durante toda a vida? Não seria Deus?

    3- Você perguntou: para quê teremos novos céus . . .?
    Resposta: para serem usufruídos por novos corpos, incorruptíveis. Não serão usufruídos por almas, alma não usufrui nada, o corpo é quem usufrui. Não se pode ter dúvida nisso.

    4- Sua segunda pergunta: … como serão apenas . . .?
    Resposta: primeiramente cuidado com a palavra “apenas” pois do jeito como foi aplicada está a diminuir a importância de Deus no processo, não é prudente se voltar contra Deus (claro que você não teve a intenção, Deus sabe disso, não precisa se defender).
    Mas a resposta à sua pergunta (você pergunta como serão) é que a informação (a alma) será inserida (por Deus, lógico pois está guardada com Ele) dentro dos novos corpos.

    Quem gozará os novos céus e a nova terra serão os novos corpos que por sua vez estarão preenchidos com a alma, que são as lembranças que Deus vai colocar dentro daqueles corpos.

    5- E vai ficar nesse círculo André, nenhum de nós dois vai conseguir convencer o outro nessa questão de o que seria a alma.
    Mas não faz mal, já que não seremos julgados por saber ou não saber o que é a alma, não é mesmo? (não precisa responder).

    Quanto a complicar mais do que explicar, ponho a culpa no idioma português, que segundo testemunhos de pessoas de três continentes que conheci ao longo da vida, é um dos mais complexos do mundo!
    Adicione aí que eu sou semi-leigo em assuntos bíblicos e nem sou tão letrado assim no idioma, não chego a ser analfabeto mas claro que faz falta usar uma terminologia mais explicativa, quem sabe se eu fizer um curso de Letras . . . rsrs

    Bem, um abraço e até a próxima vez, agradeço a paciência!
    >I JOÃO [2]
    9 Aquele que diz estar na luz, e odeia a seu irmão, até agora está nas trevas.

    Responder
  • Aline Ferreira Rodrigues disse:

    Gostaria de compartilhar minha opinião sobre o texto, e para uma explicação melhor, comentarei por partes.
    Quero começar falando sobre Hebreus 9:27. Essa passagem não ensina que assim que a pessoa morre ela é separada como salva ou perdida, pois entraria em contradição com Mateus 25:31-34. Qual seria o sentido dessa passagem se todos os que já “dormem” estão separados dos perdidos?

    Você usou Lucas 23:43 para afirmar que após a morte a pessoa fica no céu esperando o dia do Juízo. Mas a interpretação dessa passagem depende exclusivamente da sua pontuação, pois como sabemos, a bíblia foi escrita no idioma grego, e as palavras eram separadas por um pequeno ponto. Assim sendo, a colocação da virgula dependerá da compreensão do tradutor quando ao sentido das palavras originais.

    Veja que em João 20:17, Jesus diz a Maria Madalena: “Não Me toques, porque ainda não subi para Meu Pai…” Ora, se o Senhor afirmou que não subiu três dias depois de morto, quem poderá dizer o contrário? Por isso não é correto aceitar que tenha Jesus prometido estar com o ladrão naquele dia, isto é, o de Sua morte, no paraíso! Ou será que o paraíso é na sepultura? É lógico que a vírgula foi mal colocada, não acha?

    Fica claro então, comprovado pelas Escrituras Sagradas que o único lugar para onde Jesus pode ter ido quando morreu, foi a sepultura, e ali descansou, repousando no Sábado, de Sua obra de redenção, semelhante ao que fizera no Sábado da criação.

    Por conseguinte, como iria ao paraíso? A Bíblia confirmará esta palavra, pois ela é a nossa regra de fé, somente. Mas para isso, teremos que ser humildes ao analisar as últimas cenas do Calvário:
    João 19:31-33: “Os judeus pois, para que no Sábado não ficassem os corpos na cruz, visto que era a preparação (pois era grande o dia de sábado), rogaram a Pilatos que se lhes quebrassem as pernas, e fossem tirados. Foram pois os soldados, e, na verdade, quebraram as pernas ao primeiro, e ao outro que com Ele fora crucificado; mas vindo a Jesus, e vendo-O já morto, não lhe quebraram as pernas.”
    Compreendeu? Quebrar as pernas dos crucificados (“castigo do crucifragium”) é a maior prova de que eles normalmente não morriam no mesmo dia, e, quando se tratasse de uma pessoa robusta, durava, na cruz, até sete dias, em seu martírio.

    Agora, veja você: se foi preciso quebrar as pernas dos malfeitores no pôr-do-Sol de sexta-feira, que era o dia de preparação para o Sábado, é lógico, eles não haviam morrido ainda. Mas, note bem, Jesus morrera. Agora pergunto: Como poderia estar o ladrão com Jesus no paraíso no mesmo dia, estando Jesus morto e ele vivo?

    Houve um erro na colocação da vírgula. Consequentemente, o texto correto de Lucas 23:43, no bom português é:
    “…Em verdade te digo HOJE (dois pontos) estarás Comigo no paraíso.” ou: “…Te afirmo agora: Ou seja, quando Jesus voltar e disser: “Vinde, benditos de Meu Pai, possuí por herança o reino que vos está preparado desde a fundação do mundo.” Mateus 25: 34
    Precisamos comparar texto com textos (Isaias 28:10) e o Espírito Santo esclarecerá a verdade para o coração sincero.

    Responder
  • Aline Ferreira Rodrigues disse:

    E a segunda parte que queria comentar é de Lucas 16:19-31.

    Segundo o dicionario, parabola é "ma “narração alegórica”. Isto é: "Parábola é uma alegoria e, segundo o mesmo dicionário, alegoria é: “Exposição de um pensamento sob forma figurada; ficção que representa um objeto para dar idéia de outro; continuação de metáforas que significam uma coisa nas palavras e outra no sentido.”
    A doutrina do galardão após a morte, extraída, como muitos fazem, dessa parábola, é acima de tudo inconveniente, pois não se pode firmar doutrina sobre parábolas, pois ela é uma ficção, uma alegoria, uma metáfora.

    Jesus usava parábolas pois com elas “… Ele censurava a hipocrisia e o procedimento ímpio daqueles que ocupavam altas posições. E, em linguagem figurada, vestia a verdade de tão penetrante caráter, que, se as mesmas fossem apresentadas como acusações diretas, não dariam ouvidos às Suas palavras e teriam dado fim rápido ao Seu ministério.” – Paráb. Jesus, pág. 22.

    O Doutor Joseph Angus, teólogo evangélico (da Igreja Batista), em sua obra – História, Doutrina e Interpretação da Bíblia, pág. 181 aconselha-nos judiciosamente a respeito das parábolas. Diz ele:
    “Converter delicados pormenores em grandes verdades escriturísticas é obscurecer o grande desígnio do todo. E assim trazemos um significado para a parábola em vez de extrair dela o significado. Isso é um hábito que nos pode levar aos enganos mais sérios.”

    Se parábola pudesse ser levada como doutrina, Jesus estaria então ensinando que ser rico é característica do desagrado de Deus, pois Jesus não citou nenhum outro motivo pelo qual o rico teria ido para o inferno.
    Digamos pois, que todos estão conscientes em seus respectivos lugares [céu e inferno]… Medite: Como você se sentiria no Céu, vendo do lado de lá, ali bem pertinho, um seu querido neste estado? Afinal, o Céu e o inferno estão separados por uma “parede-de-meia”?
    Ora é inadimissível; é insuportável crer numa coisa dessa! Mas é o que se terá de admitir ao aceitar que esta parábola foi um conto real, uma doutrina de Jesus.

    Releia a parábola e considere também que nela não aparecem o Senhor Jesus, nem Deus, nem anjos. Ora, que Céu é esse que não se encontra o Criador? Nem o Seu trono? Despido de toda a beleza de que é provido?

    A parábola do Rico e Lázaro foi apresentada por Jesus para esclarecer definitivamente que o destino do homem – rico ou pobre é decidido aqui nesta vida, “pelo uso feito dos privilégios e oportunidades” conferidos por Deus.

    Leia, como complemento: Mateus 16:27; 25:31-41. I Coríntios 15:51-55. I Tessalonicenses 4:16-17. Apocalipse 22:12, etc.

    Abraço o/

    Responder
  • Valmir Faria disse:

    gostaria de comentar alguns fatos sobre uma das mais difundidas teses biblicas em torno deste assunto e que muitos se baseiam para difundir sus ideias.Lucas 16 Aparabola do rico e lazaro.Primeiro temos que analizar o que e uma parabola?Parabola e uma historia comum a todos de determinado lugar, na biblia ele e usada para ensinar uma verdade com mais eficacia, ex:nos nossos dias poderiamos usar uma Parabola(historia comum as crianças como:Joao pe de feijao e dar-le uma roupagem crista para ensinar
    uma licao biblica)nao podemos pegar uma Parabola e transformala em literal ex:Jesus disse eu sou a videira e voces sao os ramos.Jesus e uma arvore?nao, nos somos ramos tambem nao isto e uma parabola, uma metafora , querendo nos ensinar que se nao extivermos em cristo, nao sermos salvos.Figura de lingagem.
    Algumas Perguntas intressantes que devemos fazer para desvendar-mos verdades sober este assunto
    1-O ceu e tao perto assim do inferno que lazaro e rico batiam um papo, e eles se ouviam tao bem assim?2-qual e o tamanho do seio de Abraao para para aglutinar bilhoes de pessoas que ja morreram?
    em suma:Cristo nos quis ensinar atraves desta parbola que nosso futuro fica determinado por nossas escolhas nesta vida. ou seja nao existe predestinaçao.

    Responder
  • Fabio disse:

    Pois é, pastor. Mas não tão rápido. Concordo que a morte é a batida final, com ela as chances de se salvar, ou se perder, acabam. No entanto, Paulo diz a seus discípulos, preocupados com a salvação de seus parentes já falecidos, para terem esperança, já que nem mesmo Davi, homem segundo o coração do Senhor, havia ascendido ao céu. Outra passagem diz que Cristo orou pelos mortos. Acho que tem espaço para termos essa dúvida sim! Uma modesta opinião pessoal é que o homem da cruz teve a salvação imediata, porque morreu depois que Cristo já havia limpado nossos pecados, ou seja, depois da passagem de Cristo pela Terra. Como cremos que só podemos ter a salvação por meio Dele, aquele homem, e os que morreram crendo, DEPOIS da vinda do Messias, já puderam se salvar. Quanto aos outros, talvez tenham que esperar o juízo, já que morreram sem Cristo. Mas isso também suscita dúvidas, por exemplo: aqueles que não se salvaram e morreram antes de Cristo também dormem? Se já estão no inferno, em última instância os salvos que dormem, já estão julgados por exclusão (um pouco confuso, mas faz sentido: só há 2 caminhos. Os que se salvaram dormem, os outros no inferno, logo, na verdade, já houve um juízo para decidir quem ia para o fogo e quem dormiria)… Ou seja, na minha opinião, aqueles que morreram sem conhecer Cristo dormem (mesmo os perdidos) e aguardam o juízo. Aqueles que vieram depois já foram julgados. Mas óbvio, são apenas conjecturas… Graça irmão

    Responder
    • André Sanchez disse:

      Fábio, por gentileza, coloque as referências dos versos bíblicos que utilizou no caso que citou de Paulo e também sobre Jesus ter orado pelos mortos para que possamos avaliá-los.

      Abs!

      Responder
  • claudio dirceu disse:

    pastor, concordo com o sr. até porque, Jesus enquanto morto o corpo, foi a lugares, e além do mais, Elias e Moisés, vieram ter com Jesus, e mais, por qual razão o justo teria que esperar para contemplear a Majestosa Gloria de DEUS.

    Responder
  • roseli disse:

    Pastor onde esta na biblia sobre essa historia de nova ordem mundial, ovnis, seres repetilianos, tenho visto muito sobre isso e é muito assustador.

    Responder
    • André Sanchez disse:

      Roseli, nos últimos tempos têm se espalhado essas ideias que não são bíblicas. Apenas estude a Palavra e busque fazer a vontade de Deus. Não se preocupe com essas invencionices dos homens.

      Na paz de Cristo!

      Responder
      • roseli disse:

        Muito obrigada por sua resposta, foi muita gentileza de sua parte responder tao rapido, obrigada vou estudar sim…

        Responder
        • André Sanchez disse:

          Por nada, Roseli. Deus te abençoe!

          Responder
  • Quezia Marcia disse:

    É de Deus, qdo sonhamos c/ pessoas que morreram, e que elas falam que estão bem, alegres e felizes as vezes nos sonhos vemos anjos c/ estas pessoas, Deus pode permitir estes sonhos ?
    Deus permite a gente sonhar p/ tipo acalmar o nosso coração q esta aflito, triste as vezes querendo saber o q um salvo esta fazendo neste momente no ceu? Por favor me esclarece estas duvidas. sei q fiz varias perguntas uma delas já tenho a resposta q as almas tem conciência.

    Obrigada, Apaz do Senhor!

    Responder
    • André Sanchez disse:

      Quezia, creio que Deus pode sim nos dar um sonho pacificador. Porém, a principal forma de você se tranquilizar é crendo na Palavra de Deus, pois ela é verdaedira e se cumprirá.

      Na paz de Cristo1

      Responder
  • Quezia Marcia disse:

    Amém, Muito Obrigada pela resposta, Apaz do Senhor Jesus!

    Responder
  • thais disse:

    as pessoas que morrem e vão para o inferno elas são lembradas todo o tempo de seus pecados

    Responder
    • André Sanchez disse:

      Thais, o próprio lugar em que estarão já indicará que rejeitaram o Senhor e preferiram o pecado.

      Deus abençoe!

      Responder
      • Thais disse:

        obrigada pela resposta

        Responder
  • Eli disse:

    André gostei muito de sua exposição, simples direta e dentro das verdades bíblicas. A maioria das pessoas querem enganar-se em achar que Deus seria mal em mandar as almas que não o aceitarem e não praticar seus mandamentos para o inferno, mas lembro aqui que em mateus 25:41 diz que o inferno não foi preparado para os homens e sim para diabo e seus anjos, porém, a desobediência tem sua recompensa. Não consigo entender as pessoas, Deus mandou Jesus morrer por nós, ele amou o mundo de tal maneira que deu seu único filho, e tem pessoas que querem viver distante de Deus não ligam para o sacrifício de Jesus e ainda pensam num Deus vil, como pode? Prefiro crer em sua palavra, no seu amor, no seu filho, Ele e perfeito!

    Responder
  • rafael mendes otavio disse:

    se loko esses caras não sabe nada…….por que humanidade está perdida com esse lideres religiosos
    (Mateus 9:36 (Vendo as multidões, sentia compaixão delas, porque andavam esfoladas e empurradas dum lado para outro como ovelhas sem pastor.” ( se loko…..

    Responder
    • rafael mendes otavio disse:

      ensino falso……….se loko

      Responder
  • lucinha disse:

    Que Deus nos ilumine.

    Responder
  • Lucinha disse:

    Os debates se dão, exatamente por não pensarmos todos iguais.Independente o jeito que cada um interpreta, o bom de se ver é que mesmo discordando, quase todos pegaram uma biblia para ler. Isso é muito bom.Quando em outros tempos ou outros lugares do mundo o acesso a biblia era zero ou proibido.

    Responder
  • Quézia Marcia disse:

    Pr. Apaz do Senhor!
    Aqueles q partiram, ñ tem como se comunicarem, mas como tem conciencia, eles sabem o q acontece aqui na terra ou consegue ver? Tipo alguém morre sem realizar um sonho, ex. esta pessoa q morreu orou muito p/ alguém da familia ser salvo por Jesus; a pessoa parte… pouco tempo tempo depois aquele parente aceita Jesus, já vi acontecer muito, será q Deus mostra p/ esta pessoa q partiu q o sonho dela se realizou?
    Algumas pessoas dizem o seu parente q partiu esta vendo tudo, faz aquilo q mais gostava, vai fazer ele(a) feliz… faz sentido? Tem na Biblia este tipo d assunto?
    O Pr. acredita q nem todos os Misterios d Deus foram revelados através da Bíblia?

    Responder
    • André Sanchez disse:

      Quézia, não sabemos. A Bíblia não é clara a esse respeito, o que demonstra que Deus não nos quis revelar essas realidade. Devemos crer que Ele fará o melhor!

      Responder
  • Quézia Marcia disse:

    Pr. O espirito volta a Deus e a alma também ou ela morre junto c/ o corpo?

    Responder
    • André Sanchez disse:

      Toda a parte material morre. E tudo que é espiritual volta a Deus.

      Responder
      • Leonardo Carvalho disse:

        Amigo estou confuso, se tudo que é espiritual volta a Deus e você falou no texto principal que os condenados quando morrem vão para o inferno e os salvos para o céu então Deus está no inferno ou no céu? Ou a Onipresença de Deus permite ele estar no inferno e no céu ao mesmo tempo?

        Responder
        • André Sanchez disse:

          Leonardo, não há confusão alguma. Deus dá o destino de cada alma. Leia o Salmos 139 sobre a onipresença de Deus.

          Responder
  • Quézia Márcia disse:

    Obrigada pelo esclarecimento.
    Que Deus continue te usando neste assunto q são poucos q falam, deveriam ter mais comentarios, estudos, palestras nas igrejas sobre este assunto, pois são muitas as duvidas principalmente qdo agente perde alguém q amamos aí pensamos tanta coisa e ñ sabemos o q é verdade, o q a bíblia diz ou não…

    Responder
  • Joel disse:

    a biblia tb diz que existe apetragua acima do firmamento, e ja enviaram sondas pra outros planetas e nada dessa agua, entao nem tudo que esta na biblia pode ser interpetrado ao pe da letra

    Responder
    • André Sanchez disse:

      Joel, não entendi. O que é “apetragua” acima do firmamento?

      Responder
  • gabriela disse:

    Quando morrermos, vamos reconhecer nossos parentes já falecidos no paraiso?

    Responder
    • André Sanchez disse:

      Gabriela, essa é uma pergunta que todos fazemos. Eu não vejo clareza na Bíblia a respeito desse assunto, por isso, prefiro pensar que Deus fará algo maravilhoso e o melhor para nós lá no céu.

      Responder
      • Italo disse:

        André gostaria de mais informações bíblicas sobre esse assunto de termos ou não conciência, depois de estarmos no céu, das pessoas queridas por nós aqui na terra.

        Responder
        • André Sanchez disse:

          Ítalo, a Bíblia não fala muito do assunto. A parábola do rico e do mendigo é um forte indicativo disso já que Jesus não iria usar uma mentira como pano de fundo de uma parábola

          Responder
  • reyser disse:

    O meu Pai, como tem gente atrasada ! então se uma pessoa ignorante,imatura e comete um grande erro, por exemplo matar alguem, ai ela vai sofrer pela eternidade quando morrer? Que Deus mais malvado o seus em? E se essa mesma pessoa, matar, estrupar, ser pedofilo, roubar e depois se arrepender com sinceridade vai estar tudo certo? kkkkkkkkkk Acho que esse Deus está sendo injunsto demais.Abrem os olhos pessoal, comessem a pensar por si propio! Vão buscar conhecimento, vão ler mais, comessem a usar essa cabesinha, Deus e perfeito, não cometeria essa injustiça, e uma vida apenas não da pra aprender nada! acordem! e não vão pensando que vão descansar quando morrer, pois tem muito trapalho do outro lado!

    Responder
    • André Sanchez disse:

      Reyser, deu pra perceber que sua opinião é bem sem embasamento. Só no achometro.

      Responder
      • rogerio silva disse:

        A PAZ de DEUS amado acompanhei um pouco de sua caminhada nesta pagina, estava buscando resposta de alguns tópicos que estou estudando na bíblia, tive a resposta e para mim bem clara, o que todos pensam ou deixam de pensar não importa, somos irmãos em CRISTO, imageme e semelhança DELE, temos que ser fiel a PALAVRA de DEUS e nada mais, não devemos discutir e sim nos ajuntarmos, não tenho religião, sou evangélico mais como disse não tenho religião, pois a religião é um dos maiores problemas que enfrentamos nos dias de hoje, quero dizer que religião nada mais é que acharmos que possamos sempre estar agradando a DEUS e o verdadeiro Evangelho é aquele quando DEUS nos alcança quando realmente somos alcançados pelo ESPIRITO SANTO, como disse é tempo de nos unirmos com CRISTO JESUS e não discutirmos, pois entendimento que não são bíblicos e não guiados pelo ESPIRITO SANTO de DEUS tornam-se confusos, eu só tenho a agradecer a vc, pois como disse no inicio tive a resposta com clareza do que eu estava procurando, que DEUS abençoe sua vida, sua família e seu ministério, tenha uma ótima semana abençoada. Estarei orando por todos vocês desta pagina e em especial a você irmão André. Que DEUS abençoe a todos.

        Responder
  • Luiz Mario Ferreira de Meireles disse:

    gostariamos de saber si ás pessoa qui morre vai para o tormento a onde fica o julgamento não á codenação sem julgamento! como qui uma pessoa jáz no sofrimento sendo qui aida não ouve julgamento explica pra por favor.

    Responder
    • Iracema disse:

      Queridos irmãos, a Paz do Senhor Jesus.Que tal aguardarmos a volta do Senhor para exclarecer nossas dúvidas! Acredito que tudo pode ser um mistério se soubermos direitinho agora, vai perder a graça. Assim teremos belas surpresas quando não mais estivermos aqui. Vamos nos preparar para este grande evento. A volta do Senhor Jesus! Amém !!!

      Responder
  • Iracema disse:

    Deuteronomio 29:29 diz que as coisas encobertas são para Deus. Embora está bem explicado na Bíblia, cada pessoa, defendem suas idéias. Isto não é ponto de salvação. Como cristãos, devemos ter um reavivamento a cada dia, buscando a Deus nas primeiras horas do dia. Em Jer. 29:13 diz: Buscar-me eis e me achareis quando me buscardes de todo coração. Nós vamos descobrir todos os nossos questionamentos quando Jesus voltar e colocar um fim neste mundo cheio de pecados e diferenças. Acredito que só Deus tem a resposta certa para cada pergunta. Como ser humanos somos limitados. Vamos aguardar com paciência que tudo vai ficar excarecido. A Paz do Senhor para todos!.

    Responder
  • João Vanderlei Cordeiro disse:

    Assim como outros este assunto também gera uma grande controvérsia entre os cristãos. Primeiro, por ser uma situação em que os vivos não podem experimentar sem morrer, segundo porque os mortos não podem voltar para nos contar. Assim sendo os grupos doutrinários se apegam a uma visão bíblica e a defendem como única verdade. Um dos grandes problemas, é quando lemos textos bíblicos isolados, e assim quebramos uma regra básica que nos diz: ´´texto sem contexto vira pretexto“. Sendo assim tudo pode virar uma confusão em nossa mente. Oque a bíblia nos revela sobre este assunto é como um sussurro, ou seja é muito pouco perto da grande realidade. Sendo assim temos que nos apegar as evidências que ela nos traz. E uma das evidências mais fortes é: de que a morte é um estado inconsciente, como muitos chamam de ´´o sono da alma“. Podemos ver isso em; Ecles 9:5-10, I tes 4:13, I Cor 15:51. Na passagem de Ecles12:7 ´´…e o espírito volte a Deus…“, e em Heb9:27, ´´…morrem uma só vez depois disto o juízo“, devemos analisar outra questão, é natural na bíblia haver dois acontecimentos separados por um longo período de tempo num único texto. Por isso cabe-nos uma reflexão, sobre Ecles; uma pergunta. Quando voltar a Deus? Assim que morremos? Sobre Heb. será que o juízo é logo em seguida após a morte? Pelas escrituras não, a bíblia nos diz que o julgamento só acontecerá, com a segunda vinda de Cristo, e não antes disto, I Tes 4:16. Acreditar que uma pessoa ao morrer já estará no céu ou no dito inferno é um tanto antibíblico, pois se seremos julgados somente na segunda vinda de Cristo, como pode alguém estar desfrutando as maravilhas de Deus no céu, ou sofrendo os tormentos do inferno, que diga-se de passagem a palavra inferno nem deveria estar na bíblia. Oque a bíblia realmente prega é sobre um lago de fogo, que existirá mas ainda não existe. Outro fato bíblico, é que Cristo muitas vezes falava através de parábolas, Ou seja fazia comparações usando de linguagem não literária para nos mostrar uma verdade. Lc 16:22-23, na passagem de lázaro, Jesus nos mostra como será a vida daqueles que morrem em Cristo, e aqueles que morrem sem Cristo. Não é um texto literário. Volto a repetir o destino final será somente após a segunda vinda de Cristo e não antes disto. Quanto a passagem de Lc23:43, sobre a conversa de Jesus e o ladrão, não é possível entender sem um contexto bíblico, e muita gente entra em equívoco devido a isso. Cristo PROMETEU ao ladrão que: ´´…hoje estarás comigo no paraíso“. Primeiro ponto, nem Cristo subiu naquele mesmo dia ao paraíso,a menos que o paraíso não é onde Deus se encontra. Se realmente não for preciso reconsiderar este versículo, mas se o paraíso citado por Cristo, é onde está Deus, estamos pregando um falso evangelho as pessoas. Cristo ao ser crucificado só ressuscitou ao terceiro dia, aqui já é uma prova de que naquele dia não era possível eles estarem com Deus, ou no paraíso. No contexto bíblico no livro de Jo 20:17, nos explica e confirma tudo isso. quando no terceiro dia Jesus num encontro com Maria Madalena, deixa claro quando diz: ´´ não me detenhas porque ainda não subi para meu pai…“ AT 1:3 nos diz que Jesus após ressuscitar ficou ainda 40 dias na terra, falando sobre o reino de Deus. Poderíamos citar outros textos e ir mais além, creio poder ter compartilhado, pois estas são as evidências talvez mais fortes sobre este assunto. Creio nisto e para quem tem dúvidas, leia as escrituras. Pois é só conhecendo a verdade que seremos livres. Paz de CRISTO a todos.

