Série virtudes: Eu quero é guerra!

Postado por em: Comportamento, Mensagens, Paz, Reflexões, Série virtudes, Vida cristã Quer receber os estudos bíblicos do Presbítero André gratuitamente em seu e-mail? Vagas limitadas, não deixe para amanhã, Cadastre-se grátis (em 30 segundos) clicando aqui
Série virtudes (Por André Sanchez)

promover a paz, guerra, paz, bem“Façam todo o possível para viver em paz com todos.” (Rm 12. 18)

Provocações para destruir a paz não faltam. Hoje, no mundo violento em que vivemos, qualquer coisa, por mínima que possa ser, consegue avançar sobre a paz e destruí-la. As pessoas estão mais abertas às brigas do que a promoção da paz. Isso tem uma explicação: todas as atitudes contrárias a paz são mais confortáveis e mais fáceis para nós. É terrivelmente natural à nossa natureza de pecado buscar a guerra e não a paz.

O desafio de Deus para seus filhos é a prática da virtude de promover a paz: “Façam todo o possível para viver em paz com todos.” (Rm 12. 18 – NVI). É óbvio que num mundo dominado pelo diabo e pelo pecado não há como conseguirmos viver uma paz plena, com cem por cento das pessoas. O desafio é tornar a promoção da paz uma bandeira, uma atitude, um esforço diário em nossa vida. Jesus deu bons exemplos a respeito desse desafio. Cito apenas um para exemplificar:

Veja também:
- Teologia sem mensalidades (Comece aqui)
- Formação de Professores Para o Ministério Infantil (Comece aqui)
- Memorização Fácil da Bíblia (Comece aqui)
- Método Como Ler a Bíblia E Entendê-la Mais Facilmente (Comece aqui)
- Outros Materiais (Comece aqui)

Alguém que dá um tapa na cara de alguém deve receber o que em troca de sua violência? Certamente, nós estamos mais propensos a devolver um tapa com o dobro da força. Jesus, porém, disse: “não se vinguem dos que fazem mal a vocês. Se alguém lhe der um tapa na cara, vire o outro lado para ele bater também.” (Mt 5. 39)

Esse é apenas um dos exemplos do grau em que Deus deseja que seus discípulos vivam. Não é uma utopia, mas um viver de acordo com a vontade de Deus. Não é ser capacho das pessoas, mas saber responder as provocações com atitudes de paz. Não é ser fraco, mas forte. Quem é mais forte o que dá um tapa na cara de alguém ou o que consegue virar o outro lado e conter a sua ira raivosa?

Quem é mais forte o que grita e fala palavrões diante de uma situação contrária ou o que se recolhe ao silêncio, doma sua língua e diz palavras de bênção na presença de Deus? Quem é mais forte o que chega perante o seu próximo cheio de armas empunhadas prontas a serem usadas ou aquele que armado somente com a paz resolve seus conflitos?

Estamos acostumados a um modelo de força mundano. Um tipo de força que leva à guerra e não a paz. A força de Deus está em lugares diferentes dos que aponta o mundo. Ela está naquilo que o mundo aponta como fraqueza.

Cabe a nós cristãos domarmos o animal selvagem da nossa natureza que gosta da guerra e submetê-lo à vontade de Deus. Promova a paz sempre! Queira a paz e não a guerra! No que depender de nós façamos o possível para viver verdadeiramente a paz com as pessoas.

Mais Estudos Bíblicos (clique para ver):

Compartilhe a Bênção:


> Curso Livre Bacharel em Teologia - Sem mensalidades e 100% online (vagas abertas - clique)

Recomendado Pra Você

Tem 33 anos, ama escrever e estudar a Bíblia Sagrada. Escreve artigos aqui no Blog Esboçando Ideias há mais de 7 anos. É membro da Igreja Presbiteriana Bela Jerusalém, onde atua como presbítero, líder do louvor e professor da Escola Dominical. É o autor do Método Como Ler a Bíblia e Entendê-la Mais Facilmente e do Manual Bíblico das questões difíceis da Bíblia. O presbítero André Já escreveu mais de 1200 artigos neste blog. Contato: andre@esbocandoideias.com

Comente usando seu Facebook ou use o sistema de comentários normal no fim da página

Seu comentário é muito importante! Comente! Regra 1 - Seja respeitoso - Regra 2 - Não aprovamos comentários de anônimos - Regra 3 - Não publicaremos mais comentários que não tenham a ver com o tema do artigo - Obs.: Todos os comentários são moderados antes de serem publicados.