- Esboçando Ideias - https://www.esbocandoideias.com -

Deus atende as orações de uma pessoa que está vivendo em pecado?

Você Pergunta: Eu estou vivendo em uma situação de pecado em minha vida há muito tempo. Sou cristão, mas também gosto desse pecado, por isso, não o deixei até hoje mesmo sabendo que é pecado. Minha pergunta é: Deus não ouve as minhas orações por eu estar vivendo no pecado ou ele me ouve da mesma forma?

Caro leitor, eu fico realmente espantado com a sua tranquilidade em afirmar que vive em pecado mesmo sabendo que é pecado. Gostar do pecado faz parte da nossa natureza pecaminosa, mas resistir a ele faz parte da natureza da nova criatura, como nos ensina a Palavra de Deus: “nem ofereçais cada um os membros do seu corpo ao pecado, como instrumentos de iniquidade; mas oferecei-vos a Deus, como ressurretos dentre os mortos, e os vossos membros, a Deus, como instrumentos de justiça” (Romanos 6:13). Por isso, antes de responder a sua pergunta, te aconselho a rever sua vida com Deus, pois algo está errado. Sobre Deus ouvir ou não a oração de quem está em pecado, vejamos o que a Bíblia nos ensina:

Deus atende as orações de uma pessoa que está vivendo em pecado? [1]

Deus ouve as orações de quem está em pecado?

(1) Sabemos que o pecado é uma ofensa a Deus e uma quebra de aliança com Ele. Por isso, o pecado sempre nos trará muitos males, ainda mais se vivermos na prática dele conscientemente. A Bíblia nos afirma que viver na prática do pecado cria separação entre nós e Deus: “Mas as vossas iniquidades fazem separação entre vós e o vosso Deus; e os vossos pecados encobrem o seu rosto de vós, para que vos não ouça” (Isaías 59:2). Essa separação impede que Deus nos ouça, ou seja, as nossas orações não chegam aos ouvidos de Deus de uma forma que possam ser atendidas e consideradas por Ele.

(2) A Bíblia nos mostra pelo menos quatro situações em que as nossas orações não são ouvidas por Deus:

– Quando temos pecados não confessados (Isaías 59:2).

– Quando não perdoamos as ofensas das outras pessoas contra nós: “E, quando estiverdes orando, se tendes alguma coisa contra alguém, perdoai, para que vosso Pai celestial vos perdoe as vossas ofensas” (Marcos 11. 25)”.

– Quando somos negligentes com os relacionamentos familiares: “Maridos, vós, igualmente, vivei a vida comum do lar, com discernimento; e, tendo consideração para com a vossa mulher como parte mais frágil, tratai-a com dignidade, porque sois, juntamente, herdeiros da mesma graça de vida, para que não se interrompam as vossas orações” (1 Pedro 3. 7).

– Quando cultivamos a hipocrisia religiosa: “De que me serve a mim a multidão de vossos sacrifícios? — diz o SENHOR. Estou farto dos holocaustos de carneiros e da gordura de animais cevados e não me agrado do sangue de novilhos, nem de cordeiros, nem de bodes. Quando vindes para comparecer perante mim, quem vos requereu o só pisardes os meus átrios? Não continueis a trazer ofertas vãs; o incenso é para mim abominação, e também as Festas da Lua Nova, os sábados, e a convocação das congregações; não posso suportar iniquidade associada ao ajuntamento solene (…) Pelo que, quando estendeis as mãos, escondo de vós os olhos; sim, quando multiplicais as vossas orações, não as ouço, porque as vossas mãos estão cheias de sangue” (Isaías 1. 11-13, 15).

(3) Assim, podemos concluir que alguém que vive no pecado conscientemente está prejudicado em suas orações. É preciso haver arrependimento para que Deus possa remover todas as barreiras e voltar a ouvir com bom grado as orações feitas por essa pessoa.