    Responder
    • nilce disse:

      leia corretamente antes de postar meu querido 1 tessalonicenses fala q nos os q ainda estiverem vivos……. entendeu ? nos encontraremos com Ele nos ares e viveremos com Ele pra sempre… seremos julgamos sim os q ainda estiverem vivos ….. os q morreram ja foram haaaaaaa

      Responder
  • joao V Cordeiro disse:

    Ola querida nilce, que a paz de Cristo faça moradaem seu coração e de toda sua família. É muito importante podermos trocar informações eu diria até o seguinte, fazer-mos pequenos estudos sobre a bíblia. Só gostaria de fazer um breve comentário sobre o texto acima. Segui sua sugestão e li várias vezes 1 tassalonicences e não encontrei nenhum equívoco em meu comentário. É bem verdade que na segunda vinda de Cristo nem todos estarão mortos, o próprio livro diz isso. Em meu comentário não disse que todos teremos que morrer para sermos julgados, o que realmente coloquei é que só seremos julgados após a segunda vinda de Cristo, e não antes disso. 1 tessalonicenses, fala não exatamente só dos vivos queridas Nilce leia o capítulo 4 versos 13 a 18, está claríssimo qual a situação dos mortos com a vinda de Cristo e como e quando será o arrebatamento dos vivos. Verso 15, 16 e 17 é claro. Volto a repetir o que a bíblia coloca sobre oque acontece após a morte é como um sussurro, e não é 100% clara mas as evidências mais fortes é que ao morrermos ficamos agurdando a vinda de Cristo para acontecer a ressurreição, é oque nos mostra o livro citado. Isto é não estaremos nem na glória de Deus nem na condenação eterna. Obrigado querida Nilce por discordar de mim pois assim me ajuda a buscar mais nas escrituras o melhor conhecimento sobre ela. Que Deus abencoe a todos. Saúde e paz.

    Responder
  • JOSÉ LEONISSE DE AMORIM disse:

    Mateus 17, na transfiguração de Jesus Cristo perante aos seus apóstolos – Pedro, João, Tiago, andré, felipe e Natanael, conversando com Moyses e Elias que já estavam mortos, sobre a sua crucificação, demonstram claramente para aqueles que morrem em santidade, em comunhão com Deus, cito por exemplo: imagina Maria, a mãe de Deus e outros santos, encontra-se vivos como nunca, não estão dormindo, aguardando o julgamento final. PAZ DO SENHOR. SALVE MARIA.

    Responder
    • Mizael Lopes disse:

      Deus já a salvou. ela mesmo afirmou: minha alma engrandece ao Senhor, meu espírito se alegra em Deus, meu salvador

      Responder
  • joao V Cordeiro disse:

    A paz do Senhor, e que a sabedoria de Deus possa nos orientar e dar o conhecimento de sua palavra. De fato existem sim outras evidencias bíblicas onde a morte não é um sono. Mas a mais forte é justamente esta. Ainda que também não concordo com alguns grupos doutrinários que afirmam ser um sono inconsciente. Outro ponto é o fato de que embora teremos que esperar a vinda de Cristo, para o julgamento final, não quer dizer que todos estaremos esperando por isso. Quando Cristo estava sendo crucificado, abriram-se os sepulcros e MUITOS corpos de santos que DORMIAM ressuscitaram, MT; 27:45-46. Aquidiz que MUITOS, mas não todos, isto significa que os demais estarão esperando sim o juízo final conforme as escrituras nos orientam. 1 tessalonicences 4:13-18, comprova isso, onde diz que: na segunda vinda de Cristo, os que se encontram vivos de modo algum precederão os que dormem. Os mortos em Cristo ressuscitarão primeiro, depois os vivos serão arrebatados, como cita a irmã acima. Mais um detalhe, Elias não morreu para ir ao céu, ele foi arrebatado vivo, foi levado vivo ao céu, comprova-se isso em segundo Reis 2:9-14. Em relacão a este assunto justifico minha fé baseando-se nestes e outros textos e contextos bíblicos. Porém respeito aqueles que da mesma forma com textos e contextos bíblicos apontam algo diferente. Pois repito o que a bíblia nos revela sobre como será apósa morte é um sussurro. Fiquem todos na paz do Senhor Jesus.

    Responder
  • Diego disse:

    PORQUE DEVEMOS CRER NA BÍBLIA? 1º-) POR CAUSA DA SUA UNIDADE NA DIVERSIDADE Ela foi escrita num período de 1.600 anos. De Moisés a João na ilha de Patmos. Ela foi escrita por cerca de 40 escritores, de Reis, intelectuais à simples lavradores, pescadores iletrados, analfabetos, de lugares diferentes, de culturas diferentes, de épocas diferentes e destinatários diferentes, escrita em idiomas diferentes. Entretanto; em momento algum sua harmonia foi afetada. Há uma coesão, sintonia, uma concordância absoluta. Até mesmo aquilo que aparentemente não há importância, não deixa de ser importante, (2 Tm 3;16) “Toda escritura é divinamente inspirada e proveitosa para ensinar- redargüir- corrigir e instruir”. Apesar de tão antiga, ao mesmo tempo, tão atual, hoje a Bíblia é mais atual do que o jornal do dia. Embora alguns a tem como amuleto, objeto de enfeite, Ela é a palavra de Deus. (2 Pe 1;21) “ Porque a profecia nunca foi produzida por vontade de homem algum, más homens santos de Deus, falaram inspirados pelo Espírito Santo.”Porque devemos crer na bíblia? 2º-) POR CAUSA DO CUMPRIMENTO DAS PROFECIAS A Bíblia escreve a história antes de acontecer. Os profetas modernos-atuais são falhos e suas profecias são vagas –TANTO OS NOSTRADAMUS DO PASSADO, QUANTO AOS DO PRESENTE. Más a bíblia não, nenhuma de suas profecias pode falhar, aliás o próprio Deus Jeová disse em Jeremias 1;12 “ Eu velo sobre minha palavra, para a cumprir”, Jesus disse em Lucas 21;33 que “ passará o céu e a terra, mas suas palavras não passarão.” Só no Velho Testamento há mais de 2.000 profecias que já se cumpriram literalmente. E no novo testamento, profecias acerca dos nossos dias = se cumpriu, está se cumprindo nitidamente e na cronologia profética bíblica, só falta o arrebatamento da igreja. Veja por exemplo o CAOS moral/social= a droga fora de controle; 4 milhões de aborto/ano; 20 milhões de crianças abandonadas; agora esta tal de pedofilia, trazendo pânico entre nossas crianças e destruindo definitivamente sonhos, a AIDS; pessoas novas morrendo, no final do milênio, segundo pesquisas científicas, estima-se que cada família terá um aidético dentro de casa. E os crimes, a injustiça por parte daqueles que deveriam faze-la, se proliferando, a falência do casamento; da família, pais contra filhos, filhos contra pais. A fome, a injustiça, pessoas catando lixo para comer; assaltos, seqüestras, estupros, violência, pestes, enfim…tudo isto são profecias bíblicas(veja: Mateus 24 e 2 Timóteo 3;1). Hoje as autoridades dizem: a questão não é a INFORMAÇÃO, mas a TRANSFORMAÇÃO – (e isto eu tenho que concordar, más transformação só acontece com a Bíblia). CAOS ESPIRITUAL = Racionalismo – Idealismo – Materialismo – Evolucionismo – os dias maus descritos em 2 Tm 3, o ser humano mais amante de si mesmo, virou as costas pra Deus. Porque devemos crer na bíblia? 3º-) PELA TRANSFORMAÇÃO QUE ELA OPERA Veja um exemplo: A Inglaterra do século XVIII, estava num caos. O país naufragava. A sabedoria humana sem Deus estava levando o país a ruínas. – John Wesley e Whitefield se levantaram com a Bíblia na unção do Espírito e o país foi salvo. E não só a Inglaterra, mas todas as nações que cresceram debaixo da bandeira da Bíblia, todas as nações que foram colonizadas com o ensino da Bíblia, se tornaram prósperas, ricas – e se hoje estão se degenerando, como é o caso dos Estados Unidos, é porque abandonaram a Bíblia. A propósito!.., já ouviu falar nas belas Ilhas de Fidji = Por muito tempo, esta ilha, foi habitada por tribos canibais, pessoas que sacrificavam pessoas e se alimentavam de pessoas, más a Bíblia chegou naquele lugar, e transformou aquelas pessoas, fazendo delas, pessoas amáveis e daquela ilha, uma rota de turismo. >>> Há alguns anos atrás, um conde inglês visitou a Ilha de Fidji. Ele sabia das barbáries que aconteceu ali no passado e agora estava admirado do tipo de vida daquelas pessoas. __ Esse incrédulo, visitando um velho chefe da tribo, ali ele viu uma bíblia e disse: “O senhor é um grande chefe, homem inteligente. É pena que tenha sido ingênuo bastante para acreditar na Bíblia, e prosseguindo o conde disse ao velho chefe: Lá no meu país, ninguém mais crê nesse velho livro nem ouve suas histórias. O povo hoje tem mais formação e não crê nisso mais, e vejo que o senhor crê nessas bobagens?!…” Atento o velho chefe ouvia, seus olhos flamejavam e muito seguro ele respondeu: “O senhor está vendo aquele forno? Ali é que nós queimávamos os corpos humanos para as nossas grandes festas. Se não fosse esse velho livro como o senhor esta se referindo, a Bíblia e Jesus Cristo que nos transformou de selvagens em verdadeiros filhos de Deus, neste exato momento, o senhor já teria sido morto e assado naquele forno. E nós já teríamos comido a tua carne.” “A diferença entre crer na Bíblia ou não é ser convidado para o jantar ou ser o jantar.” Você crê na bíblia?, eu creio na Bíblia, porque através dela eu conheci o amor de Deus e recebi a Jesus como meu Salvador e Senhor. Aliás!, foi o próprio Jesus quem disse em João 5;39: “ Examinais as escrituras, porque pensais ter nela a vida eterna.”__ Ap. 1;3 “Bem-aventurado aquele que lê e bem-aventurado os que ouvem as palavras desta profecia, e guardam as coisas que nela estão escritas, porque o tempo está próximo”. x-x-x-x-x-x-x-x- CREIA NA BÍBLIA -x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x ©2.008- Pr BenedC Oliv- IPRNhandeara-SP . pregada na IPR de Nhandeara, pelo Pr Benedc na noite do dia 19-10-2.008. Postado por PrbenedC OliV às 12:50

    Responder
  • elica disse:

    mas entao a pessoa que morre ela nao fica como se estivesse dorminando esperando o juizo final,,em eclesiaste fala dessa passagem,,,,,

    Responder
    • André Sanchez disse:

      Elica, ela não fica dormindo, fica consciente. O texto que muitos citam em Eclesiastes fala da morte do corpo e não da realidade da alma após a morte.

      Responder
      • wesley disse:

        que provas tenho para dizer se sou uma alma ?

        E formou o Senhor Deus o homem do pó da terra, e soprou em suas narinas o fôlego da vida; e o homem foi feito alma vivente.
        Gênesis 2:7
        pó da terra + fôlego de vida = a alma.

        Porque os vivos sabem que hão de morrer, mas os mortos não sabem coisa nenhuma, nem tampouco terão eles recompensa, mas a sua memória fica entregue ao esquecimento.
        Eclesiastes 9:5

        como pode uma alma (pó da terra + fôlego de vida) fica conciente se ela não está completa ou melhor nem mais existe ?

        Responder
        • Ricardo disse:

          As almas “dormem” e as que estão guardadas em Cristo estarão com Ele para a eternidade, aguardando o grande dia do Senhor Jesus, onde serão ressuscitados e receberão um novo corpo, glorioso para a eternidade. I Cor 15.

          Responder
          • Presbítero André Sanchez disse:

            Aqui a resposta verdadeiramente bíblica: Afinal, após a morte os mortos estão dormindo ou estão conscientes? ~> http://bit.ly/1cOh7Qs

  • Daniela Dysarz disse:

    Bom Dia, eu acho que Deus não existe, acho q as pessoas inventaram Deus para não sentirem tanto medo, medo da morte, que é o fim, o fim de todos, não creio q tenha ceu ou inferno, creio q morreu ACABOU e isso me causa muito medo, pois tenho mãe, avos, filhos, e penso, qual o sentido disso tudo, qual o sentido da vida, para q viver amar, saber o quanto é bom viver se depois vamos todos ser enterrados, envelhecer e morrer, isso é muito triste e se pensarmos bem nesse assunto ficamos desesperados, VOU MORRER E NUNCA MAIS VOU EXISTIR NUNCA MAIS, e se Deus existe por q ninguem nunca o viu ? como pode ter criado adão do barro e a eva da costela, o diluvio Deus encheu a terra de agua e o humanos morreram e suas almas estão no ceu com Deus??? se ele estava infeliz com eles eles estão no ceu agora, acho q amorte é como antes do nascimento, não se existe e se volta a não existir e isso doi muito, tanto q não sei nem como explicar.

    Responder
  • Fabricio disse:

    André Sanchez, fiquei muito feliz ao ver o modo como agiu. Respondendo tudo, com respeito, mas tbm com firmeza, como O SENHOR nos ordena. 2 Timóteo 2:24 E ao servo do SENHOR não convém contender, mas, sim, ser manso para com todos, apto para ensinar, sofredor; instruindo com mansidão os que resistem, a ver se, porventura, DEUS lhes dará arrependimento para conhecerem a verdade e tornarem a despertar, desprendendo-se dos laços do diabo, em cuja vontade estão presos.
    Parabéns, que O SENHOR continue te abençoando!!!

    Responder
    • André Sanchez disse:

      Obrigado, Fabrício

      Responder
  • Márcia disse:

    A paz meu querido irmãozinho André!!! Tenho algumas dúvidas: existe um terceiro céu? Quem me disse isso foi um pastor que tinha terminado bacharelado em teologia em BH. Quando Jesus voltar, se já tivermos morrido, encontraremos com os outros mortos tbm? Quando vc nos diz que ficaremos num lugar determinado por Deus até o Juízo final, os que forem para o inferno (eu não vou, tenho certeza da minha salvação) serão julgados novamente? Hummm….tenho dúvidas, pf me ajude. Obrigada, Deus o abençoe.

    Responder
    • André Sanchez disse:

      Márcia, as dúvidas são muitas mesmo.

      – Quem cita essa questão de terceiro céu é o apóstolo Paulo (2 Coríntios 12.2)
      – Na volta de Cristo todos os que morreram e os que tiverem vivos à época comparecerão perante Deus para o juízo final
      – Todos serão julgados em um julgamento público para que a justiça de Deus fique clara e para que TODOS vejam a sua glória e o glorifiquem. Mas os ímpios irão para o castigo eterno enquanto os justos viverão para sempre com o Senhor

      Responder
  • Márcia disse:

    Obrigada André, vc é uma bênção.

    Responder
    • André Sanchez disse:

      Eu que agradeço, Márcia!

      Responder
  • Pr Jonai de M.Dias disse:

    a paz meu querido parabens pelos arquivos lançados e e, claro que todos terão algumas divergências e alguns tipos de raciocinio que abrangem algumas passagens. e, é claro que só um pensamento não pode ser uma regra principalmente com a palavra de Deus não é mesmo pois, assim sendo não tinha nescessidade de I co 1:27 mais assim andré com todo respeito algo que você pode entender que quando falamos de juizo final a uma diferênça entre aguardar julgamento e,ja ser condenado. explico assim como existem as casas de prisões provisoras eu creio que muitos ressucitarão para salvação e outros para condenação existem separações nisso ai. só para entendimento do que a pessoas comentou ai ( Marcia) mais você tem muita coisas boas esclarecidas dentro da bilbia que concordo plenamente com você valeu irmão Deus te Abençoe a cada dia mais.

    Responder
    • André Sanchez disse:

      Pr Jonai, poderia colocar a base Bíblia para tal pensamento?

      Como explicar esse texto, que diz que depois da morte vem o juízo? “Hebreus 9.27 – E, assim como aos homens está ordenado morrerem uma só vez, vindo, depois disto, o juízo…

      Responder
  • Helena de Assis da Silva disse:

    André, lendo seus comentários, acabei encontrando algo que me chamou a atenção. Sobre não termos contato com pessoas que já morreram, você diz que se isso acontecer, não é de Deus, mesmo sendo em sonhos? vou te relatar um fato que aconteceu com minha irmã e não vou discutir com você sobre isso,pq não tenho nenhuma formação para tanto, mas gostaria de saber sua opinião sobre este assunto. Aconteceu que no ano de 2006 um dos 7 filhos de minha irmã foi assassinado, só que antes de acontecer esse fato, minha irmã teve um sonho com meu pai, no sonho ele não falava nada, mas apontava algo para ela e vendo que ela não o tinha entendido, chegou perto dela e massageou seu coração, ela mais uma vez não o entendeu, mas ficou preocupada e me perguntou o que eu achava que ele queria dizer com este sonho. Ela sabia de antemão que algo muito ruim iria acontecer, porém não teve sabedoria para repreender, pois na época não era evangélica e tudo aconteceu. Também aconteceram outros fatos na mesma época que contradizem o que você relata sobre não termos contato com pessoas mortas e se isso acontecer são demônios, mas demônios se importariam em alerta-la sobre o que iria acontecer? sei que você fala embasado na palavra de Deus, pois assim está escrito, mas tem momentos que também questiono algumas coisas que parecem inexplicáveis

    Responder
    • André Sanchez disse:

      Helena, o que relatei é o que a Bíblia diz. Nesse caso que você citou, foi um sonho. Não vejo dificuldade de Deus provocar um sonho em alguém “avisando” sobre algo. Não existe evidência alguma que esse sonho tenha sido uma pessoa morta que veio “avisar”, até porque a Bíblia é clara sobre essa questão.

      Responder
  • luis Cláudio Fernandes disse:

    Interessante o que o senhor diz lá em cima, porém, falta conhecimento da própria bíblia. Se o espírito volta a Deus, o inferno não existe. O homem (Dimas) que morreu ao lado de Jesus na cruz, foi levado para o paraiso vivo ou morto? Se vivo, o senhor se contradiz, se morto contradiz a Jesus.Ora, poderá um homem estar no paraiso sem conciência?????acho que seria o mesmo que estar vivo, mas em coma. Que bem há nisso? Se Deus permitiu a conversa, poderá o senhor questionar a Deus? Acaso porque o homem que foi colocado na sepultura de Elizeu ressiucitou? Elizeu estava morto, porque será que Deus usou um morto para ressiucitar uma pessoa? Será que não foi para mostrar seu poder através de Elizeu? Meu caro pense como quizer, mas, não pense que carrega toda a verdade. Aquele que se exaltar será humilhado, mas aquele que se humilhar será exaltado, palavra do senhor.

    Responder
    • André Sanchez disse:

      Luis, Deus não é um Deus de mortos, mas de vivos (Mt 22.32)

      Responder
  • luis Cláudio Fernandes disse:

    Ah, e quanto aos homens está ordenado morrer uma só vez, onde está ordenado, não encontrei em nenhum lugar essa passagem que colocaram como se fosse Paulo.Se Paulo disse que está ordenado, onde está ordenado? isso ele não citou, se caso ele disse essa bobagem.

    Responder
    • André Sanchez disse:

      Luis, leia hebreus 9.27

      Responder
  • luis Cláudio Fernandes disse:

    Entre os nascidos de mulheres não houve ninguém maior que João Batista, mas o menor no reino dos céus é maior que ele.Se o menor no reino a maior que ele, isto o exclui do reino? não acha? então é outro lugar, ou eu prefiro dizer outra sintonia.

    Responder
    • André Sanchez disse:

      Que confuso seu pensamento, Luis. Essa “lógica” está incorreta. Jesus não excluiu João do reino, pelo contrário. É só ler o contexto.

      Responder
  • Eni disse:

    Obrigada,estou satisfeita com a resposta entendi bem o estudo,e sou grata pela atenção.

    Responder
  • ROGERIO disse:

    NÃO ADIANTA DISCUTIR SE NÃO TIVER CRISTO EM SUAS VIDAS, É SÓ PERDA DE TEMPO, POIS JESUS DISSE EU SOU O CAMINHO A RESPOSTA E A VIDA, E NINGUÉM IRA ATE MEU PAI A NÃO SER POR, ENTÃO PRA RESUMIR TUDO QUEM TEM JESUS COMO SEU UINICO E ETERNO SALVADOR É SALVO, QUEM NÃO TEM JA TA CONDENADO,,,,, FIQUEM COM DEUS A TODOS

    Responder
  • Gelson disse:

    Paulo

    Por quê a Bíblia condena os ricos? Então todas as pessoas serão condenadas, por quê se considerarmos que uma criança que morre de fome na Etiópia é pobre e um mendigo que tem o que comer no Brasil é Rico todos nós que vivemos em condições normais seremos condenados.

    Responder
  • Sidney da Rocha disse:

    Estimado irmão André
    A pergunta que está no título do seu artigo é: “Para onde vai a nossa alma depois que morremos?”
    Em Eclesiastes está escrito que o corpo volta ao pó e que o espírito volta para Deus. Se temos uma natureza tríplice, onde está a alma do morto?

    Responder
    • André Sanchez disse:

      Sidney, o corpo está na terra, a alma é a nossa consciência, onde ficam nossos sentimentos. Ela está unida ao espírito, porém os três serão transformados no último dia.

      Responder
      • Sidney da Rocha disse:

        Caro André, sou neófito no que se refere às coisas de Deus, mas já aprendi que devemos sempre examinar as escrituras. Tenho muita admiração pelo seu elevado saber, mas creio que a sua resposta está baseada em um raciocínio lógico e que a sua afirmativa não está escrita na bíblia. Estou certo?
        Se o Espírito Santo me revelar algo diferente, conto para você.
        Fique na paz e que Deus abençoe este seu valoroso trabalho.

        Responder
        • André Sanchez disse:

          Sidney, se o Espírito Santo te revelar algo, mande para mim o capítulo e o versículo para eu verificar.

          Responder
          • Sidney da Rocha disse:

            Amém! Pode estar certo e um grande abraço.

  • PEDRO MIRANDA disse:

    DEUS É PAI

    DEUS É O NOSSO CRIADOR.

    SE DEUS É O NOSSO PAI, CADA UM DE NÓS TEMOS EM NÓS UMA PARTICULA DO PAI

    FOMOS CRIADOS POR AMOR
    NÃO HÁ MORTE, SÓ HÁ VIDA. A VIDA É ETERNA. ESTAMOS NO PROCESSO DA EVOLUÇÃO PARA ALCANPARMOS A LUZ DIVINA

    PEDRO MIRANDA

    Responder
  • Charles Simão (@CCharlessim) disse:

    ATENÇÃO!

    URGENTE!

    QUERIDOS… JÁ DECLAREI INÚMERAS VEZES AQUI MESMO NESTE BLOG QUE DEVEMOS TOMAR EXTREMOS CUIDADOS AO CITAR DETERMINADOS TEXTOS QUE APRESENTAM GRAVES PROBLEMAS DE HERMENÊUTICA (TRADUÇÕES DAS LÍNGUAS ORIGINAIS).

    UMA DAS PASSAGENS CITADAS PELO IRMÃO ANDRÉ JÁ FOI TEMA DE ACIRRADAS DISCUSSÕES E ATÉ JÁ FOI CITADA NA TENTATIVA DE DEMONSTRAR QUE OS MORTOS NÃO PERDEM A CONSCIÊNCIA E VÃO DIRETO PARA O CÉU (PARAÍSO) OU INFERNO (PURGATÓRIO), MAS TUDO NÃO PASSA DE UM GRANDE EQUÍVOCO QUE SATANÁS TOMA PROVEITO PARA QUE PREVALEÇA A MENTIRA.

    A PASSAGEM CITADA ENCONTRA-SE NO EVANGELHO DE SÃO LUCAS CAPÍTULO 23 E VERSÍCULO 43.

    “Jesus lhe respondeu: Em verdade te digo que hoje estarás comigo no paraíso.” (Lc 23. 43)

    ORA, NEM MESMO JESUS CRISTO FOI PARA O CÉU NAQUELE DIA, ENTÃO COMO PODERIA (NAQUELE MESMO DIA) ESTAR COM O LADRÃO ARREPENDIDO NO PARAÍSO?

    A COMPROVAÇÃO DE QUE O SENHOR NÃO FOI NAQUELE MESMO DIA PARA O CÉU OU PARAÍSO VEM DOS LÁBIOS DO PRÓPRIO CRISTO, CONFIRAM COMIGO EM SÃO JOÃO 20:1-18, ESPECIALMENTE O VERSO 17:

    “1 No primeiro dia da semana Maria Madalena foi ao sepulcro de madrugada,
    sendo ainda escuro, e viu que a pedra fora removida do sepulcro.
    2 Correu, pois, e foi ter com Simão Pedro, e o outro discípulo, a quem Jesus
    amava, e disse-lhes: Tiraram do sepulcro o Senhor, e não sabemos onde o
    puseram.
    3 Saíram então Pedro e o outro discípulo e foram ao sepulcro.
    4 Corriam os dois juntos, mas o outro discípulo correu mais ligeiro do que Pedro,
    e chegou primeiro ao sepulcro;
    5 e, abaixando-se viu os panos de linho ali deixados, todavia não entrou.
    6 Chegou, pois, Simão Pedro, que o seguia, e entrou no sepulcro e viu os panos
    de linho ali deixados,
    7 e que o lenço, que estivera sobre a cabeça de Jesus, não estava com os panos,
    mas enrolado num lugar à parte.
    8 Então entrou também o outro discípulo, que chegara primeiro ao sepulcro, e viu
    e creu.
    9 Porque ainda não entendiam a escritura, que era necessário que ele
    ressurgisse dentre os mortos.
    10 Tornaram, pois, os discípulos para casa.
    11 Maria, porém, estava em pé, diante do sepulcro, a chorar. Enquanto chorava,
    abaixou-se a olhar para dentro do sepulcro,
    12 e viu dois anjos vestidos de branco sentados onde jazera o corpo de Jesus,
    um à cabeceira e outro aos pés.
    13 E perguntaram-lhe eles: Mulher, por que choras? Respondeu-lhes: Porque
    tiraram o meu Senhor, e não sei onde o puseram.
    14 Ao dizer isso, voltou-se para trás, e viu a Jesus ali em pé, mas não sabia que
    era Jesus.
    15 Perguntou-lhe Jesus: Mulher, por que choras? A quem procuras? Ela, julgando
    que fosse o jardineiro, respondeu-lhe: Senhor, se tu o levaste, dize-me onde o
    puseste, e eu o levarei.
    16 Disse-lhe Jesus: Maria! Ela, virando-se, disse-lhe em hebraico: Raboni!-que
    quer dizer, Mestre.
    17 Disse-lhe Jesus: Deixa de me tocar, porque ainda não subi ao Pai; mas vai a
    meus irmãos e dize-lhes que eu subo para meu Pai e vosso Pai, meu Deus e
    vosso Deus.
    18 E foi Maria Madalena anunciar aos discípulos: Vi o Senhor!-e que ele lhe
    dissera estas coisas” (São João 20:1-18)

    ***************************************************************

    OBSERVEM QUE CRISTO FEZ ESSA PROMESSA AO LADRÃO ARREPENDIDO NA SEXTA-FEIRA E, NA MANHÃ DO DOMINGO, AFIRMA QUE AINDA NÃO SUBIU AO PAI, VEJAM:

    “Disse-lhe Jesus: Deixa de me tocar, porque ainda não subi ao Pai; mas vai a
    meus irmãos e dize-lhes que eu subo para meu Pai e vosso Pai, meu Deus e
    vosso Deus” (São João 20:17)

    DAÍ SÓ PODEMOS CONCLUIR QUE:

    (1)- HÁ UMA APARENTE CONTRADIÇÃO DO MESTRE;

    (2)- HOUVE UM ERRO SUTIL (MAS GRAVÍSSIMO) DE TRADUÇÃO.

