- Esboçando Ideias - https://www.esbocandoideias.com -

Usar métodos para evitar a gravidez é proibido pela Bíblia?

Você pergunta: irmão, eu sou casada já há dez anos. Eu e meu marido optamos por não ter mais filhos, pois já temos três. Pesquisando sobre esse assunto, a respeito do que a Bíblia diz dos métodos para evitar a gravidez, vi alguém que menciona o caso de Onã, que foi morto pelo Senhor por não querer engravidar a sua mulher, jogando o esperma no chão. O que você poderia dizer sobre essa questão? Seria pecado usar métodos contraceptivos para evitar ter filhos? Não podemos fazer esse controle familiar segundo a Bíblia?

Cara leitora, geralmente esse caso de Onã, mencionado em Gênesis 38:9, é levantado por algumas pessoas que buscam proibir que um casal use métodos para evitar a gravidez. Vamos analisar se isso realmente é verdadeiro? Se a Bíblia proíbe fazer controle familiar?

Usar métodos para evitar a gravidez é proibido pela Bíblia?

Usar métodos para evitar a gravidez é pecado?

(1) Sabemos que dentro da cultura judaica [1] os filhos são vistos como uma grande bênção. Não só significando bênçãos de Deus sobre a vida da família, mas também, maior força de trabalho para prosperar a família [2] e o próprio povo: “Como flechas na mão do guerreiro, assim os filhos da mocidade. Feliz o homem que enche deles a sua aljava; não será envergonhado, quando pleitear com os inimigos à porta” (Salmos 127:4-5).

(2) Somado a isso temos a ordem de Deus registrada em Gênesis 1:28 para o primeiro casal: “E Deus os abençoou e lhes disse: Sede fecundos, multiplicai-vos, enchei a terra e sujeitai-a; dominai sobre os peixes do mar, sobre as aves dos céus e sobre todo animal que rasteja pela terra”. Tudo isso faz algumas pessoas pensarem que um casal não poderia usar métodos para evitar uma gravidez [3], antes, deveria deixar acontecer quantas vezes acontecer. Mas será que é isso mesmo que os textos bíblicos ensinam?

(3) A ordem de Deus a Adão e Eva para se multiplicarem em nenhum momento aponta para eles saírem fazendo filhos sem qualquer planejamento familiar. Evidentemente, Adão e Eva se multiplicarem era necessário para que houvesse a raça humana. Era uma ordem óbvia de Deus ao primeiro casal, que acabara de ser criados e estavam ainda a conhecer sua sexualidade e a forma como a natureza funcionava. Essa ordem não é um mandamento para que todos os casais em todas as épocas tenham filhos obrigatoriamente e tenham quantos filhos conseguirem produzir. Antes, é uma ordem de como funcionava o curso natural das coisas.

(4) Isso porque não temos na Bíblia qualquer proibição a um casal decidir evitar ter filhos ou mesmo ter uma quantidade de filhos que os dois consigam criar de acordo com suas condições. A Bíblia não legisla sobre essa questão. Isso nos aponta para o fato de Deus dar certa liberdade aos casais, de acordo com suas possibilidades, terem ou não filhos, ou mesmo escolher a quantidade que desejam ter deles.

O caso de Onã mostra que Deus proíbe métodos que evitam a gravidez?

(5) Para entendermos o caso de Onã, precisamos compreender um costume antigo que se chamava levirato. No levirato, quando havia o falecimento do marido e este ainda não tinha filhos, cabia ao irmão dele casar com a viúva e ter filhos com ela. O filho dessa relação seria considerado filho do pai falecido, fazendo com que o nome de sua família não se apagasse. Foi exatamente o que ocorreu com Onã. A Bíblia diz que um homem chamado Er se casou com Tamar (Gênesis 38:6). Er faleceu por ser perverso diante do Senhor (Gênesis 38:7). Dessa forma, Onã, irmão de Er, foi pressionado a cumprir o levirato [10] e casar com Tamar, o que fez (Gênesis 38:8).

(6) Agora é que vem a atitude polêmica de Onã com a ex-cunhada e atual esposa: “Sabia, porém, Onã que o filho não seria tido por seu; e todas as vezes que possuía a mulher de seu irmão deixava o sêmen cair na terra, para não dar descendência a seu irmão” (Gênesis 38:9). Note que Onã não estava usando um método para evitar a gravidez em comum acordo com sua esposa, como uma forma de controle familiar, antes, ele ejaculava na terra porque não queria que o filho que nascesse tivesse o nome do irmão. Foi exatamente essa atitude que Deus condenou: “Isso, porém, que fazia, era mau perante o SENHOR, pelo que também a este fez morrer” (Gênesis 38:10). O que ele fazia que era mau perante o Senhor? Era exatamente não cumprir o levirato para com seu irmão mesmo tendo aceitado cumpri-lo, tendo relações com Tamar. Onã queria os benefícios de ter uma esposa, mas não a responsabilidade do levirato.

(7) Portanto, não temos leis na Bíblia que proíbam um casal de organizar sua família e decidir quantos filhos tem condições de ter. Aliás, o maior pecado em minha opinião é colocar filhos no mundo e não ter como cuidar deles, deixá-los abandonados, sem bases para serem crianças saudáveis e abençoadas.