    EU PREFIRO ACREDITAR QUE HOUVE UM ERRO HUMANO, POIS DEUS NÃO ERRA!

    ACREDITO QUE JESUS GARANTIU A SALVAÇÃO DE “DIMAS” (O BOM LADRÃO), MAS NAS SEGUINTES PALAVRAS:

    “EM VERDADE TE DIGO HOJE: ESTARÁS COMIGO NO PARAÍSO” (SÃO JOÃO 20:17)

    OU ENTÃO:

    “EM VERDADE TE DIGO HOJE QUE ESTARÁS COMIGO NO PARAÍSO” (SÃO JOÃO 20:17)

    OBS: O SENHOR FEZ A PROMESSA NAQUELE DIA, MAS O LADRÃO ARREPENDIDO SÓ PODERIA ESTAR NO CÉU COM SEU SALVADOR DEPOIS DA RESSURREIÇÃO DOS JUSTOS QUE AINDA ESTÁ NO FUTURO.

    QUE DEUS NOS ABENÇOE A TODOS!

    Responder
    • André Sanchez disse:

      Charles, Jesus é onipresente. Não se esqueça disso. Após a sua morte ele ressuscitou plenamente glorificado como Deus

      Responder
  • Charles Simão (@CCharlessim) disse:

    Charles, Jesus é onipresente. Não se esqueça disso. Após a sua morte ele ressuscitou plenamente glorificado como Deus.

    **********************************************

    ANDRÉ, VAMOS POR PARTE:

    JAMAIS ESQUECI QUE DEUS É ONIPRESENTE!

    O QUE ESTAMOS DEBATENDO É SE ERA POSSÍVEL O LADRÃO ARREPENDIDO IR TER COM CRISTO NAQUELE MESMO DIA NO PARAÍSO, POIS O TEXTO DO EVANGELHO DE LUCAS QUE VOCÊ CITOU EM SEU ARTIGO (APARENTEMENTE) AFIRMA ISSO.

    ORA, VOCÊ DECLAROU QUE CRISTO “RESSUSCITOU PLENAMENTE GLORIFICADO COMO DEUS”, MAS ESQUECEU DE MENCIONAR QUE ESSA RESSURREIÇÃO SÓ SE DEU DE FATO NA MANHÃ DO DOMINGO E A PROMESSA DE CRISTO FOI FEITA NA SEXTA-FEIRA.

    DESCULPE-ME, MAS EU NÃO CONSIGO ENCONTRAR UMA LÓGICA PARA TAL AFIRMAÇÃO!

    SABE POR QUE?

    PORQUE O PRÓPRIO LUCAS CONFIRMA COM EXTREMA CLAREZA QUE JESUS SÓ SUBIU PARA O PAI QUARENTA DIAS APÓS SUA RESSURREIÇÃO (VER ATOS 1: 1-3).

    JÁ DEMONSTREI CLARAMENTE COM PALAVRAS QUE SAÍRAM DOS LÁBIOS DO PRÓPRIO CRISTO À MARIA MADALENA QUE ATÉ O MOMENTO DE SUA RESSURREIÇÃO, ÊLE AINDA NÃO TINHA SUBIDO AO PAI.

    ATÉ QUE ME PROVEM O CONTRÁRIO, SE INTERPRETARMOS SÃO LUCAS 23:46 EXATAMENTE DO JEITO QUE FOI TRADUZIDO ESTAREMOS CRIANDO UM CONFLITO DOUTRINÁRIO BASEADO EM OUTROS TEXTOS BÍBLICOS E ADMITINDO QUE CRISTO CAIU EM CONTRADIÇÃO, POIS, NA MANHÃ DA RESSURREIÇÃO, QUANDO MARIA MADALENA TENTOU TOCÁ-LO, ÊLE A REPREENDEU DIZENDO: “NÃO ME DETENHAS QUE AINDA NÃO SUBI PARA O PAI”.

    E AGORA?

    Responder
    • André Sanchez disse:

      Charles, mesmo antes da manhã de domingo Jesus tinha algumas características interessantes registradas no evangelho como aparecer e desaparecer de um lugar, por exemplo.

      A frase “ainda não subi para o Pai” precisa ser melhor compreendida. Se para Maria Madalena ele pediu para não ser tocado, para Tomé ele estendeu as mãos para que tocasse.

      Responder
    • Mizael Lopes disse:

      Lembremo-nos,para àqueles que creem, que Jesus é o Próprio Deus; Ele é Onipresente: está em qualquer lugar, ao mesmo tempo. Ele apareceu, como Jesus, porque precisava ser cumprida as palavras que falara: Derrubaria o templo, mas em 3 dias seria reconstruído(João 2:19-21).

      Responder
  • FÁBIO BAPTISTA disse:

    OLA´!! ANDRÉ…MEU NOME É FÁBIO, E GOSTARIA DE SABER SE A SALVAÇÃO DA ALMA OU DO SER HUMANO?

    Responder
    • André Sanchez disse:

      Fábio, não entendi muito bem sua pergunta. Podia refazer, por gentileza

      Responder
      • Douglas disse:

        Entendo que a alma humana só pode evoluir na medida em que atravessa uma série de encarnações, adquirindo maturidade, beleza e experiência. Nós somos centelhas divinas e não somos almas condenadas.
        Todos fomos criados por Deus, que é essencialmente amor na sua mais bela e pura expressão. Devemos utilizar sempre as passagens bíblicas, visto que elas são o manancial de bênçãos que os homens dispõem para o seu próprio progresso espiritual. Contudo, não devemos interpretar a bíblia de uma forma tão literal a ponto de que nossas interpretações não se coadunem com a ciência e com a própria evolução do planeta.

        Um fraterno abraço de um amigo Espírita.

        Responder
        • André Sanchez disse:

          Douglas, se temos de usar as passagens bíblicas elas dizem justamente o contrário do que você afirmou, ou seja, que não existe reencarnação e que existe sim condenação para aqueles que estão longe de Cristo.

          Fica com Deus!!

          Responder
  • Silvia disse:

    Olá Partor

    Volto eu com meus questionamentos, agora neste outro assunto, onde gostaria de saber como explica estas passagens de Mateus cap. 17 que destaquei com letras maiusculas, se os mortos não falam com os vivos, não nos veem e nem podem ser vistos(v. 3 e 4), e se não existe reencarnação(v. 11,12 e 13), são palavras de Jesus estas, não são?:

    1.Seis dias depois, tomou Jesus consigo a Pedro, a Tiago e a João, irmão deste, e os conduziu à parte a um alto monte;
    2 e foi transfigurado diante deles; o seu rosto resplandeceu como o sol, e as suas vestes tornaram-se brancas como a luz.
    3 E EIS QUE LHES APARECERAM MOISÉS E ELIAS, FALANDO COM ELE.
    4 PEDRO, TOMANDO A PALAVRA, DISSE A JESUS: SENHOR, BOM É ESTARMOS AQUI; SE QUERES, FAREI AQUI TRÊS CABANAS, UMA PARA TI, OUTRA PARA MOISÉS, E OUTRA PARA ELIAS.
    5 Estando ele ainda a falar, eis que uma nuvem luminosa os cobriu; e dela saiu uma voz que dizia: Este é o meu Filho amado, em quem me comprazo; a ele ouvi.
    6 Os discípulos, ouvindo isso, caíram com o rosto em terra, e ficaram grandemente atemorizados.
    7 Chegou-se, pois, Jesus e, tocando-os, disse: Levantai-vos e não temais.
    8 E, erguendo eles os olhos, não viram a ninguém senão a Jesus somente.
    9 Enquanto desciam do monte, Jesus lhes ordenou: A NINGUÉM CONTEIS A VISÃO, ATÉ QUE O FILHO DO HOMEM SEJA LEVANTADO DENTRE OS MORTOS.
    10 Perguntaram-lhe os discípulos: POR QUE DIZEM ENTÃO OS ESCRIBAS QUE É NECESSÁRIO QUE ELIAS VENHA PRIMEIRO?
    11 RESPONDEU ELE: NA VERDADE ELIAS HAVIA DE VIR E RESTAURAR TODAS AS COISAS;
    12 DIGO-VOS, PORÉM, QUE ELIAS JÁ VEIO, E NÃO O RECONHECERAM; MAS FIZERAM-LHE TUDO O QUE QUISERAM. ASSIM TAMBÉM O FILHO DO HOMEM HÁ DE PADECER ÀS MÃOS DELES.
    13 ENTÃO ENTENDERAM OS DISCÍPULOS QUE LHES FALAVA A RESPEITO DE JOÃO, O BATISTA.

    E ainda tem em João Cap. III a conversa de Jesus com Nicodemos cujos versiculos que notoriamente fala da reencarnação esta destacado com Letras maiusculas e a fala de Jesus que dá mais clareza a estes ensinamentos estão no versículo 12, onde aponta a ignorância do homem em não aceitar aquilo que Ele Jesus testifica., nós não enchergamos porque não queremos, principalmente se enm nossa casa está tudo bem, coloque-se no lugar daquele que é miserável, que tem pessoas fisicamente miseráveis na família, se não vai querer buscar uma causa real para sua dor, ao inves de “Planos de Deus” para este ou aquele.? é lei de causa e efeito mesmo, aqui se faz aqui se repara “Enquanto nem um til nem um jota desta lei nao for cumprido, desta terra não passará”

    1. Havia um homem entre os fariseus, chamado Nicodemos, príncipe dos judeus.
    2. Este foi ter com Jesus, de noite, e disse-lhe: Rabi, sabemos que és um Mestre vindo de Deus. Ninguém pode fazer esses milagres que fazes, se Deus não estiver com ele.
    3. Jesus replicou-lhe: Em verdade, em verdade te digo: QUEM NÃO NASCER DE NOVO NÃO PODERÁ VER O REINO DE DEUS.
    4. Nicodemos perguntou-lhe: COMO PODE UM HOMEM RENASCER, SENDO VELHO? PORVENTURA PODE TORNAR A ENTRAR NO SEIO DE SUA MÃE E NASCER PELA SEGUNDA VEZ?
    5. Respondeu Jesus: Em verdade, em verdade te digo: QUEM NÃO RENASCER DA ÁGUA E DO ESPÍRITO NÃO PODERÁ ENTRAR NO REINO DE DEUS.
    6. O QUE NASCEU DA CARNE É CARNE, E O QUE NASCEU DO ESPÍRITO É ESPÍRITO.
    7. Não te maravilhes de que eu te tenha dito: NECESSÁRIO VOS É NASCER DE NOVO.
    8. O VENTO SOPRA ONDE QUER; OUVES-LHE O RUÍDO, MAS NÃO SABES DE ONDE VEM, NEM PARA ONDE VAI. ASSIM ACONTECE COM AQUELE QUE NASCEU DO ESPÍRITO.
    9. REPLICOU NICODEMOS: COMO SE PODE FAZER ISSO?
    10. DISSE JESUS: ÉS DOUTOR EM ISRAEL E IGNORAS ESTAS COISAS!…
    11. EM VERDADE, EM VERDADE TE DIGO: DIZEMOS O QUE SABEMOS E DAMOS TESTEMUNHO DO QUE VIMOS, MAS NÃO RECEBEIS O NOSSO TESTEMUNHO.
    12. SE VOS TENHO FALADO DAS COISAS TERRENAS E NÃO ME CREDES, COMO CREREIS SE VOS FALAR DAS CELESTIAIS?
    13. Ninguém subiu ao céu senão aquele que desceu do céu, o Filho do Homem que está no céu.

    Espero que me responda.

    Grande abraço
    Silvia

    Responder
    • André Sanchez disse:

      Silvia, a passagem da transfiguração não apoia que haja contato entre vivos e mortos. Observe bem que apenas Jesus teve contato com Elias e Moisés. Os apóstolos apenas viram o fenômeno da transfiguração sem qualquer contato. Temos ali claramente um testemunho aos principais discípulos de Jesus a respeito da Lei (Moisés), Os profetas (Elias) e o Messias (Cristo). Tudo apontando para Cristo. Essa passagem em nenhum momento faz qualquer alusão a comunicação entre espíritos. Pensar isso é ir além do que o texto mostra.

      Além disso, precisaria se explicar textos que falam claramente contra essa prática e que também estão na Bíblia, como Hebreus 9.27.

      Sobre Nicodemus, é só ler o texto, está bem claro. Quando Nicodemus achou que Jesus estaria falando de voltar ao ventre materno, Jesus o censurou. É bem óbvio que o novo nascimento ali é a conversão.

      Responder
      • Ronaldo Santana Freitas disse:

        Criatura a “transfiguração” foi tão somente uma visão, nada alem disso

        Responder
    • Leticia disse:

      Olá Silvia, estava lendo alguns comentarios e não posso deixar de falar com vc, ha um tempo eu estava sedenta por Deus e comecei a procura-Lo, comecei a frenquentar o kardecismo, tenho amigos maravilhosos la, e pessoas super do bem, imaginei q seria o mais proximo q poderia chegar de DEUS, mas sou do tipo que CRE na biblia, a palavra pra mim é verdadeira, então comecei a ler o evangelho segundo Kardec e o livro dos espiritos e compara-los com a Biblia, e foi ai minha surpresa, como Kardec se apaega em versiculos e isola tentando fazer com que o seguimento espirita se torne a VERDADE, te convido a fazer o mesmo, mas quando Kardec explora um unico versiculo, te desafio a ler o texto inteiro, e terá a revelação do Espirito SANTO assim como eu tive.
      Amem amada, faça isso e será liberta de todo engano em NOME de JESUS.
      E tem outra coisa Elias não morreu, e o corpo de Moises nunca foi encontrado, portanto Deus não vai contra sua palavra, usou os unicos que ELE levou os corpos sem se perderem para a terra, e vai usa-los novamente la no apocalipse ELE fala da 2 testemunhas, que 1 transformou as aguas em sangue e feriu a terra com pragas, MOISES, e o outro fez cair fogo do Céu, Elias, no tempo de suas profecias. Deus precisava desses para usa-los em tempo oportuno.

      Responder
    • Miguel Pacheco disse:

      Paz a todos. Bom Silvia, como disse o reverendo Andre

      Responder
  • Guilherme disse:

    muito esclarecedor suas conclusoes Paulo,que Deus continue lhe abençoando e lhe enchendo de discernimento para levar luz as trevas!

    Responder
  • Henri disse:

    Li os muitos comentários, perguntas e respostas. Gostei de muitos. Apenas gostaria de evidenciar que de nada adianta saber se não houver a transformação de criatura em filho de Deus. É muito bom saber, mas é primordial ser transformado. Afinal, somente os filhos herdarão!
    Que em tudo haja salvação por meio de crer e receber Jesus Cristo, e aprendizado pela Sã Doutrina.
    Mateus 28:19 e 20
    Marcos 16:15
    João 1:12
    Romanos 1:16

    Deus nos abençoe e use!
    Henri.

    Responder
  • Carlos disse:

    Alma não existe, morreu fedeu…

    Responder
    • Henri disse:

      Eis que todas as almas são minhas; como o é a alma do pai, assim também a alma do filho é minha: a alma que pecar, essa morrerá. Ezequiel 18:4

      Responder
  • Ronaldo Santana Freitas disse:

    como pode os ladrões passarem pra eternidade no mesmo dia q Jesus? em primeiro lugar aqueles ladroes nã morreram no mesmo dia que Jesus, em segundo, Jesus não foi para céu no dia em que morreu. Por favor me responda isso…

    Responder
    • André Sanchez disse:

      Ronaldo, em que dia o ladrão morreu? A única menção que temos foi de Jesus afirmando a um deles que estaria naquele dia com ele no paraíso. Onde é o paraíso? Jesus não poderia estar lá sendo Deus onipresente?

      Responder
      • Gabriella de Meireles Moura disse:

        Olá André! meu nome é Gabriella, concordo c vc, Deus é onipresente e com certeza Jesus estava falando do próprio DEUS quando disse ao ladrao q estaria no paraiso naquele dia, pois Jesus é o próprio Deus. seria bom q as pessoas não duvidassem do poder de Deus, pois a mão Dele pesa.
        As pessoas preferem acreditar em um copo de água ao invés de crêr em Deus e na sua palavra q Ele mesmo as criou. Na verdade as pessoas no fundo temem, mas pelo fato de quererem permanecer no erro enganam a si mesmas com crenças e achismos pq nao querem abrir mao dos prazeres da carne e com isso rejeitam a vontade de Deus. Eles nao imaginam como é maravilhoso estar na presença desse Deus Poderoso.

        Responder
        • Gabriella Moura disse:

          Alguém comentou a respeito de q nao faz sentido os mortos sairem de onde estão para serem julgados no juizo final, em Romanos 14:11 o Senhor diz: que TODO joelho se dobrará diante de mim(JESUS), e toda a língua confessará a Deus.

          Responder
  • André disse:

    URGENTE URGENTÍSSIMO

    Presto aqui em colaborar com a resposta do Reverendo André ao Paulo, lá do começo da conversa.

    Paulo, você fez uma pergunta que ao meu ver é um dos principais questionamentos hoje sobre Elohim (Deus, o Criador de todas as coisas). Veja bem: “Não faria justiça o Juiz de toda a terra?” Gênesis 18:25b. Esta foi uma pergunta feita por Abrãao quando conversava com Deus a favor de Sodoma e Gomorra. Você citou a China, vamos um pouco mais longe. Pense nos índios Incas na América do Sul. Aparentemente isolados do contexto Judaico-Cristão. Todos foram para o inférno? …O plano salvífico de Deus é perfeito e infinitamente maior do que nossas mentes circunstanciais. Veja, vou responder esta pergunta com um texto extraído do livro O Fator Melquisedeque:

    Pachacuti (algumas vezes grafado Pachacutec) foi rei da incrível civilização inca… construiu Machu Picchu… e nos escritos encontrados as formas e expressões usadas são basicamente diversas das existentes na liturgia cristã na Iíngua inca… ele (Pichacuti) escreveu entre outras coisas: “Inti (nome dado para o deus sol) segue sempre um caminho determinado, realiza tarefas definidas e mantém horas certas como as de um trabalhador e a luz de inti pode ser diminuída por qualquer nuvem que passe se o deus sol não é o Deus verdadeiro quem é Ele então?… ele segue a conclusão óbivia: “‘Viracocha’ – o Senhor, o Criador onipotente de todas as coisas”…

    Mais do livro: “Pachacuti lembrou também que seu pai, Hatun Tupac, afirmou certa vez ter recebido conselho num sonho por parte de Viracocha. A adoração de Inti e outros deuses, sob esta perspectiva, não passava de desvios recentes de um sistema de crença original mais puro. Metraux insinua isso quando observa que Viracocha teve representantes proeminentes nas culturas indígenas “ desde o Alasca à Terra do Fogo”, enquanto a adoração do sol aparece em
    relativamente poucas culturas. Pichacuti escreve:

    1. Inti não pode ser universal se, ao dar luz a alguns, ele a nega a outros.
    2. Ele não pode ser perfeito se jamais consegue ficar à vontade, descansando.
    3. Ele não pode ser também todo-poderoso se a menor nuvem consegue encobri-lo.

    Pichacuti ainda em seus escritos!: Ele é antigo, remoto, supremo e não-criado. Também não necessita da satisfação vulgar de uma consorte. Ele se manifesta como uma trindade quando assim o deseja,…caso contrário, apenas guerreiros e arcanjos celestiais rodeiam a sua solidão. Ele criou todos os povos pela sua “ palavra” (sombras de Heráclito, Platão, Filo e o apóstolo João!), assim como todos os huacas (espíritos). Ele é o Destino do homem, ordenando seus dias e sustentando-o. É, na verdade, o princípio da vida, pois aquece os seres humanos através de seu filho criado, Punchao (o disco do sol, que de alguma forma se distinguia de Inti). É ele quem traz a paz e a ordem. É abençoado em seu próprio ser e tem piedade da miséria humana. Só ele julga e absolve os homens, capacitando-os a combater suas tendências perversas”. Pachacuti ordenou, a seguir, que Inti fosse daí por diante respeitado como um “ parente” apenas – uma entidade amiga criada. As orações deveriam ser dirigidas a Viracocha com a mais profunda reverência e humildade. Como resultado do concilio, Pachacuti compôs hinos reverentes a Viracocha, os quais, por fim, passaram a fazer parte da coleção De Molina. Alguns sacerdotes do sol reagiram com “ amarga hostilidade”. As declarações de Pachacuti golpearam seus interesses como uma granada. Outros consideraram a lógica de Pachacuti irresistível e concordaram em servir Viracocha!

    O livro O Fator Melquisedeque ainda cita os Ateniense ainda formadores da Grécia antiga, os Cananeus, os Santal, os Gedeo etíopes, os Mbaka, os Chineses e os Coreanos, os Karen da Birmânia, os Kachin, os lahu, os Wa, os Shan e Palaung, os Kui da Tailândia e Birmânia, os Lisu da China, os Naga da Índia, os Mizo da Índia, os Dyaks de Bornéu, os Asmat da Nova Guiné, os Yali e os Havaianos, os índios Norte Americanos. Deus tinha gente eleita Dele nestes povos, como diz a Bíblia nas palavras do apóstolo Paulo a respeito de Deus:
    “O qual nos tempos passados deixou andar todas as nações em seus próprios caminhos.
    E contudo, não se deixou a si mesmo sem testemunho, beneficiando-vos lá do céu, dando-vos chuvas e tempos frutíferos, enchendo de mantimento e de alegria os vossos corações.” Atos dos Apóstolos 14:16-17

    Além daquelas questões o livro ainda trás a baila a infundalidade de umas das raízes do espiritismo. Mas enfim, vou parar por aqui senão vira outro livro… vou encerrar com Eclesiastes.

    “Tudo fez formoso em seu tempo; também pôs o mundo no coração do homem, sem que este possa descobrir a obra que Deus fez desde o princípio até ao fim.” Eclesiastes 3:11 (Tradução da Versão da Bíblia Almeida Corrigida e Revisada Fiel)

    “Tudo fez formoso em seu tempo; também pôs na mente do homem a idéia da eternidade, se bem que este não possa descobrir a obra que Deus fez desde o princípio até o fim.” Eclesiastes 3:11 (Tradução Versão da Bíblia Almeida Revisada e Imprensa Bíblica)

    “Ele fez tudo apropriado a seu tempo. Também pôs no coração do homem o anseio pela eternidade; mesmo assim este não consegue compreender inteiramente o que Deus fez.” Eclesiastes 3:11 (Tradução Versão da Bíblia Nova Versão Internacional)

    “Tudo que Deus fez é apropriado a seu tempo; também pôs no coração deles a idéia da eternidade, contudo de maneira que o homem não possa descobrir de princípio a fim a obra que Deus fez.” Eclesiastes 3:11 (Tradução Versão da Bíblia Sociedade Bíblica Britânica)

    Dos textos nas traduções que vimos o chinês é o mesmo, só muda o rosto rs.

    Digno é o Cordeiro, a Ele honra e poder, Ele vive!
    Abraços a todos, André até mais.

    Responder
  • OSÉIAS disse:

    O QUE ACONTECE QUANDO UMA PESSOA MORRE? PARA ONDE VAI A NOSSA ALMA ?

    VAMOS LÁ, RESPONDER ESSA PERGUNTA BIBLICAMENTE PORQUE É O QUE INTERESSA, FALÁCIAS DE UM OU DE OUTRO PARA MIM NÃO INTERESSA É BOM PARA ESBOÇAR IDÉIAS MÁS TEMOS QUE IR PARA A BÍBLIA, NOSSO MANUAL DE INSTRUÇÃO !!!

    Na morte reverte-se do processo criativo descrito em Gênesis 2:7:

    “O PÓ volte à terra de onde veio, e o ESPÍRITO [fôlego de vida] volte a Deus, que o deu”. Eclesiastes 12:7

    A Bíblia freqüentemente usa as palavras hebraicas para “fôlego” e “espírito” alternadamente. Quando as pessoas morrem, o corpo se torna “pó”, e o “espírito” (o “fôlego de vida”) retorna para Deus, que foi a sua fonte. Mas o que acontece com a alma?

    “Tão certo como eu vivo, diz o Senhor Deus,… todas as ALMAS são minhas;… a alma que pecar, essa morrerá”. Ezequiel 28:3, 4; Versão Almeida Revista e Atualizada, 2a Edição

    A alma morre! Ela ainda não é imortal; ela pode perecer.

    A equação derivada de Gênesis 2:7, ao sermos feitos por Deus, faz o caminho reverso na morte.

    “Pó da Terra” – “Fôlego de Vida” = “Uma Alma Morta”
    Corpo Sem Vida – Fôlego de Deus = Um Ser Morto

    A morte é a cessação da vida. O corpo se desintegra e se torna pó, e o fôlego, ou espírito, volta para Deus. Somos uma alma com vida, mas na morte, nos tornamos apenas um cadáver, uma alma morta, um ser morto. Logo, os mortos não estão conscientes. Quando Deus toma para si o fôlego de vida que Ele nos deu, nossa alma morre. Mas, como veremos mais tarde nessa mesma lição, temos esperança com Cristo.

    Responder
  • ELIENE disse:

    PAZ DO SENHOR PARA TODOS…. BOM IRMÃOS QUE TEMOS QUE FAZER, POR ESSAS PESSOAS QUE ESTÃO LONGE DE ENTENDER ESSE DEUS VIVO? TEMOS QUE ORAR POR ELES PARA QUE O ESPIRITO SANTO ENTRE EM SEUS CORAÇOES,PARA QUE ELES POSSAM TER A SABEDORIA E ENTENDENDIMENTO DA PALAVRA DEUS. PAULO… DEIXA DEUS FAZER MORADA EM SEU CORAÇAO, ASSIM COMO ELE FEZ NO MEU. DEPOIS QUE EU DEIXEI AS COISAS DO MUNDO,EU VIVO MAS FELIZ SABE PQ?PQ ELE RESTAURA, TRANSFORMA,ELE É AMOR E ELE TE AMA, MAS NAO TE PREOCUPES, SE VC PEDIR PRA ELE FAZER MORADA EM SEU CORAÇAO ELE VAI. AÍ SIM, ELE VAI TRABALHA AOS POUCO EM TUA VIDA.TE TRANSFORMANDO, É MORRE PRO MUNDO E VIVER EM CRISTO JESUS. DEIXA ELE ENTRA EM SUA VIDA PAULO,O ESPIRITO SANTO ESTAR AQUIM AINDA NO MUNDO PRA FAZER A VONTADE DO PAI, E ACEITE ENQUANTO AINDA HA TEMPO, QUE A PAZ DO SENHOR ESTEJA CONOSCO

    Responder
  • Walter jose disse:

    Ola Presbítero Andre Sanches a paz do Senhor! Só uma duvida: me explique se possivel com base na Biblia por gentileza como pode alguem morrer e irem pros seus respectivos destino (céu ou inferno) e quando Jesus voltar pra julgar os vivos e os mortos quem já esta nos seus respectivos lugares (céu ou inferno) da a entender que sairão de onde estão para o julgamento para depois voltarem denovo a seus devidos destinos (céu/inferno)??? Por favor ne explique com base biblica se possivel pois confesso que fiquei com duvidas ou talvez haja um “equivoco” ou um “complemento” em suas explicacoes???? Desde já te agradeço pela explicação também sou Cristão e desejo aprender mais e mais sobre as coisas de Deus porem de forma correta pra não pecarmos!!!! A paz do Senhor!!!

    Responder
    • André Sanchez disse:

      Walter, essa questão espacial no mundo espiritual não é tão clara para nós. Onde fica o céu? Não sabemos! Alguns dizem que é para o alto. Talvez! O fato é que antes do juízo final as coisas ainda não estarão completas. Apenas após o julgamento a Nova Jerusalém desce do céu e estaremos enfim para sempre na presença do Senhor

      Responder
      • Walter jose disse:

        Pesquisei sobre o assunto TB a fundo em outros sites com o objetivo de encontrar “um acordo” com todos os estudiosos da Biblia(inclusive com seu blog que eu admiro muito e aprendo + e +…aproveito aqui a deixa pra te dar os PARABENS)e achei a seguinte explicação Presbítero André: resumindo, que o Paraíso(ou terceiro ceu- 2 Cor12:4) seria o lugar de descanso e conforto da alma (diferente do inferno)dos justos salvos até o dia do Grande Julgamento para ai sim definir de fato se a alma que descansa ou dorme (consciente) no paraíso subiria aos mais altos céus(Efe4:10)onde só Cristo esteve e esta(Joao3:13) pois “Cristo foi nos preparar morada nos Céus(Joao14:2-3)” o que da entender que existe inumeros lugares no Ceu (para aqueles que não concordam que apos morrer vem o juízo em imediato(Hebr9:27) “céu” ou “inferno”)Não PODEMOS ESQUECER TB que a Bíblia TB fala sobre “NOVOS CEUS (Apoc21:1-2)”…concordo com vc Andre, de acordo com o texto em Hebreus 9:27 e sua exposição sobre o assunto tem relacao com as pesquisas que eu fiz, acredito sim que o “Paraiso” ou (Terceiro Ceu) sao para os Justos salvos ou redimidos(Lucas 23:43) que e onde as almas dos justos dormem em paz(conscientes) até vir NOVOS CÉUS (Apo21:1-2)..nao podemos descartar a ideia que mudanças podem ocorrer TB nesses “novos céus” com relação a almas dos justos salvos apos o Grande Julgamento DEFINITIVO!!!…Sobre o inferno, as almas que estiverem lá apos o “Juízo” imediato em hebreus 9:27(seguido da morte) sendo atormentadas, aguardarao o milênio(apoc20:5), e, em um futuro nao tao distante, serao lançados ” o INFERNO(e quem estiver lá) e a morte no LAGO DE FOGO (Apo20:14)Esta e a segunda morte” que e a Separação Eterna de Deus e no LAGO DE FOGO..caracterizando o julgamento definitivo das almas dos não redimidos, ímpios, etc.(que já aguardam esse juízo as almas que ja estão no inferno conforme a vida que levaram). Pastor Andre se eu estiver errado por favor me corrija… paz do Senhor a todos!!!!

        Responder
  • Walter jose disse:

    2)..nao podemos descartar a ideia que mudanças podem ocorrer TB nesses “novos céus” com relação a almas dos justos salvos apos o Grande Julgamento DEFINITIVO!!! CORRIGINDO… Desconsiderem ” Apos o Grande Julgamento Definitivo ” o restante da frase..ok

    Responder
  • Walter jose disse:

    Walter jose disse:
    2)..nao podemos descartar a ideia que mudanças podem ocorrer TB nesses “novos céus” com relação a almas dos justos salvos DURANTE o Grande Julgamento DEFINITIVO!!! CORRIGINDO desconsideram essa acima

    Responder
  • Rosangela disse:

    Gostaria de saber quem são as pessoas que a bíblia relata em I tessalonicenses cap 4 apartir do ves 13.
    você falou: “A Bíblia não nos autoriza a pensar que o espírito fica dormindo aguardando a segunda volta de Jesus Cristo ou em um lugar intermediário.”

    Responder
    • André Sanchez disse:

      Rosangela, o contexto trata dos parentes dessas pessoas que já tinham morrido. Observe no verso 15 que Paulo contrasta “os vivos” com aquilo que citou nos versos anteriores, ou seja, os que dormem. Os que dormem no contexto desse texto = os que já haviam morrido.

      Olha que interessante:

      1Ts 4:15 Ora, ainda vos declaramos, por palavra do Senhor, isto: nós, os vivos, os que ficarmos até à vinda do Senhor, de modo algum precederemos os que dormem.

      Os vivos = aquele que estavam vivos naquele momento
      Os que dormem = aqueles que já tinham morrido

      Responder
  • Rosangela disse:

    Creio que os que já morreram em Cristo estão no paraíso, mas a fiquei com essa dúvida, quando a bilblia diz 1 tess cap 4 ves 13 -18. Os que dormem significa os mortos? Não quer dizer que realmente eles estão dormindo?

    Responder
  • PEDRO MIRANDA disse:

    A VIDA É UMA BENÇAO DE DEUS

    DEUS NOS CRIOU

    SOMOS FILHOS DO PAI AMANTISSIMO

    SE DEUS É NOSSO PAI CADA UM DE NÓS TEMOS A SUA PARTÍCULA DIVINA.

    DEUS É AMOR. DEUS É LUZ. DEUS É A PAZ.

    PERGUNTARAM A JESUS: MESTRE QUANTAS VEZES DEVEMOS PERDOAR. JESUS RESPONDE: SETENTA VEZES SETE.

    OU SEJA. DEVEMOS PERDOAR SEMPRE. ESTENDER A MÃO AMIGA PARA QUE O IRMAO POSSA REDIMENSIONAR SUA ESTRADA NESTA VIDA.

    FRATERNALMENTE

    PEDRO MIRANDA = CABANA DO MESTRE OMULU = RIO DE JANEIRO

    Responder
  • meire disse:

    André Sanches, ao pesquisar sobre esse assunto ha algum tempo atrás, ouvi a explicação de um professor que dissera sobre a frase que Jesus declarou ao ladrão na cruz, na linguagem original foi :
    ” Na verdade te digo hoje que estarás comigo no paraíso. ” e nao que estaria no mesmo dia com ele; que houve um erro na ordem das palavras ao traduzir.

    Responder
    • Presbítero André Sanchez disse:

      Meire, isso é pouco provável. Além disso esse verso não traz dificuldades, mesmo que seja dito hoje ou não

      Responder
  • zuleica disse:

    Sempre que me ocorre estes questionamentos, eu me lembro do que esta escrito, quando deus fez o homem, ele fez á sua imagem e semelhança. Dai eu me pergunto, que imagem , e semelhança, se sofremos, adoecemos e morremos, onde que somos semelhante ou a imagem de Deus?

    Responder
  • LUCIANO ARNALDO disse:

    ODECIR É ISSO MESMO SEU COMENTÁRIO FOI BIBLICAMENTE PERFEITO.GOSTARIA DE ENTRAR EM CONTATO COM VOCÊ

    Responder
    • ODECIR DA COSTA disse:

      Olá Luciano, vejo que você entendeu perfeitamente o que foi postado. Quando cito as Escrituras eu procuro não distorcer nada do que está escrito, a verdade tem que ser dita doa a quem doer, mesmo que essa verdade venha como uma espada atravessando nossa alma! Há muitos pregadores que distorcem as Escrituras.

      Esse é meu e-mail: Odecir_aguia@hotmail.com

      Responder
  • thais disse:

    zuleica quando Deus nos fala imagem e semelhança dele ele está dizendo no caráter de cristão
    sejamos a imagem e semelhança dele que é ser santo como ele é sermos o sal da terra como ele foi a luiz do mundo,não envergonhado o evangelho,homens e mulheres de boa conduta,

    Responder
  • Raquel disse:

    Tenho uma dúvida. Se os mortos já estão em seus destinos. Lugar de descanso ou de tormento. Então porque ainda haverá o juízo final?

    Responder
    • Presbítero André Sanchez disse:

      Raquel, a Bíblia diz que haverá um julgamento público onde todo joelho se dobrará

      Responder
  • Isis disse:

    Pastor , minha família é membra da Presbiteriana do Brasil e frequento-a também . Quero que o senhor leia este site do link que irei enviar para ti https://setimodia.wordpress.com/2008/04/10/existe-vida-apos-a-morte/ e esse aqui também https://setimodia.wordpress.com/2011/11/23/o-que-acontece-quando-uma-pessoa-morre/ , eu li o primeiro texto e fiquei muito indagada sobre tudo . Porque tudo que li ali era o contrário do que tinha aprendido em toda minha vida . E agora lendo seu texto ,pude ter a certeza que o que aprendi realmente é o que faz sentido, fiquei indagada na parte que ele fala que ” A morte é um sono , que só iremos acordar dele na segunda volta de Jesus ” e mais quando ele fala também que” depois que Cristo voltar , depois do julgamento de Cristo , todos nossos entes queridos que já morreram ,iremos nos encontrar e nos reconhecer ” , e sempre fui ensinada que depois que haver o julgamento não iremos reconhecer ninguém aqui , nem pais , nem irmãos ,amigos , avós . Enfim… Não iremos nos reconhecer . E é isso , espero de verdade que voce leia e me ajude a esclarecer mais a este assunto , estou cada vez mais gostando de estudar a bíblia , o julgamento final e seus mistérios . Que Deus o abençõe .

    Responder
  • Ricardo disse:

    Odecir, para a Glória do Pai, Filho e Espírito Santo, hoje temos a promessa da vida eterna! Morar com Deus, na Nova Jerusalém. Todo o velho testamento sinaliza pra Jesus. O Novo Testamento inicia em Jesus. E a vida eterna está em Jesus. E é Jesus o autor e consumador da nossa Fé.

    Deus o ilumine! Grande abraço.

    Responder
    • ODECIR DA COSTA disse:

      Obrigado Ricardo, tudo de bom para você que Deus te abençoe.

      Responder
  • Ricardo disse:

    Não quero, porém, irmãos, que sejais ignorantes acerca dos que já DORMEM, para que não vos entristeçais, como os demais, que não têm esperança.
    Porque, se cremos que Jesus morreu e ressuscitou, assim também aos que em Jesus DORMEM, Deus os tornará a trazer com ele.
    Dizemo-vos, pois, isto, pela palavra do Senhor: que nós, os que ficarmos vivos para a vinda do Senhor, não precederemos os que DORMEM.
    Porque o mesmo Senhor descerá do céu com alarido, e com voz de arcanjo, e com a trombeta de Deus; e os que morreram em Cristo ressuscitarão primeiro.
    Depois nós, os que ficarmos vivos, seremos arrebatados juntamente com eles nas nuvens, a encontrar o Senhor nos ares, e assim estaremos sempre com o Senhor.
    Portanto, consolai-vos uns aos outros com estas palavras.
    1 Tessalonicenses 4:13-18

    Responder
    • Presbítero André Sanchez disse:

      Dormir é uma figura de linguagem usada para designar quem morreu

      Responder
      • Ricardo disse:

        O estado de dormir é figurado aos que faleceram sim. É claro que estão mortos, porém TODOS aguardando o grande dia do Senhor Jesus. Estão num estado como de dormir, onde não há sabedoria. No grande dia despertarão para s vida eterna ou a segunda morte.

        Responder
      • Ricardo disse:

        Eclesiastes 9:5, 6, 10.) Também o Salmo 146:4

        João 11:11 o próprio Jesus afirma que Lázaro dorme.

        Responder
  • Ramildo Oliveira disse:

    Deus, antes de nõs sermos ele já era,,,Deu um passaporte para cada um de nõs termos a oportunidade de conheçermos ao mundo, não levando em consideração o que vc pensa e o que deixa de pensar sobre as pessoas deduzindo em seus pensamentos talvez fúteis. Bom, o fato é que ele mesmo pensara que embora vc não tendo o que se chama de LIVRE ARBRITO de escolher se gostaria de vim ao mundo ou não, contodo não foi nós quem escolheu mais ele. Quando chegamos aqui nos encontramos nesse contorno e também, com ele através de sua palaver na escrita, A Bíblia aí está o segredo revelado ´quem é Deus e porque estamos aqui.

    Responder
    • Lucas disse:

      O fato de voce vir ao mundo não significa que foi Deus que o colocou aqui, essa responsabilidade é do ser humano, por acaso foi Deus quem teve relação com a sua mãe?Ou sua mãe concebeu do Espirito Santo?
      “Os quais não nasceram do sangue, nem da vontade da carne, nem da vontade do homem, mas de Deus”.(João 1:13)

      Responder
  • Lucas disse:

    André, me esclareça uma coisa, você diz que a passagem do rico e do Lazaro são uma parabóla; mas aonde esta isso no texto? Visto que em todas as parabolas o texto sempre diz algo como: E disse-lhes uma parábola: Olhai para a figueira, e para todas as árvores;(Lucas 21:29), mas na história do rico e do Lazaro não diz que é parabola.
    Outra coisa, Jesus mensiona o nome de um dos personagens; segundo a teologia, parabola não pode usar nomes.O rico provavelmente era alguém muito conhecido ou poderoso para Jesus ter omitido o seu nome.

    Responder
  • Rodrigo disse:

    Presbítero não concordo que a alma tem sabedoria por isso aqui…

    Eclesistes 9:10 “Tudo quanto te vier a mão para fazer, faze-o conforme as tuas forças, porque na sepultura, para onde tu vais, não há obras, nem industria, nem ciência, nem sabedoria alguma.”

    Responder
    • Presbítero André Sanchez disse:

      Rodrigo, a sepultura mencionada nesse texto citado é o túmulo e não o céu.

      Responder
  • julio disse:

    o espírito continua em pecado mesmo após a morte(separação corpo e alma ou espírito), como é possível volta a presença de Deus?. e quantos aos espíritos ruins,de pessoas que cometerão crimes,roubos,estupros,brigas etc…?.
    tenho ums colegas testemunhas de Jeová,que acreditam que todo espírito volta a Deus. o que voçê acha?

    Responder
  • Fred disse:

    Boa Tarde!
    André,
    No seu entendimento, onde estava o espírito de Jesus durante os três dias que esteve morto?

    Responder
    • Presbítero André Sanchez disse:

      Fred, creio que Jesus estava no paraíso conforme Ele mesmo disse ao ladrão salvo

      Responder
  • armando jose teixeira disse:

    infelizmente as “igrejas” ou melhor as denominaçoes fazem uma grande confusao com a biblia. se realmente os salvos ja estao no ceu, o que jesus vira ressuscitar? se lazaro foi no mesmo dia para o paraizo.como explica isto? jessus morreu na sexta, o ladrao estava vivo ainda no sabado. tá dificil de entender.

    Responder
  • Lucas Oliveira disse:

    André, admiro e ponho em prática o conteúdo das tuas postagens. Deus o abençoe, meu irmão! Obrigado!

    Responder
  • valdir antonio passos disse:

    Estudo completo e aprofundado sobre a parábola do Rico e Lázaro
    23:50 Lucas Banzoli 43 comments

    *Obs: O que vocês lerão a seguir é o mais aprofundado estudo sobre o tema em toda a internet e é fruto de anos de estudo e trabalho, estando contido em meu livro: “A Lenda da Imortalidade da Alma”.

    INTRODUÇÃO À PARÁBOLA

    Um argumento bastante usado pelos dualistas é de que não se trata de uma parábola, pois ela possui nomes. Ora, isso é totalmente compreensível pelo fato de que os judeus colocavam Abraão acima de Jesus: “Nosso pai é Abraão … És maior do que o nosso pai Abraão?” (cf. Jo.8:39,53; Mt.3:9). O que simplesmente Jesus faz é pôr na boca Abraão exatamente as palavras que ele teria dito em pessoa: “Se não ouvem a Moisés e aos profetas, tão pouco se deixarão persuadir, ainda que ressuscite alguém dentre os mortos” (cf. Lc.16:31).

    Para isso é evidente que teria que citar nomes. Além disso, não há absolutamente nenhuma regra que obrigue que uma parábola não tenha nomes. Jesus contou parábolas sem precisar dizer para as pessoas: “Atenção, isso é uma parábola…”! A parábola do rico e do Lázaro fica entre parábolas, como podemos ver a seguir:

    CAP.14 DE LUCAS – A PARÁBOLA DA GRANDE FESTA
    CAP.15 DE LUCAS – A PARÁBOLA DA OVELHA PERDIDA
    CAP.15 DE LUCAS – A PARÁBOLA DA MOEDA PERDIDA
    CAP.15 DE LUCAS – A PARÁBOLA DO FILHO PRÓDIGO
    CAP.16 DE LUCAS – A PARÁBOLA DO ADMINISTRADOR DESONESTO
    CAP. 16 DE LUCAS – A ******** DO RICO E LÁZARO
    CAP.17 DE LUCAS – A PARÁBOLA DO EMPREGADO
    CAP.18 DE LUCAS – A PARÁBOLA DA VIÚVA E DO JUIZ

    Nisso fica claro que a história tratava-se realmente de uma parábola. A parábola diz que “havia também certo mendigo, chamado Lázaro, coberto de chagas, que jazia à porta daquele; e desejava alimentar-se das migalhas que caiam da mesa do rico; e até os cães vinham lamber as úlceras” (cf. Lc.16:20,21). Igualmente, vemos que o homem rico da parábola não era apenas rico, mas vaidoso e se vestia do melhor daquilo que podia usufruir: “púrpura e linho finíssimo” (cf. Lc.16:19). Ele “todos os dias se regalava esplendidamente” (cf. Lc.16:19), ou seja, era de absolutamente alta classe.

    Ponderamos: onde é que você já viu um banquete de alta classe de um rico que permitisse que um mendigo cheio de chagas ficasse sentado à sua porta, e que, além disso, ainda deixava que comesse das migalhas de sua mesa? Se isso já é uma possibilidade altissimamente improvável nos nossos dias, isso era completamente impossível de acontecer naquela sociedade judaica.

    O rico de jeito nenhum iria permitir que os seus visitantes (também ricos tais como ele) passassem pela porta com um mendigo, que, além disso, ainda estava coberto de chagas, em uma doença contaminosa, possivelmente a própria lepra, comum naqueles dias. Isso não faz a personalidade de um judeu rico daquela época (muito menos um que teria sido mandado para o inferno em seguida). Como se esse cenário não fosse suficientemente improvável, ainda vemos também cachorros que lambiam as suas chagas! Quando vemos tal cenário, vemos que isso era impossível!

    Tratava-se somente de uma história que Jesus criou do mesmo modo que ele criou outras histórias (parábolas) com uma lição moral a ser dela retirada. E, de fato, Cristo tinha um ponto muito importante para chamar a atenção de seus ouvintes, como veremos mais adiante. Para isso ele usava uma parábola, como é a do rico e do Lázaro. Cristo não precisava dizer: “Olha, gente, isso é uma outra parábola”; pelo simples fato de que ele “nada lhes dizia sem usar alguma parábola” (cf. Mt.13:34).

    Em Lucas 12:41 os seus discípulos interpretaram um ensinamento de Cristo como sendo uma parábola,mas em lugar nenhum vemos Cristo dizendo que aquilo era uma parábola (ver Lucas 12:35-41). Os seus discípulos sabiam que ele lhes falava por meio de parábolas ao contar histórias, e não precisavam questioná-lo quanto a isso, muito menos quando tal história localiza-se exatamente no meio de outras histórias parabólicas! O mesmo quadro ocorre em Mateus 7:17, quando os seus discípulos interpretam os seus ensinos como sendo uma parábola (cf. Mt.7:15-17), embora em lugar nenhum Cristo tenha feito qualquer questão de mencionar que aquilo tratava-se realmente de uma parábola.

    Em outra ocasião, em Mateus 15:14, Pedro identifica um ensinamento de Cristo como sendo uma parábola, embora em lugar nenhum Jesus tenha feito questão de ressaltar que aquilo era mesmo uma parábola, e em Lucas 6:39 o evangelista conta o mesmo ensinamento mas omite que aquilo tratava-se de uma parábola. Se Lucas conta o mesmo relato encontrado em Mateus e não diz que se tratava de uma parábola (sendo que em Mateus está bem claro que era), então vemos que Lucas citava parábolas de Cristo sem necessariamente afirmar estar se tratando de uma parábola. Mas se toda vez que Cristo contasse parábolas tivesse que haver a menção de que aquilo é uma parábola, então Mateus entraria em contradição com Lucas, pois ambos contam a mesma história, mas um diz que é uma parábola e o outro não diz nada!

    Do mesmo modo, em Lucas 5:36 o autor diz que Cristo dizia uma parábola aos seus seguidores, mas em Marcos 2:21 a mesma história aparece sem qualquer menção de estar ligada a uma parábola. Tudo isso nos faz ter a certeza de que, realmente, Jesus ensinava aos seus discípulos por meio de parábolas, que não tem qualquer necessidade de serem mencionadas como tal. Se até mesmo nestes contextos os seus discípulos sabiam que aquilo era parábola, mesmo sem ninguém ter dito expressamente que era uma, quanto mais quando vemos que tal história parabólica de Lucas 16 está exatamente entre várias outras parábolas que Jesus estava contando!

    Se você está contando várias piadas numa roda de amigos, não precisa repetir o tempo todo que ao término de uma você estará iniciando outra piada. Todos já saberão disso. Da mesma forma, se Cristo estava contando várias parábolas uma em seguida da outra, era completamente desnecessário dar um aviso de alerta avisando que aquilo era parábola e não um relato real. Isso já era simplesmente óbvio. Os únicos que não conseguem entender isso são os imortalistas, que por não compreenderem nem o contexto nem o significado de uma parábola precisam ignorar tudo isso e fazerem de conta de que não é parábola, é realidade, e de que, se não fosse uma história real, Jesus precisaria ter parado a conversa, avisado que era outra parábola, e só assim eles ficariam satisfeitos!

    Ademais, vários detalhes na parábola nos mostram que aquilo não era um relato real, mas uma ficção. Por exemplo, veremos que o rico possui um corpo físico com língua e todos os outros membros do corpo, que ele sentia sede, que precisava beber água, que conseguia conversar com quem estava no Céu mesmo enquanto queimava em meio às chamas de fogo, dentre outros tantos fatos que nos mostram claramente que tudo aquilo não passava de mera parábola assim como todas as outras, cuja significância estava baseada no ensinamento moral por trás dela, e não no relato em si como sendo algo literal. Veremos que uma parábola nunca, jamais e em circunstância alguma pode ser fundamentada como regra de doutrina pelos seus meios parabólicos.

    PARÁBOLAS NÃO TÊM MEIOS LITERAIS

    É mais especificamente neste ponto que colocamos um fim na superstição de que existe um estado intermediário das almas porque os meios de uma parábola tem que ser literais. É aí que muita gente se engana: parábolas não necessitam de meios literais, ao contrário, apresentam uma lição moral valiosa por detrás de meios não necessariamente literais. Uma prova muito forte disso é o simples fato de que Jesus contou muitas parábolas, e se fôssemos tomar literalmente todos os meios que ele usa, iríamos encontrar inúmeros “absurdos”.

    Por exemplo: neste mesmo contexto da parábola do rico e Lázaro há a parábola do administrador desonesto (cf. Lc.16:1-12). Veja o que o verso 8 diz: “O senhor elogiou o administrador desonesto, porque agiu astutamente. Pois os filhos deste mundo são mais astutos no trato entre si do que os filhos da luz” (cf. Lc.16:8). Analisando a parábola literalmente, poderíamos chegar à infeliz conclusão de que Cristo aprovava a administração desonesta. Contudo, ele não estava incentivando a prática de administração desonesta, até mesmo porque em parte alguma a Bíblia aprova tal prática, mas a lição moral da parábola não é sobre administrar desonestamente (cf. Lc.16:9). Os meios da parábola não são reais e não influenciam sua lição moral!

    Do mesmo modo, Jesus contou uma parábola sobre o dever de orar sempre e nunca desfalecer (cf. Lc.18:1-8). Nela, o juiz (que representa Deus, aquele que atende as nossas orações) é tratado como“um homem mau que nem ao homem respeitava” (cf. Lc.18:2). É óbvio que o que Cristo queria realmente ensinar não era que Deus é um homem mau, mas sim que se até um homem mau atende aos nossos pedidos, quanto mais o nosso Pai que está no Céu nos atenderá (que não é mau coisa nenhuma, mas poderíamos chegar a essa conclusão caso tomássemos os meios dessa parábola como reais). Novamente, vemos uma lição moral (de orar sempre e nunca desfalecer) sendo ensinada através demeios não reais/literais.

    A mesma coisa veremos que sucede também na parábola do rico e Lázaro. Uma lição moral (de advertência à incredulidade dos fariseus e às tradições da época) sendo ensinada através de meios não reais/literais. Essa é uma regra comum em todas as parábolas, que os imortalistas só não admitem que possa valer também para Lucas 16:19-31, porque implicaria em abrir mão de uma das únicas passagens bíblicas que supostamente favoreceriam a doutrina grega da imortalidade da alma.

    Em outra parábola, Deus é retratado como “um homem severo que ceifas onde não semeaste e ajuntas onde não espalhaste” (cf. Mt.25:24). Diante do contexto, este “homem” é Aquele que distribui os dons (talentos) aos homens e a quem nós devemos prestar contas um dia. Quem ele é? Óbvio: Deus. Mas será que Deus é “um homem severo que ceifa onde não semeou e ajunta onde não espalhou”? Claro que não. Tomemos os meios de uma parábola como reais e mudamos totalmente a visão de um Deus de amor e justiça que a Escritura nos revela do início ao fim!

    Vejam que curioso: se tomarmos os meios dessa parábola como reais, todo o conceito de Deus apresentado em toda a Escritura muda. Da mesma forma, se tomarmos a parábola do rico e Lázaro como literal, todo o conceito sobre a natureza humana e seu destino pós-morte apresentado em toda a Escritura muda. Mas no primeiro caso os imortalistas aceitam facilmente que se trata de meros meios não-literais e irreais característicos de uma parábola, enquanto que no segundo caso não aceitam de jeito nenhum, pois estão presos em seus sofismas sobre a existência de uma alma imortal e precisam se apegar a todo e qualquer custo a passagens claramente parabólicas como a de Lucas 16 para fundamentar as suas teses!

    Tome também, por exemplo, outro meio de parábola contada por Cristo: “Então o senhor disse ao servo: Vá pelos caminhos e valados e obrigue-os a entrar, para que a minha casa fique cheia” (cf. Lc.14:23). Será que as pessoas são forçadas a entrar no Céu, sendo obrigadas a isso, contra a vontade delas? É claro que não, pois Deus nos concedeu o livre arbítrio. Ninguém é obrigado ou forçado por Deus a ser salvo, pois a salvação é algo que implica em perseverança (nossa) até o fim (cf. Mt.24:13), ninguém vai pro Céu contra a sua própria vontade.

    Mas se as parábolas são reais em seu todo e seus meios são apresentados literalmente, então somos obrigados a entrar no Reino de Deus, não há escapatória, seremos salvos querendo ou não! O que é mais razoável de se aceitar? Que Deus nos obriga a entrar em Sua casa, ou que as parábolas não possuem meios reais, mas apenas uma verdade moral por detrás de um ensinamento com meios simbólicos?

    Evidentemente que as parábolas não tem meios literais, jamais podemos fundamentar uma doutrina bíblica sustentada por meios de parábolas. Se dissermos que a parábola de Lucas 16 (do Rico e do Lázaro) obrigatoriamente tem que ter meios reais e literais, consequentemente as demais parábolas de Cristo também devem ter meios reais e literais. Por que a parábola do rico e Lázaro teria que ser exatamente a única exceção à regra? Será que é porque somente deste jeito que os imortalistas conseguem sustentar a doutrina da imortalidade da alma baseando-se em tal parábola?

    Ora, se fôssemos literalizar a parábola, encontraríamos, como vimos, uma série de problemas e contradições de primeira ordem à frente. As parábolas não podem jamais serem tomadas literalmente pelos seus meios, pois se fosse assim deveríamos chegar à infeliz conclusão de que Deus é um juiz mau e que não respeita ao homem, que é um homem severo que planta aonde não semeou, que aprova a prática de administração desonesta e que obriga as pessoas a entrarem no Céu!

    É óbvio que Deus não é nenhuma dessas coisas porque as parábolas nunca podem ser tomadas literalmente – em circunstância nenhuma – mas devemos retirar delas a sua lição moral. O mesmo deve ser dito também com relação à parábola do rico e do Lázaro. Qual é a sua lição moral? Ela se encontra no verso 31:

    “Se não ouvem a Moisés e aos profetas, tão pouco se deixarão persuadir, ainda que ressuscite alguém dentre os mortos” (cf. Lucas 16:31)

    Vemos, portanto, que a lição moral da parábola contada por Cristo em Lucas 16:19-31 em nada tem a ver com a imortalidade da alma, mas, ao contrário, tem relação com a incredulidade dos fariseus em rejeitarem os ensinamentos de Cristo – nem sequer uma ressurreição os faria persuadir. Quando tratamos de descrições bíblicas claras e reais (não em textos parabólicos ou simbólicos), os meios são necessariamente reais e literais ao todo. Contudo, isso não acontece quando estamos tratando de uma parábola. Parábola não necessita de meios reais, mas sim de lições morais que levam o ouvinte à reflexão. O principal problema daqueles que pregam a existência da alma imortal é não saberem ao certo o que é uma parábola:

    PARÁBOLA
    Acepções ■substantivo feminino
    1 narrativa alegórica que transmite uma mensagem indireta, por meio de comparação ou analogia
    1.1 narrativa alegórica que encerra um preceito religioso ou moral, esp. as encontradas nos Evangelhos
    Ex.: a p. do filho pródigo

    Vejamos então o significado de alegoria:

    ALEGORIA
    Acepções
    ■substantivo feminino
    1 modo de expressão ou interpretação us. no âmbito artístico e intelectual, que consiste em representar pensamentos, ideias, qualidades sob forma figurada e em que cada elemento funciona como disfarce dos elementos da ideia representada.

    Como o próprio dicionário atesta, parábolas são estórias de ficção, que Jesus frequentemente empregava para ensinar alguma coisa aos seus ouvintes. Parábolas não são e nem nunca foram histórias contadas com a intenção de passar meios reais. Se fosse assim, não faria uso de uma parábola. Parábola é quando o autor utiliza-se de meios ou cenários quaisquer, sem a obrigatoriedade de serem verdadeiros ou literais, para ensinar uma lição moral por finalidade, mediante a metaforização ou personificação de personagens inanimados, como é o caso da conversa entre árvores registrada em 2ª Reis 14:9.

    Isso nós podemos ver ao longo de várias parábolas contadas por Cristo, que claramente não são fatos reais – são parábolas. Por exemplo, é extremamente improvável que houvesse um homem que vendeu todos os seus bens para comprar uma pérola de grande valor (cf. Mt.13:46), pois isso não faria sentido. Também não houve um administrador infiel elogiado pelo seu senhor (cf. Lc.16:8). Da mesma forma, Cristo também afirmou sobre ter de arrancar os olhos ou cortar pernas e braços para entrar no Reino dos céus. Será que por isso no Reino haverá caolhos, manetas e pernetas – tudo isso literalmente? É claro que não. Tudo isso é obviamente uma linguagem altamente metafórica, tanto quanto a parábola do rico e do Lázaro.

    Mais ainda que isso, uma outra prova fatal que nos faz concluir que Cristo não estava como finalidade dado uma aula sobre o estado dos mortos, é o fato de que nem mesmo as palavras “alma-psiquê” ou “espírito-pneuma” aparecem nesta parábola. Pelo contrário, o rico possuía um corpo físico com dedo, língua e que sente calor e pede água para matar a sede (cf. Lc.16:24). A própria sede é uma característica do corpo, e não de um espírito “imaterial”, “fluídico”.

    Um espírito desprovido de corpo não tem nada disso, e a Bíblia diz que nós só teremos um corpo novamente após ressurgirmos dos mortos (cf. 1Co.15:42-44). Jesus disse claramente que um espírito não tem nem carne e nem ossos (cf. Lc.24:39). Será que Cristo se enganou dizendo que o rico possuía língua no Hades ou os corpos dos personagens foram parar no Hades por engano?Nenhuma das duas, era mera parábola: não exigia meios reais! Se o objetivo de Cristo ao contar esse parábola fosse exatamente anunciar a imortalidade da alma, então seria completamente indispensável a menção de “almas” ou de “espíritos” deixando o corpo e partindo para o “além”.

    Contudo, os personagens ali citados vão com os seus corpos para o Hades, tudo nos mostra que o que aconteceu foi a personificação de personagens inanimados e, por este motivo, não eram os “espíritos” que desciam ao Hades, mas sim os próprios corpos.

    Como bem assinalou o doutor Samuelle Bacchiocchi: “Os que interpretam a parábola como uma representação literal do estado dos salvos e perdidos após a morte defrontam problemas insuperáveis. Se a narrativa for uma descrição real do estado intermediário, então deve ser verdadeiro em fato e coerente em detalhe. Contudo, se a parábola for figurada, então somente a lição moral a ser transmitida deve nos preocupar. Uma interpretação literal da narrativa se despedaça sob o peso de seus próprios absurdos e contradições, como se torna evidente sob exame detido” [“Immortality or Resurrection?”]

    A questão aqui é muito simples: se a intenção de Cristo em contar essa parábola fosse de alguma forma fazer uma descrição fiel do atual estado dos mortos, então é óbvio que os personagens estariam no Hades em forma de espíritos incorpóreos, e não com os próprios corpos físicos, como um exame da parábola nos indica claramente. O fato de eles estarem lá com seus próprios corpos prova inequivocadamente que o que ocorreu neste caso nada mais foi senão a personificação de personagens inanimados, o que é muito comum na Bíblia. Corpos já mortos foram personificados e ganharam vida dentro de um contexto parabólico, isto é, de uma estória alegórica para ensinar alguma lição moral como finalidade.

    O que ocorreu, portanto, não foi uma descrição do atual estado dos mortos como “espíritos incorpóreos” em um estado intermediário entre a morte e a ressurreição, mas sim a personificação de corpos mortos como se estivessem vivos, e do que aconteceria neste contexto parabólico. Tanto quanto a linguagem parabólica da conversa entre árvores em 2ª Reis 14:9 não significa que as árvores realmente conversam entre si, a parábola do rico e Lázaro não prova que espíritos incorpóreos mantém consciência no pós-morte, mas apresenta a mesma personificação de personagens inanimados que ocorre tanto em 2ª Reis 14:9 como em diversas outras ocorrências bíblicas num mesmo contexto alegórico ou parabólico.

    Isso também é constatado pelo fato de que o rico pede que joguem um pingo água para molhar a sua língua, enquanto ele queimava em meio às chamas! Além da sede literal (por água) ser uma característica corporal (e não de um “espírito”, como anjos ou demônios, por exemplo), de que serviria um “dedo” molhado “em água” para aliviar tamanhos rigores extremos de um fogo devorador e literalmente verdadeiro que o rico estaria passando naquele exato momento e também por toda a eternidade?

    Ademais, a própria parábola diz que havia um abismo muito grande entre ambas as partes, motivo pelo qual o rico não podia ser molhado com água. Contudo, ele conversava com Abraão como se estivesse face-a-face com ele! Ora, se ele conversava tão perfeitamente com Abraão, então ele também poderia perfeitamente ser molhado com água, pois a distância assim o permitiria.

    E será possível compreender absolutamente o que cada pessoa da cena diz sendo que neste mesmo cenário havia um barulho horrivelmente aterrorizante de fogo em atividade e milhões ou bilhões de pessoas queimando e gritando aos prantos naquele mesmo momento? Quem iria compreender o que alguma pessoa fala em tal cenário? Como se tudo isso não fosse suficientemente claro, será que no Reino poderemos conversar com os não-salvos enquanto eles queimam em meios às chamas? Pois, pela parábola, tal comunicação entre os salvos e os não-salvos seria perfeitamente plausível.

    Poderíamos, caso tomássemos os meios da parábola como literais, ver e conversar com os nossos parentes não-salvos enquanto eles queimam no inferno! Certamente bater papo com alguém nestas condições e neste cenário, é uma terrível falta de bom senso. Os que não forem salvos jamais poderão se unir novamente com os que forem salvos (por meio de uma conversa, por exemplo), pois a morte significa a separação total entre ambos os grupos. É isso o que também é ilustrado nesta parábola.

    Não, meus amigos, definitivamente não foi o estado dos mortos que foi ilustrado nesta parábola, não houve nenhuma descrição de “estado intermediário” algum, mas apenas e tão somente a personificação de personagens inanimados ganhando vida (típico de parábola), em um cenário corrente na época, como veremos mais a seguir. Com toda a clareza, os imortalistas que insistirem em admitir a parábola do rico e Lázaro como sendo “prova” do dualismo platônico na Bíblia, encontrarão tamanhos dilemas insuperáveis pela frente a tal ponto de terem que reformular toda a sua teologia acerca de como é o pós-morte.

    Outro fato que ajuda ainda mais a derrubarmos a má interpretação dos dualistas é o lugar para onde teria ido o rico:

    “E, no Hades, viu Abraão e Lázaro, em seu seio” (cf. Lucas 16:23)

    A clareza da linguagem é evidente: o rico estava no Hades. E é a partir desta parábola que surge a idéia de que todos os “espíritos” desencarnados vão para o Hades após a morte, com divisão para justos e ímpios. Ora, qual doutrina básica da fé cristã que tem por base uma parábola? Nenhuma. Mas a parábola do rico e Lázaro (como única suposta “descrição” do “estado intermediário” encontrada na Bíblia) obrigatoriamente tem que ser literalizada e fundamentada como doutrina bíblica (para eles).

    Afinal, a maior base da doutrina imortalista é justamente os meios de uma parábola, em que os corpos descem junto para o “estado intermediário” conversar com os que já morreram enquanto se queimam entre as chamas. Pasme! Mas, mesmo que este fosse o caso, a História nos mostra que o Hades, como um local de tormento em que o rico estava, é de origem totalmente pagã, e não bíblica. Veremos a seguir onde nasceu o Hades e como entrou de braços abertos na doutrina imortalista.

    A ORIGEM PAGÃ DO HADES

    Na literatura hebraica, o Sheol (transliterado para “Hades” no grego), não era um local de habitação de espíritos vivos e conscientes em estado desencarnado. Já vimos que os autores do Antigo Testamento não tinham a mínima ideia de vida consciente antes da ressurreição, muito menos de almas imortais ou espíritos em um estado intermediário.

    A vida pós-morte na visão do Antigo Testamento era que os mortos não louvam a Deus (cf. Isaías 38:19; Salmos 6:5), não sabem de nada (cf. Eclesiastes 9:5), valem menos do que um cachorro vivo (cf. Eclesiastes 9:4), sua memória jaz no esquecimento (Eclesiastes 9:5), não tem lembrança de Deus (cf. Salmos 6:5), não confiam na fidelidade de Deus (cf. Isaías 38:18), não falam da Sua fidelidade (cf. Salmos 88:12), estão numa terra de silêncio – e não de gritaria do inferno ou de altos louvores do Céu (cf. Salmos 115:17), não podem ser alvos de confiança (cf. Salmos 146:3), não pensam (cf. Salmos 146:4), não tem proveito nenhum para Deus depois de morto (cf. Salmos 30:9), são comparados com o pó (cf. Salmos 30:9), etc.

    Mesmo assim, eles falavam constantemente em Sheol (Hades), como o local para onde vão os mortos. Algumas referências são: Jó 7:9, Salmos 18:5, Salmos 86:3, Salmos 139:8, Provérbios 30:16, Gênesis 37:35, Eclesiastes 9:10, entre outros. Ora, como podem os escritores do Antigo Testamento desacreditarem completamente no estado intermediário mas falarem tanto no Sheol? É evidente que, para eles, Sheol estava longe de ser um local de habitação consciente de espíritos incorpóreos, mas era meramente uma figura para a sepultura.

    Na passagem de Malaquias (último livro do AT) para Mateus (o primeiro do NT) há um período de quatrocentos anos (conhecido como “período intertestamentário”). Neste período é que os hebreus estiveram dispersos para as nações influenciadas pelo dualismo grego que estabelecia nelas uma forte ligação ética, cultural, social e filosófica, por meio da doutrina helenista. Tais filosofias correntes na Grécia Antiga (especialmente a amplamente difundida doutrina da “imortalidade da alma”) acabaram entrando no judaísmo helenista.

    Tal impacto do helenismo sobre o judaísmo é evidente em muitas áreas, incluindo na adoção do dualismo grego por algumas obras literárias judaicas (inclusive vários “livros apócrifos”) produzidas nessa época.De acordo com os professores Stephen L. Harris e James Tabor, Sheol é um lugar de “vazio” que tem suas origens na Bíblia Hebraica e no Talmud:

    “Seres humanos, como os animais do campo, são feitos de ‘pó da terra’ e na morte eles retornam ao pó (Gênesis 2:7; 3:19). A palavra hebraica Alma (Nephesh, Psyche), tradicionalmente traduzida por ‘alma viva’, mas mais adequadamente compreendida como ‘criatura vivente’ é a mesma para todas as criaturas viventes e não se refere a nada imortal… Todos os mortos descem ao Sheol, e lá eles jazem no sono juntos. Seja bom ou mau, rico ou pobre, escravo ou liberto (Jó 3:11-19). Ele é descrito como uma região ‘escura e profunda’, ‘a cova’, e ‘a terra do esquecimento’, interrupção da vida (Salmos 6:5; 88:3-12). Se se encara situações extremas de sofrimento no mundo dos vivos acima, como aconteceu com Jó, o Sheol pode ser visto como um alívio bem-vindo à dor – basta ver o terceiro capítulo de Jó. Mas, basicamente, ele é um tipo de ‘nada’ (Salmo 88:10)”.

    Harris partilha observações similares em seu “Compreendendo a Bíblia”, e acentua o fato de que houve uma associação com as religiões pagãs no período helenista que modificou o real significado de “Sheol” bíblico: “Quando os escribas judeus helenistas traduziram a Bíblia para o grego, eles usaram o termo ‘Hades’ para traduzir Sheol, trazendo uma associação mitológica completamente nova à ideia de existência póstuma. Nos mitos da Grécia Antiga, o Hades, nomeado a partir da deidade sombria que o reinava, era originalmente similar ao Sheol hebraico, um submundo escuro no qual todos os mortos, a despeito do mérito individual, eram indiscriminadamente colocados” (Grifo meu)

    Esta é uma verdade indiscutível: o Sheol estava longe de ser uma habitação consciente de espíritos. Contudo, houve uma associação mitológica com as filosofias gregas (de imortalidade da alma). Em outras palavras, o sentido bíblico de Sheol foi totalmente deturpado pelo sincretismo com a mitologia pagã. Na mitologia grega o mundo dos mortos, chamado apenas de Hades, era o local no subterrâneo para onde iam as almas das pessoas mortas (sejam elas boas ou más), guiadas por Hermes, o emissário dos deuses, para lá tornarem-se sombras. É um local de tristeza. No fim da luta dos deuses olímpicos contra os Titãs (a Titanomaquia), os deuses olímpicos saíram vitoriosos.

    Então, Zeus, Posídon e Hades partilharam entre si o universo: Zeus ficou com os céus e as terras, Posídon ficou com os oceanos e Hades ficou com o mundo dos mortos. Os titãs pediram socorro a Érebo do mundo inferior; Zeus, então, lançou Érebo para lá também, assim tornou-se a noite eterna do Hades (Érebo também é outra designação do mundo inferior). Das Idades do Homem e suas raças, a raça de bronze, raça dos heróis, e a raça de ferro vão para o Hades após a morte.

    Este sincretismo com as religiões pagãs que resultou em uma aplicação totalmente diferente de Sheol/Hades: a de um local no subterrâneo para onde vão as almas das pessoas mortas (sejam elas boas ou más), no “Mundo dos Mortos”, denominado Hades. Querendo ou não, gostado ou não, é uma clara deturpação imortalista do que realmente é o Sheol. Tirando os maiores absurdos, que jamais seriam assumidos pelos cristãos (como, por exemplo, o fato de serem guiadas por Hermes, o emissário dos deuses, ou dos Titãs pedirem a ajuda de Érebo), a essência pagã de Hades, como um local de habitação de espíritos, foi absorvida da mitologia pagã direto para a teologia bíblica dos imortalistas.

    O QUE É O SHEOL?

    Como já vimos acima, antes da mitologia pagã se infiltrar dentro dos moldes do Cristianismo, Sheol era puramente sepultura. É claro que a sua aplicação varia de passagem a passagem, mas nunca no sentido mitológico de “habitação de espíritos”. O Sheol bíblico é um local de silêncio, e não de gritaria do inferno:

    “Os mortos, que descem à terra do silêncio, não louvam a Deus, o Senhor” (cf. Salmos 115:17)

    “Se o Senhor não fora em meu auxílio, já a minha alma habitaria no lugar do silêncio” (cf. Salmos 94:17)

    Mais claro ainda é o Salmo 94:17, que diz de forma enfática que o que habita no silêncio é a própria alma, derrubando a toda e qualquer tentativa de vulgarizar o termo como se fosse “silêncio somente para o corpo”. O salmista sabia muito bem que o local para onde iria após a morte seria de silêncio, e não de louvores entre os salvos ou de gritaria do inferno. Convenhamos: qual é o lugar do “silêncio” que o salmista fala? Claramente a sepultura. O local para onde a alma vai após a morte (cf. Sl.94:17), em estado de total inconsciência (cf. Ec.9:5,6; Ec.9:10; Sl.146:4; Sl.6:5; Sl.30:9; Sl.88:12). Outra prova clara de que os hebreus do Antigo Testamento sabiam muito bem que Sheol não era inferno, mas sim sepultura, é Jacó enterrando o seu filho José:

    “E levantaram-se todos os seus filhos e todas as suas filhas, para o consolarem; ele, porém, recusou ser consolado, e disse: Na verdade, com choro hei de descer para meu filho até o Sheol. Assim o chorou seu pai” (cf. Gênesis 37:35)

    Jacó evidentemente ainda não sabia que na mitologia pagã grega (de imortalidade da alma) o Hades ficava no centro da Terra. Jacó foi cavando até o inferno para enterrar o seu filho José? Não, Jacó sabia muito bem que Sheol era puramente sepultura. Ele sabia disso porque essa era a crença da época, o sentido puro de Sheol.

    Ademais, Jacó foi enterrar o corpo morto de José e não uma alma ou espírito incorpóreo. Sheol não é um local de espíritos sem corpo, mas sim de corpos mortos. Sheol é claramente identificado como sendo sepultura, o pó da terra. Outras inúmeras passagens nos trazem um sentido completo de que Sheol não era habitação consciente de espíritos desencarnados. Alguns exemplos, por exemplo, podem ser encontrados em Jó e em Salmos:

    “Porventura não são poucos os meus dias? Cessa, pois, e deixa-me, para que por um pouco eu tome alento. Antes que eu vá para o lugar de que não voltarei, à terra da escuridão e da sombra da morte” (cf. Jó 10:20,21)

    “Será que fazes milagres em favor dos mortos? Será que eles se levantam e te louvam? Será que no Sheol ainda se fala do teu amor? Será que naquele lugar de destruição se fala da tua fidelidade? Será que naquela escuridão são vistos os teus milagres? Será que na terra do esquecimento se pode ver a tua fidelidade?” (cf. Salmos 88:10-12).

    Como podemos ver, a terra era claramente descrita como uma “escuridão”. Ora, se o Hades é um local de tormento, com fogo e tudo, então o fogo remeteria à luminosidade. O local não seria nem lugar de “escuridão” e muito menos lugar de “densas trevas”. Onde há fogo, há luz. Essa descrição do Sheol bíblico anula a concepção pagã em um Hades cheio de fogo e espíritos vivos ali queimando.

    O Salmo 49:14 também deixa claro que até as ovelhas vão para o Sheol na morte: “Como ovelhas são postas na sepultura [Sheol, no original hebraico]…” (cf. Sl.49:14). É óbvio que o Sheol é apenas o pó da terra, o destino de todas as criaturas viventes. Jó também nos esclarece que o Sheol bíblico está longe de ser morada de espíritos queimando em meio às chamas, ao dizer que naquele lugar ele “já agora repousaria tranquilo; dormiria, e, então, haveria para mim descanso… Ali, os maus cessam de perturbar, e, ali, repousam os cansados; os prisioneiros também desfrutam sossego, já não ouvem mais os gritos do feitor de escravos” (cf. Jó 3:13,17,18).

    Já não se ouve mais gritos, algo inconcebível caso Jó tivesse a ideia de que aquele local era um lugar de tormento ou de gritos de espíritos em meio às chamas. Também no livro de Eclesiastes, lemos: “Tudo quanto te vier à mão para fazer, faze-o conforme as tuas forças; porque no além [Sheol], para onde tu vais, não há obra, nem projeto, nem conhecimento, nem sabedoria alguma” (cf. Ec.9:10). Como se não fosse suficientemente claro o fato de que no Sheol não há obra, nem projeto, nem conhecimento, e nem sabedoria, o salmista afirma que “quem morreu não se lembra de ti; e no Sheol quem te louvará?” (cf. Sl.6:5). É evidente que no Sheol não se pode louvar a Deus. Fica a pergunta: que tipo de “espírito” que é salvo e vai para este lugar sem poder louvar a Deus?

    A palavra usada em Eclesiastes 9:10 com relação ao Sheol é que não há chokmah [inteligência, razão]. Morre o homem e o ser racional se vai. Não há inteligência, não há consciência. Biblicamente, Sheol não é, e nunca foi, uma morada de espíritos vivos e conscientes em alegria ou em tormento com fogo. O maior (e talvez o único) argumento dos imortalistas para tentar negar que Sheol em sua aplicação é o mesmo que “sepultura”, é o fato de que os hebreus possuíam uma palavra própria para “Sheol” e para “sepultura”.

    Este argumento, contudo, é falacioso, além de ignorar todas as provas e evidências bíblicas, sendo nulo e sem sentido. Por exemplo: nós temos em nossa língua as palavras “exterminar” e “aniquilar”, não temos? Sim, temos. Mas na prática exterminar e aniquilar é o mesmo. No dicionário existem inúmeras palavras sinônimas, sem de modo algum uma delas invalidar a outra ou exigir dela um significado distinto. O mesmo pode ser dito quanto ao Sheol. Uma vez que a Bíblia negue enfaticamente que o Sheol possa ser uma habitação consciente de espíritos desencarnados, logo ele não é.

    Sheol é o sentido figurado de sepultura, tendo a mesma aplicação prática desta, é o “mundo dos mortos”, não como um local de habitação de espíritos conscientes, mas de almas mortas (cf. Nm.31:19; 35:15,30; Js.20:3,9; Gn.37:21; Dt.19:6,11; Jr.40:14,15; Jz.16:30; Nm.23:10), em local de total silêncio (cf. Sl.115:17; Sl.94:17), e em estado de total inconsciência (cf. Sl.146:4; Sl.6:5; Ec.9:5,6; Ec.9:10).

    No caso da revolta de Coré, por exemplo, relatada em Números 16, a terra “abriu a sua boca” e os seus seguidores “desceram vivos ao Sheol” (cf. Nm.16:30; Nm.16:33). Seria extremamente inimaginável pensarmos que a terra abriu a boca para eles caírem até o centro da terra onde ficaria o Sheol, sendo que no meio dessa queda os seus corpos foram transformando-se automaticamente em espíritos desencarnados. A evidência aqui é tão forte que os próprios imortalistas admitem que Sheol aqui significa o pó da terra, corpos físicos sendo esmagados pela força da natureza através da ação divina (embora eles afirmem que este caso é uma “exceção”, o que vemos que não – é a regra!).

    Obviamente que o que aconteceu realmente é que a terra abriu a boca e os tragou enquanto ainda estavam vivos, descendo para a “cova” (ou “pó”), o que mostra a total correspondência entre estes dois termos. Mais forte ainda do que isso é o paralelismo evidente que constatamos em Jó: “Descerá ela às portas do Sheol? Desceremos juntos ao pó?” (cf. Jó 17:16). Aqui vemos Jó fazendo o uso de um paralelismo entre o “Sheol” e o “pó”. Paralelismo é a sucessão de partes do discurso que tem entre si uma relação de similaridade de conteúdo; um encadeamento de funções sintáticas idênticas de valores iguais. Jó identifica o Sheol como sendo a mesma coisa que o pó da terra, ao relacionar ambos na mesma sentença expondo tal paralelismo. Após afirmar que ele desceria ao Sheol, afirma categoricamente que este lugar é o pó (cf. Jó 17:16).

    Ainda que os escritores do Antigo Testamento falassem constantemente em Sheol, desacreditavam completamente em qualquer estado intermediário. Talvez seja por isso que o apóstolo Paulo, em suas epístolas, não tenha mencionado absolutamente nenhuma vez a palavra “Hades” – o termo já estava paganizado. Aliás, nem Paulo, nem Tiago, nem Pedro, nem Judas, e nem o desconhecido autor de Hebreus: todos pareciam desconhecer tal palavra, não sendo mencionada em parte nenhuma de suas epístolas. Só há uma única razão mais provável para isso, que é exatamente não querer confundir os leitores dualistas com o sentido pagão de Hades, já em vigor em sua época.

    O Sheol também é caracterizado como “a terra das trevas e da sombra da morte” (cf. Jó 10:21,22), onde os mortos nunca mais vêem a luz (cf. Sl.49:20; 88:13). É também, como vimos, a “região do silêncio”, e não de gritaria do inferno ou de louvores do Paraíso (cf. Sl. 94:17; 115:17), para onde caminha a alma rumo ao local do silêncio (cf. Sl.94:17). A ideia de descanso ou sono no Sheol fica evidente no livro de Jó que clama em meio a seus tormentos físicos: “Por que não morri eu na madre? Por que não expirei ao sair dela? […] Porque já agora repousaria tranquilo; dormiria, e então haveria para mim descanso […] Ali os maus cessam de perturbar, e ali repousam os cansados” (cf. Jó 3:11,13,17).

    No Salmo 141:7 também fica mais do que evidente que Sheol é claramente identificado como sepultura:“Ainda que sejam espalhados os meus ossos à boca da sepultura [Sheol] quando se lavra e sulca a terra”. Até os ossos desciam para o Sheol! Se Sheol fosse um local de morada de “espíritos”, o salmista certamente mencionaria isso, mas além negar tal fato ele acentua que são os ossos que descem ao Sheol, o que nos revela que é um local não de “espíritos”, mas de corpos mortos, que jazem na sepultura.

    De igual modo, Davi adverte seu filho Salomão com relação a Simei: “Mas, agora, não o considere inocente. Você é um homem sábio e saberá o que fazer com ele; apesar de ele já ser idoso, faça-o descer ensangüentado à sepultura [Sheol]” (cf. 1Rs.2:9). Novamente, o original hebraico verte a palavra “Sheol”, e não “sepultura” como a maioria dos tradutores preferiram traduzir. Aqui vemos que alguma pessoa pode descer ensanguetada ao Sheol, o que nos mostra claramente que o Sheol não é uma morada de espíritos incorpóreos, mas sim a própria sepultura, para o qual é o destino dos corpos que morreram (espírito não sangra!).

    Por isso, até mesmo o sangue das pessoas descem ao Sheol [sepultura]. Isso explica o porquê que em absolutamente nenhuma parte das Escrituras é mencionado espírito-ruach/pneuma no Sheol/Hades. Este nunca foi algum tipo de “morada de espíritos”! Fica mais do que claro que nenhum escritor bíblico pensava em Sheol como uma morada consciente de espíritos desencarnados, como um local de tormento ou suplício. Se fosse esse o sentido primário de Sheol, então veríamos uma infinidade de passagens bíblicas que relatam tal fato, o que não é verdade. Aliás, nem sequer o elemento “fogo” aparece relacionado em qualquer descrição bíblica do Sheol. Que maneira “estranha” de descrever o inferno!

    Portanto, vemos que o Sheol bíblico não é um lugar onde Caim está queimando há seis mil anos até hoje, mas sim uma figura da sepultura, o lugar para onde parte a alma após a morte (cf. Is.38:17; Sl.94:17; Jó 33:18; Jó 33:22; Jó 33:28; Jó 33:30). Sheol é sepulcro, pó, profundezas da terra, morte, vazio, túmulo. Jamais foi morada de espíritos em plena atividade e consciência, em regozijo ou em tormento. Nunca é mencionado tormento no Sheol. Na parábola do rico e do Lázaro, o que ocorreu foi uma metaforização e personificação dos personagens (Abraão, Lázaro, o rico) bem como do próprio cenário onde se passava a parábola (Sheol), que não exige meios literais.

    Prova forte disso é que a própria parábola retrata o rico indo para a sepultura (v.22), e depois mostra ele no Hades (v.23) sem fazer menção de “almas” ou “espíritos”, mas com o seu próprio corpo natural(v.24), o que nos mostra a correspondência entre a sepultura e o Hades, e que nos revela que o que de fato ocorreu foi uma metaforização e personificação própria dos meios de uma parábola, como é no caso de 2ª Reis 14:9 em que as árvores falam.

    Entender o significado bíblico e puro de Sheol é profundamente necessário para compreendermos que o que ocorreu em Lucas 16 nada mais foi senão a personificação não apenas dos personagens ali presentes, como também do próprio cenário em que aquilo tudo se passava. Como já vimos, eram corpos físicos que desceram ao Hades na parábola, e conferimos também que o Hades (Sheol) bíblico é a sepultura, que nada mais é senão o local de corpos físicos. A única coisa que muda é a personificação de tais personagens, ganhando vida neste lugar, como um fundo parabólico onde se passa aquilo que realmente Jesus queria ensinar como a lição moral da parábola.

    O SIGNIFICADO DA PARÁBOLA

    Já vimos que a parábola não pode ser analisada literalmente. Vários fatores corroboram para isso, incluindo o fato de que os personagens possuem corpos reais, com língua, dedo, sentimento de sede, o local onde a parábola se passava e outras parábolas que claramente também não necessitam de meios reais. Observe esta outra parábola bíblica:

    “Porém Jeoás, rei de Israel, enviou a Amazias, rei de Judá, dizendo: O cardo que está no Líbano enviou ao cedro que está no Líbano, dizendo: Dá tua filha por mulher ao meu filho; mas os animais do campo que estavam no Líbano, passaram e pisaram o cardo” (cf. 2ª Reis 14:9). Analisando literalmente (assim como fazem com a parábola do Lázaro), cardo e cedro (que são árvores) falam. Creio que a maioria das pessoas concorde comigo que as árvores não falem.

    São parábolas, e parábolas são metáforas, alegoria, estória, ficção, que não podem ser classificadas literalmente. Se pretendêssemos usar as parábolas literalmente, deveríamos – usando a mesma lógica que os imortalistas fazem com a parábola do Lázaro – dizer que as árvores também falam e fundamentarmos isso como doutrina. Felizmente, parábolas não são relatos literais, e sim metáforas com uma lição moral.

    Sendo assim, podemos ficar tranquilos sabendo que as árvores realmente não falam, pois parábolas não apresentam meios reais, mas apenas lições morais por detrás de um cenário fictício. É evidente que cada elemento na parábola acima de 2ª Reis tinha o seu devido significado e a sua devida lição moral. Nada mais que dois reis: o de Judá (Amazias), e o de Israel (Jeoás) são personificados pelas árvores. Jeoás compôs a parábola para Amazias. Este não a atendeu (cf. 2ª Reis 14:11), e por isso, o povo do “cardo” (Amazias) foi ferido pelos “animais do campo” (exército do “cedro” – Jeoás). A lição da parábola não era que as árvores falam, mas sim uma mensagem aos que lessem a metáfora a partir da personificação de personagens inanimados. A mesma linguagem vemos em várias outras partes da Bíblia:

    “Foram uma vez as árvores a ungir para si um rei; e disseram à oliveira: Reina tu sobre nós. Mas a oliveira lhes respondeu: Deixaria eu a minha gordura, que Deus e os homens em mim prezam, para ir balouçar sobre as árvores? Então disseram as árvores à figueira: Vem tu, e reina sobre nós. Mas a figueira lhes respondeu: Deixaria eu a minha doçura, o meu bom fruto, para ir balouçar sobre as árvores? Disseram então as árvores à videira: Vem tu, e reina sobre nós. Mas a videira lhes respondeu: Deixaria eu o meu mosto, que alegra a Deus e aos homens, para ir balouçar sobre as árvores? Então todas as árvores disseram ao espinheiro: Vem tu, e reina sobre nós. O espinheiro, porém, respondeu às árvores: Se de boa fé me ungis por vosso rei, vinde refugiar-vos debaixo da minha sombra; mas, se não, saia fogo do espinheiro, e devore os cedros do Líbano” (cf. Juízes 9:8-15)

    Novamente, a lição não era que as árvores ou os espinheiros falem ou dialoguem entre si. Tudo não passava de mera parábola em que as oliveiras, a figueira e a videira representavam aqueles que não quiseram reinar sobre as “árvores” (povo de Siquém). As mais valiosas árvores do Oriente Médio aqui simbolizam os homens principais de Siquém, e o espinheiro era um arbusto farpado comum nas colinas da Palestina e representava apropriadamente Abimeleque, que nada produzia de valor. Os meios eram puro simbolismo e representação comum na Bíblia Sagrada, não eram verdades literais porque nem árvores, nem cedros, nem cardos, nem oliveiras, nem figueiras, nem videiras e nem espinheiros falam!

    É óbvio que a única coisa que devemos tirar como verdade literal é a sua lição moral, e não os seus meios. O mesmo deve ser dito com relação à parábola do Lázaro, em que houve uma personificação, vivificação dos personagens ali apresentados (Lázaro, o rico e Abraão) bem como uma metaforização do cenário (Hades) que, como vimos, é puramente sepultura. É comum a Bíblia personificar personagens inanimados.

    A PERSONIFICAÇÃO BÍBLICA DE PERSONAGENS INANIMADOS

    1º “Foram uma vez as árvores a ungir para si um rei; e disseram à oliveira: Reina tu sobre nós” (cf. Juízes 9:8-15)

    2º “O cardo … mandou dizer ao cedro … Dá tua filha por mulher a meu filho” (cf. 2ª Reis 14:9)

    3º “Disseram então as árvores à videira: Vem tu, e reina sobre nós” (cf. Juízes 9:12)

    4º “Porque a pedra clamará da parede, e a trave lhe responderá do madeiramento” (cf. Habacuque 2:11)

    5º “Se eles se calarem, as próprias pedras clamarão” (cf. Lucas 10:40; Mateus 3:9)

    6º “O ouro e a prata de vocês enferrujaram, e a ferrugem deles testemunhará contra vocês e como fogo lhes devorará a carne” (cf. Tiago 5:3)

    7º “A voz do sangue do teu irmão clama da terra a mim” (cf. Gênesis 4:10)

    8º “Quando ele bradou, os sete trovões falaram” (cf. Apocalipse 10:3)

    9º “Ao sangue aspergido, que fala melhor do que o sangue de Abel” (cf. Hebreus 12:24)

    10º “E ouvi o altar responder: Sim, Senhor Deus todo-poderoso, verdadeiros e justos são os teus juízos” (cf. Apocalipse 16:7)

    11º “Vejam, o salário dos trabalhadores que ceifaram os seus campos, e que por vocês foi retido com fraude, está clamando contra vocês” (cf. Tiago 5:4)

    12º “Então jubilarão as árvores dos bosques perante o Senhor, porquanto vem julgar a terra” (cf. 1 Crônicas 16:33)

    13º “Pois com alegria saireis, e em paz sereis guiados; os montes e os outeiros romperão em cânticos diante de vós, e todas as árvores de campo baterão palmas” (cf. Isaías 55:12)

    14º “Mas, pergunta agora às alimárias, e elas te ensinarão; e às aves do céu, e elas te farão saber; ou fala com a terra, e ela te ensinará; até os peixes o mar to declararão” (cf. Jó 12:7,8)

    15º “Ressoe o mar, e tudo o que nele existe; exultem os campos, e tudo o que neles há!” (cf. 1 Crônicas 16:32)

    16º “Os rios batam as palmas; regozijem-se também as montanhas” (cf. Salmos 98:8)

    Tudo isso acima tem um nome: alegoria. Tudo tem uma lição moral para aprendermos por detrás de um cenário com personagens inanimados, sem vida, que ganham vida na parábola ou na alegoria que está sendo dita, com a finalidade de ensinar alguma coisa aos ouvintes. Obviamente, essa “alguma coisa” que se quer ensinar aos ouvintes não é o próprio cenário em si ou seus meios (que árvores, rios, altares, trovões, sangue, pedra, ouro ou pessoas após a morte falem), mas sim aquilo que moralmente podemos depreender por meio destas alegorias.

    Nada indica que o salmista esteja querendo passar a ideia de que rios batem palmas e as montanhas se regozijam (cf. Sl.98:9), nada indica que Jó queria passar a ideia de que a terra e os peixes falam (cf. Jó 12:7,8), nada indica que João cria que altares e trovões falam (cf. Ap.10:3; 16:7), nada indica Moisés cria que o sangue tem voz (cf. Gn.4:10), nada indica que o escritor bíblico cria que as árvores conversam entre si (cf. Jz.9:8-15; 2Rs.14:9), nada indica que Cristo pensava que as pedras falavam (cf. Lc.10:40), e da mesma forma nada indica que esse mesmo Jesus cria que corpos mortos que desciam ao Hades ganhavam vida literalmente (cf. Lc.16:19-31).

    As pessoas se esquecem que é comum a Bíblia personificar personagens inanimados, ainda mais em um contexto parabólico ou simbólico! Biblicamente, as árvores, sangue e trovões falam mais do que os mortos, que, quando falam, é em um contexto claramente metafórico, inserido em um contexto alegórico que dá margens a isso. Os meios de uma parábola nunca podem ser considerados literais e, por isso, o nosso próximo passo a partir de agora é descobrirmos o que representa cada elemento personificado na parábola do Lázaro.

    ENTENDENDO A PARÁBOLA

    A Bíblia não diz que o rico era um rico ímpio. Diz apenas que era “um homem ímpio e… morreu” (cf. Lc.16:22). E isso nunca, jamais, em circunstância nenhuma, pode ser considerado um “pecado” digno de lançar uma alma no fogo do inferno. Se fosse assim, então muitos homens por serem ricos deveriam partilhar do inferno também, incluindo Abraão, Isaque, Jacó, Jó, José de Arimateia, etc. Lembre-se que estamos analisando a parábola literalmente, como os imortalistas o querem que façamos para fundamentar uma doutrina bíblica. A parábola diz apenas que era um homem rico. Em momento nenhum diz que era um homem mau ou profano.

    E quanto a Lázaro? A situação piora ainda mais para o lado dos imortalistas, pois a parábola diz apenas que ele “era um homem pobre e… morreu”. Ora, jamais poderíamos pressupor que ser pobre ou mendigo é passaporte para a salvação. Não. A Bíblia não ensina, em nenhum lugar, que por ser pobre ou ter sofrido muitas dores, alguém tem a garantia celestial. Isso não é bíblico! E a parábola nada diz de ser Lázaro um mendigo do “bem”, diz apenas ser um mendigo. Pense: se o rico fosse uma representação de todos os justos e Lázaro representasse todos os ímpios (como querem os imortalistas), então não seria estranho que em momento nenhum Jesus dissesse que o rico era ímpio ou que o pobre Lázaro era justo?

    Afinal, isso seria da maior fundamental importância caso fosse este o caso que Cristo quisesse ilustrar. Se fosse este o caso, então nos seria dito claramente que o rico era ímpio e o mendigo era justo. Mas isso não nos é relatado, porque, como veremos, não era isso o que Jesus ilustrar. Ademais, se a parábola deve ser analisada literalmente, então deveríamos colocar todos os pobres no Céu e todos os ricos no inferno. Irmão, são parábolas, e parábolas não tem meios reais, jamais podem entendidas literalmente.

    Além disso, a parábola nos indica que Lázaro era do pior tipo de gente, com o corpo todo carcomido e cheio de chagas por uma doença terrível, presumivelmente a lepra. A obrigação, por Lei, de qualquer leproso (ou nestas condições do Lázaro da parábola) era de passar longe das demais pessoas e ainda gritar: “Imundo! Imundo!” (cf. Lv.13:44-46). Isto quando não eram apedrejados. Pobres criaturas!

    Agora continue imaginando o cenário: um rico, de alta classe, de repente se depara com esse pobre “farrapo” de gente, com cães lambendo as feridas em carne viva, devorada pela lepra. Qual seria sua reação? Deixaria ele comer da comida ou o expulsaria dali? Lembrem-se, pessoas como o pobre Lázaro nem mesmo podiam chegar perto de alguma pessoa da sociedade! Quanto mais comer das migalhas de algum homem rico!

    Qual seria sua atitude ao encontrar, na porta de sua casa um leproso, em tamanho avançado grau de enfermidade? Sua reação é uma incógnita, mas a do Rico da parábola, não. Não só o permitiu comer das migalhas, como também não o expulsou dali (o que estaria de acordo com a própria Lei dos judeus) e, além disso, pelo relato percebemos que tal fato deve ter durado dias de benevolência! Portanto, esse Rico da parábola não era um homem mau, mas bom, de coração e inclinado a fazer tal “caridade”.

    Ora, se Lázaro por ser mendigo foi para o Seio de Abraão, por que o rico também não foi, uma vez que não é nenhum “pecado” ser rico e esse da parábola demonstrou genuína humanidade? Por que o rico também não foi salvo, se a parábola deve ser analisada literalmente ou se a intenção de Cristo era representar os homens ímpios que vão para o inferno a partir dessa parábola? Se essa fosse a intenção de Cristo, deveríamos esperar que ele narrasse um homem rico completamente desumano, ímpio, ladrão, que merecesse verdadeiramente um inferno para si.

    Esperaríamos realmente a descrição de alguém que nem ao menos deixa o pobre comer das migalhas e que ainda o chutaria para fora, ou que consegue a sua riqueza por meios desonestos. Contudo, isso está muito longe de ser o caso! Ademais, se os salvos personificados pelo mendigo conversam com os ímpios no inferno, personificados pelo Rico, imaginemos, por exemplo, que você esteja no Céu, gozando a bem-aventurança, quando, de repente, você ouve gritos, e estes aumentam gradativamente.

    Você então contempla seu parente ou amigo no inferno, com o fogo o consumindo por completo, sob gritos e torturas horríveis. Medite: como você se sentiria, vendo-o do lado de lá, um amigo ou parente nesta condição terrível? Afinal, se a parábola deve ser analisada literalmente, então o Céu e o inferno são separados por uma “parede-de-meia”, certo? Ora, é impossível acreditarmos numa coisa dessas, mas tal cenário insuportável é o que deveríamos admitir em caso de aceitar que os meios da parábola são literais.

    Selecionei uma lista com apenas vinte de todos os absurdos a que chegaríamos caso fundamentássemos a parábola como uma doutrina bíblica:

    ERROS E CONSTATAÇÕES DA ANÁLISE LITERAL DA PARÁBOLA PELOS SEUS MEIOS

    1º Os mortos partem para o outro mundo não como “espíritos”, mas com o seu próprio corpo com dedos, línguas, etc.

    2º Os “espíritos” sentem sede (v.24).

    3º Ser rico é motivo de ser mandado ao inferno, apesar de ter demonstrado tão grande benevolência para com o pobre Lázaro e a própria parábola nada dizer de que o rico era um homem mau!

    4º Ser mendigo é passaporte para o Céu, uma vez que a parábola em nada indica que o mendigo era um homem justo ou que cria no Senhor.

    5º O Céu e o inferno ficam um bem do lado do outro (veríamos os nossos amigos ou parentes queimando lá do outro lado!).

    6º Apesar de haver um “abismo intransponível” entre ambas as partes, os salvos podem ficar conversando a vontade com os ímpios que estão queimando no inferno (vs. 25 e 26). A comunicação entre os justos do Céu e os ímpios do inferno é perfeitamente possível (poderíamos ficar conversando com os nossos amigos ou parentes enquanto estes estão entre as chamas de um fogo eterno e devorador).

    7º É possível falar perfeitamente como em uma conversa normal enquanto queima-se entre as chamas de um fogo verdadeiro (vs. 23-31).

    8º O mediador não é Jesus, mas Abraão, para atender o chamado do rico (ver 1ª Timóteo 2:5; João 14:6; Efésios 2:18, etc).

    9º Usando a mesma lógica que os imortalistas usam com a análise literal dos meios de uma parábola, concluímos que as árvores falam (cf. 2ª Reis 14:11).

    10º O rico pedia que Lázaro molhasse apenas a língua dele enquanto queimava entre as chamas, ao invés de lhe dar um verdadeiro “banho de água”!

    11º Se os mortos justos partem para o “Seio de Abraão” na morte, para onde partiu Abraão quando morreu?

    12º Para onde iam os que morriam antes de Abraão?

    13º Caim inaugurou o tormento do Hades e está queimando há seis mil anos até hoje.

    14º Os meios de uma parábola são reais e, portanto, deveríamos chegar à infeliz conclusão de que Deus é um juiz mau que nem ao homem respeita (meios da parábola de Lucas 18:1-8).

    15º Os meios de uma parábola são reais e, portanto, deveríamos chegar à infeliz conclusão de que a Bíblia aprova a prática de administração desonesta (meios da parábola de Lucas 16:1-12).

    16º Os meios de uma parábola são reais e, portanto, deveríamos chegar à infeliz conclusão de que Deus é um homem severo que ceifa onde não semeou e ajunta onde não espalhou (meios da parábola de Mateus 25:24).

    17º Se o Hades/Sheol é o inferno ou algum local de tormento, então Jacó foi sepultar o seu filho José no inferno (cf. Gn.37:35).

    18º Se o Hades/Sheol é alguma “morada de espíritos”, então Davi estava enganando-se a si mesmo e aos outros ao escrever que são os ossos que descem ao Sheol (cf. Sl.141:7 – “Sheol”, no original hebraico).

    19º Como explicar que na própria lição moral da parábola (ou seja, o que realmente devemos retirar dela como fonte de doutrina teológica), o personagem Abraão fala em “ainda que ressuscite alguém dentre os mortos” (vs. 30 e 31), confirmando que só a ressurreição é o caminho do retorno de quem morreu à existência?

    20º O rico reconhece Abraão (v.23), o que demonstra que tinha familiaridade com ele, mas na própria parábola Abraão cita Moisés (v.29), que é de séculos posteriores.

    É evidente, portanto, que se trata de mera parábola e como as outras devemos tirar dela a sua lição moral e não analisá-la literalmente e muito menos podemos sair por aí fundamentando importantes doutrinas bíblicas edificando-as sobre meios de parábolas! Assim como na parábola de 2ª Reis a lição não era que as árvores falam, mas cada elemento tem o seu devido significado, assim também o é na parábola do rico e Lázaro. O nosso próximo passo, então, será desvendarmos o que cada um representava na parábola. Antes, porém, um pequeno adendo para a refutação de outros argumentos imortalistas comumente enfrentados.

    AS CONTRADIÇÕES IMORTALISTAS

    As contradições imortalistas – Os imortalistas, ao sustentarem essa parábola como sendo real e literal quando querem refutar os mortalistas, incorrem em uma série de contradições bíblicas com a doutrina deles mesmos. Um dos exemplos mais claros que podemos citar é a interpretação deles sobre o “espírito” que volta a Deus após a morte. À luz da Bíblia, esse espírito nada mais é senão o sopro de vida que volta a Deus após a morte porque provém dEle, mas os imortalistas precisam sustentar que esse espírito que volta para Deus é a própria alma imortal, um ser consciente com personalidade que vai para o Céu imediatamente após a morte.

    Sendo assim, a interpretação deles de textos como Eclesiastes 12:7 é de que logo ao morrermos nossa alma deixa o corpo e vai para a presença de Deus. Mas, sabendo que Deus está no Céu, como é que nesta parábola Abraão e Lázaro estavam no Hades, que fica nas profundezas da terra e não no Céu, como o próprio Senhor Jesus deixou claro em Mateus 11:23? Pois ele disse: “E tu, Cafarnaum, será elevada até ao Céu? Não, você descerá até o Hades! Se os milagres que em você foram realizados tivessem sido realizados em Sodoma, ela teria permanecido até hoje” (cf. Mt.11:23).

    Se o Hades não é o Céu, mas fica em oposição a este (um está “acima” de nós e outro “abaixo”) e o espírito volta a Deus após a morte (cf. Ec.12:7), como é que Abraão, Lázaro e o rico estavam no Hades na parábola, e não no Céu ou em alguma dimensão celestial? Isso fica claro na própria parábola, que diz:

    “No Hades, onde estava sendo atormentado, ele olhou para cima e viu Abraão de longe, com Lázaro ao seu lado” (cf. Lucas 16:23)

    Como vemos, o rico estava no Hades, e não com Deus nas regiões celestiais. E Abraão, por sua vez, também não poderia estar no Céu, porque estava tão próximo do rico que podia vê-lo e conversar com ele! Se tudo isso se passava no Hades, que para os imortalistas é um local embaixo da terra onde espíritos sobrevivem conscientemente à parte do corpo, como conciliar isso com o texto de Eclesiastes 12:7, que diz que o espírito volta para Deus na morte, e não que desce ao Hades? Na teologia bíblica mortalista é fácil responder a esta pergunta, pois o Hades é uma figura da sepultura para onde vamos ao morrer, e o espírito não é uma “alma imortal” ou um ser consciente e racional à parte do corpo, mas apenas o sopro de vida de Deus.

    Mas como os imortalistas interpretam que a alma é imortal e o espírito é uma entidade consciente, teriam que explicar como é que o espírito sobe para Deus, como disse Salomão (cf. Ec.12:7), Jesus (cf. Lc.23:46) e Estêvão (cf. At.7:59), e a alma vai parar no Hades, que é onde estavam Abraão e Lázaro nesta parábola. Ou eles interpretam a parábola alegoricamente (como deveriam fazer) ou é a própria teologia deles próprios que vai por água abaixo.

    Outra passagem que refuta a interpretação imortalista de Lucas 16 é a de Hebreus 9:27, que diz que imediatamente após a morte segue-se o juízo, e não o Céu ou o inferno. Ou seja: a próxima experiência consciente que alguém desfrutará após a morte será o imediato encontro com o tribunal de Cristo (para os justos) ou o grande trono branco (para os ímpios). Mas nessa parábola contada por Cristo não há qualquer menção ao juízo seguindo-se à morte. Não é nos dito que o rico morreu, foi julgado e depois condenado a sofrer no Hades, mas que ele foi direto para o Hades. Sendo assim, ou o autor de Hebreus errou ao dizer que logo após a morte vem o juízo, ou a parábola não é uma história real contada por Jesus, mas uma alegoria.

    Ora, sabemos que este juízo só ocorrerá na volta de Jesus (cf. 2Tm.4:1) e que os ímpios só serão julgados após o término do milênio (cf. Ap.20:11-15), seguindo-se, portanto, que o rico não foi literalmente enviado ao Hades conscientemente para ser atormentado, mas espera o dia do juízo, que é de fato a próxima experiência que alguém tem depois de morrer. Portanto, as verdades literias da Bíblia anulam qualquer possibilidade de essa parábola ser um acontecimento real ou retratar algo que de fato ocorra com alguém após a morte, e de quebra põe a própria teologia imortalista em confusão consigo mesma.

    REFUTANDO CONTRA-ARGUMENTOS

    A contra-argumentação mais famosa utilizada pelos imortalistas é que, mesmo que Lucas 16 seja uma parábola e não necessariamente precise relatar meios literais, a imortalidade da alma deve mesmo assim ser considerada através desta passagem porque Jesus não iria “confundir” os seus ouvintes judeus incrédulos, que poderiam pensar que realmente aquele estado intermediário existia. Para eles, se aquela descrição da parábola fosse fictícia, isso causaria enorme confusão na mente daquelas pessoas

    Responder
  • valdir antonio passos disse:

    REFUTANDO CONTRA-ARGUMENTOS

    A contra-argumentação mais famosa utilizada pelos imortalistas é que, mesmo que Lucas 16 seja uma parábola e não necessariamente precise relatar meios literais, a imortalidade da alma deve mesmo assim ser considerada através desta passagem porque Jesus não iria “confundir” os seus ouvintes judeus incrédulos, que poderiam pensar que realmente aquele estado intermediário existia. Para eles, se aquela descrição da parábola fosse fictícia, isso causaria enorme confusão na mente daquelas pessoas e muitos poderiam tomar aquilo como sendo um retrato da verdade. A vista deste argumento, temos que fazer as seguintes considerações:

    1º Em primeiro lugar, o povo daquela época, diferentemente do atual, já estava habituado com o uso de parábolas e sabiam que elas não poderiam ser levadas ao pé da letra. Jesus só lhes falava por meio de parábolas (cf. Mt.13:34), e, se eles fossem literalizar cada uma delas, poderiam ter depreendido vários erros teológicos dos quais já constatamos aqui, como, por exemplo, a alegação de que Deus é um juiz ímpio (cf. Lc.18:2), que colhe onde não semeou (cf. Mt.25:24), que obriga as pessoas a irem para o Céu (cf. Lc.14:23), ou que aprova a prática da administração desonesta (cf. Lc.16:8). Mas nunca vemos alguém acusando Jesus por insinuar que ele aprovava a administração desonesta, que colocava um caráter ímpio em Deus ou que não respeitava a nossa própria liberdade. Portanto, podemos perceber claramente que o próprio povo da época entendia que as parábolas não podiam ser interpretadas literalmente. Se eles não faziam isso com as outras parábolas, também não iriam aplicar este princípio na do rico e Lázaro para serem “confundidos”!

    2º Em segundo lugar, se Jesus não poderia fazer uso dessa parábola em função da “confusão” que causaria em seus ouvintes, então ele não obteve tanto sucesso, visto que o Hades que ele mencionou era totalmente diferente daquele que é crido hoje pelos imortalistas. Por exemplo, na parábola Céu e inferno ficam lado a lado, já na teologia imortalista ficam em dimensões diferentes. Na parábola, os salvos e os perdidos conversam numa boa, já na teologia imortalista não há contato entre os salvos e perdidos que se foram. Na parábola, o rico tinha um corpo físico com língua, dedos, e sentia sede. Já na teologia imortalista, é apenas um espírito incorpóreo que desce ao Hades. Sendo assim, se este argumento imortalista realmente procede, certamente se volta contra eles mesmos quando analisado mais de perto.

    3º Em terceiro lugar, temos que ressaltar que Jesus não estava contando essa parábola aos incrédulos (multidão), mas aos seus próprios discípulos. Isso por si só já fulmina com esse argumento imortalista, pois, se Cristo contou essa parábola aos seus próprios discípulos (e estes já estavam muito bem doutrinados por Cristo), não haveria possibilidades de “confundir a multidão” que vivia em trevas. Podemos perceber que Jesus falava em particular com os seus discípulos e não com toda a multidão através da leitura do verso seguinte, que deixa claro que Jesus estava falando “aos discípulos” – Lucas 17:1. Temos que lembrar que o original da Bíblia não continha a divisão por capítulos e versículos, e, portanto, Lucas 17:1 era simplesmente a continuação direta e imediata do relato descrito até o verso 31 em Lucas 16, que deixa evidente que a conversa era entre Jesus e seus discípulos, e não entre Jesus e a multidão.

    4º E, em quarto lugar, devemos lembrar que seus discípulos, evidentemente, já eram muito bem doutrinados por Cristo, e portanto não teriam qualquer problema com essa parábola. O pastor adventista Valdeci Junior costuma contar aos seus ouvintes uma história semelhante a que Jesus contou em Lucas 16:19-31, dizendo:

    «Certa vez, morreram, na mesma hora, em lugares diferentes mas não muito distante um do outro, dois homens. O primeiro era um senhor simples, sem estudos, motorista de ônibus na pequena região onde morava. Era conhecido de todos, principalmente pela má execução de sua tarefa profissional. Era muito, mas muito barbeiro. Foi assim a vida toda, até que morreu em acidente de transito. O segundo homem era o pastor da cidadela.

    Pois bem, chegaram na porta do céu praticamente juntos. São Pedro atendeu primeiro o motorista. No questionário de admissão para entrar no céu, quando São Pedro queria saber quem ele era, aquele homem começou a explicar: eu sou aquele conhecido motorista de ônibus, da empresa tal, de tal cidade, e tal e tal… Ah, ta! Disse São Pedro. Você é o motorista barbeiro! “Justamente”, respondeu o homem! Pois bem! Disse São Pedro. Entre! O Céu é todo seu!

    O pastor, que estava assistindo a entrevista enquanto esperava para ser também atendido, pensava: “Se este homenzinho foi admitido ao Céu, imagine eu, o pregador”.

    São Pedro se virou para o pastor: “Você é o próximo?”

    “Sim”, respondeu o pastor, todo empolgado: “Sou o pastor, da mesma cidade deste barbeiro que acabou de entrar…”

    São Pedro cortou: “Olha, eu sei quem você é. Infelizmente, você não tem entrada livre ao Céu. Não poderá ficar aqui”.

    “Mas como?”, contestou o pastor. “Este homenzinho ignorante, iletrado, que fazia seu trabalho mal feito, que não pregava, que vivia dando prejuízo pra empresa, que sempre deixava todos os seus passageiros tensos e temerosos, vai entrar no Céu, e eu, o pregador, que vivia na igreja, que falava da palavra de Deus, que procurava deixar todos em paz, não poderei entrar?”

    “É justamente nesta diferença que está a razão da rejeição de sua entrada em face da admissão do motorista”, respondeu São Pedro.

    “Não entendi”, disse o pregador.

    O apóstolo porteiro do Céu explicou: “É que enquanto você estava na igreja, com seus sermões sem vida, colocando todos os seus fiéis para dormir, o motorista estava colocando todos os seus passageiros para rezar”»

    Depois que ele conta a história, ainda antes de revelar ao auditório qual será o assunto do dia, começa a perguntar às pessoas quais são as lições que elas tiraram desta história. É interessante notar alguns pontos da reação do auditório. Assim que termina a história, os ouvintes sorriem e vão fazendo a lista das lições aprendidas:

    “Nem todo o que me diz Senhor, Senhor entrará no reino dos céus”
    “Os simples também têm entrada no Céu”
    “É melhor a devoção do que o formalismo”
    “Ser pastor não garante a salvação”
    “O pregador deve fazer bons sermões”
    “O Céu não admite só pela aparência”
    “As aparências enganam”
    “Devemos vigiar e orar”

    E por aí vai…

    Interessante é que absolutamente ninguém até hoje diz que viu nesta história lições como:

    “São Pedro está lá na porta do Céu esperando por nós”
    “Antes de entrarmos no Céu teremos que passar por uma entrevista”
    “Assim que morremos chegamos ao Céu”
    “Pode ser que cheguemos à porta do Céu e não sejamos admitidos”
    “A alma é imortal”

    Ninguém se escandaliza por isso ou ridiculariza a história. Esperam então que ele introduza o assunto da palestra baseado em alguma das lições que conseguiram tirar dela. Começam a imaginar qual será o tema da noite. Jamais pensam que ele iria falar da parábola do rico e do Lázaro. Ele se aproveitou de uma crendice popular apenas como um cenário onde se passava uma historia inventada, a fim de ensinar algumas lições. Por que?

    1º O auditório sabe que esta não é uma historia verdadeira.

    2º Eles conhecem a crendice popular de que quem morre vai pro Céu, e na entrada encontra São Pedro.

    3º Eles não creem nesta crendice como doutrina. Sabem que isto não é verdade (ele já conhece o auditório e sabe que eles creem como ele crê, sobre o destino do homem após a morte).

    4º O auditório vai conseguir captar as lições que ele quer ensinar com mais facilidade, pois, através de uma metáfora, está figurando o ensino. Isto é didática. A primeira vez que ele ouviu esta historia, ela foi contada por um palestrante que não cria na imortalidade da alma, para um publico que também não cria. Na ocasião, todos entenderam a mensagem. A questão de mortalidade ou imortalidade nem foi cogitada por ninguém. Não era este o assunto.

    Isto foi o que Jesus fez. Ele se utilizou de um cenário popular como um fundo fictício onde se passava a parábola do rico e Lázaro, na qual ele ensinou aos seus discípulos as lições morais que iremos analisar a partir de agora. Isso obviamente não confundiria os discípulos nem a ninguém que entendesse um pouco de Bíblia para saber que a natureza humana é holista, que a morte é a cessação da existência e a ressurreição é o antídoto para a vida eterna, tanto quanto a palestra do pastor Valdeci Junior, que vimos acima, não levou ninguém a tirar a conclusão de que aquela história ensina a imortalidade da alma, nem tampouco chegou a “confundir” alguém.

    O SIGNIFICADO DOS ELEMENTOS DA PARÁBOLA

    O homem rico representava a nação judaica, que se orgulhava de se auto-considerar “os filhos de Abraão” (cf. Jo.8:33). Eram o povo escolhido de Deus, a nação eleita, sacerdócio real, tinham a Lei de Deus, os Mandamentos, eram os filhos legítimos de Abraão. Deus lhes computou todas as responsabilidades do Reino como os Seus filhos, como a Sua nação eleita.

    Contudo, rejeitaram o Messias, rejeitaram o Filho de Deus encarnado, preferiram seguir os seus caminhos e as suas tradições, fundamentando-as na segurança de serem os filhos de Abraão, a nação de Jeová e, portanto, os filhos legítimos do Reino. Em contraste, como eles consideravam os gentios? Os consideravam como os coitados, considerados como cães, imundos e indignos do favor do Céu, pelos judeus. Não foram os “escolhidos de Deus”, eram, portanto, os “Lázaros espirituais”.

    Enquanto os judeus receberam tudo de bom nesta vida, recebendo o favor de Deus como a nação eleita e sacerdócio real, para lhes ser computada como justiça, os gentios (representados pelo mendigo Lázaro) eram os “pobres” do Reino. Ficavam para trás, o máximo que faziam era “comer as migalhas” daqueles que faziam parte do Reino, os judeus, representados pelo Rico.

    Como o rico, os judeus não estendiam a mão para auxiliar os gentios em suas necessidades espirituais. Permitia apenas comer das migalhas. Cheios de orgulho, consideravam-se o povo escolhido e favorecido de Deus; contudo, não serviam nem adoravam a Deus. Depositavam confiança na circunstância de serem filhos de Abraão, dizendo: “Somos descendência de Abraão” (cf. Jo.8:33), e diziam isso orgulhosamente.

    Assim, foram os judeus comparados ao homem Rico da parábola, pelo fato de que possuíam as riquezas do evangelho, mas, no entanto, não cumpriram a vontade de Deus a respeito deles, que era de ser a luz dos gentios. No campo religioso, os pobres gentios pegavam mesmo apenas as migalhas. Uma cena que exemplifica bem esse quadro encontra-se no evangelho de Mateus:

    “E, partindo Jesus dali, foi para as bandas de Tiro e Sidom. E eis que uma mulher cananéia, que saíra daquelas cercanias, clamou dizendo: Senhor, filho de Davi, tem misericórdia de mim, que minha filha está miseravelmente endemoniada. Mas Ele não lhe respondeu palavra. E os discípulos, chegando ao pé dEle, rogaram-lhe dizendo: Despede-a, que vem gritando atrás de nós. E Ele respondendo disse: Eu não fui enviado senão às ovelhas perdidas da casa de Israel. Então chegou ela e adorou-O dizendo: Senhor, socorre-me. Ele porém, respondendo disse: Não é bom pegar no pão dos filhos e deitá-lo aos cachorrinhos. E ela disse: Sim, Senhor, mas também os cachorrinhos comem das migalhas que caem da mesa dos seus senhores. Então respondeu Jesus, e disse-lhe: Ó mulher, grande é a tua fé: Seja isto feito para contigo como tu desejas. E desde aquela hora a sua filha ficou sã” (cf. Mateus 15:21-28).

    Aquela mulher cananéia (gentios) também queria compartilhar das “migalhas” da mesa, assim como o mendigo Lázaro. Uma descrição perfeita daquele cenário. O que Jesus fez? Elogiou a sua fé. Apesar de ele ter sido chamado para a “casa de Israel”, ficou impressionado com a fé dos gentios, pois “nem mesmo em Israel encontrou tamanha fé”. Aquela gentia contentava-se em comer das migalhas da mesa, como é o caso de Lázaro na parábola.

    Outro exemplo disso encontra-se em Mateus 8:5-13. Nesta experiência, o centurião expressou exatamente o que os judeus pensavam dos gentios: “Não sou digno de que entreis em minha casa”(v.8). No entanto, o centurião demonstrou grande fé quando disse: “Diga somente uma palavra e meu criado sarará” (v.8). Jesus curou o servo daquele gentio e publicamente elogiou sua fé com estas palavras: “Nem mesmo em Israel encontrei tanta fé” (v.10), e, por fim, assegurou que muitos gentios irão se assentar na mesa com Abraão (cf. Gl.3:27-29; Rm.10:12).

    Apesar de serem considerados “a descendência de Abraão”, os gentios demonstravam uma fé muito superior do que a dos próprios israelitas! Embora estes fossem “os ricos do Reino”, devendo ser a luz das nações e os reis da terra deveriam caminhar vendo a glória de Deus que paira sobre eles (cf. Is.60:3), não aproveitaram essa sua riqueza. Os gentios, contudo, mesmo sendo os “Lázaros espirituais”, desprezados pelos judeus por não serem os “filhos de Abraão”, demonstraram uma fé muito superior a dos próprios judeus.

    No pátio do Templo de Jerusalém havia uma linha demarcatória que, no caso de ali algum gentio passar, morria imediatamente (cf. At.21:29), isso porque eram considerados indignos pelos judeus de cultuar a Deus no Seu Templo. Portanto, Cristo quis ensinar nesta parábola que os judeus (Rico) banqueteavam-se na mesa da verdade, enquanto os gentios (Lázaro), eram como os cachorrinhos que procuravam a todo custo apanhar ao menos das migalhas do evangelho.

    E, de fato, eles passaram a fazer parte da mesa de Deus, unidos em “um só povo” (cf. Jo.11:52). Isso serviu de lição moral ao grupo dos fariseus, que eram exatamente aqueles a quem Cristo condenava nesta parábola (v.14,15). A maior prova de que o Rico (nação judaica) recebeu “seus bens em sua vida”, como nos informa a parábola, foi o fato de ter sido chamada para ser o sacerdócio real de Deus na Terra, nação santa, peculiar.

    Sobre ela o Senhor dispensou, por séculos, bênçãos sem limites, além de dar-lhes uma terra onde mana leite e mel e, finalmente, deu-lhes o próprio Messias, o Salvador. A reação do rico (judeus), contudo, foi esta: “Veio para o que era seu, e os seus não o receberam” (cf. Jo.1:11). Os judeus, portanto, rejeitaram o Messias (o Rico morre). Assim sendo, perderam a soberania divina sobre as demais nações.

    O evangelho haveria de ser então anunciado em seu poder aos gentios (Lázaro), a fim de que também eles participassem da mesa do Reino. Não comeriam mais migalhas da mesa do Senhor, mas fariam parte do banquete do Reino (cf. Lc.13:29). O que Jesus faz? Ele tira do próprio Abraão, sobre o qual aquela nação judaica se orgulhava em sua chamada “superioridade”, as palavras que este haveria de ter dito em pessoa: “Se não ouvem a Moisés e aos profetas, tampouco acreditarão, ainda que algum dos mortos ressuscite” (cf. Lc.16:31).

    Essa é a lição moral da parábola. Nada, nem mesmo uma ressurreição, poderia converter aquela nação novamente. Tornaram-se cegos espirituais, cavaram-se a si mesmo um abismo intransponível entre eles e Deus, entre eles e a salvação (cf. Lc.16:26). A parábola, portanto, não deve ser interpretada literalmente pelos seus meios fundamentando-a como doutrina, pelo contrário, tem cada elemento o seu devido significado ao exemplo das outras parábolas que também não apresentam meios literais, mas uma verdade moral por detrás de um cenário fictício.

    Ele contou a parábola do Rico e do Lázaro, em que o homem rico representava o próprio povo judeu que teve todas as oportunidades nesta vida, mas a desperdiçou, enquanto, em contraste, os gentios (representados por Lázaro na parábola) eram os “Lázaros espirituais”, desprezados pelos judeus, mas que desfrutariam de muito maior bem-aventurança do que a própria nação judaica que se autoproclamava os “filhos de Abraão”. O quadro todo representava aquela nação judaica que se orgulhava por serem os filhos de Abraão escolhidos de Deus (representados pelo Rico), quando, na verdade, os que são da fé é que são os verdadeiros filhos de Abraão (representados pelo pobre Lázaro), como disse o apóstolo Paulo: “Estejam certos, portanto, de que os que são da fé, estes é que são filhos de Abraão” (cf. Gl.3:7).

    Por fim, a lição moral da parábola é que, “se não ouvem a Moisés e aos profetas, tampouco acreditarão, ainda que algum dos mortos ressuscite” (cf. Lc.16:31). Os fariseus desprezavam Jesus, não acreditavam nele, o perseguiam, apesar de todos os feitos milagrosos de Cristo, incluindo o de ressuscitar os mortos. Jesus havia ressuscitado exatamente um homem chamado Lázaro (cf. Jo.11:43,44), que havia voltado à vida após quatro dias em que esteve morto, mas nem mesmo assim os fariseus acreditaram nele, e ainda continuavam a o perseguir!

    Os que não escutam Moisés e os profetas também não vão acreditar em Cristo, nem mesmo se os mortos ressuscitarem. De fato, essa verdade foi ainda mais ressaltada pela reação dos dirigentes dos judeus quando Jesus ressuscitou Lázaro, no relato de João 11. Ao invés de eles passarem a acreditar em Cristo, começaram a persegui-lo ainda mais do que antes:

    “Depois os principais dos sacerdotes e os fariseus formaram conselho, e diziam: Que faremos? Porquanto este homem faz muitos sinais. Se o deixarmos assim, todos crerão nele, e virão os romanos, e tirar-nos-ão o nosso lugar e a nação (…) Ora, os principais dos fariseus tinham dado ordem para que, se alguém soubesse onde ele [Jesus] estava, o denunciassem, para o prenderem” (João 11:47-48,57)

    “E os principais dos sacerdotes tomaram a deliberação para matar também a Lázaro; porque muitos dos judeus, por causa dele, iam e criam em Jesus” (João 12:10-11)

    Então, Cristo ensina que para aqueles que se proclamavam os “filhos de Abraão”, nenhuma prova – nem mesmo sequer uma ressurreição, como foi a de Lázaro – os fariam mudar de opinião e converter-se. O próprio Abraão que os condenava!

    Jesus não estava dizendo que literalmente algum morto teria que voltar a vida para contar sobre os tormentos do Hades, convertendo assim aquela nação judaica, pois a Bíblia traz um relatório de sete pessoas que foram levantadas dentre os mortos (cf. 1Rs.17:17-24; 2Rs.4:25-37; Lc.7:11-15; 8:41-56; At.9:36-41; 20:9-11), mas absolutamente nenhuma delas teve uma experiência de pós-morte para compartilhar. Lázaro, que foi trazido à vida após quatro dias morto não teve nenhuma experiência fora do corpo, e muito menos alguma “mensagem” para trazer a família nenhuma.

    O que Jesus estava fazendo era uma exortação à comunidade: ouvirem a Moisés e aos profetas (i.e, a Escritura da época), antes que seja tarde demais. Isso porque as tradições humanas daquele povo já estavam se sobrepondo a “Moisés e os profetas”, já estavam tomando o lugar da Sagrada Escritura (cf. Mc.7:13). Se considerando filhos de Abraão (Rico) que são beneficiados no banquete do Reino de Deus, desprezavam os gentios (Lázaro), que tinham que comer das migalhas que caíam de suas mesas. Mas este quadro estava se revertendo. A partir do período da Graça, eram os gentios que desfrutariam das bem-aventuranças do Reino, ao passo que aqueles que se apoiavam na descendência natural de Abraão seriam condenados pelo próprio Abraão.

    CONCLUSÃO

    A parábola apresenta através de meios não-literais (fictícios) diversos princípios morais que estavam sendo rejeitados pelos judeus da época de Cristo, em especial o repúdio aos gentios, que haveriam de desfrutar muito maior bem-aventurança que os próprios judeus. Eles “virão do oriente, e do ocidente, e do norte, e do sul, e assentar-se-ão à mesa no reino de Deus” (cf. Lc.13:29), junto a Abraão e os patriarcas (cf. Lc.13:28), enquanto os incrédulos ficarão de fora:

    “Ali haverá choro e ranger de dentes, quando virdes Abraão, e Isaque, e Jacó, e todos os profetas no reino de Deus, e vós lançados fora. E virão do oriente, e do ocidente, e do norte, e do sul, e assentar-se-ão à mesa no reino de Deus” (cf. Lucas 13:28-29)

    O quadro descrito em Lucas 13:28-29 é tipificado na parábola do Rico e Lázaro. Na parábola, o pobre, representando a multidão de gentios convertidos, está ao lado de Abraão (cf. Lc.16:22), exatamente como em Lucas 13:28, ao passo que os incrédulos estão de fora do Reino, o que também é tipificado na parábola (cf. Lc.16:23). Assim como em Lucas 13:28-29, na parábola os gentios convertidos representados por Lázaro desfrutam das bem-aventuranças do Reino como em um verdadeiro banquete, após terem desfrutado apenas das “migalhas” enquanto estiveram aqui na terra (cf. Lc.16:21).

    Sendo assim, podemos dizer que a parábola do Rico e Lázaro é uma tipificação do ensino de Cristo descrito em Lucas 13:28-29, mas com maior riqueza de ensinos morais a serem obtidos dela, como vimos acima. Note que o verbo em Lucas 13:28-29 está em todo o momento no tempo futuro. Cristo diz que “haverá” choro e ranger de dentes (v.28), e não que está havendo choro e ranger de dentes. Da mesma forma, diz que muitos virão do oriente e do ocidente para fazerem parte do Reino, e não que já estejam lá (v.29). Eles se assentar-se-ão à mesa de Deus, como em um acontecimento futuro (v.29).

    Portanto, aquilo que acontecerá futuramente foi tipificado na parábola do Rico e Lázaro, não de forma literal, mas com a personificação dos personagens ali citados e transmitindo um ensinamento moral aos seus discípulos. A parábola em si não é a descrição de como será o pós-vida, mas uma tipificação desta. Na parábola é tipificado aquilo que virá a ser, isto é, gentios de todas as nações fazendo parte do Reino junto a Abraão, incrédulos de fora, reforço ao apego às Escrituras (“Moisés e os profetas” – cf. Lc.16:31) e a rejeição à incredulidade dos líderes dos judeus. De fato, à exemplo da lista de lições aprendidas na história do pastor Valdeci Junior, podemos listar também aquilo que aprendemos com a parábola do Rico e Lázaro:

    1º Que, diferentemente dos fariseus que pensavam que as riquezas eram um sinal da aprovação divina (e estes eram extremamente apegados ao dinheiro – cf. Lc.16:14), haverão homens ricos (v.19) que estarão de fora do Reino (vs.22-23).

    2º Que, diferentemente da crendice popular de que a pobreza e a doença eram coisas do diabo, haverão homens extremamente pobres e doentes que serão salvos (vs.20-21).

    3º Que os gentios que na época comiam apenas das migalhas passarão a desfrutar da mesa do Reino de Deus ao lado de Abraão (v.21).

    4º Que o simples fato de se apoiar na descendência natural de Abraão em nada significa que é realmente filho de Deus (v.24).

    5º Que os que desprezam a Cristo estão cavando para si mesmos um “abismo intransponível” entre eles e Deus (v.26).

    6º Que nem todo aquele que reivindica para si mesmo o direito de ser chamado filho de Abraão ou de Deus é realmente um convertido (vs.24-25).

    7º Que a ressurreição é o único caminho para quem morreu voltar à existência (v.31).

    8º Que até mesmo um grande sinal miraculoso como ressuscitar os mortos não é suficiente para fazer que os descrentes creiam em Cristo Jesus (vs.30-31).

    9º Que a oportunidade de salvação se limita ao “hoje”, e não depois da morte, quando nada mais pode ser feito (v.s.24-31).

    10º Que a Sagrada Escritura (“Moisés e os profetas” – v.31) é o único meio através do qual um incrédulo pode se se arrepender e se converter de seus maus caminhos.

    Na parábola do Rico e Lázaro, Cristo mostra que é nesta vida os homens decidem seu destino eterno, porque, depois, será apenas por meio da ressurreição que voltaremos à existência (cf. Lc.16:31) e seremos ressurretos para a vida eterna ou para a condenação (cf. Jo.5:28-29), de acordo com os atos praticados em vida (cf. 2Co.5:10), sem segunda chance após a morte (cf. Hb.9:27). Durante o presente momento, essa salvação é oferecida por Deus a toda criatura, sem distinção entre ricos e pobres, judeus ou não-judeus. Mas, se os homens desperdiçam as oportunidades se apoiando em tradições humanas antes que nas Escrituras, acabam por si mesmos cavando entre eles e Deus um abismo intransponível.

    Responder
  • lucas guilherme disse:

    Vamos por parte…É muito texto para tentar provar algo simples não é mesmo? A Bíblia diz que não é pelo muito falar…Mas tudo bem vamos lá!
    Dizer que a história é uma parábola ou não, realmente é discutível…Tudo indica que é uma história real pelos 3 motivos:
    1- O uso de nomes(não só o de Abraão, mas também o do mendigo Lázaro), talvez não disse o do rico por se tratar de alguém famoso.
    2- O texto não diz que é uma parábola.(Mat 13:24)
    3- Não ha comparações nesta história como nas outras parábolas.(Mat 13:24)

    A sua interpretação do mendigo a porta é puro achismo que pode ser questionado de diversas formas, além disso você distorceu a bíblia quando afirmou : “além disso, ainda deixava que comesse das migalhas de sua mesa?”; observe o versículo 21 que diz que: E desejava alimentar-se com as migalhas que caíam da mesa do rico;(Luc 16:21)
    Esta provado que o seu texto é achismo sem contexto e distorção da bíblia.

    Outro erro grotesco da sua parte foi essa afirmação: “Em Lucas 12:41 os seus discípulos interpretaram um ensinamento de Cristo como sendo uma parábola,mas em lugar nenhum vemos Cristo dizendo que aquilo era uma parábola(ver Lucas 12:35-41).” Releia o capítulo em questão e vera que Jesus faz diversas comparações, deixando obvio se tratar de parábolas, exemplo: E sede vós semelhantes aos homens que esperam o seu senhor…, Já aqui em Lucas 16:19 não ha comparações…

    Pra não cair no mesmo erro que o seu de escrever um texto gigantesco, vou simplificar pra você o por que de Lucas 16:19 independente se é parábola ou história real ensina sobre o que acontece após a morte.

    O simples fato de Jesus nunca ter usado uma mentira ou um folclore, lenda ou doutrina pagã como fundo de uma parábola…desde quando Jesus fez parábolas com doutrinas pagãs?Jesus ensinaria a ressureição pregando a reencarnação? Em todas as suas parábolas Jesus nunca usou uma mentira como fundo.

    Você disse o cumulo do absurdo de dizer que as pessoas no dialogo não estavam mortas, distorcendo a bíblia de novo..Vejamos o texto; E aconteceu que o mendigo morreu, e foi levado pelos anjos para o seio de Abraão; e morreu também o rico, e foi sepultado(Luc 16:22).

    Mais uma vez você distorce a Bíblia dizendo: “…e pede água para matar a sede (cf. Lc.16:24). A própria sede é uma característica do corpo, e não de um espírito “imaterial”, “fluídico”.”
    O texto não menciona em nenhum momento que o rico estava com sede e sim que ele queria se refrescar por que estava em tormentos na chama.(Luc 16:24)

    Outra distorção absurda é dizer que o espírito não pode ter olhos ou boca por não ser de carne e ossos, veja as suas palavras: “Jesus disse claramente que um espírito não tem nem carne e nem ossos (cf. Lc.24:39)”.
    Vamos ver o que a Bíblia ensina a respeito de corpos:Semeia-se corpo natural, ressuscitará corpo espiritual. Se há corpo natural, há também corpo espiritual.(1 Cor 15:44).Basta olhar para o próprio Deus que é espírito e possui todas as características dos seres humanos como boca, olhos, etc..Assim como os anjos, querubins, serafins…

    Se ler mais o seu texto da pra ver um monte de distorção da bíblia.
    Lucas 16 não é o unico meio de provar a vida após morte, existem diversas passagens:
    E não temais os que matam o corpo e não podem matar a alma; temei antes aquele que pode fazer perecer no inferno a alma e o corpo.(Mat 10:28)
    …e vi as almas daqueles que foram degolados pelo testemunho de Jesus…(AP 20:4)
    …vi debaixo do altar as almas dos que foram mortos por amor
    da palavra de Deus e por amor do testemunho que deram.(AP 6:9)
    Alias o livro de apocalipse foi escrito com João ausente do seu corpo…(AP 1:10)

    A alma é disputada pelo diabo

    Mas Deus lhe disse: Louco! esta noite te pedirão a tua alma; e o que tens preparado, para quem será?(Luc 12:20)

    *A alma e o espirito sobrevivem a morte do corpo

    E o pó volte à terra, como o era, e o espírito volte a Deus, que o deu.(Ec 12:7)
    O espírito voltar a Deus significa estar sob o seu julgo e não necessariamente que todos vão pro céu.(Heb 9:27)

    *A eternidade da alma

    Para a alma, esta determinado a vida eterna ou morte(separação de Deus) eterna:

    E irão estes para o tormento eterno, mas os justos para a vida eterna.(Mat 25:46)
    Pois não deixarás a minha alma no inferno, nem permitirás que o teu Santo veja corrupção.(Sal 16:10)

    *A alma sai do corpo:

    Então se estendeu sobre o menino três vezes, e clamou ao SENHOR, e disse: Ó SENHOR meu Deus,
    rogo-te que a alma deste menino torne a entrar nele.
    E o SENHOR ouviu a voz de Elias; e a alma do menino tornou a entrar nele, e reviveu.
    (1 Re 17:21-22)

    E disse-lhe Jesus: Em verdade te digo que hoje estarás comigo no Paraíso.(Luc 23:43)
    O que sairia do corpo do ladrão para estar com cristo no paraíso, ja que seu corpo estava pregado na cruz?

    Responder
  • lucas guilherme disse:

    O fato de Deus se apresentar como o Deus de Abraão, Isaac e Jacó mesmo eles estando mortos, ja prova a existencia da vida após a morte.
    “Eu sou o Deus de Abraão, o Deus de Isaque, e o Deus de Jacó? Ora, Deus não é Deus dos mortos, mas dos vivos.” (Mateus 22 : 32)

    Responder
  • Santo Gonçalves Santos disse:

    A paz do Senhor presbítero André.
    Li o seu artigo e achei por bem comentar, não para polemizar, mas, para aprimorar a discussão.
    Com respeito ao destino definido na morte não há objeção. Pois a bíblia ensina
    que após a morte o que nos espera é o juizo final.
    Porém, a respeito da consciência após a morte, entendo diferente e por isso, resolvi descrever o que penso.
    Para dar consistencia ao seu pensamento, você citou o texto da fala de Jesus ao ladrão arrependido na cruz.
    Como você mesmo sabe, a lingua grega não tem vírgulas. Assim, uma frase pode assumir mais de um sentido dependendo de onde se colaca a virgula na frase. Nesse caso o texto por você citado, pode muito bem assumir outros significado: “Em verdade em verdade te digo hoje; estará comigo no Paraíso”. Ou seja, dessa forma Jesus estaria garantindo no futuroo a salvação para o ladrão.
    Digo isso, por que outros textos bíblicos comprovam a inconsciência humana após a morte.
    O próprio livro citado por você no início para comprovar o destino selado na morte, também, fala do estado da alma após a morte.
    Em Ec 9. 8-10, o texto é muito claro e comprova que no além para onde iremos, não haverá lembrança de coisa alguma, ou seja, não haverá consciência.
    Se realmente após a morte o salvoa vai para o céu ou Paraiso, porque haveria a necessidade de ressurreição? Se os condenados já vão para o inferno e fica em tormentos, por que um julgamento final, uma vez que ele já está julgado e se queimando?
    Bom deixando de lado as indagações, passo a descrever o que entendo:
    1- A natureza da alma: A Bíblia mostra que o Senhor Deus formou o homem do pó da terra e soprou-lhes nas narinas o fôlego da vida; e o homem tpornou-se alma vivente. Gn 2.7.
    Veja que o texto é simples e direto. O ser humano possui um aspecto físico e material em sua constituição. O ser humano possui em seu organismo, vários elementos originários da terra, o que está de acordo com o livro de Gênisis.
    O texto também diz que o homem possui fôlego de vida, que representa a parte imaterial do ser, também chamado de espírito (Jó 33.4).
    Gênisis diz que este fôlego de vida ou espírito, veio em decorrência do sopro de Deus nas narinas do boneco formado de barro (o ser humano).
    A palavra fôlego é tradução da palavra hebraica “nisbemat”, que significa tanto “respiração” como “espírito”.
    Outra palavra hebraica que também usada para se referir ao “fôlego”, na bíblia é “ruah” que também têm os mesmos significados.
    Quando o fôlego de vida entrou em contato com o corpo físico do ser humano, o resultado foi: …..e o homem tornou-se alma vivente (Gn 2.7c). O fôlego d3 vida ou espírito, nada mais é do que a infusão doadora de vida (Is 42.5).
    Foi essa infusão que possibilitou o ser humano se tornar alma vivente.
    A alma no hebraico “nephesh” significa totalidade do ser. Assim, o homem não tem uma alma, mas, ele é uma alma. Veja algumas citações: (Êx 12.4; 30.15-16; Lv 17.11-12; Dt. 4.9,15; Jó 33.18; Sl 33.19; Ez 18.4).
    No N.T a palavra grega psychê para alma tem o mesmo significado.
    Portanto, quando a bíblia diz por exemplo que ….todo epírito, alma e corpo de vocês (I Ts 5.23), essas expressões equivalem a “todo ser de vocês”. As palavras alma e espírito são usadas para se referir às intenções, à vontade, ao coração, ao intelecto, à vida interior etc. Se referem ao homem como um todo: Pois como vimos: Corpo + espírito (fôlego)= alama.

    2- A finalidade da alama: Depois de formar o homem, Deus o colocou no jardim e deu-lhe esta ordem: “De todas as ávores do jardim comerás livremente, mas da árvore do conhecimento do bem e do mal não comerás, porque no dia em que dela comeres, certamente morrerás”. (Gn 2.16-17).
    Todos sabemos que adão e Eva não morreram fisicamente, logo após a desobediência. O tipo de morte que o ser humano sofre de imediato foi a morte espiritual. (A separação de Deus Is 59. 2). A morte física seria a consequencia, a punição do pecado e conforme você citou no inicio: “O salário do pecado é a morte”. (Rm 6.23).
    O mesmo Paulo escreveu dizendo que o aguilhão da morte é o pecado (I Co 15. 56). Ou seja, vários textos comprovam que com excessão daqueles que terão o privilégio de alcansar a vinda do Senhor vivos, todos enfrentarão a sepultura.
    O que é a morte? No A.T a palavra mais usada para se referir à morte é “mãweth” e a grega mais usada no N.T é “thanatos”, ambas as palavras, descrevem, o fim natural dos seres humanos. Morte é cessação da vida e da atividade na terra. Biblicamente, ocorre por ocasião da ruptura entre o pó da terra e o fôlego de vida. Ec 12.7. Na morte acontece uma cisão entre o corpo e o espírito.
    Quando corpo e espírito se separam, o ser humano deixa de ser alma vivente. A alma morre. É por isso que ele volta ao pó da terra.

    3 – O destino da alma: Como vimos, biblicamente, morte é cessação de vida (atividade humana na terra). Ou seja, morreu, acabou toda atividade humana conforme descrito em Ec 9. 8-10. Assim sendo, o indivíduo depois da morte, não é levado para um estado intermediário e nem tem consciência. (Aliás a própria consciência é resultado da fusão do fôlego de vida com a estrutura física do homem) logo sé há morte desfaz-se também a consciência.
    A bíblia diz que a sepultura é o destido imediato de todos os mortos. (Sl 28.1; 30.9; 88.4; Is 38.17; Ez 26.20; Atos 2.29).
    Na sepultura, o ser humano permanece num estado de inconsciência. (Is 38.18). É por isso que na morte, na Bíblia, é repetidamente comparada com um “sono”. (Dt 31.16; Dn 12.2; Jó 7.21; Sl 13.3; I Ts 4.13; I Co 15. 51; João 11.11; Atos 13.36).
    Assim sendo, o ser humano não tem uma alma imortal. Paulo diz em I Co 15.53 que a imortalidade será nos dada no arrebatamento da igreja. Assim sendo, não existe Paráiso após a morte e nem consciência humana. O homem simpeslmente deixa de ter vida na morte e aguarda a ressurreição por intermédio de Jesus Cristo na sua vinda.

    Responder
  • Julio disse:

    Boa Noite Presbítero André, não compartilho com a ideia de o rico e o Lázaro ser uma parábola pois na Bíblia não fala sobre uma parábola e sim a história do rico e o Lázaro.

    Responder
  • Lucas disse:

    Se corpo + espírito é igual a alma, então como explicaremos o Senhor Deus que não tem corpo mas tem alma?

    Mas o meu justo viverá da fé; e se ele recuar, a minha alma não tem prazer nele.(Hebreus 10:38)

    OBS: Diz o Senhor, que a Sua alma não tem prazer no justo que recua na fé. Então este versículo nos prova de que Deus tambem tem alma.

    A verdade que “alma vivente” não é o mesmo que a “alma do espírito”…A palavra alma significa “ser”, enquanto alma vivente siginifica “ser vivo” ou seres vivos…Por lógica todas as criaturas são seres vivos(alma vivente).

    Mas então o que seria a alma do homem/espírito?

    Mas é o espírito dentro do homem que lhe dá entendimento; o sopro do Todo-poderoso.
    (Jó 32:8)

    Este texto nos mostra claramente que o nosso espírito é a nossa conciência…Também dele procede nossas emoções:

    Então disse Maria: Minha alma engrandece ao Senhor
    e o meu espírito se alegra em Deus, meu Salvador, (Luc 1:46-47)

    Obs: É essa conciência que chamamos de alma(ser).

    Em diversas passagens do novo testamento é dito que o nosso corpo é uma casa:

    Considero importante, enquanto estiver no tabernáculo deste corpo, despertar a memória de vocês,
    porque sei que em breve deixarei este tabernáculo, como o nosso Senhor Jesus Cristo já me revelou. (2 Pe 1:13-14)

    O que é que esta no tabernáculo do corpo?R: o espírito, certo?

    Outra passagem interessessante é Paulo falando:

    Conheço um homem em Cristo que há catorze anos foi arrebatado ao terceiro céu. Se foi no corpo ou fora do corpo, não sei; Deus o sabe. (2 cor 12:2)

    O que esta no corpo ou fora do corpo?R: O espírito, certo?

    Se o homem extinguisse após a morte, não haveria “fora do corpo” correto?

    Pois bem, em eclesiaste fala do destino do corpo e do espírito após a morte, vejamos:

    o pó volte à terra, de onde veio, e o espírito volte a Deus, que o deu. (Ecle 12:7)

    Obs: O espírito voltar a Deus não é o mesmo que ir para o céu, mas é entendido que ele entra em juízo ou esta sob o julgo de Deus:

    Da mesma forma, como o homem está destinado a morrer uma só vez e depois disso enfrentar o juízo, (Heb 9:27)

    Obs: Se o homem se extinguisse na morte, não haveria o que voltar a Deus, certo?

    Pois bem Jesus nos conta a famosa história ou como alguns questionam a parabóla do homem rico e do Lázaro, que quando ambos morrem, recebem destinos diferente, vejamos:

    Chegou o dia em que o mendigo morreu, e os anjos o levaram para junto de Abraão. O rico também morreu e foi sepultado.
    No inferno, onde estava sendo atormentado, ele olhou para cima e viu Abraão de longe, com Lázaro ao seu lado.

    Obs: Se eles morreram, o que restou a ser levado ao céu ou inferno?
    R: O espírito/alma.

    A alma e espírito acabam sendo sinônimos em muitas passagens da bíblia, pelo fato deles estarem unidos:

    Pois a palavra de Deus é viva e eficaz, e mais afiada que qualquer espada de dois gumes; ela penetra até o ponto de dividir alma e espírito, juntas e medulas, e julga os pensamentos e intenções do coração.(Heb 4:12)

    Obs: embora estejam unidos não se pode dizer que são sinonimos ok.

    Que o próprio Deus da paz os santifique inteiramente. Que todo o espírito, a alma e o corpo de vocês sejam preservados irrepreensíveis na vinda de nosso Senhor Jesus Cristo. (1 Tessa 5:23)

    Algumas referencias da alma fora do corpo:

    Quando ele abriu o quinto selo, vi debaixo do altar as almas daqueles que haviam sido mortos por causa da palavra de Deus e do testemunho que deram. Eles clamavam em alta voz: “Até quando, ó Soberano, santo e verdadeiro, esperarás para julgar os habitantes da terra e vingar o nosso sangue?”
    Então cada um deles recebeu uma veste branca, e foi-lhes dito que esperassem um pouco mais, até que se completasse o número dos seus conservos e irmãos, que deveriam ser mortos como eles. (AP 6:9-11)

    Obs: Seus corpos estavam mortos, mas suas almas estavam no céu com Deus.

    Vi tronos em que se assentaram aqueles a quem havia sido dada autoridade para julgar. Vi as almas dos que foram decapitados por causa do testemunho de Jesus e da palavra de Deus… (Ap 20:4)

    Do espírito sendo entregue a Deus:

    Enquanto apedrejavam Estêvão, este orava: “Senhor Jesus, recebe o meu espírito”. (Atos 7:59)

    Jesus bradou em alta voz: “Pai, nas tuas mãos entrego o meu espírito”. Tendo dito isso, expirou. (Luc 23:46)

    Responder
  • Inacio disse:

    Bom dia a Paz do Senhor Jesus quero parabenizar o Sr André muito útil seus ensinamentos.
    A biblia indica que a pessoa dorme
    João: 11. 11. Tendo dito essas palavras, prosseguiu explicando-lhes: “Nosso amigo Lázaro dorme, mas Eu vou até lá para despertá-l A ocasiao do ladrao gera uma dubia interpretaçao, pois naquele tempo nao existia virgula Qdo Jesus encontra Maria Madalena proximo ao sepulcro, ele diz para nao toca-lo pois ele nao havia subido ao Pai
    João: 20. 17. Disse-lhe Jesus: Deixa de me tocar, porque ainda não subi ao Pai; mas vai a meus irmãos e dize-lhes que eu subo para meu Pai e vosso Pai, meu Deus e vosso Deus. Tres dias depois Ele afirma que ainda nao foi ao Pai
    Salomao tambem fala sobre o estado dos mortos
    Eclesiastes: 9. 10. Sendo assim, tudo quanto vier à mão para realizar, faze-o com o melhor das tuas forças, porquanto para o Sheol, a sepultura, para onde vais, não há atividade, trabalho, reflexão, planos, conhecimento, saber, nem nada Eclesiastes: 9. 5. Porquanto os que estão entre os vivos sabem que morrerão, mas os mortos não sabem mais nada; não haverá recompensa para eles nem mesmo lembranças restarão acerca de suas pessoas.

    Responder
  • Zina Vieira disse:

    Pastor, estou vivendo um momento muito difícil e confuso. O pai do meu filho ficou desaparecido por vários dias, quando foi encontrado já estava morto e ficou comprovado que foi cruelmente assassinado. Mesmo estando separada e não manter nenhum contato com ele, estou sofrendo muito com tudo isso. O que mais me deixa angustiada é essa duvida que tenho em relação a salvação dele, ele estava com muitos problemas psicológicos e alcoolismo, era uma pessoa “doente” que fazia mal apenas para ele mesmo. Sei quase nada sobre a Bíblia, mas acredito no amor infinito de Jesus e na salvação através Dele.
    Mesmo afastado dos caminhos do Senhor é possível que meu ex marido tenha alcançado a salvação?
    Tenho uma irmã que é evangélica e que confio muito, ela também estava angustiada com essa duvida, ela me disse que orou e pediu a Deus para aliviar o coração dela e que se meu ex marido tivesse encontrado a salvação para Ele mostrar isso pra ela. Ela me disse que no momento da oração veio uma lembrança onde meu ex marido cantava um hino de louvor e isso a confortava. As vezes fico pensando se essa lembrança é apenas coisa da cabeça dela ou se realmente Deus nos dá certas respostas? Eu ainda estou angustiada.

    Responder
    • Zina Vieira disse:

      Só completando;…e as vezes fico questionando porque Deus permitiu que ele fosse morto de forma tão cruel, acho que se ele tivesse morrido de doença eu sofreria menos.

      Responder
  • Aline Ferreira disse:

    Ola André , eu não entendi muito bem oque vc disse !
    Qdo morremos ja vamos para o lugar determinado por Deus ? Mas e o dia do julgamento ? Para q serviria ? Somos julgados assim q morremos ? O que faz nosso espirito ao irmos para o céu a bibia diz alguma coisa sobre isso ?
    Adoro seus estudos , aprendo muito com eles q Deus continue a te abençoar !

    Responder
    • Presbítero André Sanchez disse:

      Aline, a paz.

      O nosso destino é selado com a morte. O juízo final é a concretização do plano de Deus onde haverá um julgamento público e os maus serão condenados perante todos e todos confessarão o nome de Jesus. Os justos já foram justificados por Jesus.

      Responder
      • Aline Ferreira disse:

        Obrigada , pela atenção , tem algum estudo que explica o que acontece com nosso espirito assim que morremos ?

        Responder
  • Erivando Gomes disse:

    Irmão André o que Jesus quiz dizer com”Paraíso” em Lucas 23;43 e”Hades”em Lucas 16;23?

    Responder
  • Noemia Damaris Furlan Christovam disse:

    Presbítero Andre por favor me explique esse versiculo

    Irmãos, não queremos que vocês sejam ignorantes quanto aos que dormem, para que não se entristeçam como os outros que não têm esperança.

    Não li todos os comentarios, nao sei se ja respondeu sobre esse versículo, se sim me desculpe
    obrigada

    Responder

Seu comentário é muito importante! Comente! Regra 1 - Seja respeitoso - Regra 2 - Não aprovamos comentários de anônimos - Regra 3 - Não publicaremos mais comentários que não tenham a ver com o tema do artigo - Obs.: Todos os comentários são moderados antes de serem publicados.

Escolhidos Para Você